SSS-Class Suicide Hunter – Capítulo 148

Capítulo 148

A Grande Biblioteca de Todas as Coisas.

As sombras das estantes de livros se sobrepunham, criando uma rede complicada.

“Eu não sei.”

A voz do Assassino de Constelações vagou por essa rede.

“É difícil. Eu não consigo imaginar. Eu matei tantos? Você diz que tal grande número de pessoas morreram por minha causa. É impossível assumir a responsabilidade pela morte de uma pessoa, mas pelas pessoas de vários mundos…”

O Assassino de Constelações retirou um diário com mãos atrapalhadas.

Talvez fosse um traço que Kim Yul havia deixado. O Assassino de Constelações mantinha um diário mesmo quando ele perdeu a memória.

“A Deusa Guardiã, Velho Escondido no Fundo, Seguidor do Olho Cego.”

Eram constelações que ele havia matado.

O Assassino de Constelações quietamente recitou os nomes riscados com tinta vermelha.

“A Grande Cobra Nascida Dentro Dos Sete Sons, A Cegonha que escreve Serenatas para o Cosmos, A Bruxa Que Morre no Frio da Manhã, o Leão que sonha com a Destruição Infinita, Flor do Veneno do Cadáver, A Lua que Engole o Fim do Mês, o Dragão Amarelo do Lago da Dinastia…”

Os nomes continuaram. Não havia sinal de um fim.

Depois de falar centenas de nomes um por um, o Assassino de Constelações lentamente ollhou para mim.

“…Eu não sei. Eu não tenho como saber. Mas quando eu entrei no corpo de Kim Yul, eu senti sua frustração com o mundo, e quando eu cuspi xingamentos, eu me senti da mesma maneira que Kim Yul. Eu concordei com ele. Kim Yul queria vingança contra aqueles que haviam assediado ele.”

O Assassino de Constelações ficou em silêncio por um momento.

“É isso?” Ele murmurou.

“Eu, também, devo receber a vingança dos mundos.”

Snap.

O Assassino de Constelações fechou o diário.

“O fim de minha vida não seria uma recompensa suficiente. Agonia eterna. Esses mundos só poderiam desejar o meu sofrimento eterno. Mas mero sofrimento não tem significado… Que tipo de sofrimento eu devo suportar para me desculpar com aqueles que já morreram?”

Eu acenei.

“Bibliotecário.”

Como se ele estivesse esperando pela minha chamada, o Bibliotecário de Esquina apareceu com sua cabeça por detrás de uma estante de livros. Suas bochechas estavam vermelhas.

“Bem-vindo de volta! Diferente dos Apocalipses anteriores, eu e todos os outros fomos incapazes de ver a história diretamente. Eu apenas li apressadamente a nova história secundária registrada de [O Conto da Cidade em Ascensão]. Uh-huh, de fato, é…”

“É o suficiente. Venha aqui.”

“Rei da Morte, você tem ficado mais duro comigo todos os dias…”

O Bibliotecário debilmente voou.

“Aí. Eu vim. O que você gostaria que eu fizesse? Se você quiser, eu posso—”

“Por favor, entregue [A Epopeia de Lefanta Aegim].”

“Ahh… Eu sei o que eu estava falando, mas você sabia? Os livros que eu possuo são todos minhas relíquias sagradas. Dos números seres no mundo, apenas eu posso nesse mundo amplo, só eu posso criá-los. É difícil se você me diz para entregar tais preciosos livros como se eles fossem um pedaço de fruta… Mas é claro que eu vou te dar.”

O Bibliotecário me entregou o livro.

“Assassino de Constelações.”

“Sim.”

“Sua história está nesse livro. Como você caiu em um novo mundo, como você conheceu a Deusa Guardiã, e até como você se tornou Lefanta Aegim e o Assassino de Constelações. Sua vida inteira está gravada aqui.”

“……”

“Você pode ter pedido suas memórias, mas elas não estão perdidas para sempre. Você pode tê-las de volta.”

O Bibliotecário ficou silencioso. O Assassino de Constelações olhou sem palavras para [A Epopeia de Lefanta Aegim]. O Bibliotecário exalou suavemente e encarou nós dois.

Ele tinha entendido rápido o que eu queria dizer.

O Assassino de Constelações não.

“Quando você diz [de novo].”

“Sim. Do mesmo jeito que nós tivemos um vislumbre do passado de Kim Yul.”

“… Do começo?”

“… Do começo.”

“Você está dizendo que eu deveria rever minha vida, minhas centenas de anos de vida, do começo de novo.”

“O que você fez, o que você pensou, os mundos que você

“……”

“Lembrar-se é o primeiro passo para tudo. ‘Não se esqueça.’ Kim Yul parou sua vida nessas palavras. Você tem que renunciar a sua vida também.”

Quietude.

“Eu entendo.”

Quietude.

“Eu jugo que suas palavras estão certas.”

E silêncio.

“…….”

O Assassino de Constelações aceitou [A Epopeia de Lefanta Aegim] de mim. Para recebê-la, o Assassino de Constelações tinha que guardar seu diário novamente. Invés do diário que era composto por seus dias desiguais, ele segurou o registro de sua vida do começo ao fim em suas mãos.

“De fato,” disse o Assassino de Constelações, segurando o livro. “Apenas repetir sua vida faz do mundo o inferno. Cada pessoa suporta um tipo de inferno?”

O Assassino de Constelações virou sua cabeça para o professor que estava sentado.

“Presidente de Classe.”

O diretor não respondeu imediatamente quando ele foi chamado de ‘Presidente de Classe.’ Ele não podia. Seu silêncio continha uma lacuna que abrangia décadas.

“Sim, Kim Yul-ssi.”

O Assassino de Constelações, também, não respondeu imediatamente quando ele foi chamado de ‘Kim Yul.’ Ele não podia. Seu silêncio continha uma lacuna que abrangia séculos.

As décadas que uma pessoa aguentou e os séculos que outra pessoa jogou fora se acomodaram no ar quieto da biblioteca.

“Kim Yul pensou que ele queria te perdoar, e eu penso o mesmo que ele,” disse o Assassino de Constelações. “Eu quero que você aceite o perdão.”

O diretor fechou seus lábios.

O diretor fechou seus olhos. Mas isso era uma constatação certeira? Mais provável que não. O diretor não estava no controle de seu corpo. No lugar de fechar seus lábios, seus lábios estavam fechados, e invés de fechar seus olhos, seus olhos estavam fechados.

“……, …….”

Um som de dor, quase como uma respiração, saiu dos lábios do diretor. ‘Obrigado.’ O diretor podia dizer isso. ‘Me desculpe.’ Isso era o que provavelmente o diretor queria dizer. Mas o diretor conteve todas as palavras. O que ele não podia conter escapou como um grunhido.

“……Eu…….”

O grunhido não era feito de palavras mas de fragmentos quebrados.

Mas, de alguma maneira, eu podia compreender o cenário que os fragmentos queriam compor.

“Se eu, um pouco….. mais…….”

Se eu tivesse vivido melhor.

Se eu tivesse mais poder.

Se eu fosse mais inteligente quando eu era jovem.

“…….”

Naquele momento, eu percebi algo.

Um tremor balançou meu corpo como um relâmpago. A boca do diretor fortemente fechada, seus olhos fechados, as costas de suas mãos que apertavam o chão. Sua pele envelhecida. O tremor em seus braços. Vendo toda sua forma curvada, eu percebi algo.

‘Ah.”

O diretor estava gritando.

‘O que eu tenho que provar.’

Nesse mundo, havia pessoas que estavam gritando.

‘O que eu quero provar.’

Animais misturados com humanos neste mundo, e entre eles estavam pessoas gritando sozinhas, como ilhas, e de alguma maneira o grito entrou nos meus olhos e a visão entrou nos meus olhos.

Eu queria ser a prova dos gritos.

‘Há uma pessoa aqui.’

Meus céus infernais.

‘Uma pessoa está vivendo aqui.’

Qualquer um que aprendeu a Arte Demoníaca dos Céus Infernais, qualquer cultista que pregava a Doutrina das Sombras, certamente, sem dúvidas, deve ter sentido as emoções que eu senti agora.

Isso era raiva. Tristeza. Vendo a fome, a sede, as nove seções da vida e os nove tipos de morte, eles devem ter sentido que [isso não pode passar despercebido] — que alguém tinha que testemunhar.

“…….”

Eu queria provar isso.

Eu queria que todos soubessem.

Eu queria gravar que alguém estava lá, que tinha existido, e que carregava uma cicatriz que nada no mundo poderia apagar.

‘Não se esqueça.’

Eu queria expressar a forma do diretor nos meus céus infernais.

Isso não era tudo.

A dança das crianças dentro de uma mansão em chamas enquanto elas sorriam pra mim. A voz de Petra chorando para os céus enquanto ela segurava os corpos de uma mãe e um bebê no meio de uma cidade. A figura de minha mestre conforme ela brandia sua espada no campo nevado que ela recebeu o nome. Raviel. Raviel —

‘Eu não posso me permitir esquecer.’

A primeira forma da Arte Demoníaca dos Céus Infernais carregava a fome dentro dela.

‘Agora, eu devo embutir meus céus infernais.’

Primeiro, a dança das crianças.

Segundo, o grito de Petra.

Terceiro, a espada da Mestre.

Quarto, o sacrifício de Raviel.

Quinto, o silêncio do diretor.

‘Eu quero carregá-los.’

Mas eu poderia fazer isso? Eu?

Era difícil o suficiente carregar a fome. Eu poderia carregar a vida de uma pess— não, eu poderia carregar a vida de muitas pessoas?

‘Mesmo se eu tivesse que devotar minha vida para isso.’

Eu estava determinado.

O significado surgiu em minha vida.

‘Vamos provar que uma pessoa viveu aqui. Vamos provar que uma pessoa morreu aqui. Eu vou ser a prova de como elas viveram e de como morreram. Eu vou capturar os choros das bestas e os gritos das pessoas. Se elas sorriram, eu vou capturar as vibrações de seus sorrisos também.’

Entretanto.

‘Não ainda.’

Eu ainda tinha algo para resolver aqui. Muitas coisas. Meu nível não era suficiente para refazer as formas da Arte Demoníaca dos Céus Infernais do começo — isto era um feito que requeria um esforço tremendo para potencialmente alcançar.

‘…Isso mesmo. Não vamos nos apressar. Por agora, eu deveria fazer o que eu posso.’

Eu virei minha cabeça.

Desse jeito, eu olhei para o nosso voyeur.

“Bibliotecário. Não, Hamustra.”

Os ombros do Bibliotecário tremeram. O Bibliotecário, que esteve assistindo o Assassino de Constelações e o diretor enquanto respirava com dificuldade, se contorceu.

“M-meu nome real? Pelo amor! Por favor, me chame pelo meu título.”

“Por favor, faça com que o ASsassino de Constelações consiga ler [A Epopeia de Lefanta Aegim] quando ele quiser. Não precisa ser sobre conquistar um estágio. Apenas permita que ele veja o mundo como você.”

“Ah. Ahem. Mm.”

O Bibliotecário bufou e caiu em pensamento profundo.

“Para fazer isso, eu devo compartilhar minha autoridade… Eu teria que fazer dele um apóstolo. Hmm. Algumas Constelações fazem produção em massa de Apóstolos sem escrúpulo algum, mas eu… Ter Apóstolos é um pouco esquisito… Deveria dizer, não é meu estilo…?”

Não havia maneira que ele, cujo epíteto era [Bibliotecário de Esquina], pudesse fazer um amigo ou subordinado. Ele apenas dava ordens por aí em servos como as empregadas de marcadores.

“Você odeia isso?”

“Não é que eu odeie…”

“Ele pode ter sido formado pela Reencarnação dos Cem Fantasmas, mas o outro Assassino de Constelações é apenas um boneco feito com a habilidade [Desfile do Titereiro]. Há uma diferença?”

“Ahem, mm. Não há diferença, mas…”

“Por favor, faça uma escolha.”

“Quando você diz escolha…?”

“Até agora, você tem amado a história do Assassino de Constelações. Mas, colocando as coisas do seu jeito, o caminho do Assassino de Constelações de agora está em um ponto de virada. Duas rotas emergiram.”

“Um ponto de virada.”

“Sim.”

Eu encontrei os olhos do Bibliotecário.

“Rota 1. Nessa rota, o Assassino de Constelações nunca me encontrou. Ele não tem memórias de me encontrar. Ele sai para caçar Constelações toda vez que ele tem um valor guardado de uma semana de memórias.”

A rota do fantoche.

Era a rota que o Assassino de Constelações seguia o [Desfile do Titereiro] para sempre.

“Rota 2.”

Então, havia este lugar onde eu e o Assassino de Constelações nos encontramos.

“O Assassino de Constelações agora sabe de Kim Yul. Ele se lembra, e ele vai refazer a vida de Lefanta Aegim começando pelos dias de Kim Yul.”

Seria difícil.

“Ele vai possuir seu corpo dentro do livro e traçar o mesmo caminho que ele caminhou por centenas de anos.”

Seria doloroso.

“Nessa rota, tanto eu quanto o diretor estaremos presentes. Ele não tem que absorver toda a sua vida de uma vez. Lentamente. Apenas o que ele consegue digerir, uma mordida de cada vez. Descansar no caminho também está certo.”

Mas aquela era a vida do Assassino de Constelações.

E um dia, se tornaria a vida de Kim Yul.

“Escolha o caminho do Assassino de Constelações que você deseja.”

“……”

O Bibliotecário olhou para o Assassino de Constelações.

O silêncio da Constelação não durou muito.

“Assassino de Constelações. E criador do Rei da Morte.”

Sorrindo amplamente, o Bibliotecário abriu seus braços em direção ao Assassino de Constelações e ao diretor.

Neste dia, o epílogo de alguém chegou a um fim.

“Vocês gostariam de trabalhar como bibliotecários?”

E o prólogo de alguém começou.

~~~

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar