Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Damn Reincarnation – Capítulo 249

Alcarte (1)

Mesmo nas primeiras horas da manhã, as luzes da propriedade principal dos Lionheart não eram totalmente apagadas. A mansão, seus jardins, a floresta e todo o resto da propriedade eram guardados por cavaleiros. Além disso, vários feitiços protegiam o interior da mansão, então invadir de fora era quase impossível.

Claro, as pessoas dentro da mansão ainda podiam se mover livremente. Quer fosse tarde da noite ou de manhã cedo, qualquer pessoa pertencente à família principal tinha permissão para se aventurar em qualquer lugar nos terrenos da propriedade.

Acompanhado por Laman, Gerhard foi para sua propriedade em Gidol, enquanto Cyan e Gilead ainda não haviam retornado de Ruhr. A Terceira Divisão dos Cavaleiros Leão Negro, comandada por Carmen, realizava treinamento noturno nas profundezas da floresta. Como nenhuma exceção foi permitida durante o treinamento, até mesmo Ciel, que deveria estar enrolada em um cobertor, estava em algum lugar da floresta.

Eugene decidiu que aquele era o momento perfeito para deixar a mansão.

Ele havia decidido que não usaria o portal de dobra dos Lionheart que ficava dentro de sua floresta e, em vez disso, usaria o portal de dobra da capital Ceres. Eugene usaria a identidade falsa que havia usado em Samar a caminho de Helmuth e, assim que entrasse em Helmuth, decidiria o que fazer a seguir de acordo com a situação.

Eugene até escreveu uma carta para o resto dos Lionhearts, esperando que isso evitasse que eles ficassem muito preocupados. No entanto, não havia escrito exatamente para onde estava indo e apenas disse que voltaria depois de dar uma olhada ao redor do mundo. Depois de pensar que poderia não ser o suficiente, Eugene acrescentou mais algumas linhas.

[Estou saindo para encontrar minha identidade própria. Por favor, não se preocupem muito. Com certeza voltarei.]

Eugene acrescentou essas linhas depois de uma consideração cuidadosa. Embora não soubesse como os outros reagiriam, sabia como Carmen reagiria àquela primeira linha.

Se alguém da família principal surtasse e fizesse barulho para encontrar Eugene, Carmen definitivamente os impediria de procurá-lo. Eugene conhecia Carmen bem o suficiente para ter certeza disso.

Eugene considerou silenciosamente esse fato.

Isso definitivamente não era porque eles eram o mesmo tipo de pessoa. Enquanto Eugene tentava desesperadamente se convencer disso, colocou a carta cuidadosamente escrita em sua mesa. Todos os itens que havia preparado para a viagem já estavam dentro do Manto das Trevas, então tudo o que Eugene precisava levar com ele estava em seu corpo.

Depois de sair de seu quarto, enquanto caminhava pelo corredor, Eugene encontrou suas empregadas élficas, Narissa e Lavera.

— Senhor Eugene? Aonde está indo?

Nina, que originalmente era a empregada pessoal de Eugene, tornou-se a empregada-chefe encarregada de todo o anexo, então Lavera e Narissa estavam servindo juntas como suas empregadas pessoais. Embora suas carreiras como servas do clã Lionheart não fossem tão longas, a experiência de serviço que acumularam durante suas vidas passadas como escravas, junto com sua sinceridade e lealdade para com Eugene, funcionavam como pontos adicionais a seu favor. 

Em outras palavras, elas eram um caso especial. Não tinha o que fazer. Embora Eugene realmente não se importasse com isso, ele se tornou a pessoa com a influência mais forte na família principal.

Laman Schulhov, que Eugene trouxe de Nahama, juntou-se aos Cavaleiros Leão Branco e atualmente servia como escolta pessoal de Gerhard. Foi tudo graças a Eugene ter se cansado de Laman segui-lo gritando: “Milorde, milorde.”

—Vou ficar bem, então vá acompanhar meu pai.

Narissa e Lavera se tornaram suas empregadas pessoais logo após o aprendizado, porque Eugene, depois de ver o entusiasmo das duas, disse algo a Nina de passagem.

—Não basta graduá-las no aprendizado se elas aprenderam tanto? Será inconveniente para elas, serem usadas por qualquer outra pessoa, então apenas faça com que sirvam a mim.

Em primeiro lugar, a própria Nina havia se tornado a empregada pessoal de Eugene assim que se formou em seu aprendizado, e havia subido ao posto de camareira do anexo em apenas alguns anos. Nina sentiu que precisava de mais educação, mas nos últimos oito anos, aprendeu a seguir as ordens de Eugene sem questionar.

Foi assim que Narissa e Lavera se tornaram empregadas pessoais de Eugene. Atualmente, as duas estavam caminhando enquanto carregavam uma grande cesta de roupa suja. O conteúdo da cesta eram todas as roupas de treinamento, toalhas e roupas íntimas de Eugene.

— Um passeio. — Eugene respondeu bruscamente à pergunta.

— Se for esse o caso, deixe-me acompanhá-lo. — Respondeu Narissa rapidamente.

Com isso, Lavera olhou para Narissa com seu único olho e murmurou:

— Não seria difícil igualar o passo de Sir Eugene com sua perna protética?

— M-Mesmo com minha prótese, eu ainda consigo andar rápido, então vai ficar tudo bem. — Narissa insistiu.

Tum tum.

Como demonstração, Narissa subiu e desceu as escadas com a perna falsa. Eugene não conseguia entender por que essas duas estavam discutindo assim quando ele nem havia aceitado a oferta. Além disso, por que precisaria de uma empregada para acompanhá-lo quando estava apenas dando um passeio?

— Eu só vou sozinho. A roupa que deixei para vocês antes era a última, então não entrem no meu quarto enquanto eu estiver fora. — Instruiu Eugene.

Narissa assentiu.

— Sim, senhor, entendido.

— Como você gostaria de tomar seu café da manhã? — Perguntou Lavera.

Eugene acenou para ela.

— Eu te chamo se estiver com fome, então não bata na minha porta de manhã.

Isso porque seria melhor quanto mais tarde a carta fosse encontrada.

Deixando Narissa e Lavera para trás, Eugene saiu da mansão. A partir de então, ele não encontrou mais ninguém. Havia memorizado as rotas de patrulha dos cavaleiros encarregados de guardar a mansão. Mesmo que se cruzassem, Eugene suprimia sua presença para não ser notado e também usava um feitiço para esconder sua aparência.

Uma vez longe da mansão, Eugene não precisava mais ser tão cuidadoso com seus movimentos. Enquanto subia no céu noturno, Mer enfiou a cabeça para fora do manto. Enquanto olhava para a mansão Lionheart que estava se afastando a cada segundo, Mer sorriu.

— Da próxima vez que voltarmos aqui, será com a Senhorita Sienna, certo? — Mer perguntou.

— Desde que as coisas corram bem, provavelmente. — Respondeu Eugene.

— Claro, as coisas vão correr bem. — Disse Mer com confiança. — Sir Eugene, se você for sozinho, então não consigo deixar de ficar ansiosa, mas a Senhorita Anise vai com você também, certo?

Pelo contrário, isso não tornaria as coisas mais propensas a dar errado? Eugene estava sinceramente preocupado com essa possibilidade. Se fosse no passado, as coisas poderiam ter sido diferentes. Mas atualmente, foi revelado que Eugene era o Herói e Anise era a Santa.

Olhando para si mesmos do ponto de vista de Hemuth, eles deveriam ser vistos como intrusos entrando no país para um dia tentar matar os Reis Demônios, então… Eugene estava preocupado se seriam ou não capazes de entrar no país por meios normais. Por enquanto, tentaria entrar com sua identidade falsa e, se isso não funcionasse, teria que tomar providências para entrar clandestinamente…

— Sir Eugene, em vez de pensar em algo estúpido, por que você simplesmente não deixa isso para a Senhorita Kristina? — Mer sugeriu.

Eugene repetiu suas palavras de volta para ela.

— Algo estúpido? Eu?

— Você acabou de pensar em entrar clandestinamente, não é, Sir Eugene? O Domínio Demoníaco de Helmuth não é apenas uma loja local, então você realmente acha que é possível entrar clandestinamente? — Mer perguntou com ceticismo.

Eugene bufou.

— Você nunca esteve em Helmuth, então por que está agindo como uma sabe-tudo?

— Passei a maior parte da minha vida em Acryon, e os únicos outros lugares em que estive foram os lugares que fui com você, Sir Eugene, então é claro que não estive em Helmuth. No entanto, sei que Helmuth é um país onde é impossível entrar clandestinamente. — Insistiu Mer.

— Você realmente acha que eu não sei disso? — Eugene tentou blefar.

— O fato de você ainda estar pensando em entrar clandestinamente, apesar de saber disso, prova que está tendo uma ideia estúpida. — Disse Mer. Encantada com seu próprio raciocínio claro, ela estufou o peito.

Irritado com seu sorriso triunfante, Eugene deu um tapinha em Mer bem no meio de sua testa.

— Ai, ai! — Mer gritou.

Embora tivesse sofrido por isso, Mer estava certa. Era impossível contrabandear qualquer coisa para Helmuth. O Império do Rei Demônio era governado por um conjunto de leis completamente diferente em comparação com aqueles que governavam o resto dos reinos deste continente.

Se alguém fosse um cidadão de Helmuth, contanto que pagasse seu imposto mensal regular em força vital, seu sustento era garantido sem que tivessem que trabalhar nem um dia pelo resto de suas vidas. A única consequência de pagar o imposto em força vital era que a pessoa não teria energia pelo resto do dia. Além disso, se alguém assinasse um contrato para se tornar um trabalhador morto-vivo após a morte, poderia até se tornar um quase nobre e viver uma vida luxuosa.

Nesse império onde você podia relaxar sem ter que trabalhar, o custo de imigrar para o império era muito caro, mas não parecia muito quando se considerava poder viver assim pelo resto da vida.

No entanto, não havia apenas uma ou duas pessoas no mundo que desejavam desfrutar de confortos e luxos sem pagar o preço que precisavam pagar. O tipo de pessoa que não estava disposta a aceitar a oferta de trabalhar depois de morta tentaria cruzar secretamente as fronteiras de Helmuth sem qualquer assistência do serviço de apoio à imigração de Helmuth e sem comprar residência permanente.

Essas pessoas certamente morreriam.

Helmuth era um império inteiramente governado pelo Rei Demônio, por isso era incrivelmente generoso com os humanos, mas não mostrava misericórdia com contrabandistas ou residentes ilegais.

Isso era natural.

Demônios noturnos, como as súcubos, podiam drenar forçadamente a força vital de uma pessoa através de seus sonhos. Mas dito isso, os Demônios da Noite não eram os únicos que cobiçavam a força vital de um humano. A força vital, a vitalidade de um humano, tinha o poder de nutrir os demônios.

Os humanos de Helmuth não precisavam trabalhar, porque doavam sua força vital aos demônios da classe aristocrática e aos Reis Demônios que estavam no topo. Contrabandistas e imigrantes ilegais que tentavam receber o mesmo tratamento preferencial enquanto não forneciam pagamentos regulares de sua força vital eram mortos por grupos de caça de bestas demoníacas sem nem mesmo dar a eles uma chance de se defenderem no tribunal.

— Claro, com suas habilidades, você deve ser capaz de enganar os grupos de caça de bestas demoníacas. No entanto, o que você vai fazer depois disso? Sir Eugene, você ainda será um imigrante ilegal e, de acordo com as leis de Helmuth, todos os imigrantes ilegais são executados incondicionalmente. — Mer deu um sermão enquanto estalava a língua. — Portanto, por favor, não pense em nada estranho e apenas confie na Senhorita Kristina. Afinal, não é Alcarte Parish, que planejamos usar como nossa rota para Helmuth, o lugar onde ela residia originalmente?

Seu raciocínio era impossível de refutar. Como tal, Eugene deu um tapinha na testa de Mer mais uma vez.

A Paróquia de Alcarte no Domínio Demoníaco de Helmuth era onde as fronteiras de Yuras e Helmuth se encontravam. Originalmente, Kristina serviu como Bispa Auxiliar da Paróquia de Alcarte, onde era encarregada de espalhar a fé e iluminar os imigrantes de Helmuth e os ocasionais demônios esquisitos.

Como um lugar que ficava na fronteira com Yuras, era possível entrar em Helmuth pela Paróquia de Alcarte. Eles ainda teriam que passar pela imigração, mas Kristina poderia tornar as coisas mais convenientes contando com conexões antigas.

— O mundo realmente mudou muito. — Suspirou Eugene.

A Bispa de Alcarte. — Eugene franziu a testa enquanto pensava no que esperar daquela pessoa.

* * *

Embora pudesse usar sua identidade falsa ao deixar Kiehl, Eugene não poderia usá-la para entrar secretamente em Yuras, pois com certeza seria descoberto.

O Vaticano foi quem emitiu sua identidade falsa, e o inspetor de imigração era um bispo que pertencia ao Vaticano. Como tinha plena consciência de que o uso fraudulento da carteira de identidade falsa seria descoberto, Eugene se posicionou próximo ao posto de fiscalização.

Ao perceber a falsificação, o bispo gritou para ele:

— Com licença…!

A identidade falsa foi descoberta, mas no final das contas não houve problemas. Quando foi arrastado para a sala de interrogatório para ser questionado sobre a identidade, Eugene sutilmente liberou o feitiço que estava escondendo sua aparência original, entregou a eles uma carteira de identidade com o nome Eugene Lionheart e mostrou a Espada Sagrada. Isso era tudo que Eugene precisava fazer para resolver qualquer problema que pudesse enfrentar dentro do Império Sagrado.

Ele passou a fazer uso de mais alguns portais de dobra. O lugar onde ele havia combinado de se encontrar com Kristina era Neran, uma cidade no extremo norte de Yuras.

Partindo dali, teriam de atravessar vários dias de planície para chegar à Paróquia de Alcarte.

— Já faz um tempo. — Kristina disse em saudação.

Ela já havia chegado a Neran no dia anterior e estava esperando por Eugene. Graças a isso, Eugene imediatamente se reuniu com Kristina ao chegar pelo portal de dobra de Neran.

— Não faz tanto tempo assim. — Argumentou Eugene.

Fazia cerca de um mês e meio desde que se separaram na Fortaleza de Lehain. Já fazia quatro dias desde que Eugene havia deixado secretamente a propriedade dos Lionheart no meio da noite.

Eugene reclamou:

— Embora esta seja apenas a segunda vez que visito este país, realmente não gosto daqui. Os portais de dobra são tão esparsamente distribuídos entre as cidades que se deslocar é tão pesado e demorado—

Kristina o interrompeu.

— A Senhorita Anise diz que não havia nenhum portal de dobra cerca de trezentos anos atrás, então você ainda achava que era frustrante naquela época?

Eugene resmungou.

— Ei, você realmente precisa perguntar isso? Nós nem sabíamos o quão convenientes eram os portais de dobra naquela época, porque não existiam trezentos anos atrás. Mas agora que me acostumei a usá-los—

Kristina interveio mais uma vez.

— A Senhorita Anise diz para parar de reclamar e apenas calar a boca?

— Na verdade, você é Anise, que está apenas se passando por Kristina, não é? — Eugene disse desconfiado. — Ou talvez você seja Kristina, que está apenas fingindo ser Anise e me mandando calar a boca.

Kristina cobriu a boca enquanto ria. Então, com uma tosse para limpar a garganta, começou a guiá-lo.

— Já entrei em contato com o pároco desta paróquia. — Disse Kristina assim que suas risadas diminuíram.

— Para ser sincero, não gosto que dependamos da bispa de Alcarte em primeiro lugar. — Confessou Eugene.

— Felizmente, a bispa nos prometeu sua cooperação. — Relatou Kristina.

Eugene perguntou desconfiado:

— Ela é confiável?

Kristina assentiu com a cabeça.

— Tanto quanto eu posso dizer, sim, ela pode; ela é uma pessoa honesta e fiel.

Havia uma diferença inevitável no senso comum de Eugene, Kristina e Anise.

Eugene e Anise eram pessoas de trezentos anos atrás. Anise teve a experiência de ter vivido na era da paz que se seguiu rapidamente ao juramento. No entanto, Eugene ou Hamel não tiveram essa experiência. De acordo com o senso comum de Hamel, os demônios eram inimigos que tinham que ser mortos de qualquer maneira.

Tal ódio inabalável só foi temperado ligeiramente depois que ele reencarnou e viveu a vida de Eugene Lionheart. Embora, muito ligeiramente. Embora acreditasse que os magos negros definitivamente deveriam ser mortos, Eugene passou a sentir que, de acordo com a situação, não havia problema em deixá-los viver. Mas no caso dos demônios… Eugene honestamente não tinha muita certeza.

A Rainha dos Demônios da Noite, a Lâmina do Encarceramento e a Princesa Rakshasa, esses nomes notórios que corriam soltos pelo mundo trezentos anos atrás definitivamente precisavam ser mortos.

Mas e os outros demônios? Os demônios que nasceram em um mundo pacífico e não sabiam nada sobre guerra? Mesmo aqueles que nunca conheceram a guerra nem a desejaram devem ser definidos como inimigos e sumariamente executados apenas porque nasceram como demônios?

Eugene não sabia a resposta para isso. Ele também não queria considerar seriamente a questão. Apenas sentiu que, desde que houvesse um motivo para matar alguém, não havia problema em matá-lo. Eugene não era um santo ou um sábio, então não tinha uma bússola moral definida sobre matar alguém.

Eugene expressou suas suspeitas:

— Ela não é humana, é?

Além da questão de saber se os demônios deveriam ou não ser mortos, não importava o quê, havia outro assunto que levava Eugene a questionar seu bom senso, se os demônios poderiam ou não ter fé? Eles poderiam realmente acreditar e adorar o Deus da Luz, cuja missão era purificar todos os demônios?

Eugene aceitava que, uma vez que o mundo havia mudado, haveria diferenças no que passava por bom senso, mas muito menos aceitar isso, ele não conseguia nem entender isso.

— Ela é meio-humana. — Kristina respondeu com um sorriso irônico.

Se as raças de duas pessoas fossem diferentes, elas geralmente não poderiam ter filhos. Mas não era como se a prole nunca fosse nascer. Muito raramente, duas raças diferentes poderiam se unir para criar uma criança. A ocorrência menos comum disso era o meio-elfo, nascido entre um humano e um elfo. Além deles, havia alguns casos em que crianças nasceram entre demi-humanos pertencentes a raças diferentes.

A paróquia de Alcarte foi fundada com o propósito de converter tanto os humanos quanto os demônios de Helmuth. Eileen Flora, que servia como vigária ali, nasceu de uma união entre um povo demônio e um humano, e assim era a mais rara de todas as raças mistas, um povo meio-humano, meio-demônio.

Este fato não era amplamente conhecido do público. A Bispa de Alcarte usava sempre um manto branco puro que lhe subia à cabeça e cobria o rosto com uma máscara. Portanto, seus paroquianos não sabiam como era realmente a aparência de sua vigária.

No entanto, Kristina, que serviu como Bispa Auxiliar de Alcarte, conhecia o segredo da Bispa. Ela nasceu com o sangue misturado de um povo demônio e um humano. Mas por ter uma linhagem tão especial, a fé da bispa Eileen era ainda mais sincera, real e fiel.

— É natural que Sir Eugene desconfie dela, mas a vigária Eileen é a pessoa certa para isso. Nunca tive motivos para duvidar de sua fé. — Afirmou Kristina com confiança.

[Parece que você sente uma sensação de parentesco com ela. Quanto mais lamentáveis e terríveis eram seus destinos, mais você confiava na fé.], Anise disse com um sorriso malicioso.

— Tanto como Vigária quanto como Bispa, ela é uma figura proeminente em Alcarte e ocupa uma posição diplomática importante. Em particular, ela ajuda a manter um relacionamento próximo com os nobres demônios de Alcarte. — Kristina a defendeu.

— Um relacionamento próximo? — Eugene repetiu.

Kristina assentiu.

— Sim, ao ponto em que até chegam a vir assistir aos serviços oficiados pela Vigária.

Então, mesmo não tendo nem um pingo de fé, ainda vinham assistir ao culto da igreja apenas por afeto.

Kristina continuou falando.

— Embora tenha dito que não seria capaz de nos ajudar na tentativa de falsificar nossas identidades ou contrabandear-nos, poderia fornecer assistência ajudando-nos a obter um visto imediatamente, ignorando a fila de espera.

— Um visto? — Eugene disse enquanto piscava, sem saber o que aquela palavra significava.

Kristina começou a explicar:

— Helmuth também é extremamente famosa como destino turístico. Na medida em que, se você for rico, espera ver Helmuth pelo menos uma vez antes de morrer. Já ouviu falar sobre o Mundo Demoníaco de Helmuth, Sir Eugene?

— O que é isso? — Eugene perguntou hesitante.

— É um enorme parque de diversões em Helmuth. — Respondeu Kristina. — Dizem que é cheio de brinquedos que enlouquecem as crianças. Além disso, Helmuth também tem vários resorts com atrações turísticas, então inúmeras pessoas visitam Helmuth todos os dias para passear. No entanto, Helmuth gerencia estritamente o número de humanos dentro do império. Eles restringem a entrada para evitar que os turistas transbordem para que possam manter as coisas sob controle.

E pensar que um país governado pelos Reis Demônios se tornaria um famoso destino turístico… Eugene de repente percebeu a lacuna entre seu senso comum e os dias atuais.

Kristina foi direto ao ponto.

— O visto é a prova de permissão de entrada que todo estrangeiro deve ter. Podemos solicitar ao escritório de imigração em Helmuth para obter vistos de turista, mas… De acordo com a mensagem da Bispa, há muitos turistas atualmente visitando o império, então teríamos que esperar pelo menos um ano.

Eugene processou silenciosamente esses fatos.

Kristina acrescentou:

— Um visto de turista também precisa ser renovado uma vez por mês, pagando uma grande quantia em dinheiro. Os cidadãos do Império Helmuth com residência permanente pagam regularmente seus impostos em força vital, mas os turistas não podem pagar em força vital.

Embora originalmente os Reis Demônios já tivessem uma grande quantidade de ouro sem uso, Eugene estava se perguntando de onde vinha o poder financeiro necessário para fornecer bem-estar para o enorme número de cidadãos imperiais. O negócio do turismo parecia estar ganhando dinheiro suficiente para quebrar seus bancos.

— No entanto, a bispa Eileen disse que poderia dar uma mãozinha para que possamos obter um visto de residência sem nenhum custo. Ela podia contornar a fila de espera de anos e entregá-los até hoje. — Kristina informou a ele.

— Ainda não seríamos rejeitados na triagem de imigração? E se não permitirem que o Herói e a Santa entrem no país? — Eugene perguntou.

— Eu também estava preocupada com esse fato, mas a bispa Eileen disse que isso não seria um problema. Não sei se ela fez alguma coisa para convencê-los pessoalmente, mas… — As palavras de Kristina sumiram distraidamente quando abriu a porta de uma carruagem que esperava.

O maior destino turístico do continente? Um mundo demoníaco que deixa as crianças loucas? Resorts?

Este ainda era o império do mal, governado pelos Reis Demônios?

— O mundo enlouqueceu. — Eugene suspirou enquanto balançava a cabeça.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.8 5 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar