Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

Nanomancer Reborn – I’ve Become A Snow Girl? – Capítulo 914

Nitha

Já se passaram dois dias desde que o mundo mudou. Eu estava viajando com a caravana em direção ao leste.

Durante nossa jornada, encontramos alguns monstros, mas eles eram monstros fracos que estavam fugindo.

Em vez de matá-los, decidi persuadir a caravana a me deixar raciocinar com eles.

Demorou um pouco de convencimento, mas sabia que eles eram sencientes e sabiam que os monstros de nível superior eram perigosos para nós dois.

Eventualmente, consegui convencê-los a viajar conosco, agindo como montarias e podendo carregar algumas das coisas maiores que encontramos que poderiam ser úteis.

Os monstros que nos seguiram consistiam em três Dracos de Rocha com média em torno do nível 350. Seu corpo era bastante grande, pois pedaços de rocha cobriam seus músculos e agiam como armadura.

Dois Uivadores do Terror e um único Fantasma Espectral.

Os Uivadores do Terror eram essas criaturas serpentinas longas que tinham um corpo superior que se assemelhava a uma arraia, exceto que suas bocas podiam se abrir, revelando fileiras de dentes e paredes de carne que brilhavam no escuro com um azul bonito. Havia pequenas protuberâncias na superfície de seus corpos que brilhavam nas pontas. Suas asas eram alongadas com espinhos nas bordas.

Os Uivadores do Terror seriam adequados no mar, na terra e no ar, já que são capazes de se adaptar em todas as três áreas.

Eles caçam principalmente no escuro, usando suas protuberâncias brilhantes como iscas antes de estrangular e comer sua presa viva.

Ter esses monstros ao nosso lado foi útil, já que as batalhas noturnas eram nossa fraqueza considerando a falta de luz.

Além disso, eles eram úteis como montarias para nossos batedores, considerando que podiam facilmente levar três humanos em suas costas.

Quanto ao Fantasma Espectral, era semelhante a uma Górgona, exceto que era muito mais monstruoso. Seu corpo era translúcido e revelava fileiras de ossos sob sua pele, e apêndices semelhantes a tentáculos que podiam se retrair para que seu corpo se tornasse aerodinâmico. Os tentáculos podiam se abrir na ponta para revelar garras que podiam se prender a qualquer superfície sem soltar. Havia pequenas placas de armadura espinhosa, também translúcidas, correndo pelos tentáculos e pela espinha dorsal. Ele podia erguer os espinhos para ferir seu inimigo sempre que recebia um ataque.

A principal forma de ataque do Fantasma Espectral era duas garras semelhantes a foices na frente, que cortariam você ao meio antes que percebesse. Ele tinha uma cabeça, mas não tinha olhos. A cabeça podia se dividir em quatro partes para revelar os dentes afiados que escondia na boca.

Quando nos deparamos com o Fantasma Espectral, na verdade estava lamentando a morte do que parecia ser sua mãe, já que seu corpo havia sido despedaçado. Sabíamos que não fora feito por humanos, já que o corpo teria desaparecido se coletássemos os materiais.

Ele estava em guarda contra nós, mas o monstro que viajava conosco ajudou a persuadir o jovem Fantasma Espectral.

Em termos de tamanho, era ligeiramente maior que os Dracos de Rocha que podiam carregar três pessoas se forçassem, mas era menor que os Uivadores do Terror.

Mandamos os alfaiates fazerem algumas selas com o que tínhamos à mão para que pudéssemos montar os monstros sem problemas, e eles trabalharam rapidamente. Mas, devido à falta de materiais, só conseguimos fazer três selas.

No final, decidimos dar as selas para o Fantasma Espectral e os dois Uivadores do Terror.

Quando se tratava de patrulhar, esses três eram melhores em comparação com os Dracos de Rocha, então poderíamos equipá-los posteriormente.

Embora a caça tenha se tornado mais fácil graças aos monstros, a necessidade de comida cresceu, já que eles também precisavam se alimentar. Apenas comer pedras de mana não parecia ser suficiente para eles, então eles extraíam algum nutriente da carne crua. Parecia que o nível de mana diminuía após o cozimento, então dividíamos a comida em dois, metade cozida para nós e a outra metade para os monstros.

Os Dracos de Rocha conseguiram diminuir nosso fardo em termos de comida, já que estavam bem em extrair mana de materiais preciosos e minérios. Tínhamos alguns ferreiros conosco que carregavam alguns minérios, o que conseguiu saciar os Dracos de Rocha por enquanto, mas precisaríamos minerar quando pudéssemos para manter o suprimento de comida para eles.

Alguns reclamavam, mas o fato de os monstros nos protegerem os obrigou a aceitar sua presença, já que era melhor que um monstro morresse lutando para nos proteger do que um humano.

Independentemente disso, eu sabia que essas pessoas provavelmente nos deixariam assim que encontrássemos uma cidade sem se importar, já que ainda estavam reclamando apesar da situação em que estávamos.

Embora fosse melhor se eles partissem, já que esta caravana estava crescendo em tamanho. Tínhamos ajudado alguns grupos de fugitivos durante nossa jornada, então havia mais bocas para alimentar. Ao contrário dos reclamantes, esses novos recrutas sabiam o quanto era duro, então, em vez de reclamar, estavam ajudando para provar que podiam ser úteis.

Eu olhei para o Fantasma Espectral enrolado ao meu lado e sorri. Acalmando sua pele, pude sentir que ela olhava para mim curiosamente, apesar de não ter olhos.

“Dizem que os novos recrutas ouviram alguns rumores de alguns acampamentos sendo montados mais adiante. Se pudermos encontrar um assentamento de pessoas, talvez possamos reduzir um pouco o tamanho da caravana para que possamos nos mover e ajudar mais pessoas. Espero que possamos até mesmo reabastecer nossas rações um pouco, já que estamos com pouca comida”, murmurei, enquanto o Fantasma Espectral rosnava suavemente antes de abrir a boca.

Vomitando um pouco de comida meio digerida, ela a empurrou para perto dos meus pés.

“Hahaha, são os outros que estão com fome. Eu estou relativamente bem. Embora você deva guardar sua comida, já que precisamos que você esteja saudável para poder nos proteger”, eu ri enquanto acariciava sua cabeça.

Não pensei que os monstros pudessem realmente ser gentis assim, já que os Fantasmas Espectrais eram na verdade um símbolo de medo de uma das regiões onde podiam ser encontrados.

Inclinando ligeiramente a cabeça, o Fantasma Espectral abriu a boca mais uma vez enquanto sua língua se projetava para frente e pegava a comida de volta, engolindo-a.

“Um pouco anti-higiênico, não acha? Mas comida é comida. Fico imaginando como o assentamento vai reagir a vocês, se realmente existir. Espero que não tentem nos matar por estarmos com vocês, já que este não é o momento para lutar entre nós”, murmurei.

Achei engraçado estar conversando com esse monstro como se fosse um velho amigo meu, enquanto meu amigo verdadeiro ficou um pouco distante desde que trouxe os monstros como proteção. Mas eu sabia que o cara ainda era gentil no coração. Ele só precisava digerir tudo o que aconteceu.

Deixando escapar um rosnado que soava quase reconfortante, ele encostou a cabeça contra o meu corpo.

“Obrigado. Talvez eu devesse te dar um nome? Afinal, vamos viajar juntos por um tempo”, sugeri.

Ouvindo isso, o Fantasma Espectral se contorceu por um momento como se estivesse contemplando algo antes de voltar ao meu lado e acenar com a cabeça.

“Então você é um menino ou uma menina? Não tenho certeza se os Fantasma Espectral têm gêneros, mas considerando o quão brutal você é em algumas das lutas, você é talvez um menino?” Eu perguntei.

Recuando um pouco, um de seus tentáculos bateu nas minhas costas, como se ele, ou melhor, ela, estivesse ofendido. Imediatamente soube que provavelmente era uma menina, considerando o fato de ela ter me batido depois de chamá-la de menino.

“Então você é uma menina então? Hum… Que tal eu te chamar de Nitha? Havia uma pequena lenda de onde meus avós moravam e havia um ser chamado Nitha. Não sabiam qual era a raça dela, mas ela protegia a vila apesar dos humanos a condenarem no passado. Se você oferecer sacrifícios de comida, ela manterá a vila livre de monstros. De certa forma, você está fazendo o mesmo cuidando dos monstros, então por que não te chamar de Nitha?” sugeri.

Parando por um momento, Nitha soltou um rosnado satisfeito e eu não pude deixar de rir.

Nossa viagem estava ficando mais estranha a cada momento que passava. Monstros se juntaram à caravana e eu acabei de nomear um Fantasma Espectral já que era minha montaria/companheiro quando saía em patrulha. Não sabia para onde essa jornada nos levaria, mas esperava que o resultado fosse bom.

“Asher! Vou assumir a próxima vigília. Você pode dormir agora”, alguém me chamou quando olhei para ver a pessoa responsável pela próxima vigília.

“Parece que é minha hora de sair. Te vejo amanhã, Nitha.” Eu sorri enquanto Nitha acenava com a cabeça antes de se enrolar e ir dormir.

Rindo por um momento, voltei para a minha tenda para me preparar para a jornada de amanhã.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar