SSS-Class Suicide Hunter – Capítulo 186

A chama (1)

— Nasci em uma vila pacata do interior. — disse o hobgoblin de um braço só chamado Yumar — enquanto crescia, não havia muito o que fazer por lá, além de passar tempo com outros jovens da minha idade. Às vezes, ficávamos observando se algum tigre iria descer da montanha, ou coletávamos pedágio dos mercantes que atravessavam o lugar… nossa vila era tão pobre quanto a casca de uma árvore seca. — Yumar coçou a testa. — Já matou alguém alguma vez?

“Matei.”

— Certo. Você deve ter passado por muita coisa.

O ator armado concordou com a cabeça. Ele nem parecia tão surpreso com aquilo.

— Quando foi a primeira vez que derramou sangue? Foi em um campo de batalha ou…

“Foi em um campo de caça. Eu o matei com um ataque surpresa.”

— Ah, essa não é bem uma conquista de um guerreiro. — Yumar levantou uma das sobrancelhas, rindo mesmo depois de ter admitido o assassinato no meio da história.

Se alguma pessoa começa a rir enquanto você fala de assassinato, provavelmente, ela está rindo de si mesma. Em primeiro lugar, por ter trazido o assunto para a conversa e, depois, pela sua confissão, enquanto secretamente espera que você se junte ao ridículo e ria também.

“É. Está certo, eu não era um guerreiro.” essa era a questão principal. Ainda sem mudar minha expressão, perguntei “E você, sênior?”

—……. — A risada desapareceu completamente da sua voz. — Me pergunto quantos anos já se passaram? Acho que 13 anos. Foram o chefe da nossa vila e outro goblin. No começo, pensamos que ele estava saindo para se encontrar com amigos, mas as visitas eram muito frequentes. Então, sete meses depois, o chefe retornou bastante confiante.

<Abri um negócio para a nossa vila, seus idiotas.>

O tal negócio que ele estava aprendendo de outro vilarejo era a produção de drogas.

— Primeiro, ele juntou os moradores. O primeiro grupo tinha seis pessoas. Havia muitos jovens sem responsabilidades como eu na vila. Hm, a droga se chamava ‘Flor Prateada’, se elfos comessem dela, morreriam em instantes, mas se usada como matéria-prima, era só extrair a essência e transformar numa pílula…

“Você não foi apenas um traficante, mas também era um dos chefes da organização, não é, sênior?”

— …. — O goblin de um só braço ficou calado. — Como você soube?

“Começamos a conversar há pouco tempo, mas descobri desde o princípio. O sênior é inteligente, tem uma ótima memória. Lembrou dos acontecimentos de 13 anos atrás, e disse o tempo preciso que o chefe da vila passou bisbilhotando por aí, não foi? Você é bom com números.”

Enchi com o chá a xícara dele. Graças às aulas com Raviel, fui capaz de melhorar bastante minhas habilidades de realizar a cerimônia do chá. Entretanto, é uma pena que na companhia de teatro só tenha folhas de chá baratas.

“Até sabe como fazer as drogas, lembra de todos os movimentos do chefe, com detalhes que membros normais da organização não saberiam. Sendo assim, devia ser no mínimo um líder ou um vice, mas tenho certeza que era alguém importante lá dentro.”

— …você é bastante assertivo. — sorriu amargamente enquanto pegava sua xícara e tomava um gole, olhando surpreso para o copo depois disso. —

Shibal, como isso pode ser tão delicioso?

“Obrigado pelo elogio. Então, quem foi você de verdade?”

— Bem… você estava certo. Fui o líder da organização dentro do vilarejo, porque tinha o talento para juntar pessoas e as manter na linha. Tive muita sorte.

Não foi apenas sorte, ele era um gênio. Os ‘negócios’ que ele estava envolvido cresceram rapidamente.

— Me disseram que eu nasci com boa sorte.

Ele juntou os jovens da vila, formou uma milícia, e devorou as vilas vizinhas para desenvolver a própria organização. Yumar, como o chefe, supervisionava todo o processo de criação das drogas para garantir a qualidade do produto. Por conta disso, as suas drogas ganharam fama, por causa da alta qualidade, se espalhando como uma cachoeira nos portos élficos.

O ‘suco dos céus’ e até o ‘pó dos Estudiosos’, cada um dos produtos dele se tornou um sucesso. E, mesmo não sendo muito talentoso com o controle da aura, Yumar teve 100 subordinados. Seus homens o chamavam de “guerreiro entre guerreiros”.

Quando a quantidade de homens sob seu comando atingiu a casa dos 500, Yumar teve um pensamento.

— Subitamente, senti que as coisas ficariam complicadas se continuasse naquele caminho. — aquele era seu instinto falando. — O Conselho do Rio de Fogo era generoso. Estava tudo bem contanto que não vendêssemos drogas para outros goblins. Não ligavam para a escória que traficava para os elfos ricos. Porém, quando quem fazia isso era um grupo de 100 a 500 pessoas, a história era diferente.

Embora a organização de Yumar fosse forte, ela não era tão forte para encarar a todos de frente.

— Não tinha provas ou suspeitas, mas tinha esse… sentimento. Tinha que ser já! Porque se não parássemos logo, todos iriamos morrer juntos.

Yumar juntou os amigos e disse que o negócio seria fechado. Seus amigos de infância, que outrora costumavam coletar pedágio juntos, agora haviam se tornado executivos na organização, e o ego deles havia crescido.

— Na minha frente, aqueles porcos balançaram a cabeça obedientes e concordaram comigo.

“E depois te traíram?”

— Porra. Naquele mesmo dia, um grupo me amarrou e me ameaçou para que eu lhes entregasse a fórmula da droga. Pegaram as facas que eu tinha dado, e as colocaram contra meu pescoço. Esses filhos da puta.

Eventualmente, Yumar acabou confessando. Ele até jurou que não iria atrás de vingança ou fazer parte do mesmo tipo de negócio novamente. Seus amigos de infância aceitaram seu juramento, mas…

— Eles arrancaram um dos meus braços. — E em troca, pouparam a vida dele. Foi assim que o antigo chefe da organização se tornou o ‘Yumar de um só braço’. — No começo, não me juntei ao teatro, porque gostava de atuar. Eu estava largado nas ruas, e o proprietário disse que se sentia mal por mim e me convidou a se juntar a ele. Já se passaram 10 anos desde que isso aconteceu. Agora tudo ficou no passado, e bem, acabei pegando gosto por atuar.

“E o que aconteceu com a organização?”

— …….

“Foi destruída, suponho.”

Yumar quietamente olhou para baixo, fixando-se no copo de chá.

— Menos de um ano depois de eu ter sido expulso, eles foram subjugados. O conselho enviou 13 membros do seu top 100, e todos os 500 foram mortos.

“E seus amigos de infância?”

— Todos se foram. Eles eram os executivos. — um vinco se formou entre as sobrancelhas do hobgoblin.

“O sênior se culpa por isso.”

— ……

“Acha que foi culpa sua por ter criado uma organização tão grande, graças aos seus talentos. Se tivesse sido modesto e feito as coisas com mais cuidado, ou, mesmo que tivesse falhado desde o começo, as pessoas da vila teriam sobrevivido, então se culpa por não ter impedido o chefe da vila antes.”

— Shibal. — O hobgoblin limpou as lágrimas que escorriam no seu rosto. — Eles tiveram o que mereceram, aqueles bastardos.

Próximo. O ator de uma orelha só entrou, segurava um velho leão de pelúcia nos braços.

— Eu era um empregado de uma família prestigiosa…  — O nome dele era ‘Sakum’. — Um dia, vi o mestre da casa dormindo com uma estranh- ou melhor, ouvi o barulho através da parede. Foi sem querer, nem tentei entrar no quarto, mas ele cortou minha orelha fora enquanto dizia que era algo ruim escutar os gemidos dos outros… — Sakum, o ator de uma só orelha, recitou sem expressão alguma. — Não é um absurdo?

Arika, de um olho só; o filho de um apostador. Yumar, de só braço; um ex-chefão das drogas. Sakum, de uma orelha só; o ex-empregado de uma família nobre.

“Certo.” afirmei com a cabeça em frente aos atores. “Seniores, vamos dançar. Temos uma semana.”

O dia da peça logo chegou. Os assentos estavam todos cheios.

— Tem certeza que esse é o teatro Som de Cachorro?

— Que estranho. Já estive aqui e o nome era diferente…

Mesmo trinta minutos antes do horário agendado, se aglomerava uma grande quantidade de visitas. Havia as pessoas que vieram depois de assistir minha performance na rua, aqueles que vieram depois de escutar os rumores e até alguns que entraram depois de ver a multidão. Não só os assentos VIPs, mas também as áreas que não havia cadeiras estavam cheias de gente.

— Não tem cerveja de melão? Ou melão frito? Ugo, não dá pra acreditar.

— Eles estão mesmo se esforçando pra arrecadar alguma grana ou não…

— Sério, tem um elfo que trabalha aqui que é um máximo. Ele é capaz de reproduzir sons no ar apenas usando a aura. Não, tô falando sério! Por que eu mentiria…?

— Ugo. Se eu descobrir quem foi que acabou de tocar a minha bunda, não vai haver uma pintura de sangue aqui, mas um derramamento de sangue! (TL/N: ‘Pintura de Sangue’ é outro nome para a ‘Pintura de Fogo’)

— Durante a apresentação, não vão falar nenhuma única palavra.

— Provavelmente o elfo só tava exagerando.

— Não tinham dito até que iam dar reembolso se falassem algo?

— Tem pessoas demais aqui pra pagarem!

Muitos burburinhos, parecia até uma feira. Atrás das cortinas, os sêniores espiavam a multidão.

— Shibal. — eles estavam assustados, mas Yumar estava particularmente nervoso.

— Olhem, olhem lá! Aquela pessoa com uma tatuagem vermelha entre os convidados especiais é Morkan, que é ranqueado como o 21º no conselho no Rio de Fogo. Shibal.

“E daí?”

— Ele é um louco! Dizem que ele tatua um 1 cm a mais toda vez que decapita um inimigo. Olha como o corpo desse bastardo está coberto de tatuagens! — Sakum,  respondeu, aflito.

— Atores da ‘Chama’ e do ‘Demônio do Fogo’ vieram assistir.

— Ugh. Onde estão?

— Bem ali… as duas pessoas de máscara na sessão VIP. Eles cobriram os rostos, mas sou capaz de reconhecê-los, porque já os vi várias vezes. Um deles se chama Sarmakunda, o ace da ‘Chama ‘; o outro sentado ao lado dele é o Jyamahan, o ator mais popular do ‘Demônio do Fogo’ atualmente…

— Por que será que eles vieram nos assistir?!

— Eles não vieram por nossa causa. — Dessa vez, foi Arika que falou, olhando para si mesmo no espelho, checava se havia algum retoque a ser feito na maquiagem. — Vieram por causa do Ssonia.

Não havia nada de especial na sua maquiagem. O corpo dele estava limpo e despido, exceto pelo pano enrolado ao redor da cintura. O único detalhe era uma tatuagem preta que possuía.

— Está certo. Ele é brilhante. Não dá pra acreditar que foi recrutado há apenas uma semana e essa apresentação será a estreia dele, né? Tendo a casa cheia durante sua primeira performance… isso significa que será a estreia mais grandiosa de todos os atores da raça élfica.

— Acho que essa conquista é legendária até pra nossa raça…

“Vamos começar.” eu disse. Os sêniores estavam tentando relaxar jogando conversa fora, mas assim que me ouviram, calaram a boca. “ Vocês estiveram praticando dia e noite por uma semana, não se preocupem, mesmo que seus corpos não se movam como desejarem, estará tudo ótimo, então apenas relaxem.”

— Se isso acontecer, não vai estragar o show…?

“Vou controlar seus membros com a aura, então não tentem rejeitar o poder.”

— Não devia ser possível algo assim, e por isso soa absurdo… mas vindo de você, acreditamos. Shibal.

Os quatro juntaram as mãos, então os cobri com a minha aura.

“Relaxem.”

Quando minha aura vermelha fluiu pelos braços, os sêniores moveram os ombros, mas depois de uma semana de treinamento, já tinham se acostumado com a minha aura. Relaxei os corpos de cada um dos atores fazendo massagem nos músculos deles.

— Ahem.

— Ugor…

A expressão deles relaxou e o clima que estava tenso antes ficou mais leve.

“Não há motivos para preocupação. Como bem sabemos, ninguém aqui está esperando muita coisa da nossa Peça de Fogo. As expectativas são baixas. Então, vamos surpreendê-los, como praticamos, certo?”

Todos concordaram cuidadosamente.

Certo.

“Hora de ir.”

Bati com o pé no chão.

Thud!

A aura sendo guiada pelos movimentos fez o ar vibrar.

— O que foi aquilo?

— O que tá acontecendo?

A audiência do outro lado do palco ficou surpresa. Os hobgoblins pararam de falar depois do som inesperado. Sem me importar com o silêncio súbito, continuei batendo no chão.

Thud, thud, thud!

Meus passos não mantinham um ritmo, pois adicionava uma nota diferente a cada.

— Aura ?

Quando começaram a reconhecer um padrão nos sons, as expressões de surpresa mudaram de diferentes formas. Os mais chocados com aquilo era os visitantes sentados na área VIP.

— O que diabos?! Ele tá fazendo com a aura mesmo e não com a voz?

— Sim, isso é aura! Está acontecendo a mesma coisa de as apresentações na rua…

Foi nesse instante que Arika correu ao palco escuro, como um corredor, dando longas passadas. Assim, naturalmente, a atenção dos que assistiam se voltaram para ele.

Dong—

O motivo do foco não era só o aparecimento do personagem.

Doong—

Cada vez que os pés de Arika tocavam o chão, uma nova nota preenchia o ar. E antes mesmo da audiência poder se recuperar do choque, Yumar e Sakum correram um depois do outro para o centro, e da mesma forma que acontecia com o companheiro, ocorria com eles. Toda vez que um ator tocava o chão, um novo tom ressoava pelo teatro.

Eram três pessoas com três diferentes melodias. Desse jeito, as notas se fundiam e uma música finalmente tomou forma.

— Meu deus! — A audiência ficou sem palavras, alguns até começaram a gaguejar.

— I-impossível tudo isso ser feito com a…

— A aura tá fazendo isso?!

Sim, era verdade. Havia música, mas nenhum diálogo; não era uma peça, era dança. Usando a aura, me tornei uma orquestra de um homem só.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar