Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Lord of Mysteries – Capítulo 1395

Capítulo 1395 - A vida diária de uma pessoa comum (1)

— Você tem a chance de conhecer Sua Santidade.

Barton ouviu um homem com uma túnica de bispo azul escuro dizer a ele.

Não importa o quanto ele tentasse, o rosto do outro homem era indiscernível. Parecia que seu rosto estava coberto por um gás cinza e embaçado.

Claro, isso não era um assunto importante. Como um crente devoto do Senhor, era definitivamente a maior honra para Barton encontrar um representante Dele.

Isso o deixou tão animado que não conseguiu dizer uma palavra. Seu corpo tremia enquanto ele seguia o bispo até os fundos, entrando no salão um passo de cada vez.

Barton também não conseguiu descrever o salão em detalhes. Ele só sabia que era muito grandioso e magnífico, que exalava uma pressão imensa. Só conseguiu abaixar a cabeça obedientemente.

Finalmente, ele chegou na frente dos degraus.

Naquele momento, pareceu receber permissão enquanto inconscientemente levantava a cabeça.

Então, viu um golden retriever.

Este cachorro usava um lindo manto azul profundo que lembrava uma cortina. Usava uma tiara papal com muitas pedras preciosas embutidas. Sentou-se em um trono enorme e observou-o em silêncio.

— … — Barton ficou atordoado.

“Este, este é o Pontífice?” Barton ficou chocado e em pânico, uma forte sensação de medo crescendo em seu coração.

Ele abriu os olhos abruptamente e viu a luz da manhã iluminando o teto.

Ufa… Barton sentou-se, ofegante, tentando se livrar das influências do sonho o mais rápido possível.

— O que aconteceu? — Sua esposa percebeu que algo estava errado e se levantou.

Barton balançou a cabeça.

— Um pesadelo.

Ele não contou a verdade à esposa — sonhou que o pontífice era um golden retriever.

Ele podia apostar que sua esposa diria horrorizada: — Como você pode ter pensamentos tão sacrílegos?

Se isso acontecesse, ele só poderia encolher os ombros e dizer: — Só estou brincando.

“Não posso trazer meus problemas para minha vida familiar. Este é um paraíso para os humanos, feito para relaxar… Além disso, as mulheres dificilmente conseguem compreender questões mais profundas. Elas têm características de serem perceptivas aos pensamentos e ao amor…” Barton não se preocupou mais com o conteúdo de seu sonho. Ele saiu da cama e foi ao banheiro escovar os dentes.

Depois do café da manhã, beijou a esposa e os filhos antes de deixar sua residência e pegar uma carruagem pública sem trilhas até o bairro operário na periferia da cidade.

Ele trabalhava para a Fundação de Busca e Preservação de Relíquias de Loen com um salário considerável. Em lugares como a capital do condado de Chester Leste, Cidade Stoen, ele era considerado classe média alta.

No caminho, Barton estudou as ruas lá fora por causa do tédio.

Por não ter sido diretamente afetada pela guerra, Stoen ainda manteve sua antiga prosperidade. Carruagens, bicicletas, pedestres e cães selvagens iam e vinham; era animada e barulhento.

Barton já estava acostumado com tal cena. Ele não teve muita impressão disso, mas o sonho da noite anterior o incomodava toda vez que via um cachorro na rua. Era como se fosse a encarnação do pontífice, alguém a quem ele precisava se curvar e cumprimentar.

— Santo Senhor das Tempestades, por favor, perdoe seu servo penitente. — Barton ergueu a mão direita, cerrou o punho e bateu suavemente no peito esquerdo.

Depois de um tempo, chegou à Fundação de Busca e Preservação de Relíquias de Loen. Ao cumprimentar seus colegas, entrou em seu escritório.

Depois de pendurar o chapéu e o casaco, Barton relaxou e preparou sem pressa um chá preto especial para si mesmo — ele estava quase na meia-idade e sua energia estava diminuindo. Sempre esperou usar um método mais simples para complementar seu corpo sem sofrer nenhuma dificuldade.

Depois de preparar o chá preto, Barton pegou alguns jornais sobre a mesa e quis se preparar antes de começar a trabalhar.

A situação econômica em Backlund na última temporada melhorou muito…

Outro pirata no nível de Rei apareceu no Mar Sônia e no Mar Berserk, Rainha das Estrelas…

Feira Comercial de Frutas da Baía de Desi…

Depois de ler o jornal lentamente, Barton tomou um gole de chá preto e começou a trabalhar.

“Uma carta de Vernal?” Barton encontrou uma carta de um velho amigo enquanto examinava os documentos em sua mesa.

Ele era um arqueólogo que tinha um relacionamento próximo com a Fundação de Pesquisa e Preservação de Relíquias de Loen.

Barton imediatamente pegou um cortador de cartas, tirou a carta e leu-a seriamente.

“Meu caro amigo,”

“Meus alunos e eu encontramos algumas ruínas interessantes nas montanhas do condado de Sivellaus. Talvez elas tenham se originado de refugiados da Quarta Época…”

“Naquele período da história sobre o qual não sabemos muito, eles deixaram a cidade por motivos que desconhecemos. Entraram nas florestas e deixaram de interagir com o mundo exterior novamente.”

“Eles ainda podem estar guardando alguma coisa, mas há muito tempo isso foi abafado pelo tempo, deixando para trás apenas ruínas e cadáveres…”

“Meus alunos e eu escavaremos este lugar empregando práticas de conservação. Esperamos encontrar algo mais útil que possa nos ajudar a restaurar a história da Quarta Época. Gostaria de saber se sua fundação está interessada nisso.”

“… Aqui, convido você solenemente a enviar uma equipe para confirmar se nosso trabalho é real e eficaz…”

“Indo para as montanhas…” A primeira coisa que veio à mente de Barton não foram as relíquias ou a história, mas o zumbido dos mosquitos, o ambiente úmido e escuro e o acampamento que se tornou uma tentação para as feras.

Ele balançou a cabeça e pegou uma caneta e papel. Ele se preparou para arquivar esta carta e enviá-la aos seus superiores.


Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar