Apocalypse Hunter – Capítulo 51

Do Meio-dia até o Amanhecer (2)

Zin rapidamente observou os Salteadores a fim de analisar suas armas.

Fuzis customizados.

Cada Salteador tinha um fuzil amarrado em seus ombros. Apesar de mal feitas, ainda eram armas de fogo.

Os fuzis que eles tinham não eram de qualidade alta, com alcance e precisão baixos. Além disso, não era possível dar tiros consecutivos. Mas eram mais do que suficientes para matar uma pessoa e muito mais poderosos do que balestras e flechas.

Mais para o fim da trilha de tranqueirões, parecia ter uma linha de cabeças cortadas presas em uma corda longa pendendo atrás. Conforme os tranqueirões pulavam na estrada, as cabeças batiam e eram arrastadas no chão.

Cinco varredores aparecem e agora Salteadores.

Varredores vieram roubar o equipamento Armígero, esperando ganhar na loteria e agora os Salteadores estavam vindo atacar os mesmos varredores.

Era uma cena muito comum.

*Vrrrrooooom!*

— Ei, ei, ei! Eu vejo pegadas!

— Olha pra essas pegadas! Elas parecem tão fresquinhas!

Havia sete Salteadores se aproximando e eles pararam assim que avistaram as pegadas perto do leito do rio. Os sete tranqueirões pararam e os Salteadores saíram com seus fuzis em mãos.

— Eles fugiram correndo.

— Hahahahaha!

Os varredores fugiram, mas a areia no leito do rio ficou o rastro deles. Dessa forma, era inútil se esconder.

Quando pessoas estão em perigo, elas tomam decisões irracionais. Se os varredores tivessem se espalhado e fugido, pelo menos alguns poderiam ter sobrevivido.

Um dos Salteadores gritou:

— Se vocês saírem agora, eu vou matar vocês rapidinho!

Se os varredores não saíssem dos seus esconderijos, eles seriam torturados até a morte. Os Salteadores sabiam muito bem como inflingir a maior quantidade de dor em uma pessoa. E a ameaça deles não eram vazias.

Entretanto, nenhum dos varredores escondidos respondeu. Eles estavam dentro dos veículos armados esperando por um milagre.

Leona assistia em silêncio os Salteadores.

Ela se perguntava como os varredores estariam se sentindo no momento. Provavelmente, aterrorizados e prestes a morrer de um ataque do coração. Eles provavelmente esperavam que alguém salvasse eles.

Os Salteadores começaram a rir e procurar a área em busca de pegadas. Logo depois, eles arrancaram um varredor aterrorizado para fora de um tanque.

— Ah, aaah… Aaaaaah… Por favor, tenham misericórdia, me deixem ir.

— Ah véi, olha que coitadinho. Tão desesperado.

— Por favor não me matem! Eu sinto muito! Por favor!

— Ei! Que carinha engraçado.

Um dos Salteadores sorriu, revelando seus dentes amarelos. Ele olhou para o varredor tremendo de medo.

— Eu não sei o porque você sente tanto, mas se você sente muito, então por que se escondeu?

*Shank! *

— G…aaaaaaaaaaaaaaaaarggh!

— Uou, você deve estar comendo muito bem. Que voz boa você tem!

O varredor gritava enquanto o Salteador cortava sua perna com uma machete. Os outros Salteadores riam do varredor que estava sangrando e lutando para se afastar.

— Filhos da p… — Leona xingou baixinho. Os Salteadores estavam inflingindo dor nos outros e eles gostavam de assistir gente se arrastando de dor. Leona atacava outros se necessário, mas ela nunca fazia só para vê-los sofrer.

Ela viu tal crueldade no Ponto Ardente, mas ainda não se acostumou com isso. Os Salteadores estavam brincando com o varredor ferido. Eles estavam prontos para dissecar o varredor vivo com uma faca.

— Ha, hahahaha! Hehehehehe!

O varredor que estava preso parecia ter ficado louco enquanto ria como um louco. Os Salteadores seguiram as outras pegadas para capturar o restante dos varredores. Outro foi avistado.

Ele não teve a coragem de resgatar o amigo que estava sendo torturado, ele só tinha certeza de que tinha de fugir.

Eles pularam de seus esconderijos e começaram a fugir. Os Salteadores olharam para eles e gritaram.

— Eles estão fugindo!

— Atirem neles!

*Bang!* *Bang!*

— Ack!

— Argggh!

— Nggaaaah!

Os fuzis dispararam e três dos cinco varredores caíram no chão. Os outros dois pareciam ter desviado das balas e continuaram correndo.

— Atirem de novo!

Os Salteadores não iam deixar os varredores fugirem e eles começaram a recarregar seus fuzis. Zin estava surpreso com como os Salteadores estavam recarregando as armas.

Munição comum?

O fuzil parecia mal feito, mas operava como um fuzil bolt-action¹. Eles não estavam usando bolas com aço, mas munição comum. Bolas com aço precisavam de pólvora, mas munição comum podia ser ganhada através de roubo.

Os fuzis que os Salteadores estavam usando atiravam munição comum.

Zin olhou a munição que eles estavam carregando nos fuzis mais de perto.

Elas são munições 5.56mm. Eu posso usar sete munições 7.62mm para ganhar um monte de munições 5.56mm…

Zin pensou rapidamente e segurou seu fôlego.

Não é um negócio ruim.

*Bang!*

— Eita!

O tiro foi disparado de uma M700 Remington com um som baixo. Leona ficou surpresa quando Zin disparou de repente.

O alvo estava a mais de trezentos metros de distância. Não era muito difícil para Zin atirar em um alvo correndo dessa distância. Antes do som ser ouvido, um Salteador foi acertado na cabeça e caiu no chão.

— O quê?

Os Salteadores não estavam certos do que estava acontecendo enquanto viam um deles cair no chão morto.

*Clack!*

Em uma fração de segundo, Zin carregou a próxima munição.

*Bang!*

O segundo Salteador caiu no chão e, então, o restante dos Salteadores percebeu o que estava acontecendo e gritaram.

— Atirador de elite!

— Cubram-se!

Os Salteadores se moveram com agilidade depois de dois de seus membros serem mortos em poucos segundos. O tempo de reação deles não foi muito lento.

Os Salteadores começaram a buscar abrigo, mas eles não eram capazes de descobrir de onde os tiros viam. Três dos cinco Salteadores foram capazes de conseguir abrigo para se protegerem dos tiros de Zin, mas dois não conseguiram.

Um deles se escondeu atrás de um tanque, mas ,infelizmente, estava exposto para Zin.

*Bang!*

A terceira munição perfurou a cabeça do terceiro Salteador. O quarto percebeu que ele se escondeu na direção errada e pulou para o outro lado do tanque a fim de se esconder de Zin.

Leona estava atônita enquanto via os três Salteadores serem abatidos em um piscar de olhos.

— Lá! Ele está naquele monte no outro lado do rio!

— Escondam-se dentro do tanque!

Os quatro Salteadores foram capazes de encontrar a localização do atirador baseado na morte de seus companheiros. Todos entraram no tanque para se esconderem. Entretanto, mesmo se eles soubessem onde o atirador estava, não havia muita coisa que pudessem fazer sobre isso.

Os fuzis deles eram fracos com um alcance de no máximo 90 metros. Eles não tinham meios para contra-atacar.

A área ao redor era aberta e só havia tanques destruídos para eles se esconderem. Pelo outro lado, o atirador estava em terreno alto e carregando um fuzil de precisão que conseguia alcançar toda a área do leito do rio.

Os Salteadores teriam de correr em campo aberto para fugir do atirador. Mas isso significaria que eles estariam no alcance de um atirador que provou sua habilidade de abate.

Instantes atrás, os Salteadores estavam se divertindo, mas agora eles estavam em pânico, com as próprias vidas nas mãos do atirador. Eles não tinham nenhum lugar para ir por causa do atirador.

Os varredores não foram capazes de fugir dos Salteadores por causa da diferença de poder de fogo. Agora, eles não eram capazes de fugir por causa de Zin.

Leona percebeu o quão importante uma arma boa era.

O atirador que podia acertar seus inimigos a centenas de metros de distância estaria impotente se ele só tivesse uma pistola.

Vida na selva era determinada por poder de fogo. O alcance da arma, ataque e posições estratégicas, tais como terreno alto, eram fatores decisivos em uma batalha de armas de fogo.

Zin tinha vantagem em cada aspecto sobre os Salteadores. Eles não tinham lugar para ir. Suas habilidades de tiro eram importantes, mas o equipamento, conhecimento dos arredores e se manter em posições estratégicas também eram.

Zin não falou. Ele estava ensinando Leona como sobreviver na selva com suas ações.

Os Salteadores se esconderam e foram para dentro dos tanques. Eles eram espertos o bastante para saber como identificar a posição do atirador.

Os varredores fugiram da cena.

Zin não explicou, mas Leona era capaz de entender o que estava acontecendo.

Os Salteadores estavam confusos até descobrirem a direção do atirador, mas agora eles estavam esperando.

Eles iram esperar no tanque até que a noite caísse. Ainda havia tempo até o pôr do sol, mas iriam esperar as horas para sobreviver.

Zin estava observando ativamente a situação.

Eles entraram dentro dos tanques, então eu não posso acertar eles mesmo se me mover para outra localização. Usar uma ogiva de pressão-térmica seria um desperdício. Suponho que eu possa cruzar o rio para abate-los…

Entretanto, os Salteadores estariam em alerta total e começariam um contra-ataque se ouvissem alguém cruzando o rio.

E não havia benefício em ir para outro lugar. Cruzar o rio iria expor Zin a um contra-ataque dos quatro Salteadores.

Eu podia dar a volta por eles, mas não há motivo para desistir dessa localização.

Ele não precisava buscar e matar os inimigos. Zin já estava em uma posição onde conseguia avistar todos os movimentos dos Salteadores. Cruzar o rio para atacá-losera totalmente agressivo.

Na selva, era importante manter a calma. Ficar na defensiva e conservativo era como pessoas sobreviviam na selva.

Eu deveria esperar até saírem. Estou certo de que vão começar a se mover a noite.

Zin e os Salteadores decidiram esperar até a noite chegar. Leona não sabia o que ele estava pensando, mas permaneceu quieta ao seu lado.

Zin encarava calmamente o lado oposto do rio.


1. Bolt Action – Sistema de ação por ferrolho

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar