Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Genius Warlock – Capítulo 244

Capítulo 244

A matriarca da linhagem Bathory era conhecida como Mãe Bathory, cuja verdadeira identidade era Elizabeth Bathory. Atualmente, ela era uma bruxa formidável envolvida em uma amarga disputa com o Chef de Carne Humana. No entanto, ela nem sempre foi uma bruxa.

Pode parecer implausível, mas é a verdade.

Elizabeth Bathory era originalmente uma maga. E não apenas qualquer maga, mas a herdeira de uma linhagem respeitada de magos originários do continente central.

Apesar das características geográficas únicas do continente central e da presença calamitosa do Flautista de Hamelin, a família Bathory permanecia relativamente obscura. No entanto, apesar de seu perfil baixo, a linhagem Bathory surpreendentemente era progressista em retrospectiva.

Eles identificaram a correlação entre magia convencional e magia negra, normalmente vistas como separadas, e foram os pioneiros em reconhecer os vastos benefícios potenciais de dominar essa conexão.

O processo de acumular e examinar conhecimentos de magia negra pode ter manchado a reputação da família, mas sua pesquisa progrediu positivamente.

Se tivessem continuado sua investigação suavemente e obtido resultados, poderiam ter garantido seu lugar na história, possivelmente se mudando para ‘Galos’ ou ‘Landa’ para desfrutar de uma nova era de destaque.

Mas isso não aconteceu.

A causa? O Chef de Carne Humana e o afeto de Bathory por ele.

Os detalhes de como o Chef de Carne Humana se infiltrou ou como Bathory veio a amar o Chef de Carne Humana permanecem um mistério para todos, exceto para aqueles diretamente envolvidos. No entanto, um fato é inegável: o amor excessivo de Bathory pelo Chef de Carne Humana a desviou, culminando na vergonhosa queda dela e de sua linhagem.

Apesar disso, a figura central, Bathory, persistiu.

E ela fez um juramento de sempre se lembrar.

A raiva que ela sentiu naquela época.

A desgraça que ela experimentou.

O pesar que ela sofreu.

A traição que ela suportou.

Bathory, através de um fragmento do conhecimento de sua família que ela conseguiu salvar, rejuvenesceu milagrosamente seu corpo moribundo.

Sobrevivendo no submundo, ela renunciou à sua identidade de maga, seus pensamentos consumidos apenas pelo desejo de vingança.

Mesmo que isso a obrigasse a abandonar sua humanidade e lidar com demônios.

Esses tempos eram inegavelmente desoladores e brutais, mas Bathory nunca conheceu o medo. Uma vez comprometida com a vingança, não havia mais nada a temer.

De fato, não havia nada a temer… No entanto, neste momento, Bathory foi lembrada de um medo há muito esquecido que a assombrava.

— N-Não se aproxime! 

Bathory, com os membros cortados, se contorcia e gritava como um inseto ferido.

Seu estado era lastimável, mas empalidecia em comparação com o iminente medo da morte.

Ela tentou reconectar seus braços e pernas, mas sem sucesso.

A lâmina balançada por Dave não permitia regeneração ou recuperação, como se estivesse amaldiçoada.

Apesar de seus esforços para decifrar a razão, nada fazia sentido.

Exceto uma coisa.

“Enquanto aquele cara estiver vivo, nunca vou me recuperar.”

Em seu estado de desespero, Bathory lançou seu olhar para Dave.

Um jovem de cerca de vinte anos, que só recentemente começara a se destacar.

— Senhorita Bathory. Depois de cortar os membros… o que é? 

Bathory experimentou uma onda de medo com a presença dele, rapidamente seguida por um profundo senso de humilhação.

Era como se seu passado doloroso, sua raiva, seu ódio e seus esforços estivessem sendo invalidados.

E assim, Bathory tentou extinguir o ser diante dela, domando seu medo, numa tentativa de afirmar sua própria existência.

— Grr… Morra! 

Apesar de seus membros cortados, Bathory retinha a capacidade de manipular sangue.

Ao comando de Bathory, o sangue circundante se coagulou em uma lâmina formidável e voou em direção a Dave, que prontamente ergueu sua lâmina negra em resposta.

A maneira como ele manuseava a faca parecia inexperiente, apenas ficando em pé e balançando, mas para sua surpresa, ele traçou um arco gracioso, cortando facilmente a lâmina de sangue.

Muito facilmente, na realidade.

— …… 

A lâmina de sangue se desintegrou, sem poder algum.

Ao testemunhar isso, Bathory ficou perplexa.

Era surreal.

Apenas uma mistura de emoções triviais e uma minúscula ‘irritação’ do conjurador incorporada em uma faca patética, e imaginar que a magia de sangue que ela passara a vida aperfeiçoando fosse anulada… Isso era inaceitável. Era grosseiramente injusto.

— Senhorita Bathory? 

Dave a chamou mais uma vez, fazendo com que Bathory erguesse o olhar para ele.

Se era uma manifestação de seu medo ou não, sua figura parecia distorcida, mal reconhecível como humana.

— O que devo fazer depois de cortar seus membros? 

— Uh… uh… aaaaaaaaaaaah!!! 

Consumida pelo medo, Bathory soltou um grito e o sangue respondeu à sua chamada. Surgindo dos buracos no teto e nas fendas da parede, ele se precipitou em direção a Dave.

Ele se transformou em dezenas de formas — lâminas, lanças, balas, bombas, chamas, frio, eletricidade e veneno.

Cada vez, Dave balançava casualmente sua faca, usando apenas seu ombro, cotovelo e pulso. Cada balanço tornava os ataques formados pelo sangue de Bathory fúteis.

Lâminas se despedaçavam, lanças se partiam, balas e bombas se desmontavam, e chamas, frio, eletricidade e veneno eram neutralizados.

Ela não conseguia aceitar. Era simplesmente muito ultrajante. O termo ‘Gênio’ não era apenas uma classificação comum?

Confrontada pela inexplicável absurdidade se desdobrando diante dela, Bathory reuniu suas forças em declínio para convocar um ‘balão de sangue’ usando o pouco de sangue que lhe restava.

Sua criação única que mantinha uma quantidade significativa de sangue em estado fresco.

Semelhante a uma bolha enorme, o balão de sangue pulsou e rompeu, derramando um rio de sangue.

WhooshSwoosh!!

Usando esse sangue, Bathory convocou outro ‘balão de sangue’ e replicou a ação várias vezes.

Ao fazer isso, ela conseguiu encher o espaço com sangue.

Nessa escala, ela poderia ser capaz de desferir um golpe que pudesse escapar de sua faca…

— Hã…? 

Bathory exclamou, sua expressão atônita.

Ela, sem dúvida, pretendia manifestar lanças e espadas de todas as direções para empalar e eliminar o inimigo à sua frente, mas o sangue não respondeu, permanecendo estranhamente imóvel.

“Não… não é que não está respondendo… foi tirado!”

Do tranquilo mar de sangue, o olhar de Bathory caiu sobre Dave.

Uma pequena gota de sangue se agitava na mão dele.

— Então se move assim. 

Ao testemunhar a pequena gota de sangue se mover com tanta precisão, Bathory mais uma vez ficou sem palavras.

Foi porque sua mente lutava para compreender a série de eventos chocantes se desenrolando.

— Como…? 

— Hã? Ah… meu sangue está misturado. 

Dave revelou o sangue escorrendo de seu ferimento.

— Então, eu tentei só por precaução… e funciona? 

Dave fez um gesto com o dedo. Um caminho surgiu, separando o espaço entre Bathory e Dave como o Mar Vermelho bíblico.

Conforme ele se aproximava, Dave… ou melhor, uma entidade desconhecida, Bathory assistia absorta, respirando fundo.

O medo avassalador usurpou a raiva, humilhação, tristeza e traição que ela jurara nunca esquecer, e o desejo de sobreviver à presença diante dela tomou controle total de sua mente.

— E-Eu ofereço uma trégua—

Swish.

Dave moveu o braço, e a visão de Bathory se virou abruptamente para o lado e começou a rolar para longe.

Ao baixar o olhar, Bathory avistou seu próprio corpo.

Seu próprio corpo, agora decapitado.

~~~~

— Hmm…

Cerca de dez segundos após decapitar Bathory, Oliver coçou o queixo e murmurou.

Uma onda de arrependimento o atingiu depois que o ato foi consumado.

Na reflexão, havia inúmeras perguntas que ele poderia ter feito a ela.

Sobre magia de sangue, ou o Chef de Carne Humana, ou até mesmo a facção da Escola da Vida…

— Ou eu poderia ter perguntado sobre o apocalipse do relógio… Hmm

Oliver soltou outro suspiro, se repreendendo por não ter considerado isso antes.

Não havia necessidade para o golpe final…

Mas já estava no passado. Oliver optou por temporariamente deixar de lado seu remorso e se concentrar no que ele podia fazer no momento.

Primeiro, Oliver examinou seus arredores em busca do bordão que ele havia perdido.

Felizmente, o bordão estava perto, e assim que Oliver o pegou, extraiu emoções e mana da vasta poça de sangue no chão, usou a poça de sangue e subiu pelo laboratório.

O local onde ele emergiu era o local experimental secreto onde havia navegado pela primeira vez através da poça de sangue. Oliver desprendeu a bolsa mágica em sua cintura e puxou uma grande maleta de couro.

Era a maleta de couro contendo a Grande Boca, e Oliver tirou a Grande Boca dobrada que estava guardada e a colocou no chão.

A Grande Boca inchou como massa de pão, piscando seus vários olhos, coaxando como um sapo e olhando para Oliver.

— GrrrGrrr

— Não é uma casa nova, estamos apenas em uma viagem curta. Estou com pressa, você poderia me ajudar com algo imediatamente? 

Desta vez, tendo muito trabalho a fazer, Oliver tirou uma nota de cem mil Landas de sua carteira.

A Grande Boca, que raramente via notas de alta denominação, acenou alegremente.

Depois de comer a nota de cem mil Landas, a Grande Boca engoliu todos os cadáveres no laboratório secreto conforme as instruções de Oliver.

Isso incluía a bruxa da família Bathory cuja cabeça foi esmagada, o Humano Aprimorado-C03 com uma cabeça e vários outros sujeitos experimentais.

Havia menos de dez bruxas usáveis, e o número de corpos experimentais da facção da Escola da Vida era pouco mais de dez, então não demorou tanto quanto o esperado.

Era como se apenas os corpos experimentais inúteis fossem descartados e deixados para trás.

— Ainda assim, devo cuidar disso por enquanto. 

Com o pensamento de que qualquer coisa poderia ser útil, Oliver continuou a recolher itens.

Quando ele estava coletando há um tempo, a Grande Boca parou e falou com Oliver.

— Grrrr… GrrrrGurrr

A Grande Boca disse que seu estômago estava cheio e não podia engolir muito mais.

Oliver ficou levemente surpreso com a declaração da Grande Boca de que seu estômago estava cheio, mas ao refletir, não era tão estranho.

Desde os primeiros dias como um solucionador, sempre que ele pegava algo, fazia a Grande Boca engolir, então a quantidade acumulada seria considerável.

Não importava quão grande fosse a Grande Boca e quão grande fosse sua capacidade de engolir em relação ao seu tamanho, não era infinita.

Oliver entrou em profundos pensamentos e então fez uma pergunta.

— Por acaso, você seria capaz de engolir dez frascos desse tamanho e mais um cadáver? 

— Grrrrr…… 

A Grande Boca parecia estar tendo dificuldades, contemplando. Oliver a persuadiu.

— Eu vou te dar mais uma nota de cem mil Landas. 

— Grrrr

A Grande Boca concordou prontamente.

* * *

Whoosh!

Oliver desceu para o andar mais baixo do Instituto de Pesquisa de Quimeras com a Grande Boca usando uma poça de sangue.

Depois de limpar o sangue escorrendo pelo rosto, Oliver levantou sua bolsa de ombro no ar usando magia, abriu o frasco e o encheu com o sangue de Bathory.

O sangue encheu rapidamente.

Conforme instruído anteriormente, a Grande Boca engoliu os frascos redondos cheios de sangue e depois cuspiu algo.

Não era nada além de um enorme martelo enfaixado, um saque adquirido após uma luta com os discípulos do Chef de Carne Humana.

Quando Oliver desembrulhou as bandagens ao redor do martelo, um martelo vermelho com carne presa a uma base de osso branco foi revelado.

Talvez satisfeito por estar fora depois de muito tempo, o martelo vermelho se contorceu, e lábios como vermes brotaram aqui e ali.

GulpGulp.

O martelo abriu os lábios brotados largamente e inalou avidamente o cheiro de sangue, logo expressando o desejo de beber.

Não falava, mas era sentido pela mão que segurava o martelo.

— Você quer beber? 

Para o martelo vermelho, que respondeu se contorcendo, Oliver sussurrou:

— Eu vou deixar você beber. Você pode me fazer um favor depois? 

O martelo vermelho concordou prontamente.

Oliver jogou o martelo no mar de sangue, e o martelo vermelho absorveu avidamente o sangue, como um viajante tropeçando em um oásis no deserto.

Implacavelmente.

Como resultado, o mar de sangue que inundara o chão diminuiu gradualmente, permitindo que Oliver localizasse o corpo desmembrado de Bathory.

— Ah, devo cuidar deste também. 

Dizendo isso, Oliver chamou a Grande Boca.


Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar