Estamos testando algumas plataformas de anuncios, caso notem links suspeitos e direcionando forçadamente para páginas indesejadas nos avise através do formulário de contato.

Reformation of the Deadbeat Noble – Capítulo 156

Batalha (3)

Quem eram os 10 melhores espadachins do continente?

Desde os tempos antigos, essa pergunta tem sido usada como uma maneira de perguntar quais são os 10 seres mais fortes do continente.

Na verdade, não havia muita diferença na pergunta.

Um feiticeiro cuja força é difícil de ver objetivamente e um mago que leva muito tempo para usar suas habilidades não foram capazes de ser chamado de a palavra “mais forte”.

No entanto, após o nome do Líder de Durkali, o Orc Karakum ter se espalhado pelo continente, a pergunta mudou.

Alguém que subiu ao nível de Mestre com um machado e não uma espada.

E o apoio dos espíritos incríveis.

Ele era um guerreiro, não um espadachim.

E era forte o suficiente para ser um dos dez.

“…”

“…”

No surgimento de uma existência tão grandiosa, os comerciantes não disseram nada.

Não eram só eles; os bandidos, que não perderam a compostura mesmo quando perderam dois de seus homens, agora pareciam assustados.

Naquele momento, o chefe dos bandidos orcs, que estava caído, se levantou e correu.

“Ackkkkk!”

Bang! Bang!

Graças às artes do sangue, suas pernas cresceram mais de 1,5 vezes o tamanho normal e fizeram um som estrondoso.

Ele arrancou o braço esmagado e pegou a arma, que estava nas costas dele.

Uma espada longa, ainda maior do que seu próprio corpo gigantesco.

No entanto, Karakum não ficou perturbado com essa visão. Ele, que estava observando o oponente, ergueu o machado.

Wooong!

Uma aura cinza, quase negra, se formou.

Enquanto isso, o chefe dos bandidos que fechou a distância balançou horizontalmente sua espada longa.

Um ataque implacável usando toda a cintura combinada com a inércia!

No entanto, nenhum dos ataques atingiu Karakum.

Ahhhh!

E como se uma pedra de uma catapulta tivesse sido jogada,

O chefe dos bandidos orcs estava totalmente infeliz quando foi jogado no chão.

E com ele, uma enorme cratera foi criada no meio da terra.

Como se ele tivesse sido atingido com um taco em vez de um machado, seu corpo foi esmagado junto com a espada larga.

Vendo seu chefe na forma de um verme pisoteado, o bando de orcs começou a fugir em todas as direções.

“eorhdghkddlek!”

“dmdkdkdkdkdkdk!”

Grab!

Wheik!

Karakum, que recuperou o machado enquanto caminhava até ele sem se importar, sacudiu o sangue.

No entanto, durante todo o movimento, ele olhou para alguém que não era os orcs.

Não era outro senão Kuvar, o orc adivinho.

Vendo o pai que encontrou pela primeira vez em 17 anos, seu filho, que agora era um homem de meia-idade, cumprimentou-o em linguagem orc:

“Já faz um tempo, pai.”

“… Vá.”

Karakum não mostrou nenhum sinal de ternura. Assim como a frieza do machado que ele estava segurando, ele acrescentou.

“Essa é a última misericórdia que posso mostrar a você como pai. Saia e nunca mais coloque os pés nesta terra.”

Palavras sinceras.

Embora seu filho mais velho tenha deixado a tribo há 17 anos, deixando apenas uma carta, ele nunca o esqueceu.

Ele estava cheio de ressentimento e sofrimento, mas os sentimentos de tristeza e saudade eram maiores.

No entanto, depois de muita deliberação, ele chegou a essa conclusão…

‘Graças à escolha de Kuvar, as piores situações foram resolvidas sem problemas.’

E para que continue assim.

Kuvar nunca mais deve voltar.

Seu filho há muito perdido, a quem ele ainda amava, estava bem na frente dele, mas ele não podia demonstrar isso.

Ele tinha que ser mais frio e mais forte para expulsá-lo.

Pensando nisso, o rosto de Karakum ficou rígido novamente.

E foi nesse momento que ele ameaçou seu filho novamente.

“Não posso fazer isso.”

Kuvar falou mais rápido.

Sua voz tremia quando havia muitas emoções correndo dentro dele, mas seus olhos não vacilaram.

Ele respirou fundo e continuou.

“Eu ainda não sei se fiz a escolha certa naquela hora ou não. Sempre que ouvia que Durkali estava bem, achava que me saía bem, mas também me sentia mal pensando que talvez houvesse uma opção melhor. Tive pensamentos conflitantes sem fim. Então eu percebi.”

“…”

“Antes de decidir o que era certo ou errado, meu coração se arrependeu da escolha que fiz.”

“Kuva…”

“Eu quero falar com o papai e Tarakan.”

Kuvar interrompeu seu pai novamente.

A raiva nos olhos de seu pai cresceu.

Só que ele entendeu.

As emoções escondidas dentro dele eram mais complexas.

Kuvar prendeu a respiração e depois olhou diretamente para o pai.

“Eu não vou fugir porque é difícil, ou mesmo se eu estiver com medo. Mesmo que seja tarde, eu vou ser ganancioso dessa vez. Encontrarei um jeito de não machucar nem meu pai, nem meu irmão mais novo, nem eu ou ninguém da tribo. Não, eu quero descobrir junto.”

“…”

“E é por isso que eu vim até você, pai.”

“… Com um corpo tão fraco, você consegue fazer o que disse?”

Wheik!

A energia ao redor de Karakum cresceu.

Esse não era o seu melhor.

Mas tudo o que ele estava tentando fazer era pressionar seu filho, que não havia aprendido nada de luta.

Como esperado, Kuvar parecia não conseguir lidar com isso e começou a recuar.

Não adiantava suportar. Mesmo enquanto ele lutava para ficar parado, o sangue já escorria por seus lábios, e Karakum não mostrou sinais de reduzir a energia.

Naquele momento, um humano estava na frente de Kuvar.

Wheik!

O espadachim humano usou sua energia para compensar a energia de Karakum.

Havia sangue por todo o corpo do espadachim como se ele tivesse acabado de matar os bandidos. O rosto pálido parecia estar um pouco chocado com o que havia acontecido.

No entanto, os olhos do humano… os olhos eram fortes.

E vendo isso, na linguagem comum do continente, Karakum falou.

“Essa é uma questão da tribo, uma questão entre sangue e sangue. Isso não é para outra pessoa intervir.”

“Essa é uma questão do meu professor, bem como uma questão do meu amigo. Não é da conta de outra pessoa.”

“…”

Karakum olhou para o filho.

Kuvar sorriu, olhando para o pai, que queria uma explicação.

“Mesmo que você olhe para mim com esses olhos, eu não posso fazer nada.”

“…”

“Para que o covarde fosse um pouco corajoso, ele decidiu obter a ajuda de seu amigo, mesmo que fosse um pouco descarado.”

* * *

“Haah, haah, haah…”

Um corte, outro e mais um.

E assim, seis vidas foram cortadas.

Airen Pareira, que se lembrava disso, abaixou a cabeça e ficou enjoado. E logo, ele vomitou.

Ele se lembrou da conversa que teve com Bratt.

‘Airen! Siga eles! Eles precisam ser mortos!’

‘Quê?’

‘Pra não suportar o fardo de matá-los, se você deixar eles fugirem pra ficar confortável com a sua mente, muito mais pessoas sofrerão!’

‘É seu dever como aprendiz de Krono derramar sangue pelos bons e fracos e suportar o peso de suas ações. Agora não pense nisso e comece a se mexer!’

E ele estava certo.

No entanto, só porque estava certo, isso não significava que era fácil de fazer.

Airen fechou os olhos firmemente no meio das planícies cheias de gritos e confrontos de armas.

Para não deixar seu coração tremer.

Em vez disso, era certo dizer que seu coração estava pesado.

O peso de cada vida que ele tirou parecia pesar em seus ombros. Mesmo que eles fossem maus, ainda era uma vida.

“Haah, haah.”

Airen rapidamente limpou sua respiração.

Ele estava bem, pois havia se preparado para esse momento por um longo tempo. E foi provavelmente por isso que a sua velocidade de recuperação foi mais rápida do que o esperado.

Sentindo seu coração se acalmar, Airen tomou uma nova decisão.

Para ser mais forte e mais resistente.

Em vez de fugir desse peso, ele se tornaria uma pessoa que poderia suportá-lo e seguir em frente.

Depois de pensar nisso, ele se sentiu à vontade.

Ele finalmente abriu os olhos e olhou para frente.

“wnrjfk!”

“gks shaeh tkffuenkwlakfk!”

“Rmdkdkdkdkdk-!”

Alguns soldados orcs, que vieram mais tarde, estavam lidando com os bandidos restantes.

Talvez uma unidade deixada por Karakum.

No meio, ele podia ver os mercenários, bem como Bratt, Ilya e Judith, todos seguros. Parecia que seria uma vitória completa para eles.

Mas ele sabia que este não era o fim.

Percebendo que não tinha tempo a perder, Airen rapidamente voltou para onde viu Karakum e Kuvar.

Não foi uma reunião de família como ele pensava.

Um frio cruel desceu pela espinha do jovem nobre.

Airen sentiu isso e imediatamente se moveu para impedir Kuvar, e então respondeu corajosamente às palavras de Karakum:

“Essa é uma questão do meu professor, bem como uma questão do meu amigo. Não é da conta de outra pessoa.”

“…”

“Pra que o covarde fosse um pouco corajoso, ele decidiu obter a ajuda de seu amigo, mesmo que fosse um pouco descarado.”

“…”

“Ele é um filho que veio até nós pedindo ajuda pra tentar ser corajoso. Não seja tão insensível, por que não tem uma conversa primeiro?”

Um espadachim humano estava na frente dele dizendo coisas que ele não deveria.

Ouvir o filho dele?

Depois de ouvir as palavras do espadachim humano, Karakum olhou para a espada do oponente.

Ele ficou em choque.

Ele não tinha certeza do que a arma era feita, mas sentiu grande energia dela.

Na medida em que ele até pensou que era muito maior do que a energia de seu machado, que foi feita extraindo os poderes de todos os cinco espíritos.

‘… Em particular, os elementos de metal e chama podem ser fortemente sentidos.’

Era natural ver isso, já que a maioria das armas eram metais feitos com fogo, mas essa espada parecia ser a epítome disso.

E a espada não era a única coisa grandiosa.

A espada era certamente grande, mas a habilidade do espadachim também não parecia ser ruim.

Uma espada que não combina com a pessoa que a empunha não era nada menos que veneno em suas mãos.

E vendo como esse homem estava completamente bem segurando aquela espada incrível, as habilidades desse espadachim certamente seriam ótimas também.

Mesmo que a energia vindo do cara estivesse bem, ainda estava crescendo.

Ele tinha que ser um mestre.

Karakum, que pensava isso, murmurou para si mesmo.

‘Acho que meu filho tem alguém forte pra se apoiar agora.’

Foi pouco, mas seus lábios se ergueram.

No entanto, o jovem não poderia ser seu oponente.

O status de Mestre era grande, mas ele ainda era mais forte do que o jovem; afinal, ele era uma das pessoas mais fortes do continente.

Além disso, o espadachim humano parecia não ter experiência.

Seu rosto pálido era prova disso. Uma aparência típica de uma pessoa não familiarizada com a morte.

Wheik!

A energia intensa subiu de Karakum.

Airen deu um passo para trás.

Ele estava sendo pressionado. Era uma energia que poderia sobrecarregar a todos.

Mantendo a saída de energia, disse Karakum.

“Você está pronto para suportar o fardo pelo seu amigo?”

“…”

“Eu perguntei se você tem confiança para lidar comigo, o orc guerreiro mais forte.”

Wheik!

Dudududud…

Não era apenas a aura que estava pressionando Airen agora.

O chão ao redor de Karakum começou a tremer, como se cem touros estivessem correndo nas planícies.

A vibração não parou por aí e continuou a se espalhar para o lugar onde Airen estava.

Seu corpo, que era muito pequeno em comparação com Karakum, tremia.

Mas, assim como antes, o coração de Airen não iria vacilar.

E ele disse.

“Não é uma questão de saber se eu posso lidar com isso ou não.”

“…”

“Não é uma questão de poder ou não. Eu preciso. Pelo bem do meu professor e amigo, Kuvar.”

Wooong!

Airen Pareira sacou sua espada de Aura.

Assim como quando ele lutou contra a Mestre da Espada Ilya Lindsay.

Vendo-o pronto com os olhos fixos e o coração forte, os olhos de Karakum se arregalaram.

Comentários

  1. Nicolas disse:

    Muito brabo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar