Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Red Storm – Capítulo 44

Flashback (Parte 1)

Deserto Carmesim. Mesmo hoje, este lugar chamado Deserto Carmesim estava sendo tingido de vermelho. O sangue estava sendo derramado e muitas pessoas estavam caindo e um número ainda maior de pessoas estavam segurando seus shamshirs, balançando-os para derrubar mais oponentes do que o outro lado.

As pessoas do deserto eram muito bárbaras. Especialmente quando estava relacionado a um oásis, que significava a vida no deserto, sua natureza bárbara transbordava. O que estava molhando o Deserto Carmesin hoje era a tribo Shuarei, que possuía onze oásis, invadindo a tribo Pareia, que também possuía onze oásis.

Graças ao fato das duas tribos terem assinado uma trégua ontem, Pareia tinha abaixado suas defesas.

Uma batalha entre alguém preparado e alguém despreparado, realmente acaba sendo mais implacável e leva a um derramamento muito maior de sangue.

“Pegue o Glow!”

O guerreiro do guerreiros da tribo Shuarei, “as Mão Sangrentas”, Venersis, gritava ao dar comandos aos guerreiros de Shuarei.

Este era o maior oásis da tribo Pareia.

A tribo Shuarei se preparou e trouxe uma maior quantidade de guerreiros para invadir instantaneamente, mas os guerreiros da tribo Pareia estavam fazendo um bom trabalho se defendendo contra eles. Foi um ataque tão súbito e furtivo que eles estavam lutando no caos, mas eles estavam lutando de forma valente, merecendo seu status como guerreiros que protegem o maior oásis de Pareia.

No entanto, as ‘Mãos Sangrentas’ Venersis estava liderando o grupo, e sua brigada de guerreiros conhecida como a Espada do Deserto era muito forte para que os guerreiros de Pareia pudessem lidar. Eles não podiam defender enquanto a Espada do Deserto avançava em linha reta.

Essa única linha de ataque estava atravessando Pareia.

“Defendam! Protejam a Mãe de Pareia!”

Os guerreiros de Pareia não se preocupavam com o fato de que estavam se machucando e tentaram defender a investida da tribo Shuarei, mas, no final, acabaram perdendo suas vidas.

Em pouco tempo, Venersis encontrou a maior tenda da tribo de Pareia e liderou uma grande quantidade de guerreiros enquanto avançava.

No entanto, eles não encontraram o ‘Olho Benevolente’ Baguna Provoke, o Glow de Pareia como eles queriam. Em vez disso, tudo o que encontraram foi a sua primeira esposa, a ‘Linda Donzela’ que se tornou a Mãe de Pareia, Mairez.

Mairez enfrentou corajosamente o inimigo, Venersis. Ela tinha uma shamshir em uma mão.

Venersis gritou sem segurar seu Shamshir.

“Mairez, como um guerreiro entre os guerreiros como eu poderia atacar uma mulher como você? Venha pacificamente e se renda!”

Mairez balançou a cabeça para o grito de Venersis e apontou o seu Shamshir para ele e gritou de volta.

“Nós chegamos a uma trégua apenas ontem, ainda assim, um dia depois, aqui está você quebrando a promessa e invadindo nosso oásis. Não posso me tornar uma prisioneira de alguém que não é um guerreiro.”

Um guerreiro do deserto nunca atacava mulheres ou crianças.

A menos que pudessem matar todos os membros de uma tribo, era a melhor opção para todos.

Era uma regra não verbal entre todas as tribos do deserto. Levantar armas e derramar sangue enquanto lutava era apenas para os guerreiros.

No entanto, eles levavam prisioneiros. Até mesmo as pessoas que foram levadas como prisioneiras não achavam vergonhoso. Você não poderia fazer nada sobre ser pego por guerreiros. É por isso que todos concordaram pacificamente em serem presos e até que sua família e sua tribo pagassem o resgate para devolvê-los, eles obedeceriam como seus prisioneiros e seus escravos. Como todos acreditavam que as tribos do deserto faziam parte da mesma família, não era como se nenhuma das tribos tratasse seus prisioneiros como se fossem menos do que humanos.

No entanto, Mairez não concordou com o pedido de Venersis de ser tomada como sua prisioneira. A situação era diferente.

Venersis não agiu como um guerreiro. Desde que eles quebraram a trégua de ontem e invadiram hoje, não havia nada de errado com o que Mairez disse ou o que Mairez estava pensando.

Embora Mairez já tivesse mais de 35 anos, ela ainda era linda e orgulhosa. Em algum momento, ela foi a mulher mais linda em todo o deserto e, entre as mulheres, ela era a única que era a melhor em montar o pirma. Quando esta mulher, que muitos guerreiros estavam cobiçando para si, se casou com Baguna, o “Olho Benevolente”, Venersis estava entre os muitos guerreiros desapontados.

Para ser repreendido por aquela mulher, Venersis sentiu-se envergonhado por dentro.

Ele aceitou isso porque era a ordem do Glow, mas esse tipo de esquema não era seu estilo e ele também não concordava com suas ações.

Assim, quando Mairez mencionou, até mesmo ele não sentiu que precisava respeitar os guerreiros que não podiam cumprir sua promessa, então ele ficou parado um pouco sem poder fazer nada.

“Se você também é um guerreiro orgulhoso, leve seus subordinados e vá embora! Se não o fizer, esse nome orgulhoso seu, esse nome de ‘Mãos Sangrentas’ desaparecerá.”

Ouvindo Mairez gritar corajosamente para ele, Venersis soltou um suspiro por dentro antes de começar a falar.

“Seguir as ordens do Glow também é uma missão dos guerreiros. Mairez, hoje, você deve se tornar prisioneira da nossa tribo.”

“Deve estar chovendo areia! (A coisa mais improvável no deserto). Eu, Mairez, não quero a vergonha de me tornar uma prisioneira de um guerreiro que perdeu seu orgulho.”

Mairez falou como se fosse considerado pecado e começou a balançar sua shamshir para Venersis.

Mairez era conhecida por ser uma guerreira entre as mulheres, mas como poderia até tocar as roupas de Venersis, que era conhecido como um grande guerreiro em todo o deserto?

Venersis manteve seu shamshir em seu quadril enquanto movia seu corpo para pegá-la com as próprias mãos.

‘Mesmo sem recorrer a algo assim, poderia facilmente assumir o grande oásis da Pareia. Então Mairez também teria concordado em ser nossa prisioneira… Oh, Glow, Glow, você está sujando meu nome, o nome de Venersis, demais.

Venersis estava lamentando por dentro enquanto tentava pegar sua mão que tinha a shamshir. Depois de tentar um par de vezes, ele conseguiu agarrar o pulso direito que estava segurando o shamshir e foi o momento em que ele tentou pressioná-la e fazê-la incapaz de se mover.

“Você acha que vou acabar como sua prisioneira?”

Mairez gritou alto quando tirou uma pequena adaga no quadril e esfaqueou seu próprio peito.

“Ah!”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar