Omniscient Reader’s Viewpoint – Capítulo 125

Aquilo Que Muda (6)

Fiquei surpreso ao ver isso, porque era a Fortaleza Armada, não a Zona Armada. O estigma do Gong Pildu tinha passado do nível 10 e entrou no próximo reino.

Você invadiu uma propriedade privada!

Foi uma surpresa. De qualquer forma, esta mensagem era bem-vinda num momento como este.

— Ai! Que dor! O que foi isso?

Os japoneses gritaram de dor, enquanto as centenas de torretas disparavam ao mesmo tempo. Um acerto não causava tanto dano, mas era desastroso quando centenas de balas eram disparadas. O dano foi ainda maior porque seus movimentos estavam restringidos.

Dududududu!

Os japoneses sangraram quando foram atingidos pelas balas.

— Olhos! Meus olhos!

— O quê? O que foi isso?

Os projéteis voaram sem parar. Logo, os japoneses gritaram e caíram de bunda quando foram atingidos.

— Avanço total!

O exército de pessoas pequenas se escondendo na entrada da floresta se juntou. A princípio, teria sido inútil, mas a situação mudou devido ao estado atual do povo japonês. Pequenas lâminas foram cravadas nos buracos feitos pelas balas e os japoneses gritaram em sucessão. Em seguida, ouvi uma voz digna. — Não invada a propriedade privada. Esta terra é minha.

Como esperado do Mestre da Fortaleza Armada. Ele estabeleceu uma propriedade privada mesmo quando veio a este mundo.

Os japoneses feridos se levantaram e gritaram: — R-Recuem! Vamos voltar!

Foi ótimo. As torretas do Gong Pildu eram fortes o suficiente para fazer três desastres recuarem, apesar do tamanho pequeno dele.

Eu me virei e vi uma pequena fortaleza subindo do chão. Era difícil chamar de uma fortaleza adequada, mas ficou claro porque era chamado de Mestre da Fortaleza Armada.

— Waaaaahhhhh!

— Nós vencemos! Derrotamos os desastres!

As pessoas pequenas e radiantes se reuniram e gritaram pela vitória. Enquanto isso, havia duas pessoas em cima da fortaleza, um era Gong Pildu e a outra…

— Por que esta terra é sua? Aqui não é um lugar onde a propriedade privada é reconhecida.

— Uma garotinha que não sabe o que fala…

— Humm, você não deveria mostrar mais cortesia com esta deusa?

Essa voz…? As pessoas pequenas gritaram novamente. — Deusa-nim, viva! Viva!

Deusa…? A mulher no topo da fortaleza me notou e desceu pulando. Seu vestido curto soprou na brisa e o som de uma aterrissagem leve foi ouvido. Ela tinha um olhar orgulhoso e distinto; realmente não tinha mudado nada.

As pessoas pequenas se separaram na frente dela como as ondas diante de Moisés. Sorri e abri minha boca: — Olha, parece que alguém tá muito bem-sucedida, não é?

Han Sooyoung se aproximou e levantou meu queixo com os dedos. — Quanto tempo, Kim Dokja. Você continua feio.

Acabei me reencontrando com a Han Sooyoung, a deusa da Terra da Paz.


Fomos para o castelo e ouvi sobre as coisas que aconteceram com ela. — Estava andando pela rua quando fui atropelada por um ônibus lotado de sobreviventes.

— E então?

— Acordei aqui.

— Tá me tirando? E o Gong Pildu?

— Caí no Rio Han e parei aqui quando abri os olhos.

Não consegui acreditar. — Isso é uma novel de fantasia por acaso?

— Já esqueceu onde estamos?

Basicamente, a conversa foi isso.

Na verdade, parecia absurdo, mas algo semelhante tinha acontecido em Maneiras de Sobreviver. Havia alguns repatriados que viajaram para outro mundo depois de cair no Rio Han ou serem atingidos por um ônibus, só que para algo assim acontecer durante um cenário…

Que raios esses Dokkaebis de merda estavam fazendo? Perguntei: — Então por que você é a deusa? Pediu para eles te chamarem assim?

Han Sooyoung negou com a cabeça e resmungou. — Vai se lascar, me tratando assim depois que te salvei.

— O quê? Fala logo.

— Esqueceu quem eu sou?

— Oi?

— Seu cérebro parou de funcionar por causa da cabeça menor?

Pensando bem, essa foi uma pergunta estúpida. Han Sooyoung era a única profeta remanescente no Domo de Seul.

Além disso, um dia na Terra era igual a três dias na Terra da Paz. Ficamos separados há uma semana, então o tempo que Han Sooyoung passou aqui foi umas três semanas.

Ela conhecia o futuro e recebeu três semanas. Não era estranho para Han Sooyoung se tornar a deusa de outro mundo… Na verdade, ainda era um pouco estranho. Por que ela era uma deusa em vez de uma rainha?

— Vocês dois se conhecem muito bem. — Olhei para trás e vi Gong Pildu nos observando com uma expressão descontente.

Hesitei por um momento antes de abrir a boca. Não queria, mas precisava falar algo: — Gong Pildu.

— O quê?

— Desculpa.

— Do que você está falando?

— Foi mal por não cuidar de você.

— Quem… te pediu para cuidar de mim?

— Foi mal de verdade. E obrigado por me salvar.

Fui honesto e me desculpei de verdade; Francamente, fiquei muito ocupado no quinto cenário para me importar com Gong Pildu. Desta vez, ele me salvou quando minha vida estava em perigo. Dessa forma, era muito embaraçoso me chamar de patrocinador do Mestre da Defesa.

A constelação “Mestre da Defesa” zomba das suas desculpas.

— Fala sério. — Os dois combinavam muito bem.

Você patrocinou o Mestre da Defesa com 5.000 moedas.

A constelação “Mestre da Defesa” assente relutantemente com a cabeça.

Gong Pildu olhou para mim por um momento antes de se virar. — Então faça direito da próxima vez.

Era engraçado ver uma pessoa tão orgulhosa. De qualquer forma, fiquei feliz que ambos estivessem vivos, mesmo que tivessem se tornado pessoas pequenas. Hã? Espere. Eles se tornaram pessoas pequenas…?

Olhei para os dois por um momento, o que me fez questionar: por que escolheram parar de ser desastres? Ambos não eram o tipo de pessoas que fariam isso?

— Estou aqui para agradecer.

Olhei para trás e vi que Lee Hyunsung e os outros estavam se aproximando. Eles estavam montando os insetos em direção ao Veronica quando encontraram o grupo do Gong Pildu que passava.

— Não precisa. Fiz o necessário. — Han Sooyoung sorriu levemente e acenou com as mãos. Agora eu sabia como era quando um diabo usava uma máscara.

Yi Jihye a observou e perguntou: — Aliás, quem é você?

Isso me lembrou que esta foi a primeira vez que as pessoas viram a aparência real dela, não seu avatar. Em outras palavras, os membros do grupo não tinham ideia de que ela era a Primeira Apóstola.

Han Sooyoung olhou para mim e eu respondi no nome dela.

— Bem, isso…

Yi Jihye certamente não ficaria parada se descobrisse que esta era a Primeira Apóstola, já que foi a que mais se machucou quando os apóstolos atacaram Chungmuro.

O grupo seria virado de cabeça para baixo se a identidade da Han Sooyoung fosse revelada e uma rixa de sangue poderia ocorrer. No fim, decidi fechar os olhos e trair minha consciência.

— Ela é apenas uma amiga que conheço.

Não tinha certeza se devia usar a palavra “amiga”. Bem, tanto faz, até porque eu não tinha amigos de qualquer jeito.

Não consegui ver o rosto da Han Sooyoung.

— Com licença, mas… posso perguntar algo? — Aquela que quebrou a atmosfera estranha foi Asuka Ren, a japonesa que salvei da gaiola.

Han Sooyoung olhou entre mim e a japonesa. Yi Jihye fez a mesma coisa. — Então… quem é essa japonesa? Ela também é uma amiga?

Foi um tom um tanto sarcástico… Que pirralha maldita.

— Asuka Ren… é uma encarnação do Japão. Ela não é uma amiga, mas uma prisioneira que salvei.

— E por que você salvou? Ela é japonesa.

— Esta luta não é entre Japão e Coreia do Sul. São as pessoas pequenas contra os desastres.

Yi Jihye parecia insatisfeita, mas ficou convencida.

Han Sooyoung sussurrou para mim. — O que é isto? Ela estava na novel original?

— Não sabia?

Ela provavelmente leu até a quarta regressão, mas não a conhecia? Ah, Asuka Ren não estava ativa então? A japonesa olhou para nós dois com olhos nervosos antes de abrir a boca novamente. — Com licença, a pergunta…

— Ah, diga.

— Como você já conseguiu a aprovação da Terra da Paz?

Isso mesmo. Certamente, era natural que Asuka Ren ficasse curiosa, mas Han Sooyoung me perguntou: — Kim Dokja, do que ela está falando?

— Ela está perguntando como você se tornou a deusa.

— Ah, isso?

Os outros entenderam tardiamente a pergunta e olharam curiosamente para Han Sooyoung. Também me perguntei o que diabos aconteceu. Não importa o quão rápido evoluísse, era completamente diferente se tornar mais forte em três semanas e se tornar a deusa de um reino.

— Já disse. Caímos direto no norte. Tio e eu caímos no meio de um ataque ao Veronica.

— Foi durante um ataque?

— Alguns do primeiro grupo japonês estavam atacando Veronica.

— E?

— Ah, um dos pirralhos japoneses olhou para nós e disse merda, então fiquei irritada e matei o desgraçado.

Fiquei sem palavras por um momento. Agora fazia uma ideia aproximada do que havia ocorrido. O Reino Veronica pereceria por causa dos desastres, mas foi então que duas pessoas de repente caíram e mataram os inimigos. Do ponto de vista das pessoas pequenas, Han Sooyoung e Gong Pildu provavelmente pareciam deuses.

— Bem… Eu não teria matado ele se soubesse que me tornaria uma pessoa pequena.

— Você não leu este cenário?

— Estava andando pela rua quando de repente fui transportada para algum lugar. Como eu iria saber que esta era a área do sexto cenário?

É por isso que… os japoneses nos viram e atacaram. Esses dois foram uma das causas.

— Por sua culpa, a gente…

— Ah, já entendi.

Além das planícies, dava para ver o castelo deste mundo abandonado. Olhamos para o palácio e vimos que estava em ruínas. Os vestígios do desastre podiam ser vistos das paredes do castelo em ruínas. O povo estava chorando no reino em colapso.

— Deusa-nim!

— A deusa está de volta…!

As pessoas pequenas que se tornaram nada diante de um desastre esmagador. Uma multidão em caos saiu para nos cumprimentar.

Han Sooyoung mostrou um sorriso amargo. — Já acabou… Maldita Terra da Paz.

Ouvi suas palavras e percebi novamente, que tive sorte até agora, mas isso acabaria na próxima batalha. A luta contra os desastres tinha apenas começado e precisávamos continuar lutando uma batalha perdida.

Olhei para as pessoas que estavam vindo. As deste mundo eram parecidas com as da Terra antiga. Não havia mestres da espada e nem magos do 9º círculo; além disso, até mesmo o uso de um “sistema” era limitado. As pessoas da chamada “fantasia autêntica” não podiam parar os invasores, não importava o quanto tentassem. E eu sabia a quem este “mundo” pertencia.

— Asuka Ren.

A bela mulher se encolheu e olhou para mim. A chave para este cenário era essa garota. Mesmo que tenha lido Maneiras de Sobreviver, Asuka Ren conhecia este mundo melhor do que eu.

— Junte-se ao grupo sul-coreano. Precisamos da sua ajuda.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar