Chrysalis – Capítulo 128

O Cultivo de Núcleos

‘Eu preciso de núcleos.’ 

‘Tipo… para ontem.’ 

‘Preciso de núcleos para mim, preciso de núcleos para Tiny, preciso de núcleos para experimentos, preciso de núcleos para aumentar minhas habilidades, preciso de núcleos para fundir em núcleos mais poderosos para mim e para o Tiny, e preciso de núcleos para meu outro projeto!’ 

‘NÚCLEOS!’ 

O número total de núcleos de monstros que havíamos extraído até agora na fazenda era: um! Quando Tiny e eu fomos até lá para incapacitar as criaturas esta manhã, encontramos um sapo monstruoso que já havia massacrado a maioria das criaturas lá dentro. Tiny correu com entusiasmo para enfrentá-lo, atacando com seu punho relâmpago e explodindo o inimigo com um soco. 

‘Felizmente ele não destruiu o núcleo!’ 

‘Mesmo assim, um núcleo a cada três dias não chega nem perto de atender às minhas necessidades! Eu me recuso a aceitar isso!’ 

‘Eu simplesmente não tenho uma solução para esse problema atualmente.’ 

Tiny e eu estamos descansando no ninho neste momento. Uma agitação de contentamento tomou conta da colônia recentemente, pois as operárias estão ocupadas fazendo as coisas que elas adoram fazer. Cuidando da ninhada, expandindo o ninho, procurando comida. Nosso novo formigueiro tornou-se impressionantemente grande agora, com a parte de cima alcançando o topo das árvores. Tive de pedir que não subissem mais ou ficaríamos muito fáceis de detectar. Nosso objetivo principal agora é se esconder e evitar a onda, afinal. 

‘Não quero problemas, sejam humanos ou não.’ 

Para minha alegria, algumas pupas começaram a eclodir nas últimas horas, são centenas de novas operárias para aumentar as fileiras da colônia. Quando esta geração finalmente surgir totalmente, teremos atingido a marca de mil operárias! Um marco na vida de uma jovem colônia, com certeza. 

Porém, isso não é nada. Se expandirmos um pouco a fazenda e mantermos a constância do suprimento de Biomassa, não demorará muito até chegarmos a dois mil, cinco mil, cem mil! 

Essa foi outra coisa emocionante que aconteceu esta manhã, a Rainha finalmente acordou de seu descanso. Depois de uma alimentação massiva fornecida a ela pelas operárias, ela se ocupou produzindo a próxima geração. Mesmo enquanto eu descanso, posso ouvir as operárias correndo loucamente com novos pacotes de ovos, escondendo-os nas câmaras de ovos, limpando-os meticulosamente e garantindo que estejam na temperatura certa. 

‘Isso significa que preciso adiantar o cronograma do meu projeto ainda mais rápido. Para isso, entretanto… eu preciso ter núcleos!’ 

Enquanto estalo minhas mandíbulas com irritação, sou repentinamente distraído por um barulho. Virando-me, vejo que não é Tiny roncando pela primeira vez, embora ele esteja dormindo, com braços grossos e carnudos jogados sobre o rosto como um adolescente peludo. O barulho, em vez disso, veio da pupa escondida conosco em nossa câmara privada. 

O casulo já começou a adquirir uma tonalidade fina e distinta à medida que a jovem larva em seu interior passou por sua notável metamorfose, transformando-se de larva em formiga. Ainda fantasmagoricamente branca e translúcida, pois sua carapaça ainda não endureceu, a operária quase completa começou a se mover lentamente, contraindo seus membros e esticando-se pela primeira vez. 

‘Acho que vou ajudar essa coisinha.’ 

É normal que outras formigas ajudem as recém-nascidas a se libertar do casulo, cortando os fios com as mandíbulas. As primeiras operárias da colônia tiveram essa tarefa desempenhada pela própria Rainha. 

Acho que me lembro vagamente de ter que morder minha própria saída, mas não tenho nenhuma lembrança de meu estágio de pupa, na verdade só tomei consciência de mim mesmo depois de emergir. 

De qualquer forma, ajudo alegremente a nova membro de nossa colônia, minha irmã, a sair do invólucro mastigando o lado de fora com cuidado, removendo pedaços de fios um de cada vez e abrindo caminho para a criaturinha sair. 

Aos poucos, vejo um pequeno rosto de formiga saindo das brechas e, depois de alguns minutos, a mais nova operária se levanta orgulhosamente em cima de seu próprio invólucro! 

… 

‘Pequena!’ 

‘Por que diabos essa operária é tão pequena?! Ela parece menor do que um filhote normal em cerca de um terço, o que a torna muito menor! Há mais alguma coisa estranha nela também. Não sei bem o que é, mas ela parece um pouco, enérgica? Ela já está praticamente pulando e acabou de chocar!’ 

‘Me lembro que quando ela era uma larva já tinha muita energia, mas isso parece meio ridículo.’ 

Antes mesmo de eu terminar de reclamar internamente sobre a alta energia, ela começa a balançar suas antenas antes de me olhar e correr em minha direção! Em poucos instantes, ela correu pelo chão e subiu nas minhas costas antes de se posicionar triunfantemente entre minhas antenas e bater nelas insistentemente com as suas. 

…. 

‘Isso.’ 

… 

‘Eu odeiooooo isso.’ 

‘Por que diabos essa formiga é tão apegada a mim?! Por que ela é tão diferente das outras?’ 

‘Sinceramente, não sei o que fazer com esse comportamento.’ 

‘Essa operária é tão estranha.’ 

Por pura curiosidade, eu ligo meu sensor de mana e estendo minha mente para fora do meu corpo. Há uma leve concentração de mana em um lugar que eu não esperava. Bem em cima da minha cabeça. 

‘Você está brincando comigo, Gandalf?! Essa pirralhinha nasceu com núcleo?! Me diga que não é verdade!’ 

‘Eu tive de lutar por um núcleo, trabalhei muito por essa pedra maldita! Agora você está me dizendo que uma formiga pode simplesmente nascer com um núcleo? Me diga agora mesmo, jure pelo seu chapéu pontudo e pelo seu bastão com o cristal brilhante que não é assim!’ 

Apesar dos meus protestos, minha nova passageira continua teimosamente agarrada à minha cabeça, com o núcleo a bordo. 

*Suspiro* 

‘Terei que investigar isso mais tarde.’ 

Eu cutuco Tiny para o acordar e faço meu caminho para fora do ninho, com a minúscula formiga cavalgando animadamente no meu couro cabeludo o caminho todo. 

Tentando tirar a distração da minha mente, tento voltar minha mente para a questão mais urgente. 

‘Núcleos!’ 

‘Essa maldita operária na minha cabeça… Não! Não se distraia!’ 

‘Pelo que eu sei, um monstro pode formar um núcleo quando estiver suficientemente saturado com mana e então sacrifica uma evolução para formá-lo. Como a aproveitadora no meu couro cabeludo conseguiu obter mana suficiente antes mesmo de nascer, sem mencionar a energia evolutiva adquirida acumulando níveis? Terei que deixar essa exceção às regras de lado e focar no que sei!’ 

‘Eu mesmo aumentei minha concentração de mana bebendo água com infusão de mana, o que, a julgar pela forma como os monstros eram viciados nessas coisas, não é uma maneira incomum de monstros obterem essa mana.’ 

‘Entããão… Se eu puder introduzir uma fonte de água de mana na fazenda, isso pode ter um efeito no aumento do número de monstros capazes de formar um núcleo?’ 

‘Vale a pena tentar!’ 

‘Felizmente, criei a fazenda ao lado de uma fonte de água mana! Tão conveniente…’ 

Quando voltamos para o lago, vejo alguns Branchies em pequenos grupos, mas eles rapidamente se espalham e se escondem quando chegamos.  

‘Eu juro que há algumas árvores novas crescendo perto da borda do lago. Eles estão plantando Branchies bebê ali?!’ 

‘Hum. Terei que ter cuidado para não perturbar o ambiente local. Pelo que sei, os Branchies precisam desse lago para sustentar sua vida. Melhor ser cauteloso.’ 

No final, eu escavo um canal raso que leva ao túnel da fazenda e peço a Tiny para forrar o fundo com pedras que ele esmaga. Em seguida, descemos para a fazenda e incapacitamos todos os monstros antes de abrir uma pequena poça diretamente sob a entrada do túnel. 

‘Espero que isso funcione!’ 

 

 

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar