SSS-Class Suicide Hunter – Capítulo 204

Dragão Negro (3)

“Ahh. Por alguma razão, achei mesmo que seria algo assim.”

O som das ondas já havia se tornado familiar. Era até tranquilizante a esse ponto. A Mestre Dragão também tinha uma expressão relaxada no rosto enquanto se espreguiçava.

“Bem, pensei que algo do tipo aconteceria com você.”

“Hmm, sério?”

“Sim. Posso sentir essas coisas só de olhar pro rosto de uma pessoa. Sei o quanto iremos nos aproximar ou o quanto conhecerei dela. Desde os 25, nunca adivinhei errado.”

“Isso é incrível.”

“É algo que se entende aos poucos com a experiência.” A Mestra Dragão bufou. “Você acaba aprendendo bastante sobre perseverança humana quando as suas expectativas de falha tendem a se repetir. Ah, a propósito, prefiro que continue me chamando pelo meu título, em vez do meu nome, quando estivermos em público. Algum problema?”

“Nenhum, mas… por quê?”

“Por quê? Porque é vergonhoso ser chamada pelo meu nome real na frente de outros.” Mesmo tendo dito isso, ela não demonstrou nenhum sinal de vergonha. “Também não fique me chamando de [sênior]. Dá um calafrio na espinha só de ouvir. Odeio revelar as minhas relações pessoas a todos assim.”

“Não. Bem, quer dizer… faz sentido, mas… desse jeito, não seria vergonhoso falar também quando estivermos a sós?”

“Isso é questão de opinião, tá bom? E as nossas claramente seguem caminhos diferentes aqui.” A mulher acenou com a cabeça, concordando consigo mesma antes de retirar algo de dentro do seu armazenamento.

Era um cubo coberto de pontos redondos. Um dado muito famoso em jogos de azar por todo o mundo.

“Sr. Kim Gong-ja.” Ela me olhou de forma séria

“O qu- que foi? Tá me deixando nervoso desse jeito.”

“Assine um [contrato de amizade] comigo, por favor.”

“Hein…?”

Um contrato?

“Acredito que relacionamentos devem ser documentados.” A Mestra Dragão pareceu orgulhosa ao falar “Humanos são propensos a cometer erros. Alguém pode passar uma noite em claro, outra pode passar 20 dias, mas no fim, não importa a pessoa, a mente pode acabar falhando.  Não, mesmo que não haja problemas, se alguém guardar os seus sentimentos por 5 ou 10 anos, com certeza terminará em desastre.”

“Hm….”

“Então, para prevenir acidentes, é melhor que um contrato seja assinado. Qualquer relação forte e saudável deve fazer isso.”

Do que ela estava falando? De verdade, do que diabos ela tá falando?!

“É claro que o nosso acordo precisa ser analisado por nós dois. Nenhum lado será forçado a nada. E como a primeira cláusula, eu gostaria de escrever: em caso de discordância, a pessoa com razão será decidida por quem tirar o maior número no dado.”

“…”

“O que acha?”

— De fato. — Bae Hu-ryeong, que esteve quieto todo esse tempo, se meteu na conversa. — Agora, eu entendi. Zumbi, a sua amiga é bastante problemática…

Fiquei sem palavras. Era a primeira vez que encontrava alguém assim em toda a minha vida.

“H-hm, uhum. Parece bom…?”

“Você precisa levar isso a sério!” A Mestra Dragão Negro ficou brava.

Mas por quê…?

“Aqueles que não sabem de nada acham que uma amizade é sobre ser honestos uns com os outros sem questionar, mas isso é mentira. Uma relação dessas só seria possível, se, por acaso, vocês se dessem muito bem. Se quiser manter uma relação, precisa usar a cabeça! Certo? Uma amizade só funciona se você souber dar as cartas direito!”

“Isso… é verdade, mas precisamos mesmo de um contrato?”

“Se o acordo for quebrado, a amizade acaba. É simples e conveniente.”

Não faço ideia do que tá rolando. Estava tudo muito confuso. Senti como se o conceito de amizade que sempre conheci estivesse sendo virado do avesso.

“Se a sua atitude for meia boca, os seus relacionamentos serão iguais. Kim Gong-ja, é preciso construir uma boa fundação se quiser começar alguma coisa. Então, ou você concorda com os termos, ou me dê razões válidas para rejeitar essa proposta.”

“…”

No fim, usei uma parte do meu cérebro que estava pegando poeira faz tempo. Como resultado, o nosso [contrato de amizade] começou com uma frase histórica.


[Contrato de Amizade (友情契約書)]

Este contrato foi formado quando o pedido de Anastasia Zelenski (referida como A neste documento) foi aceito por Kim Gong-ja  (referido como C).

A não confia no período de validade das emoções humanas, mas sim em manter uma atitude firme, inteligente e diligente, que servirá como fundação do relacionamento de ambos. Como resultado, A e C acordarão no seguinte:

  1. Uma condição só será válida se os dois lados estiverem de acordo.
  2. Uma condição pode ser suspensa se ambos concordarem.
  3. Entretanto, a criação ou suspensão de uma condição só poderá ser realizada nos finais de semanas (Sábados e Domingos).
  4. Se as duas partes estiverem em desacordo, um dado será rolado e será dado razão àquele que tirar o maior número.

Assinado por: Anastasia Zelenski (assinatura)

Assinado por: Kim Gong-ja (assinatura)


Olhei para o contrato sem saber como reagir.

Estávamos mesmo fazendo o certo?

“O que tá fazendo? Vai logo, assina.” Ela me apressou.

A sua presença era um pouco assustadora.

“Bem, é que não tenho um selo…”

“Mas tem dedos. Use a sua digital.”

“Tá bom…”

Seria com a digital então.

Enquanto marcava o contrato com a forma vermelha do meu dedão, só conseguia pensar que, felizmente, ela não tinha sugerido fazermos um pacto de sangue.

Durante os últimos trinta minutos, consegui entender bastante da personalidade da Mestra Dragão Negro.

“Perfeito.” A mulher inspecionou o contato com uma expressão satisfeita.

“Acho que começamos bem. Podemos revisar as cláusulas daqui a dois ou seis anos, mas por enquanto, tá ótimo.”

“Vamos ter que passar por isso de novo…?”

“Kim Gong-ja.” Disse levemente: “Não subestime a covardia humana. Em primeiro lugar, bestas sem pelos podem se transformar em diferentes humanos em apenas seis meses.” Completou cheia de convicção.

“Pai! Amiga do papai!”

Uma voz familiar soou nos nossos ouvidos enquanto eu ainda encarava o contrato de amizade que tinha assinado.

O meu filho, Uburka, estava correndo em direção ao cais.

“Vocês desapareceram todo esse tempo! Estava procurando por vocês.”

“Ah, foi mal. Só estávamos…”

Antes que eu pudesse terminar, a bota da Mestra Dragão aterrissou no meu pé.

“Arghh!?” Gritei quando a dor intensa se espalhou pela minha perna.

Aquele movimento preciso… ninguém conseguiria chegar nesse nível sem praticar muito nos pés dos outros.

“E-eu queria conversar um pouco com a Mestra Dragão, nada demais.”

“Isso mesmo. O Rei da Morte e eu precisávamos de um pouco de privacidade, apenas.” Ela sorriu calmamente. “O seu pai e eu temos uma relação especial agora.

Uburka ficou paralisado.

“U-uma relação especial?”

“Sim. Pode-se dizer que estamos ligados.”

“Ligados…?”

“Ah, que vergonha! Estou dizendo esse tipo de coisa pra uma criança. De qualquer jeito, já terminamos. Por que queria nos ver?”

“Os moradores… estão acordando… parece que o problema já foi resolvido por completo, então vim… contar…” O goblin gaguejou antes de direcionar seu olhar para mim.

Ele parecia ameaçador.

[A Constelação “O musculoso que sonha em pecar contra o paraíso” exige uma explicação!]

Não. Isso era uma mal-entendido. Ela só está me usando pra te rejeitar!

“Papai, ela tá falando verdade…?”

“Rei da Morte, eu disse algo de errado?”

Tanto o meu filho, quanto a minha melhor amiga, se viraram para mim ao mesmo tempo. Mesmo já tendo enfrentado a morte várias vezes, essa era a primeira vez que encontrava uma situação dessas. Estava preso entre me recusar a apoiar o primeiro amor do melhor filho ou a forte ligação de uma amizade.

“Filho…”

“Diga, pai.”

“A Mestra Dragão Negro e o seu pai…” engoli em seco “têm mesmo uma relação especial.”

A expressão dele desmoronou. Silêncio. Os lábios do hobgoblin tremeram junto com os seus cílios longos.

“Eu te odeio, papai!” Uburka correu depois de deixar essa frase, como um garoto adolescente. Os seus passos impulsionados pela sua aura eram incríveis. Em um instante, ele desapareceu no horizonte, deixando nada mais do que um rastro de lágrimas para trás.

Foi nesse momento que o primeiro amor que ele desenvolveu em centenas de anos chegou a um desastroso fim.

[A constelação “O musculoso que sonha em pecar contra o paraíso” está profundamente ferido.]

[A desconfiança da constelação “O musculoso que sonha em pecar contra o paraíso” aumentou.]

Ahh, Ahhh…. Que frustração.

“Não. Uburka, filho. O seu pai só terá uma única pessoa no coração até a morte… é tudo um mal-entendido… você vai entender a verdade assim que conversarmos…”

“Obrigada.” Assim que o goblin desapareceu, a mulher ficou calma novamente. Colocando o cabelo atrás da orelha com as costas da mão, continuou: “Graças a você, consegui me livrar daquela criança. Se outro problema como esse aparecer no futuro, estarei contando com a sua ajuda de novo, Kim Gong-ja.”

“Mesmo que eu seja seu amigo, você não tá um pouco confortável demais depois de ter me usado…?”

“Do que tá falando?” A Mestra Dragão abriu um sorriso amplo. “Fico confortável porque você é o meu amigo, afinal.”

Essa era a terceira vez que eu via aquele sorriso. Talvez, eu seja capaz de vê-lo mais vezes, daqui pra frente.


Irei te contar sobre o que aconteceu mais tarde.

“Você está errada.”

— …… — A Anastasia de sete anos me encarava.

O mundo dos sonhos.

Os pioneiros do novo continente que estavam adormecidos tinham todos acordado. Os marujos que tinham saído para cruzar o oceano também retornaram em segurança, exceto por uns poucos desafortunados. Por conta disso, eu e a Mestra Dragão Negro tivemos que gastar bastante pontos de raça.

“Voltei pra te dizer isso.”

Quando a situação se resolveu, escolhi entrar de novo no Mundo dos Sonhos.

— Não entendo do que está falando…

A jovem succubus respondeu em tom abrupto. A cerca de ferro estava lá, atrás dela, como da última vez. Era uma cerca velha de arames farpados torcidos — o remanescente de uma guerra civil.

Os demônios dos sonhos parasitam traumas como esse.

“Na primeira vez que nos encontramos, você disse algo. Que a Anastasia sempre imaginava a morte das pessoas ao se encontrar com ela, e que isso era o seu método de prevenir o choque nos piores dos casos, e a forma dela estar sempre preparada para o pior.”

— Certo.

“Mas sou uma exceção nessa regra.” Sons de tiro soaram. “Você verá.”

Um homem estava correndo em direção a cerca com uma criança nos braços. Era como assistir um CD arranhado tocando o mesmo filme repetidas vezes.

Nesse mundo de imagens turvas, eu disse de forma calma: “Você acabou de conhecê-la e não pode mudá-la. Este é o seu limite. Vocês são uma raça que só podem viver dentro dos traumas do passado.”

— …

“Eu sou mais forte. Vocês só recuaram porque sabiam disso, mas está errada em pensar que a nossa relação nesse mundo é apenas baseada em poder.”

— Qual o seu ponto?

“Estou dizendo pra não se meterem comigo, seus pirralhos.”

Liberei a minha aura vermelha. O espaço coberto de rosa ficou um pouco mais escuro. E a succubus recuou surpresa.

“Pode falar o quanto quiser. Você fez parecer que podem controlar o mundo contanto que tenham [poder] e [lógica]. Mas o mundo não é tão preto e branco.”

— …

“Pela forma que fala, tudo debaixo dos céus é um poder.” Cobri o meu dedo com a aura “Controlar outras pessoas é poder; convencê-las é poder. Assim, compartilhar o passado com alguém e superá-lo juntos também é poder. Vocês são capazes de recriar as experiências das pessoas nos sonhos, mas além disso, não passam de incompetentes.”

— Nós…

“Você nunca será capaz de mudar a sênior. Eu consegui. O que prova que são mais incompetentes do que eu, e mais fracos. E, no fim, serão derrotados completamente por mim.”

Balancei a mão.

Minha aura dividiu o espaço em dois.

A cerca de ferro se quebrou, se tornando bolhas rosas antes de desaparecer. O homem e a criança que estavam tentando escapar através da abertura também sumiram.

“Me pergunto se irão ter se tornado um pouco  mais competentes quando eu retornar na próxima era.”

— …

“Se eu te der centenas de anos, e ainda assim repetirem os mesmos erros, várias e várias vezes… Bem, não terei escolha a não ser voltar no tempo e eliminar a todos.”

Era uma tarefa fácil. Só precisava adicionar os demônios dos sonhos às minhas centenas de fantasmas.

Fiquei de pé.

— Quantas pessoas você irá encontrar caso tente? — Ela me encarou de frente — Uma pessoa? Duas? Talvez dez, ou vinte; uma centena. Mesmo que os encontre, serão apenas alguns grãos de areia no nosso vasto mundo. Então, qual o seu ponto?

Eu ri. “Se está preocupada com números, talvez eu deva te ajudar a descobrir.”

— …

Espalhei a minha aura e arranquei os meus arredores do Mundo dos Sonhos. Se minha mestre estivesse aqui, ela seria capaz de cobrir o mundo inteiro, mas eu ainda não estava neste nível.

O melhor que eu podia fazer era abrir uma área própria.

[Missão cumprida!]

E o meu melhor parecia ser o suficiente para este estágio.

Antes de sair do mundo, lancei um último olhar para o demônio. A Mestra Dragão Negro em sua aparência jovem estava mordendo o lábio, parecendo zangada.

“Estou ansioso para o nosso próximo encontro.”

‘Declarar estágio como completo.’ Depois de pensar essas palavras, uma luz brilhante cobriu os meus olhos.

[Missão cumprida!]

[Você completou o 35º andar.]

[A sua compensação será entregue depois que entrar no 36º andar.]

[Transferência em progresso — você será enviado diretamente ao 36º andar!]

Para o lugar onde a minha melhor amiga estava.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar