Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

Lord of Mysteries – Capítulo 1106

Fazendo contato

Voltando ao mundo real, Klein imediatamente pegou papel e caneta e escreveu uma pequena carta:

“Investigue a ilha sem nome que levou à morte de Grimm, William e Poli. Isso pode ser feito através dos descendentes de Edwards, Benjamin Abraham e dos descendentes dos três falecidos.”

Esta era uma carta para a Rainha Misteriosa Bernadette, então Klein não escreveu o motivo. Ele acreditava que ela entenderia o que isso significava.

Depois de dobrar a carta, Klein casualmente encontrou uma vela e começou o ritual de invocação.

Depois de completar a montagem, ele colocou a carta no altar, deu dois passos para trás e recitou no antigo Hermes:

— Eu!

— Eu convoco em meu nome:

— Uma criatura invisível que vaga pelos reinos superiores, um estranho corpo espiritual que é amigável aos humanos, um mensageiro que pertence exclusivamente a Bernadette Gustav.

No momento em que ele disse isso, a percepção espiritual de Klein foi acionada. Ele instintivamente ativou sua Visão Espiritual com um mero pensamento.

No entanto, não viu nada.

Então, descobriu que a carta colocada no altar havia desaparecido.

“O mensageiro da Rainha Misteriosa é muito especial… Da próxima vez, passarei a usar minha visão dos Fios do Corpo Espiritual…” Klein ficou atordoado por um segundo antes de suspirar interiormente.

À noite, sob a iluminação dos postes de luz que acendiam um após o outro, uma carruagem dirigiu até o cruzamento da área da Ponte de Backlund com o Burgo Leste e parou na beira das ruas.

Usando um vestido longo e uma capa escura, Fors pagou a passagem de três solis antes de descer da carruagem alugada. Ela caminhou lentamente pelas sombras da rua, preparando-se para fazer um grande desvio para escapar de seu perseguidor imaginário.

No final da Reunião de Tarô anterior, ela rapidamente superou a preguiça, fez as malas e saiu para visitar seus ex-professores, colegas de classe e amigos.

Quanto ao motivo, não houve necessidade de motivo especial. Era muito normal preocupar-se com amigos e conhecidos após um ataque aéreo.

E a razão pela qual não fez isso na semana passada foi porque, aos olhos dos cidadãos comuns, a situação em Backlund era especialmente tensa. Poderia haver uma nova rodada de ataques a qualquer momento, então todos naturalmente fizeram o possível para não sair de casa.

Durante a visita, Fors planejou originalmente desviar o assunto para as estranhas histórias do hospital, mas para sua surpresa, não havia necessidade de fazer isso. Seus ex-professores, colegas de classe e colegas geralmente conversavam sobre esses assuntos por conta própria, depois de alguma conversa fiada, convencendo-nos de que tais ilusões aconteciam em todos os hospitais.

Não, Fors sabia que não era uma ilusão, então ela inexplicavelmente ficou horrorizada, suspeitando que teria pesadelos à noite.

“Não preciso fazer nenhuma grande mudança. Contanto que as recuperações milagrosas dos pacientes sejam alteradas para a cura de suas feridas físicas, apenas para deixá-los malucos, seria uma excelente história de terror. Além disso, acontece em uma cidade que todos conhecem e também no hospital com o qual as pessoas costumam entrar em contato na cidade, mas que exala uma atmosfera assustadora. Isso resultará em imersão perfeita. Quase posso prever outro romance best-seller prestes a nascer. Só não sei se consigo escrever bem esse gênero…”

“Uh, o único problema é que esta história não terá emoção suficiente… Uma paciente beijando apaixonadamente um rosto coberto de cogumelos e ervas daninhas? Isso não é muito estranho?…” Fors caminhou como pensava, entrando em um estado de espírito criativo.

Neste momento, sua visão ficou turva. Ela viu uma figura sair das sombras à sua frente, onde as lâmpadas a gás não conseguiam iluminar.

A figura usava um sobretudo preto e meia cartola. Ele tinha um rosto profundo com traços faciais frios. Além dos óculos de aros dourados, parecia idêntico ao louco aventureiro dos Cinco Mares, Gehrman Sparrow.

Embora Fors soubesse que o Sr. Mundo não iria caçá-la e estava aqui para cumprir o contrato, ela não pôde deixar de ficar tensa. Era como se tivesse conhecido seu professor mais rigoroso dos tempos de escola.

— Ah, boa noite. — Seus passos diminuíram, mas ela continuou avançando e cumprimentou-o.

Klein assentiu sem dizer uma palavra. Ele se virou e entrou em um beco isolado ao lado. As lâmpadas a gás já estavam danificadas, então estava escuro.

Apesar do ambiente escuro, Fors também não disse uma palavra. Ela abaixou ligeiramente a cabeça e seguiu Gehrman Sparrow em um ritmo adequado.

Quando chegaram às profundezas do beco, Klein olhou em volta e disse em voz profunda: — Ajude-me a perguntar ao seu professor se ele conhece essa pessoa: Benjamin Abraham. Se ele o conhece, quero todas as suas informações e todos os textos e fotos que ele deixou para trás.

— Uh… Ok, ok. — Fors estava esperando nervosamente que o Sr. Mundo a teletransportasse para outro lugar, mas nunca esperou que ele mencionasse outra coisa sem motivo. Ela quase não conseguiu reagir.

Ela não perguntou por que e rapidamente concordou com a cabeça, como se mal pudesse esperar para fazer isso.

Então, respirou fundo e continuou esperando que Gehrman Sparrow se aproximasse dela. Ele agarrou o ombro dela e começou a teletransportar.

Mas depois de alguns segundos, nada aconteceu.

Fors ergueu os olhos em estado de choque, apenas para ver o Sr. Mundo ainda parado na frente dela, olhando para ela.

Ela então o ouviu dizer em voz profunda: — Escreva agora.

“Escreva agora…” Fors não perguntou por que, pois inconscientemente disse: — Não trouxe nenhum papel, caneta, envelope ou selo comigo.

Antes que ela pudesse terminar a frase, os quatro itens foram entregues.

Fors pegou os itens e deu alguns passos para trás. Usando as lâmpadas a gás no final do beco que dava para as estradas e para a parede dura, ela rapidamente escreveu a carta para seu professor, Dorian Gray Abraham.

Com as duas mãos nos bolsos, Klein esperou pacientemente, sem qualquer sinal de impaciência.

Na verdade, ele estava há muito tempo espreitando a Srta. Mágica sem se mostrar.

De acordo com o endereço fornecido por Fors, ele a monitorava secretamente desde o momento em que saiu de casa, à tarde. Seu monitoramento foi feito fazendo com que suas marionetes orassem ao Deus do Mar Kalvetua de vez em quando, enquanto seu corpo real permanecia acima da névoa cinza, usando os pontos de luz de oração para observar a situação ao redor da Mágica.

Com a ajuda de sua verdadeira visão, Klein estava certo de que Zaratul não tinha como alvo a Srta. Mágica; portanto, era seguro fazer contato com ela.

Depois de saber que a Srta. Mágica havia visto a marionete de Zaratul, como ele poderia ficar tranquilo e ousar o suficiente para vê-la e levá-la numa Viagem?

Agora, ele tinha certeza de que Zaratul havia sido atraído pelo Artefato Selado da família Abraham ou pelo Santo dos Segredos Botis. Quanto a uma mera Sequência 6 como A Mágica, ela não era digna de nota. Portanto, não foi exposta.

Poucos minutos depois, Fors terminou de escrever. Ela usou um pó pegajoso de ervas que carregava consigo para selar o envelope e colou o selo.

— Devo jogá-lo na caixa de correio agora? — Fors olhou para a capa da carta com o endereço e o nome verdadeiro de seu professor e perguntou hesitante.

Ela sentiu que tinha que fazer isso sozinha. Não poderia entregá-lo ao Mundo, ou isso poderia trazer perigo para seu professor.

É claro que, se Gehrman Sparrow insistisse, Fors achava que não havia nada que pudesse fazer. Mesmo que ela rasgasse a carta, ainda havia a possibilidade de ela ser hipnotizada ou ter seu espírito canalizado.

Klein assentiu indiscernivelmente.

— Volte depois de terminar de postar.

Ufa… Fors soltou um longo suspiro de alívio. Virando-se, ela correu em direção à rua e encontrou a caixa de correio.

Depois de terminar tudo isso, voltou para o beco escuro. Sem esperar que Gehrman Sparrow falasse, ela entregou a caneta-tinteiro e os dois selos restantes. Ela disse muito rapidamente: — Um foi o suficiente.

Klein deu uma olhada para a Srta. Mágica antes de pegar os selos e a caneta e disse calmamente: — Isso significa que a residência do seu professor fica a menos de 100 quilômetros de Backlund.

A expressão de Fors congelou.

“Qual é o problema? Eu também sei que seu professor mora no Porto Pritz, e há uma grande chance de ele ainda não ter se mudado… Quanto ao motivo de eu ter te dado três selos, é claro que foi intencional…” Klein murmurou para si mesmo antes de dar alguns passos. para frente para ficar na frente da Srta. Mágica.

Ele então estendeu a mão esquerda que usava uma luva transparente e agarrou o ombro da senhorita.

Fors inconscientemente abaixou a cabeça novamente.

As cores circundantes imediatamente ficaram saturadas e em camadas enquanto inúmeras figuras indescritíveis brilhavam. Quando as coisas e cores que ela viu voltaram ao normal, Fors instintivamente levantou a cabeça para agradecer.

Porém, Gehrman Sparrow já havia desaparecido!

Fors avaliou o ambiente atordoada e percebeu que estava parada em um canto vazio. Na frente dela havia uma porta, e um barulho e o cheiro de álcool eram emitidos do outro lado da porta.

Fors puxou a capa e saiu pela porta com uma pitada de medo, apenas para ver muitos homens vestidos de piratas.

Eles carregavam cimitarras e armas, penduradas ou alojadas na cintura. Enquanto bebiam bebidas destiladas, eles discutiam com entusiasmo os pontos fortes das frotas de Feysac e Loen. Um grande número de mulheres lindamente vestidas estavam entre elas, como borboletas dançantes.

Ela usava uma capa longa e escura no estilo Backlund. Seu cabelo castanho era longo e levemente cacheado. Tinha um temperamento bastante maduro, mas sua expressão de medo fazia parecer que Fors era um cordeiro que havia invadido uma matilha de lobos. Foi tão desarmonioso e atraente que rapidamente atraiu a atenção de muitos.

Ela se sentiu um pouco familiarizada com o que aquelas pessoas haviam dito a ela. Era como se fizessem parte de um ramo da língua que ela havia aprendido, mas não conseguia entendê-los imediatamente.

“Onde estou, o que estou fazendo, quem são eles…” Como Fors estava perdido, um homem rechonchudo se espremeu e disse em Loenese confuso: — 10 solis, uma noite!

Fors esteve envolvida em muitos grupos de Beyonder ao longo dos anos. Embora ela não soubesse onde estava, sabia muito bem em que tipo de situação se encontrava. A luz em seus olhos tremeluziu estranhamente antes de convergirem para um ponto.

Uma aura indescritível emanou de seu corpo, fazendo com que as pessoas ao seu redor evitassem inconscientemente seu olhar.

Esta foi a autoridade de um Juiz, uma mudança qualitativa na capacidade de um Árbitro.

Mar Berserk, Ilha Theros.

Danitz se escondeu nas sombras, observando o fornecedor de inteligência, Bartz, de maneira séria.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar