My Vampire System – Capítulo 148

Um Problema

Fora do edifício do segundo ano, dentro de um campo aberto, Layla e Vorden ainda estavam aguardando pacientemente. Peter tinha entrado há um tempo, e agora os dois estavam começando a se perguntar por que ele estava demorando tanto.

“Você acha que algo pode ter acontecido com ele?” Layla perguntou, olhando para os dois segundanistas que permaneceram fora do edifício, como se fossem cães de guarda.

“Não tenho certeza. Ele não parece com o tipo que é bom em mentir,” Vorden respondeu à pergunta dela: “Mas, ele já enganou Quinn e eu antes, sem nem termos ideia.”

“Você pode parar de ser tão chato sobre isso? está ficando irritante,” Layla disse, pois estava ficando de saco cheio por Vorden parecer estar rebaixando Peter sempre que falavam sobre ele: “Agora, todos nós estamos tentando ajudar um ao outro. É assim que deve ser. É assim que este mundo já era assim antes mesmo da introdução dos poderes e a mudança de tudo.”

Vorden podia dizer que parecia haver algum tipo de dor por trás das palavras de Layla. Então de novo, era normal para pessoas que estavam nas classes baixas, ficarem infelizes com o sistema atual. Antes da guerra com os Dalki, todos tinham uma voz de alguma forma. Eles tinham o direito de votar e a chance de mudar as coisas.

Mas após a guerra, tudo mudou. Agora, se você era da classe baixa, as pessoas não se importariam com o que pensa.

“Os poderes em si não são os culpados,” Vorden respondeu: “As pessoas do topo que são culpadas por fazer o sistema atual.”

Eventualmente, os dois sentiram que tinham esperado por tempo demais. Eles chegaram à conclusão que Peter provavelmente não sairia tão cedo e tiveram a sensação de que algo pode ter acontecido. Com isso em mente, os dois decidiram parar de esperar na frente e começaram a dar a volta. Não havia entrada nos fundos do edifício do segundo ano, já que o edifício ficava contra as paredes que cercavam o acampamento militar.

Mas talvez, podiam encontrar alguma outra entrada ao escalar algumas paredes ou através de alguns outros meios.

Os dois precisavam ter cuidado para não serem vistos enquanto esgueiravam pelo local, portanto, estariam usando a habilidade de Layla para garantir isso. Quando chegaram nos fundos do edifício, viram outros estudantes parados lá. Usando os poderes de Layla, ambos elevaram algumas pedras e jogaram para distrair os alunos.

“Está pronto?” Layla perguntou com um sorriso. Quando percebeu o tipo de sorriso que estava fazendo, rapidamente parou. Ela não conseguia acreditar que estava se divertindo em esgueirar e causar problemas, ainda por cima com Vorden de todas as pessoas.

“Como pensei, você parece um pouco fofa quando está sorrindo,” Vorden disse em resposta.

……

Peter estava aguardando fora do local pacientemente onde havia sido sugerido. Enquanto esperava, começou a olhar em volta do local. Desde que não havia saídas, não tinha muitos alunos circulando pelo local. Também havia uma parede simples, mas era quase impossível para alguém escalar a menos que tivessem algum tipo de habilidade.

Enquanto continuava a olhar para a parede, ele estava se perguntando se, em seu estado atual, poderia fazer tal coisa. Mas quando estava no meio deste pensamento, ouviu uma voz por trás.

“Ei! Ei, Peter! Já faz um tempo, não é” Earl disse enquanto se aproximavam antes de acrescentar: “Sabe, ultimamente, o Duke tem me culpado por todas as tentativas falhas contra o Vorden, então não tenho conseguido recompensas, como você vai resolver isso para mim?”

Enquanto se aproximava de Peter, Earl olhou para o que havia nas mãos dele, que eram livros de habilidade de terra de nível 2, 3 e 4. Embora Earl já fosse um usuário de terra de nível 4 e não precisasse dos livros, ele poderia vendê-los no mercado para ganhar algum dinheiro.

“Entregue-os, seu pedaço de merda,” Earl disse ao bater no rosto de Peter, deixando uma marca vermelha.

A verdade era, Earl realmente não se importava com os livros. E se pedisse, então Peter provavelmente os daria. Tudo que queria fazer era extravasar suas frustrações acumulares em alguém, e Peter era o alvo perfeito.

Apenas alguns momentos atrás, Duke não lhe deu nenhuma recompensa por seus esforços, diferente do que prometeu. ‘Ele falhou na sua tarefa?’ Earl ponderou. Nenhum pouco. Ele conseguiu convencer Peter a empurrar seu amigo, assim como foi pedido.

Com isso e mente, por que ele não estava sendo recompensado? Além de tudo, depois de tudo que passou, ele foi espancado por Erin. Logo depois, seus amigos o abandonaram, dizendo que não queriam mais ajudá-lo.

Para eles, era perigoso demais e também não queriam ser machucados por Erin. Assim, mais tarde, ele foi punido ainda mais por Vorden. Ele ainda não conseguia dormir direito depois do que Vorden fez.

Peter olhou para a marca em seu rosto. Normalmente, em uma situação como esta, suas mãos estariam tremendo. No passado, ele estava tão mentalmente quebrado que até mesmo o levantar da mão de Earl o fazia vacilar… mas não hoje.  Algo parecia diferente.

Depois que as cenas do pescoço de Earl sendo rasgado apareceu em sua mente, pensamentos estranhos começaram a surgir. ‘E se eu pudesse tornar isso em uma realidade?’ Peter pensou.

Earl então chutou Peter no estômago antes de agarrá-lo pelo colarinho e o jogar no chão.

Peter agora estava em um espaço entre dois edifícios, nomeadamente o edifício do segundo ano e um dos armazéns. Era um local bem escuro, e a menos que alguém fosse lá de propósito para encontrá-los, ninguém encontraria.

“Muito bem então. Este não é um pequeno local quieto para nós dois cuidarmos do nosso negócio de costume?” Earl perguntou com um sorriso.

Peter então se levantou e respondeu com um sorriso: “Realmente é.”

……

Depois de distrair os alunos que estavam parados ao lado do edifício, usando as pedras, eles foram capazes de caminhar na direção dos fundos do edifício sem serem vistos.

 Quando chegaram, não viram nada. Estava totalmente vazio, não havia nada lá, até mesmo as janelas que viram eram altas demais para escalar.

“Venha. Vamos continuar procurando,” Layla disse: “Deve haver alguma maneira de entrar na escola.”

Eles olharam em volta, mas infelizmente, não encontraram nada… até que Vorden localizou um pequeno beco entre o edifício do segundo ano e o armazém: “Talvez haja um cano ou algo que possamos usar para subir até a janela.”

“Você tem visto filmes de artes marciais demais,” Layla disse.

Ainda assim, decidiram checar, pois já estavam lá mesmo. Eles já tinham chegado longe demais e o mínimo que podiam fazer era tentar de tudo antes de desistir. Enquanto caminhavam pelo espaço entre os dois edifícios, começaram a ouvir sons estranhos. Certos barulhos de estalido e gorgolejo eram feitos, como se algum tipo de cão selvagem estivesse devorando sua refeição.

Finalmente, viraram a esquina, somente para ver Peter lá. Porém, ele não estava sozinho. Suas mãos e boca estavam cobertas de sangue enquanto um cadáver usando uniforme de estudantes estava deitado na frente dele.

Algumas partes do corpo do estudante tinham sido arrancadas, também havia alguns ossos com alguns pedaços de carne que podiam ser vistos, e pareciam como se alguém tivesse rasgado a carne avidamente direto do osso.

“Peter?” Layla disse: “O que você fez?”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar