Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Genius Warlock – Capítulo 260

Capítulo 260

— Obrigado por concordar em me encontrar. 

Em um quarto de hóspedes do Safira, um complexo cultural no Distrito J, Oliver e Edith sentaram-se para uma conversa.

— Não me agradeça. Eu não concordei com esta reunião porque queria. 

Edith caminhou até o sofá e sentou-se. Parecia estar ofegante, mesmo após um curto período de caminhada.

— Concordei em te encontrar por causa dos olhares atentos do público. 

— Você também se importa com a percepção pública?  Oliver perguntou, observando Edith desfazer o cinto. Sua gordura abdominal escorria como creme sobre suas coxas.

— Ah… O tempo certamente passou. O solucionador que veio ao bordel para conseguir um emprego comigo agora está me questionando, hein? 

— Ah, peço desculpas se te ofendi. Não era minha intenção. Apenas pensei que você, Sr. Edith, sempre seria confiante e não se importaria com a percepção dos outros. 

Oliver adicionou, temendo um possível mal-entendido.

Edith deu a Oliver um olhar afiado, seus olhos penetrantes. Embora não possuíssem nenhum poder especial, carregavam uma perspicácia profunda que parecia penetrar o coração de uma pessoa.

— Escute… 

— Sim, Sr. Edith. 

— Me traga um pouco de licor. Estou com sede. 

Edith apontou para a garrafa de licor na mesa. Oliver obedeceu, pegando a garrafa e um copo para servi-lo.

Depois de dar um gole, Edith falou novamente.

— Você deveria beber também. Não é justo se eu for o único a beber. 

Sem motivo para recusar, Oliver assentiu e, usando magia, pegou um copo distante da mesa, enchendo-o com licor.

Observando isso, Edith comentou.

— Incrível. Eu sabia que você era um caso Raro, mas não sabia que poderia controlar mana tão bem. 

— Uh, tenho praticado um pouco. 

— Está praticando… Eu não sabia que mana poderia ser manipulada tão facilmente. Isso é impressionante. 

— Obrigado pelo elogio. 

— Não é um elogio. Apenas estou constatando um fato… Pensei que você tinha conhecido um sábio ou algo assim e aprendido a usar magia. 

Os comentários de Edith eram ousados e diretos. Oliver não mostrou reação na superfície, mas ficou surpreso.

— Posso perguntar por que você pensou assim…? 

— O que há para perguntar? Usar mana é difícil, é por isso. Existem toneladas de pessoas que têm mana, mas não conseguem usá-la, tornando-as magos ineficazes. 

— Uh, entendo. 

— Além disso, seu nível de conhecimento é bastante intrigante…

— Meu nível de conhecimento? 

— Sim, ouvi por que você brigou com o mago. Você o insultou, dizendo que o desenvolvimento de poder de fogo é ultrapassado e que o método de desenvolvimento da facção de magia pura é melhor? Você cuspiu no rosto dele. 

— Uh… Eu não quis insultá-lo, e não cuspi em seu rosto. Apenas expressei minha opinião de que a facção de magia pura tem um potencial de crescimento maior. O desenvolvimento de poder de fogo também tem espaço para crescimento, mas em cerca de cinquenta anos—

— É exatamente disso que estou falando. 

Edith estreitou os olhos de repente e apontou.

— Essa é uma afirmação que você não pode fazer a menos que seu nível de conhecimento o respalde. E acumular esse tipo de conhecimento especializado não é nada fácil. Os caras da Torre mantêm seu conhecimento em sigilo… foi por isso que pensei que você poderia ter conhecido um sábio ou algo assim. Um sábio louco que até ensina magia a um bruxo. 

— Ah… 

Oliver admirou a perspicácia afiada de Edith.

Embora houvesse pequenas divergências, ele havia conseguido inferir a situação geral com apenas algumas peças do quebra-cabeça.

De certa forma, isso era ainda mais impressionante do que a visão de um bruxo que consegue ver através das emoções.

Como esperado, sua reputação como um mestre negociador em Landa não era sem mérito.

— Agora que mencionei, estou curioso. Mesmo que você seja autodidata em magia, como adquiriu esse conhecimento? 

— Uh… Tenho matado magos no trabalho e lido seus livros e diários de pesquisa? 

— Oh… Parece exagerado, mas não é completamente impossível. Boa resposta. Mantenha-se nisso. 

Embora Edith não acreditasse nas palavras de Oliver, ele não investigou mais a fundo. Na verdade, ele até apoiou sua justificativa.

Parecia ser considerado apesar do ceticismo.

E falou novamente.

— Bem, tivemos papo suficiente, por que você não me diz por que queria me ver? Espero que seja uma história interessante. 

— Oh, sim… Eu pedi esta reunião porque queria propor um acordo a você, Sr. Edith. 

— Um acordo? 

— Sim. 

— HAHAHAHAHA-!! 

Ao ouvir a resposta de Oliver, Edith irrompeu em risos.

Era uma risada maligna que poderia fazer qualquer pessoa se sentir desconfortável, mas Oliver não recuou.

Depois de um tempo, Edith enxugou as lágrimas e falou.

— Ah, desculpe por rir… Na verdade, não estou arrependido. Foi uma história engraçada. Me conte. O que você está pensando em negociar comigo, um pobre coitado que não tem nada a oferecer além de violência? Ou o quê? Você planeja vender algum tipo de elixir? 

— Ah, como você sabia? 

— O que você quer dizer com ‘como eu sabia’? Essa cidade maldita está cheia de vendedores como pedras. Desde bruxos à beira da estrada até membros da escola da vida. Todos cobiçam o meu dinheiro. Cada vez, eu digo para se afastarem. 

— Há uma razão para isso? 

— Porque eu já tenho um fornecedor. É decepcionante. Eu pensei que você fosse um cara interessante. 

— Peço desculpas por decepcioná-lo… Mas, posso fazer mais uma pergunta? 

— O que é? Se não valer a pena responder, vou sair deste quarto imediatamente. 

— O medicamento que você está comprando desse fornecedor é o Elixir Sanguíneo? 

Elixir Sanguíneo.

Ao Oliver mencionar isso, Edith pareceu exteriormente inabalado, mas ele estava profundamente perturbado.

Como se um segredo tivesse sido exposto.

No entanto, ele fez um esforço para recuperar sua compostura e tentou entender a situação atual. Isso era bastante admirável.

— Então, sua pergunta significa que você já sabe que eu uso o Elixir Sanguíneo? 

Admitindo francamente, Edith olhou para Oliver, que acenou em resposta.

— Não tenho certeza, foi apenas um palpite. 

— Não importa. Seja certeza ou palpite, é a mesma coisa. O Elixir Sanguíneo é um remédio raro, não facilmente identificado… Como você ficou sabendo sobre o Elixir Sanguíneo? Não é algo que qualquer um possa saber. 

— Hm… Isso é um pouco difícil de responder. 

— Hmm… Uma recusa? 

— Sim, já que isto é uma negociação afinal. 

Em resposta à resposta de Oliver, Edith usou uma expressão surpresa antes de começar a rir novamente.

— Ah… É verdade. Você está certo. O comércio é algo feito entre iguais, e iguais não podem forçar respostas um do outro. Você me pegou nessa. 

— Não, não foi isso que eu quis dizer. Eu o respeito, Sr. Edith. 

— Chega de bajulação. Por que você está aqui para propor um acordo? Isso é o que mais me intriga. 

— Pelo que sei, você está ficando sem o Elixir Sanguíneo que possui. Estou correto? 

— Isso mesmo, nem estou surpreso mais… 

Edith não negou, mas admitiu honestamente.

Ele tinha certeza de que Oliver já sabia de tudo.

— Eu tenho passado por dificuldades ultimamente porque o remédio de repente não pode ser encontrado. Tenho me virado, racionando-o e é um pouco incômodo. Minha maldita esposa e filhos estão esperando que eu caia de novo… Isso tem a ver com você? 

Oliver pensou por um momento, depois balançou a cabeça.

Era Zenon Bright, um funcionário da Torre Mágica, que estava envolvido com Bathory, não Dave, o solucionador do Distrito T.

Pelo menos oficialmente.

— Bem, tudo bem… Mas por quê? 

— Não tenho certeza, mas acho que posso fornecer a você o Elixir Sanguíneo. Você estaria disposto a negociar comigo? 

— Hmm… Quando ouço uma história tão absurda, eu me acalmo. 

— Talvez você não acredite em mim—

— Não, não é que eu não acredite em você. Mesmo que seja uma história surpreendente, eu estranhamente confio em você porque é você. 

Suas palavras eram sinceras, e Oliver respondeu.

— Obrigado pela sua confiança. 

— Não me agradeça. Não é em você que confio, mas no meu próprio julgamento… O que me preocupa é o que você quer de mim, julgando pelo fato de você me chamar aqui para propor um acordo, parece que você quer algo mais do que dinheiro. 

— Sim, você está certo. Você é muito inteligente. 

— Eu disse que não preciso da sua bajulação… Me diga o que você quer. 

Edith ficou cauteloso. Oliver falou.

— Eu quero ouvir o resto da sua resposta. 

Franzindo a testa, Edith expressou sua confusão.

— Resposta? Que resposta? 

— Você se lembra quando eu perguntei a você há muito tempo o que você pensava da Srta. Jane… Você não se lembra? 

— Eu lembro. E você disse que gostava de ouvir respostas voluntárias e que eu não precisava responder se não quisesse. 

— Acho que agora pode ser esse momento voluntário. 

— Você está louco? 

— Peço desculpas. Não estou louco, só estou curioso. Acho que preciso ouvir sua resposta enquanto você ainda está vivo. 

— Você está fora de si. Com aquele medicamento incrível, você faz uma pergunta dessas… Você sabe o quão valioso é esse medicamento? 

— Não sei o seu valor, mas entendo aproximadamente sua eficácia. Eu sei que é um remédio que dá saúde e vigor aos homens e a bênção da juventude às mulheres. 

— Você sabe bem. Não é apenas um remédio bem tomado… Pode te libertar de problemas financeiros pelo resto da vida e te dar uma influência imensa sobre qualquer pessoa. É uma droga milagrosa. Mas, você usaria esse medicamento apenas para ouvir o que eu penso da Jane? 

— Sim. 

Oliver respondeu sem hesitação.

Sua resposta foi tão firme que Edith não conseguiu argumentar.

Ele sempre sentiu que a forma de pensar de Oliver era muito diferente das pessoas comuns.

Era assustadoramente diferente.

— Eu realmente não consigo entender. Sério. 

— Pode ser apenas diferenças individuais. Eu também gosto de dinheiro, mas enquanto posso ganhar dinheiro de outras formas, só você pode satisfazer minha curiosidade. 

— Por que diabos você quer saber o que eu penso sobre a Jane? 

— Hm… Porque é uma emoção estranha que é difícil de entender? 

— O quê? 

Oliver olhou para Edith com as mãos juntas. Seus olhos brilhavam de maneira peculiar, como se estivesse apreciando uma obra de arte.

— As emoções do Sr. Edith em relação à Srta. Jane são bastante estranhas. A princípio, pensei que você queria dar sua riqueza à Srta. Jane porque gostava dela, mas não era esse o caso. 

— Claro. Essa garota é apenas uma isca para eu irritar minha maldita esposa e filhos que me consideram morto—

— Então, pensei que você não gostava da Srta. Jane, mas isso também não era verdade. Além de simplesmente gostar ou não dela, suas emoções eram complexas. Uma mistura de ódio e afeto, culpa e orgulho… Você diz palavras duras para a Srta. Jane por causa disso, certo? Você não gosta dela, mas também quer que ela viva forte? 

— Parece que você tem lido romances estranhos. Tal—

— Sr. Edith, você não precisa responder às minhas perguntas, mas por favor, não minta. É triste. 

Apesar de sua grosseria ao cortá-lo, Edith não ousava argumentar, dominado pela energia de Oliver.

Ele certamente era um homem desleixado, com aparência frágil, mas neste momento, sentia um frio indescritível.

Era o suficiente para silenciar até mesmo ele, que havia sobrevivido ao jogar no mercado de ações de Landa.

O silêncio reinou novamente.

— O que você fará se eu não responder? 

— Você não vai responder? 

— Estou pensando sobre isso. 

— Hm… Isso é problemático. Eu realmente não tinha pensado tão longe. 

— Você está ficando maluco? 

Edith perguntou como se não pudesse acreditar, mas era verdade.

Oliver tinha visto Edith três vezes e sabia o quanto ele era obcecado pela vida.

A evidência era seu consumo de medicamento feito a partir de sangue para a extensão da vida.

Portanto, ele pensou que Edith aceitaria sua proposta e nem mesmo considerou o contrário.

No entanto, agora, parecia que ele estava o rejeitando.

Ele estava um pouco confuso.

— Hm… Apenas para confirmar, você realmente não vai falar? 

— Mesmo que eu seja obcecado pela vida de uma maneira vergonhosa, também tenho uma autoestima forte. Não tenho intenção de me curvar a um pirralho como você apenas porque me ameaça. 

Ele não estava blefando, mas sendo sincero.

Ele valorizava sua autoestima mais do que sua vida e, ao mesmo tempo, não queria falar sobre seus sentimentos em relação à Jane. Mais do que a morte. Ele estava completamente resolvido.

— Então não há nada que eu possa fazer… Eu só vou te dar.


Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar