Switch Mode
Servidor de Hospedagem do Site está passando por manutenção, pode ficar instável por algumas horas!!
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Beginning After The End – Capítulo 482.1

Epílogo

POV CECILIA SEVER

O cheiro de fumaça acionou alarmes na minha mente e deixei cair o feixe de lã que estava manuseando antes de correr para a cozinha. Meu quadril bateu na mesinha e me virei tarde demais para pegar a lâmpada, que tombou de lado e se quebrou no chão irregular.

Soltando um suspiro, decidi limpar os cacos da lâmpada depois de tentar salvar o jantar e continuei em direção à pequena cozinha ao ar livre, onde uma panela borbulhava violentamente, soltando fumaça preta. Cuidadosamente enrolei a mão, afinal, já sabia bem como era segurar um cabo de ferro quente com as mãos nuas, e levantei a panela pesada do elemento de aquecimento solar, colocando-a na mesa. Os pés de ferro deixaram pequenas marcas pretas na superfície de madeira.

Mordendo o lábio para não suspirar de novo, peguei uma concha de madeira e mexi a sopa, esperando que não tivesse queimado muito, mas sabendo que teríamos que comê-la de qualquer jeito.

Mexi a sopa por mais um ou dois minutos para evitar que o ferro ainda quente a queimasse ainda mais, depois desenrolei minha mão e peguei a lâmpada rachada. Olhando-a com pesar, saí pela porta, mas parei no batente para me virar e olhar para a pequena casa.

— Lar… — falei, a palavra soando estranha em meus lábios. Nenhum outro lugar jamais havia se ajustado a essa palavra antes, mas a pequena cabana, bem fora da cidade, com sua energia caprichosa e problemas intermináveis de manutenção, parecia realmente um lar.

Sorri enquanto descia os três degraus de tijolos até o chão e marchava ao redor da parede externa da cabana por um caminho de cascalho gasto que era mais terra do que pedra.

A cabana dava vista para uma curva de um dos muitos rios artificiais que circundavam a cidade, seu fluxo constante de água fresca sendo fruto de bombas e comportas em vez de gravidade. Uma fina fileira de árvores perenes alinhava a margem do rio. Um cais desativado se projetava da borda de nossa propriedade na água corrente, mas nunca conseguimos obter a licença para um barco a remo para aproveitá-lo.

Entre mim e o rio, de joelhos na terra rochosa de onde tínhamos removido grama e ervas daninhas, estava Nico. Por um momento, vi-o não como ele era, mas como tinha sido; tanto o garoto que eu lembrava quanto a face sombria que usou naquela outra vida.

O pensamento me fez balançar a cabeça, tonta, como se tivesse levantado rápido demais e visto estrelas. Era difícil manter tudo em ordem. Ainda mais fácil era tentar não lembrar. Contudo, às vezes os pensamentos voltavam para mim, e eu não conseguia evitar pensar nisso. Eu tinha tido uma vida aqui na Terra, como o Legado. Aquela versão minha tinha vivido uma existência curta e torturada antes de ser apagada por minhas próprias ações.

Meus olhos se fecharam, e tive que tomar cuidado para não respirar rápido demais. Perigando afundar nas ondas das memórias que vinham em seguida, mordi minha bochecha com força e abri os olhos novamente, depois comecei a correr colina abaixo em direção a Nico. A visão daqueles outros Nicos tinha desaparecido. Ele era ele mesmo de novo. Embora seu cabelo ainda fosse escuro, seu rosto era suave e amável e seus olhos gentis. Apenas olhar para ele fazia minha ansiedade diminuir.

Ele olhou para cima. Havia uma mancha de terra escura, ou talvez fosse fertilizante, na ponta de seu nariz e em sua bochecha. Não pude evitar sorrir ao ver aquilo.

— É exatamente o que eu temia — disse ele, abrindo um sorriso em resposta ao meu. Quando olhou de volta para o chão, porém, a expressão desapareceu, sendo substituída por uma carranca pensativa. — Este solo é horrível. O rio aqui não está funcionando há tempo suficiente para irrigar de verdade a terra ao redor, além de ser muito rochoso. — Ele passou os dedos pela terra, mordendo o lábio. — Ainda assim, acho que conseguiremos fazer funcionar.

— O jantar está pronto — falei rigidamente. Sabia que ele não diria nada sobre estar queimado, mas não conseguia parar de pensar nisso. — A menos que… bem, poderíamos ir até a cidade? Comer algo bom? A sopa vai durar alguns dias.

Nico se levantou e limpou as mãos nas calças sujas.

— Você queimou, não é? — perguntou.

Soltei um gemido de desânimo.

— Não sei o que aconteceu. A panela estava no fogo e eu simplesmente me perdi… — lamentei.

— Eu sei — disse ele consoladoramente. De repente, ele estava bem na minha frente, e seus braços fortes me puxaram em sua direção sem esforço.

Pressionei meu rosto na curva do seu ombro e comecei a tremer.

— Eu sei — repetiu, passando a mão pelo meu longo cabelo castanho-acinzentado. O detalhe ficou preso na minha cabeça. Castanho acinzentado, não cinza prateado. — Está acontecendo comigo também — murmurou Nico, me abraçando mais forte. — Penso em algo e, quando percebo, uma hora se passou e não me mexi. Acho que… — Ele engoliu em seco, e suas mãos deslizaram pelos meus braços até seus dedos se entrelaçaram com os meus. — Acho que pode ser o que quer que Grey tenha feito.

O que quer que Grey tenha feito.

Forçando um sorriso brilhante, apertei as mãos dele e o puxei para longe do jardim degradado.

— Vamos, vamos para a cidade.

Ele me olhou com desconfiança.

— É seu único fim de semana de folga por mês, Cecilia. Você sabe que, se formos para a cidade…

— Prometo que não vou te arrastar para lá, tá bom? — Pisquei os olhos para ele, suplicante.

Rindo, ele me puxou até que seu braço estivesse passado sobre meus ombros, nossos dedos ainda entrelaçados.

— Melhor eu tomar um banho e vestir minhas roupas de sair, então.

Apoiei-me nele, com um sorriso brilhante.

Depois de prontos, tinha uma caminhada de vinte minutos até a estação de trem, onde podíamos pegar uma carona até o distrito de atividades. Conversamos sobre onde comer e se poderíamos comprar ingressos para um filme antigo no cinema retrô ou talvez até dar uma passada no escritório de licenciamento para uma permissão de carro ou barco, mas era só conversa. Ambos sabíamos que as finanças simplesmente não permitiam nada além da viagem de trem e um jantar econômico para dois.

Depois de embarcarmos no trem de levitação magnética e nos acomodarmos, ficamos em silêncio. Eu pude perceber que Nico estava se perdendo em alguma memória perturbadora pelo modo como seu sorriso vacilou e seus olhos desfocados se encheram de tristeza. Queria saber o que ele estava pensando, mas não queria interromper. Não, isso não era bem verdade. A verdade era que não queria compartilhar qualquer memória sombria que surgisse. Eu tinha minha própria cota desses momentos e memórias, e às vezes os cheiros de sangue e carne queimada engoliam tudo. Parecia covardia, mas eu não tinha forças para suportar parte do fardo de Nico.

Ainda assim, apertei sua mão e encostei minha cabeça em seu ombro, estando lá para ele quando voltasse.

— Há quanto tempo estamos aqui? — Ele perguntou de repente, sua bochecha encostando no topo da minha cabeça.

— O que você quer dizer?

— Aqui. — Ele gesticulou vagamente ao nosso redor. — Esta vida. Este mundo.

— Nico, nós estamos… — Interrompendo-me, afastei-me e coloquei uma perna no assento para poder me virar e encará-lo. — Nós dois nascemos neste mundo. Nos conhecemos desde que éramos crianças no orfanato. Nós… temos uma vida inteira de memórias juntos…

Ele assentiu distraído, seu foco ainda em outro lugar.

— Eu sei. Eu lembro de tudo, mas… não sinto que aconteceu comigo. Outras coisas, eu mal consigo lembrar, como minha infância em Alacrya — estremeci com a menção ao outro mundo —, mas isso ainda parece real. Aqui, minha memória de tudo o que aconteceu antes de comprarmos a propriedade e finalmente nos mudarmos juntos, o casamento, tudo… é tudo tão claro, mas parece…

— Como uma vida vivida por outra pessoa — concluí por ele, passando meus dedos por seu cabelo escuro.

Ele lançou um breve olhar para minha expressão, depois olhou para suas mãos inquietas em seu colo.

— Eu só queria entender o que aconteceu. Eu lembro da caverna, Agrona, eu… — Ele engoliu pesado e fechou os olhos. Sua respiração saiu em um tremor tenso. — Eu morri, Cecil.

— Não — falei de forma firme, agarrando suas mãos e puxando-as para o meu colo, forçando-o a se virar e encontrar meu olhar. — E mesmo que tenha morrido, não importa. Eu também morri, lembra? Tudo o que importa é que estamos aqui, juntos. Não há Legado, nem luta para ser reis, nem o peso esmagador do destino sobre nossos ombros. Podemos simplesmente viver. Juntos. Seja o que for que Grey fez, de alguma forma nos colocou aqui.

Um pequeno sorriso triste floresceu no rosto sério de Nico.

— Não acho que foi Grey. Bem, talvez o poder dele, mas não acho que ele escolheu esta vida para nós. — Quando o encarei sem entender, ele revirou os olhos. — Foi você. Esta vida, esta imagem na qual fomos colocados com todas essas memórias perfeitas, é exatamente do jeito que você sempre quis. Isso não pode ser coincidência. Tem que ter sido você.

— Eu não sei…

Uma parte de mim sabia que eu não tinha vivido todas as memórias que tinha dessa vida. Era uma nova reencarnação, mas em vez de sermos colocados em um novo corpo, que exigiria que tomássemos o controle de alguém, Grey de alguma forma nos colocou em nossas próprias vidas, nossos próprios corpos. Eu havia pesquisado eventos anteriores e confirmado que meu duelo com Grey ainda havia ocorrido e aquela versão de mim tinha morrido lá. Isso não tinha sido desfeito. Seu tempo como rei, as guerras que ele liderou, sua morte repentina e inesperada neste mundo, tudo estava como sempre fora.

Eu não entendia, mas o poder que usou nos escreveu na existência como se sempre estivéssemos aqui. Começamos exatamente onde eu imaginei: em uma pequena cabana à beira do rio, apenas pessoas normais vivendo da melhor forma que podiam. Sem Legado, sem mana, nem mesmo ki. Nós éramos apenas… comuns.

Perfeitamente comuns.

Houve um sinal sonoro e o trem de levitação magnética começou a desacelerar visivelmente. Dei um sobressalto ao perceber que estávamos sentados em silêncio há um bom tempo.

— Desculpe, eu…

— Eu sei — respondeu Nico, apertando minha perna em compreensão.

Descemos no distrito de atividades e caminhamos por várias ruas da cidade, onde nos sentamos silentes em um dos nossos restaurantes favoritos e desfrutamos de uma refeição simples, mas deliciosa… e que não estava queimada. Quando estávamos terminando, meu comunicador tocou, informando que alguém estava tentando me contactar. Tinha sido um luxo ser equipada com um dispositivo de comunicação móvel, mas com meu trabalho, parecia necessário.

Olhando com culpa para Nico, pressionei o botão na pulseira de controle para atender a chamada.

— Diretora, sinto muito incomodar você. — Minha assistente, Evie, disse imediatamente. Ela parecia aflita. — Aparentemente houve um problema com uma das contas, e há dois funcionários aqui do escritório da cidade.

— Na hora do jantar de um sábado? — perguntei incrédula, mas não esperei por uma resposta. — Por sorte, já estou na cidade. Posso chegar aí em vinte minutos.

Nico me observava atentamente, com a expressão cuidadosamente neutra. Ele não ficaria chateado com meu fracasso em cumprir minha promessa, mas sabia que me provocaria impiedosamente sobre isso.

— Muito obrigada, diretora — disse Evie, soltando um suspiro de alívio. Ouvi ela passar a informação aos funcionários.

— Vejo você em breve. — Desconectei a chamada e lancei a Nico meu melhor olhar de desculpas. — Desculpe, é algo oficial, tenho que…

Ele levantou uma mão para interromper o restante do meu pedido de desculpas desnecessário.

— Você sabe como me sinto sobre o que você faz. Aqueles garotos… todos no orfanato, são sortudos por terem você, e, para ser honesto, você precisa deles quase tanto quanto eles precisam de você. Você é a melhor diretora que poderiam ter.

— Exceto pela diretora Wilbeck — dissemos simultaneamente. Ainda estávamos rindo levemente enquanto pedíamos a conta.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 24 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
58 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Yana AdrianeD
Membro
Yana Adriane
1 dia atrás

Não sei exatamente como me sentir sobre esse capítulo, mas acho que eles terem essa vida medíocre e pacata ao passo que estarão pra sempre sendo assombrados pelas suas ações é um bom fim pra eles. Sim, cabe melhor do que o vazio da morte…

Alquimista SinceroD
Membro
Alquimista Sincero
15 dias atrás

Dia 11/05/2024 comecei minha jornada e dia 04/07/2024 terminei essa jornada. Agora será a agonia de acompanhar os capítulos semanalmente, mas pelo menos vou poder acompanhar o final dessa história em primeiro mão. E sobre o final da Cecília e Nico, eu gostei, foi um final “feliz”. Eles conseguiram a vida que sempre quiseram, mas não esqueceram que suas mãos estão manchadas de sangue e vão ser assombrados por seus passados até o fim. A verdadeira redenção está na morte, então espero que eles dois vivam, aproveitem e façam o bem nesta vida nova que conseguiram

Kvasir
Visitante
Kvasir
4 dias atrás
Resposta para  Alquimista Sincero

dia 17/05/2024 comecei e termino dia 15/07/2024

Gabriel
Visitante
Gabriel
16 dias atrás

Estou no capítulo 340, alguém sabe me dizer se a Tessia tem seu corpo separado da Cecília por favor? Só preciso saber disso

Alquimista SinceroD
Membro
Alquimista Sincero
16 dias atrás
Resposta para  Gabriel

Teve. Acontece no cap anterior a esse

Arthur Leywin's version ⚔️
Membro
Arthur Leywin's version ⚔️
17 dias atrás

Se até o Nico e a Cecília tiveram um final feliz, eu espero que o destino do menino Art seja no mínimo brilhante

Samuel Martins
Membro
Samuel Martins
20 dias atrás

O autor voltaria com o volume 12 no dia 5 de julho, porém acabou de fazer um anúncio dizendo que só vai voltar com primeiro cap do volume 12 no dia 19 de julho…
Mas ele lançou um capítulo extra hoje(28/06) que se chama Asuras & lances, e vai lançar mais 1 cap extra dia 12 de julho.
Mas a continuação mesmo com o 12° volume só volta dia 19

leafar
Membro
leafar
18 dias atrás
Resposta para  Samuel Martins

onde eu posso ler esse cap extra?

Art
Visitante
Art
3 dias atrás
Resposta para  Samuel Martins

Sempre tive a curiosidade de onde vocês acham essas informações de quando ele volta, de quando ele não vai postar capítulo e essas coisas

PViciado
Membro
PViciado
24 dias atrás

Nada a comentar, vou só esperar ansiosamente pela próxima temporada

RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
Visitante
RUAN MATHEUS DA SILVA SANTOS
23 dias atrás
Resposta para  PViciado

Tbm

Xu Lin
Membro
Xu Lin
20 dias atrás
Resposta para  PViciado

Você sabe quando lança?

Capiv4ra
Visitante
Capiv4ra
26 dias atrás

Quando é o proximo cap?

Vagner Nihil
Visitante
Vagner Nihil
26 dias atrás

Cecília e Nico conseguiram o que queriam, a vida perfeita que sonharam, mas perceberam que o remorso do que fizeram jamais os deixariam em paz, e só conseguiram por misericórdia, não por mérito, como já bem disseram, não é um final feliz, é apenas um final, e nada mais resta a ser contado sobre esses dois, que vivam sua miserável vida “perfeita”, comum e medíocre, afinal derramam muito sangue por esse final.

Marcos
Visitante
Marcos
25 dias atrás
Resposta para  Vagner Nihil

Que comentário excelente!

David
Visitante
David
27 dias atrás

Bom capítulo. Longe de ser justo, pois a Cecília e o Nico não mereciam, mas vai de encontro com o que o Arthur acreditava. Ele se sentia um pouco culpado por ter matado a Cecília na outra vida e por não ter ajudado eles quando lhe procuraram.

Apesar da Cecília ser uma imbecil e merecer morrer pela sua burrice, foi uma boa vilã.

Noite
Visitante
Noite
25 dias atrás
Resposta para  David

Vai muito de encontro na verdade
Arthur não sentia que eles mereciam o mal, mas também sabia que eles não mereciam o bem
O final dos dois foi literalmente só um final, simples e sem nenhuma glorificação
Não foi mau ou bom foi só o fim
E da pra ver que eles se sentem culpados pela vida deles em dicathen, mas não tem como mudar o passado, eles vão conviver com essa culpa enquanto vivem a vida que sempre quiseram, enquanto o Arthur vive a vida em que ele merece, longe da antiga vida dele, longe do rei Grey e próximo de Arthur leywin

O final dos 3 é completamente oposto, enquanto os dois tão simplesmente vivendo como agricultores sem nada de especial o Arthur carrega o destino daquele outro mundo, talvez até do universo inteiro nas mãos
O fim dele vai ser algo lendário, extraordinário, diferente do desses dois

Russolee
Visitante
Russolee
13 dias atrás
Resposta para  Noite

Mas temo que será um final épico e triste.

Renan
Visitante
Renan
28 dias atrás

Fazem altas merdas e fica por isso msm… Legal.

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
1 mês atrás

Há redenção para vilões? Dificíl dizer, mas, vamos lá!

Nos últimos capítulos, havia comentando fortemente sobre o final destes personagens, e havia dito que o final “seco” do vol. 11 funcionou muito bem à proposta dos personagens. Porém, aparentemente, aqueles não eram os finais “reais”, logo, vamos extender minha análise: Este capítulo me trouxe uma nova perspectiva sobre Grey/Arthur, ele não matou Cecília e Nico por ódio ou qualquer outro sentimento, ele apenas seguiu o conselho de Sylvia e Dir. Wisbecki, não viver uma vida por desejos de vingança, ele poderia ter matado Nico e Cecília numa luta super espetacular, cheia de porrada, como era o esperado de qualquer obra de combate, mas, Turtle decidiu seguir um caminho mais sútil, usou alguns elementos da obra para dar uma saída mais “leve” para Cecília e Nico, sobre a decisão de derrotado a força mais temída da obra num “cortar de cordas”, mantenho minha perspectiva que é uma boa decisão considerando a ideia da obra como um todo. TBATE é muito mais do que apenas porrada entre seres super-poderosos (vibe OnePunchMan), a obra segue algumas ideias mais ideológicas e metalinguísticas de High Fantasy e elementos de Seinen, mas, centrado a ideia num ambiente de poder e combate, por isso, acho que a decisão do jeito como as “mortes” ocorreram, ou seja, sem combate, é uma boa decisão. Agora, sobre este epilógo, vejo dois cenários:
Primeiramente, este foi o último capítulo que vimos no POV da Cecília e do Nico na obra inteira, se for esse o real ponto final no arco deles, a última aparição, mantenho minhas opiniões sobre o final de ambos, se não for o caso, em segundo, poderíamos ver o Turtle lançar alguns POVs nos próximos volumes continuando essa segunda linha da timeline no futuro da Terra original, acho que seria algo desnecessário para o plot geral da obra, se ele quiser usar isso para um segundo volume de sidestories como foi o 8.5, talvez, seja interessante ver os “legados” deixados pelo Rei Grey naquele mundo, mas, pessoalmente, não gostaria muito da decisão (é claro, tratando-se apenas de suposições).

Em termos gerais, há redenção para os vilões? Sim e não, muitas pessoas vão ver esse capítulo como um “final feliz” para esses personagens odiados por dezenas de capítulos de TBATE, mas, eu particularmente, não vejo como um final feliz, eu vejo com um final apenas. Por que eu tenho essa visão? Arthur decidiu dar um fim ao sofrimento de Nico e Cecília, provando que finalmente entendeu a frase de Sylvia: Não viva uma vida por vingança; Arthur TEM TODOS OS MOTIVOS para odiar ambos, ele poderia querer matar Cecília pelo que fez a Tessia, poderia matar Nico por ter lhe traído e levado uma guerra as pessoas que ele ama, e vários outros, mas, ele não quis. Ele apenas decidiu tirá-los da jogada, e dar aquilo que eles mais queriam, uma vida simples e mundana, ele deu um tapa com uma luva de couro em Cecília e Nico, ambos, seres super poderosos, uma Foice, general de um poderoso pais, outra, um ser com poder capaz de matar Deuses com as próprias mãos, o poder temido entre mundos. Tais criaturas foram derrotadas num simples “pesar dos fios do destino” (metalinguagem usada neste capítulo), e o que eu achei interessante, eles sabem das atrocidades que fizeram, e isso ainda os atormentam, ou seja, eles sabem que mesmo sendo mesquinhos e monstros, Arthur ainda escolheu dar um final para eles, mesmo que digno… E de forma injusta? Sim, mas, estamos falando de um protagonista, de um herói, Arthur apenas cumpriu sua “função” narrativa, o herói poupar o vilão, salvá-lo no final. Nada mais comum do que uma história tendo seu arco completado. E não podemos esquecer: Arthur nunca odiou Nico e Cecília pelas decisões de ambos, ele nunca os culpou, Arthur disse isso claramente no Victoriad quando enfrentou Nico, Arthur não culpava Nico por ter se virado contra ele, ele se culpava por não ter sido capaz de parar o amigo dele antes de ficar louco, ele não culpava Cecília por ter se matado em seus braços, e sim, ele se preocupava porque sabia que se não conseguisse matá-lá ou incapacita-lá de alguma forma, provavelmente, todos os que ele amava (incluindo Tessia que estava tendo seu corpo tomado, mas, não está mais!! Viva a nossa Rainha!!) iriam morrer por causa do poder de Cecília. Muito vão odiar este epilógo, e está tudo certo. Cada um, possui seu próprio senso do que é bom ou ruim, eu particularmente, acho uma decisão que ressalta a evolução do arco do Arthur, e que (se for o final definitivo destes dois personagens) traz um final seco e que irá os assombrar nessa nova vida.

Kadabra
Visitante
Kadabra
1 mês atrás
Resposta para  Victor Arthur

Teu comentário salvou minha opinião desse cap, deveriam colocar ele no final da obra kkkk

ZoeiraD
Membro
Zoeira
1 mês atrás
Resposta para  Victor Arthur

concordo com quase tudo que voce falou, menos a parte de essa ser o ultimo capitulo, eu gostaria de ver uma side history, que nem o 8.5 do que o grey fez naquele mundo, ia ser legar, nada muito grande apenas um overview da parada. Mas nao ficaria triste se esse for o ultimo capitulo.

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
29 dias atrás
Resposta para  Zoeira

Verdade! É uma ideia realmente legal, eu particularmente SUPER apoiaria ver várias sidestories como o 8.5, eu queria muito ver algumas sidestories sobre as famílias reais de Eleanor e Sapin na época em que os Asuras surgiram, algumas histórias dos Djinns, a cosmocognia (o mundo mágico de TBATE) tem vários assuntos e temas interessantes para explorar, realmente pode ser bem interessante se virmos isso ganhar vida em alguns volumes extras.

Capuccino Gelado
Membro
Capuccino Gelado
29 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

O Arthur decidindo não matar eles ou usá-los como sua própria peça visto que os dois agiram contra Agrona me faz relembrar da cena do Arthur tentando convencer o Aldir a não ficar na dimensão de Éter para ser uma “arma” de dicathen, o que Aldir recusa pois seria fazer o mesmo que ele fez ficando ao lado de Kezess por tantos anos. Que protagonista incrível! Falho, mas que aprende com tudo que a vida lhe entrega.

chico amaro
Membro
chico amaro
29 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

isso me lembrou da frase que Tessia soltou para Cecília nas clareiras das bestas onde ela dizia “Se você conseguir o que quer no final, não sera por vitória e sim por misericórdia”. Cecília conseguiu o que queria mas isso foi produto da boa vontade de uma pessoa que ela tentou matar mais de uma vez(algumas vezes até na covardia atacando o Arthur indefeso). Cecília mesmo sendo o legado e tendo um poder infinito, ela é incapaz, incapaz de alcançar seus objetivos e desejos por conta própria e a pessoa que ela jurou matar foi a mesma que salvou ela

Kun
Visitante
Kun
27 dias atrás
Resposta para  chico amaro

Só discordo do fato de Cecília ser incapaz de alcançar seus objetivos por conta própria. Ela não entrou na academia por algum desejo de seguir uma carreira militar, ela não entrou na competição pela posição de rei/rainha na sua outra vida por vontade própria, ela não lutou por alacrya por vontade própria, mesmo se você considerar o fato dela ter lutado por agrona sob a promessa dele retornar ela pra terra, o objetivo dela era retornar pra antiga realidade dela, ela sempre deixou claro que não se importava de verdade com aquela guerra ou com as pessoas daquele mundo. Inclusive, no final desse capítulo, o Nico, indiretamente, aborda isso, ao dizer que a vida que eles vivem hoje é o que ela sempre quis, não a vida de combatente que em determinado momento ela foi forçada, e em outros manipulada ou convencida a seguir. Claro, nada disso apaga os vários erros que ela cometeu durante o tempo em que esteve no corpo de tessia.

Se posso ir além do seu comentario, gosto desse final. Arthur demonstrou ter intenções de ter essa ato de misericórdia com os dois, seja quando ele se ofereceu pra levar Cecília ao Mordein, acreditando que ele, talvez, pudesse ajudar a mandar ela pro antigo mundo deles. Lembro também daquele momento em que o Nico manda aquela mensagem pro Arthur dizendo que ele devia uma vida a Cecília, o que ele até chega a considerar, mas descarta a possibilidade, por ter outras prioridades antes de salvar ela, é verdade, mas também por ser simplesmente incapaz disso naquele momento. Obviamente, não é bem o final que esperava (não sou bem daquele time de que tudo tem que se resolver com porrada, mas admito que achei que seria algo mais trágico), mas não acho que ele seja uma surpresa, ouve elementos que construíram esse resultado ao longo da obra, e, sinceramente, gosto dele.

Bom, agora me resta reler os últimos dois capítulos (não tenho certeza se compreendi tudo deles), e aguardar ansiosamente pelos próximos capítulos

TjalisD
Membro
Tjalis
28 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Realmente, tá longe de ser um final feliz. O tanto de pesadelo que esses dois vão ter por culpa pelo o que fizeram no outro mundo, do meu ponto de vista, me parece mais uma punição você viver uma vida dada por misericórdia à você tendo em vista todo o mau que você causou. Como viver uma vida cheia de remorso e arrependimento.

Note
Visitante
Note
28 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Seu comentário, reflete tudo que turtle queria nos mostrar. Ps obrigado.

Mark
Visitante
Mark
27 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Se eu fosse turtle aproveitava que eles estão aí e usava em um POV mostrando como Grey morreu. E no final de algum jeito mostrando eles indo até (sem ele saner obviamente) e se despedindo dele e cuidando do corpo dele em um enterro ou algo do tipo. Agradecendo de verdade, poderia até mostrar uma filha do relacionamento dos dois. Seria interessante, mataria a curiosidade da morte de Grey e ainda poderia aumentar a redenção com uma filha do casal

Kun
Visitante
Kun
27 dias atrás
Resposta para  Mark

Mas aí tu tá considerando que o tempo parou enquanto eles viviam anos em suas reencarnações, enquanto esse capítulo deu a entender o exato aposto, que nesse momento eles estão anos após o morte do Arthur como rei. Sobre a morte dele, o prólogo deixou subentendido que não foi nada especial, sempre assumi ter sido uma morte súbita ou algo do tipo

a284
Visitante
a284
26 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Tu sabe das coisas caras, comecei a ver os comentários, cheios de gente xingando e não sei o que lá mais, e eu não tinha visto nada disso, até que cheguei nesse texto seu, exatamente o que pensei, fico feliz de não ser o único. Muito bom

Johann gomig
Visitante
Johann gomig
16 dias atrás
Resposta para  Victor Arthur

Como sempre, falando bonito e indo de encontro com o que eu penso. Agora quero ver o desenvolvimento da maturidade da tessia.

REIKAI123
Visitante
REIKAI123
1 mês atrás

Achei bem interessante, é como se quando Grey usou o destino para manda-los para a terra de volta, os desejos internos do futuro perfeito que Cecilia desejou foi o responsável para guiar esse evento, diretora Wilbeck top, acho que vai ter mais coisas nessa historinha deles, mas se não tiver tá bom .
Enquanto o Nico e a Cecilia se divertem no paraíso e tendo ferrado a vida do Grey. o Grey nem descabelar o palhaço consegue.
Cara, eu acredito que o legado seja tipo um ponto de guia para o Arthur, em relação ao destino, pensa comigo ó, o Arthur na primeira vida perdeu a diretora e foi atrás de vingança por conta dela ter sido morta, motivo esse, ela tomava conta do legado. Depois foi toda uma jornada para se tornar forte para conseguir vencer Cecilia e assim se tornar rei.
No segundo mundo foi um dos principais motivos do Arthur ter se sacrificado no livro 7 para salvar a Tessia e impedir que a muié volte, entre outros e no final o motivo do Arthur compreender melhor o destino foi através do ferimento causado perto ao núcleo de Aether que fez ele conseguir ligar e conectar as runas.
O legado pode ter mais coisas, mas só isso eu acho interessante

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
1 mês atrás

Cara eu sinceramente n sei nem oq dizer, eles simplesmente ignoraram o fato de tudo q o Grey teve q passar por culpa do egoísmo deles e viveram essa vida sem questionar nada, apenas viveram sem ligar pro sofrimento ou oq o Grey possa estar passando mtos podem achar diferente mais eu n acredito q eles mereçam viver n dessa forma

chico amaro
Membro
chico amaro
29 dias atrás
Resposta para  Wesley Lima

acho que ninguém acredita que eles mereçam mas é aquele tema: misericórdia. Cecília teve o que queria mas não foi por vitória e conquista dela mesma, conseguiu uma vida feliz por misericórdia de alguém mais sensato do que ela.

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
28 dias atrás
Resposta para  chico amaro

Rla nunca mereçeu isso msmo ela sabendo q foi o Grey ela fingiu n saber, foi a msma coisa de qndo ela recuperou as memórias dela se matando ela mentiu pro Nico e só causou problemas pro Grey.

Wallysson Almeida
Membro
Wallysson Almeida
1 mês atrás

Bom capítulo. Não foi oque eu esperava para eles, mas ainda assim foi um bom capítulo. Vai que eles voltam para Dicathen, seria muita engraçado kkkk

Novais
Visitante
Novais
1 mês atrás
Resposta para  Wallysson Almeida

Voltar pra lá é pra traumatizar

Vitor-samaD
Membro
Vitor-sama
1 mês atrás

Os gringos odiaram esse epílogo, não consigo entender isso, é um ódio muito além do normal. Esses dois fizeram merda? Fizeram, mas são apenas pessoas, simples assim, pra mim, essa redenção foi excelente, ainda mais Cecília sendo diretora do orfanato onde os três se encontraram na infância.

Última edição 1 mês atrás por Vitor-sama
Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
1 mês atrás
Resposta para  Vitor-sama

Cara n tem como n ter ódio acumulado em meu ponto de vista e de mtos leitores creio eu eles n mereçiam essa nova vida e mesmo tendo recebido eles ignoraram o fato de tudo q o Grey sofreu por causa deles mesmo o Grey n tendo sido a fonte real do problema e sim a ceçilia e seu egoísmo o ponto q mais chateia é eles ignorarem tudo e viver sem nem ligar mto pro Grey ou sequer serem gratos.

Kallimar EmptyD
Membro
Kallimar Empty
1 mês atrás
Resposta para  Vitor-sama

Não concordo com eles, mas entendo eles.
Vc n entender alguém n conseguir ser sangue frio ou simplesmente não se importar e perdoar de certa forma quem quem lhe fez mal é o msm que eu n conseguir entender pessoas que apanham de um lado e oferecem o outro lado.(Esse final, n me refiro que vc é assim, só quis fazer uma comparação.)

a284
Visitante
a284
26 dias atrás
Resposta para  Kallimar Empty

Eu não entendi o que você quis dizer

Geovane
Visitante
Geovane
29 dias atrás
Resposta para  Vitor-sama

Isso não é redenção, eles só estão tentando fugir da culpa não tentando pensar nela, eles causaram um massacre e literalmente quase destruíram um universo inteiro por puro egoísmo pra simplesmente ter seus desejos realizados, tomara que o autor faça mais capítulos com eles remoendo seu passado e percebendo o quão merda eles foram. Enfim preferia que eles tivessem morrido percebendo que eles mereciam isso

Renan
Visitante
Renan
28 dias atrás
Resposta para  Vitor-sama

Tinha q ter morrido e só

a284
Visitante
a284
26 dias atrás
Resposta para  Vitor-sama

Cara, não sei qual o público que lê isso, mas vejo na maioria desses comentários que possuem esse ódio aos dois, que são provavelmente adolescentes ou crianças mais imaturas, tenho a impressão que a fantasia de uma criança “se tornando um deus”. Tenha subido a cabeça deles, mais até que o próprio Arthur. Não se preocupe com eles, eles ainda possuem a ideia infantil de certo e errado absolutos

Geovane
Visitante
Geovane
24 dias atrás
Resposta para  a284

Não, eles já são adultos, na vida passada deles eles tinham uns 20 e poucos anos e juntando com com os vintes dessa (considerando que eles tem mais ou menos a idade do Arthur atual 20 e alguma coisa) eles teriam uns 40 anos de experiência por aí, eles já sabiam que o que estavam fazendo era errado, em vários capítulos ele admitiam isso com a Cecília mesmo falando que não se importava se esse mundo queimasse contanto que ela tivesse o desejo dela realizado. Detalhe, ela já tinha desfeito todo o controle mental de Agrona e a tess já vinha a uns 50 capítulos falando direto que o que ela fazia era errado. Então a desculpa deles terem a mente de crianças não faz o menor sentido

kaue
Visitante
kaue
1 mês atrás

bem, o legado é algo muito peculiar e favorável, provavelmente não sumirá (o poder do legado) e talvez a tessia comece a usar saporra também. Provavelmente os auras vão se sentir inseguros, sei lá, essa obra tem muito o que rolar

Allan GomesD
Membro
Allan Gomes
1 mês atrás

Como assim Epílogo?

Júlio Celso
Visitante
Júlio Celso
1 mês atrás
Resposta para  Allan Gomes

Cap extra pra mostrar o que aconteceu com eles

KuroSoraD
Membro
KuroSora
1 mês atrás

absolute cinema

HPpA
Visitante
HPpA
1 mês atrás

E lá vamos nós…

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
1 mês atrás
Resposta para  HPpA

….

Júlio Celso
Visitante
Júlio Celso
1 mês atrás

Pensava que estava no inferno os dois nem pra assumir as merdas que fizeram.

Juan CarlosD
Membro
Juan Carlos
1 mês atrás
Resposta para  Júlio Celso

Kkkkkkkk

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
1 mês atrás
Resposta para  Júlio Celso

Pser ne…. tem esse seu ponto tbm…

shelton
Visitante
shelton
1 mês atrás

e eu pensando que eles estavam batendo papo com o capeta

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
1 mês atrás
Resposta para  shelton

Kkkkk

Geovane
Visitante
Geovane
24 dias atrás
Resposta para  shelton

Né, eu tava pensando que ia mostrar eles em um churrasco com o tinhoso assando a carne

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar