My Vampire System – Capítulo 137

Sangue Verde

Na segunda base militar dentro de uma das escolas, outra reunião estava ocorrendo. Mais uma vez, o General Chefe não estava presente, deixando Nathan e Duke lidarem com as coisas.

“Houve um relatório de uma nave Dalki pousando no Planeta Caladi,” Nathan relatou. Naquele momento, os sargentos do primeiro ano tinham expressões de choque: “Não se preocupem. Parece ser uma nave perdida de algum lugar. A torre fez comunicações com o Dalki, e é claro, eles disseram que era um membro que foi renegado.”

“Malditos Dalkis!” Duke gritou, batendo na mesa: “Todo ano, eles continuam se infiltrando em nossos territórios.”

“Felizmente, só parece ser uma nave singular, então no máximo, há apenas dois. É claro, a torre nos pediu para enviar…”

Antes que Nathan pudesse terminar sua sentença, Leo levantou e se curvou na frente de Nathan: “Por favor, deixe-me ir. Aqueles alunos são jovens demais para experienciar algo assim, especialmente na primeira excursão. Eles devem ser protegidos.”

Nathan ficou bastante chocado ao ver Leo se voluntariar. Normalmente, quando algo assim ocorria, ninguém estaria disposto a ir e arriscar suas vidas contra um Dalki. Ouvir isto fez Nathan se perguntar se os rumores eram realmente verdade.

O rumo dizia que por algum motivo, Leo tinha um rancor maior contra os Dalkis que a maioria das pessoas. Ou talvez, ele só se importava com os alunos. Uma coisa era certeza, ele tinha certeza de que se enviasse Leo, então não haveria a necessidade de despachar nenhum outro professor ou sargento.

Contanto que o Dalki não tivesse mais de três espinhos, Nathan estava confiante nele: “Bem, acho que o assunto está resolvido. Fay, Haylay, quero que vocês duas fiquem de prontidão fora do portal para o retorno deles. Se o reforço for necessário, então vão ajudar. Hayley, cure qualquer um que precisar de atendimento médico imediato.”

A reunião terminou assim e todos foram fazer como ordenado. Leo rapidamente colocou seu equipamento enquanto as duas garotas aguardavam fora do portal verde: “Parece que a classe do Del está tendo dificuldades este ano,” Hayley disse.

“Não poderia concordar mais, é quase como se a má sorte os seguisse aonde vão,” Fay respondeu.

Leo ficou pronto em pouco tempo e entrou sem hesitar no portal logo depois.

……

O abrigo respondeu ao pedido de emergência e fechou todos os portões. Nenhum cidadão tinha permissão para sair sem liberação militar. Dois mechas foram enviados para procurar pelo Dalki, com os dois chegando no local do acidente. Infelizmente, não havia sinal do Dalki.

Este foi o motivo pelo qual levou tanto tempo para os mechas descobrirem os estudantes e o Dalki. Mas quando descobriram o local, foram capazes de dizer a Leon exatamente onde estavam.

“Homens, recuem!” Leo gritou.

Os dois caras no mecha fizeram como ordenado. O Dalki estava segurando o braço de um dos mechas e o cara não teve escolha além de permitir ser arrancado para se libertar. Depois, imediatamente recuaram e foram para o lado dos estudantes.

“Outro,” O Dalki disse ao ver Leo caminhando na direção dele com a mão na bainha: “Vocês são realmente germes deste universo inteiro, olha quantos de vocês já tem neste planeta.”

O Dalki parecia estar gravemente ferido, mas isso não enganou Leo. Usando sua habilidade, viu a forte aura emitindo dele. O Dalki ainda não tinha desistido.

“Por que você luta contra nós?” Leo perguntou.

Em resposta à pergunta, o Dalki o ignorou e atacou. Leo respondeu às suas ações girando para frente e usando um saque rápido, retirando a katana da bainha e colocando-a de volta em um instante.

O Dalki não sentiu nada quando seu braço foi cortado. Não houve resistência antes, foi como se a espada fosse capaz de ignorar todos os atributos.

O braço voou alto e aterrissou um pouco atrás de Leo enquanto sangue verde esguichava da ferida.

“Você!” O Dalki apontou com a outra mão: “Eu sei quem você é! Os outros me avisaram sobre você!” Infelizmente, antes que pudesse terminar de falar, sua cabeça também foi cortada.

“Era só esse?” Leo perguntou.

Por um momento, os alunos esqueceram de falar porque ficaram maravilhados demais com o que acabaram de ver. A coisa que se esforçaram para derrotar com todos juntos foi morto simples assim.

“Um… sim. Esse foi o único que vimos,” Layla respondeu.

Os dois mechas logo correram para frente e ficaram de joelhos: “Obrigado por nos proteger, Sargento Leo.”

“Não há necessidade disso,” Leo respondeu: “Felizmente, o Dalki já estava nas últimas. Vocês dois devem ter feito um bom trabalho em ferir o Dalki até aquele estado.”

Os dois soldados se entreolharam em resposta. Eles sabiam que suas skills dificilmente tiveram algum efeito no Dalki. Na verdade, eles nem conseguiram atingir. Quase todas as feridas no Dalki já estavam lá antes de chegarem.

‘Não poderia ter sido os alunos, poderia?’ Eles pensaram a mesma coisa.

Se Leo fosse capaz de ver suas expressões, ele também teria percebido que não foram eles que feriram o Dalki.

Leo e os dois soldados estavam ocupados inspecionando o Dalki, vendo se podiam encontrar algo indicando o motivo de estar aqui.

Enquanto faziam isso, os outros ainda estavam cuidando de Peter, se certificando de que ele estava bem. Em contrapartida, a atenção de Quinn estava focada em outra coisa.

Seus olhos estavam fixos na mão do Dalki que não estava muito longe deles. Ele começou a se aproximar e Vorden logo notou o que ele estava olhando.

[Inspecionar]

[Dalki: Raça meio humano, meio besta]

“Meio humano, meio besta?” Quinn olhou confuso. Os Dalki não são alienígenas? Embora estivesse curioso, inspecionou o braço só para confirmar algo.

[Inspecionar]

[Sangue de Dalki]

[Consumir o sangue terá efeitos desconhecidos no anfitrião]

“Sistema, você sabe o que o sangue do Dalki fará?” Quinn perguntou.

“Não,” O sistema respondeu sem rodeios: “Mas direi isto. Se fizer algum mal ao seu corpo, o sistema vai avisar.”

Quinn então caminhou até o braço e colocou o dedo no sangue verde. Cheirou um pouco para começar. Tinha um cheiro doce com um toque de menta, lembrando-lhe pasta de dente.

‘Eu deveria?’ Quinn pensou: ‘O sistema disse que não me machucaria, certo?’

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar