Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Return of the Frozen Player – Capítulo 248

Dragão Negro (2)

Deitado imóvel, Seo Jun-Ho estava coberto somente por um lençol de linho. Sentado ao lado dele, a expressão do Deus do Trovão ficou séria. Com os olhos fechados, ele agarrou o pulso de Seo Jun-Ho silenciosamente.

“Hmm…”

O corpo de Seo Jun-Ho estava em um estado que fez até com que o Deus do Trovão contemplasse profundamente.

‘Num acho que seja possível fortalecer as veias dele nesse estado. Precisa ser tratado primeiro.’

Como diabos ele tinha usado seu corpo ao ponto de seu circuito mágico inteiro e os músculos de seu corpo acabaram nesse estado? Desse jeito, não importava a quantidade de poder mágico que possuísse, ele não conseguiria lidar nem com uma gota de magia apropriadamente. O Deus do Trovão abriu gentilmente seus olhos e olhou para Seo Jun-Ho.

‘Pelo que foi que esse moleque passou?’

O poder mágico de Seo Jun-Ho tinha caído tanto que podia-se dizer que estava abaixo do chão. Ele tinha até usado o poder mágico inato que os humanos normais possuíam.

‘Tch, tch.’

Com que tipo de situação ele se deparou que fez com que ele passasse dos limites até ficar assim? Não, mesmo em uma situação em que ele estaria prestes a morrer, seria difícil de utilizar toda a sua magia.

‘Deve ter sido tão doloroso quanto morrer.’

Só aqueles preparados para morrer podiam fazer algo desse tipo e, mesmo assim, era somente depois de terem experimentado uma dor pior do que a morte que eles conseguiam fazer isso. O Deus do Trovão olhou para o Jogador diante dele com admiração.

‘Moleque, cê não ficou com medo?’

Com certeza Seo Jun-Ho estava preparado para quebrar seus circuitos mágicos e arruinar todos os músculos de seu corpo. Além disso, não havia dúvidas de que ele também devia ter pensado no futuro quando tomou essa decisão. O Deus do Trovão tinha certeza de que o nível dele não era baixo.

‘Se queria morrer, devia ter morrido logo. Não deve ter sido fácil de pensar em destruir sua força com as próprias mãos.’

Essa coragem era admirável e algo para se ter orgulho.

‘Cê sofreu.’

Tak.

O Deus do Trovão soltou o pulso de Seo Jun-Ho e se levantou. O olhar confuso de Seo Jun-Ho o seguiu.

“O tratamento… acabou?”

“Tenta se mover.”

“Ugh!”

Seo Jun-Ho tentou se levantar e choramingou: “Ah, não parece que acabou…?”

“Hehe. Isso mesmo. Não dá pra te tratar do jeito normal.”

“Então como…”

“Espera aí.”

Depois de sair do quarto, o Deus do Trovão apareceu com uma garrafa de cabaça do tamanho de um dedo.

Chocado, Seo Jun-Ho perguntou: “Por acaso isso é alguma bebida?”

“Cê ficou louco? Pacientes num podem beber.”

Pong.

Quando o Deus do Trovão abriu a garrafa, um cheiro profundo e refrescante preencheu o quarto rapidamente.

‘Hm, tenho certeza de que já senti esse cheiro em algum lugar…’

Ele já tinha sentido esse cheiro uma vez. Depois de vasculhar suas memórias, Seo Jun-Ho arregalou os olhos.

“Espera, isso é um elixir?”

“Que? Cê é um cachorro por acaso pra ser tão bom em sentir o cheiro das coisas boas?” O Deus do Trovão balançou a cabeça e levantou a cabeça de Seo Jun-Ho. “Se já sabe, diga ‘ah’. O elixir vai descer.”

“E-Espera… Argh!”

Um elixir era o melhor tratamento. Diziam que só algumas gotas podiam curar a maioria dos ferimentos. Mas o Deus do Trovão derramou o elixir na garganta de Seo Jun-Ho como se fosse uma bebida qualquer.

“C-Cof…”

“Se vomitar uma gota sequer, eu vou te matar. Cê sabe como isso foi caro?”

“Ugh…”

Seo Jun-Ho não tinha forças para se mover, mas usou tudo o que tinha para manter sua boca fechada. Como o Deus do Trovão tinha dito, seria um desperdício – até mesmo para ele – derramar uma gota sequer de um elixir tão caro.

‘Mas como ele pode ser tão bruto com um elixir como se estivesse tentando me afogar…?’

Custava dar o elixir mais devagar e de forma mais gentil? O Deus do Trovão sorriu para o olhar ressentido de Seo Jun-Ho.

“Que foi? Vai morrer de ressentimento? Eu até te dei um negócio caro que nem eu bebo.”

“…”

“De qualquer forma, agora que já bebeu uma garrafa, vai dormir. Cê vai ficar melhor se continuar tomando por alguns dias.”

“Hmmm?”

Seo Jun-Ho sabia do conceito de dormir depois de tomar um remédio, mas o que ele queria dizer com “tomar por alguns dias”?

‘Não me diga que…’

Não, não podia ser. Mesmo que fosse o Deus do Trovão, mesmo que ele fosse o Jogador mais forte…

‘É impossível elixires serem tão comuns assim.’

Seo Jun-Ho olhou para o Deus do Trovão com um olhar meio curioso e meio assustado, mas o Deus do Trovão simplesmente saiu do quarto com um sorriso de divertimento.

“Té mais~”

Ele foi embora depois de se despedir amigavelmente.


“Como foi?”

“Hmm… Foi difícil de respirar.”

“Hoh, então o tratamento foi difícil. Mas acho que tu estás ficando melhor.” Disse a Rainha Gélida, examinando o corpo de Seo Jun-Ho. Certamente, o efeito do elixir tinha sido ótimo.

‘É só a ponta do meu dedo, mas consigo mexer.’

Até ontem, ele era como um cadáver, seu corpo se recusava a obedecer ao controle de seu dono. Mas agora, mesmo sendo só a ponta de seu dedo, ele estava conseguindo movê-lo do jeito que queria.

“Se eu beber mais algumas garrafas daquela, vou conseguir me recuperar totalmente—”

“Huh? Beber? Tu bebeste algo sozinho? E nem pensaste em me chamar?”

A Rainha Gélida começou a ficar furiosa quando ouviu a palavra ‘beber’. Pensando nisso, como estava ferido, ele não conseguiu dar nenhum chá ou bolo com raspas de Cristal Espiritual para ela nesses últimos dias. Seo Jun-Ho olhou para ela com um olhar de desculpas antes de se lembrar de algo.

“Espera… Espíritos normalmente não comem.”

“Eu vi em um drama, mas dizem que existe um estômago para comida e outro para sobremesas.”

“Eu não acho que a pessoa que escreveu o roteiro do drama fez isso com os Espíritos em mente.”

Mas o que ele poderia dizer para retaliar? Seo Jun-Ho teve que prometer que faria um chá delicioso para ela quando ficasse melhor.

“Pensando nisso, que tipo de pessoa é o discípulo que me trouxe até aqui?”

“Hmm, eu também não vi o rosto dele, mas…” A Rainha Gélida parecia um pouco relutante. “Todas as noites, eu ouço gritos vindo do quarto dele. Talvez o treinamento do Deus do Trovão seja rigoroso demais?”

“Gritos?”

“Não dá para ouvir daqui. Acho que eles bloqueiam o som com magia. Só dá para ouvir se estiver perto.”

Que tipo de treinamento o discípulo estava fazendo que ele sempre era forçado a gritar? Será que ele também teria que treinar assim no futuro?

“Bem, mesmo que esse seja o caso, não posso fazer nada.”

Se Seo Jun-Ho pudesse se tornar forte, ele estava determinado a aguentar até mesmo a dor de seus ossos sendo cortados com os olhos abertos. Mas se havia algo com o que ele estava preocupado…

‘Ela deve estar meio entediada.’

A Rainha Gélida esteve tomando conta dele nesses últimos dias. No momento, ela estava contando o número de listras no chão. E sempre que perdia a conta, ela voltava para o canto e começava a contar de novo como uma criança. Pela sua expressão concentrada, ela parecia mais séria contando as listras no chão do que quando lutava com ele.

‘Não posso nem dar o tablet para ela assistir dramas porque está sem bateria…’

Já fazia tempo desde a última vez que foi carregado, então não queria nem ligar. Normalmente, ele teria carregado a bateria usando sua magia, mas isso era impossível agora.

Seo Jun-Ho perguntou: “Rainha, você está entediada?”

“457, 458… Aaah! Por que falaste comigo…!” Agarrando seus cabelos com um olhar choroso, ela encarou Seo Jun-Ho. “Tu achas que sou uma criança que vai morrer de tédio?”

A resposta “parece” chegou a quase sair de sua garganta, mas Seo Jun-Ho se segurou.

“Agora que disseste, tu estás me tratando como uma criança de verdade só porque o meu corpo ficou mais jovem.”

Mais uma vez, ele se segurou de dizer, “mas é por isso mesmo.” Foi um pouco difícil de fazer isso dessa vez, mas ele conseguiu segurar. A Rainha Gélida parecia ter ficado exausta de contar o número de listras no chão porque ela se levantou.

“Vou respirar um pouco de ar fresco.”

Bang!

A porta bateu tão forte atrás dela que até criou uma rajada de vento.

A voz da Rainha Gélida ecoou baixinho através da porta.

“F-Fechou assim por causa do vento. Não fui eu que fiz isso.”

“…”

Ela realmente era uma criança. Seo Jun-Ho deu um enorme sorriso.


“Haa…”

A Rainha Gélida se sentou no chão da varanda de madeira da casa de interior e suspirou profundamente. Suas perninhas, que nem alcançavam o chão, balançavam como as de uma criança.

“O que tem de errado comigo esses dias…?”

Cobrindo o rosto com as mãozinhas, ela se deu pequenos tapinhas. Suas bochechinhas ainda pareciam com as de um bebê e eram tão macias quanto um manju.

“Será que minha mente está ficando mais jovem junto com o meu corpo…?”

Ela tinha recentemente se deparado com uma situação que não podia contar a ninguém: ela estava se sentindo cada vez mais com uma criança.

‘Não acho que eu era assim quando me tornei um Espírito… Eu era elegante e majestosa…’

Naquela época, ela era incrível, chique, elegante, perfeita. Ela emitia uma sensação parecida com a de um rei demônio diante de um herói. Na verdade, naquela época, Seo Jun-Ho sempre era cauteloso com a Rainha Gélida e tinha até um pouco de medo.

‘Mas agora…’

Como ela tinha acabado se tornando algo parecido com uma mascote?

“O que devo fazer…?”

Ela ficava entediada quando não tinha nada para fazer e até fazia coisas infantis como contar o número de listras no chão. Alguns dias atrás, ela ficou tão entediada que ficou observando formigas marcharem em uma fila por metade de um dia.

‘Sério! O que eu faço?!’

Suas ações recentes não eram dignas o suficiente para serem consideradas de uma pessoa que governava Nilfheim e era respeitada por todos.

“… O que as pessoas pensariam se me vissem agora?”

Ela nunca iria querer mostrar esse seu lado para seus cavaleiros. Até antes de morrer, ao invés de derramar lágrimas, ela mostrou somente seu lado majestoso.

“Chá e bolo… Será que aconteceu depois que eu comecei a comê-los?”

Sim, ela sentia como se sua idade mental tivesse diminuído depois que começou a comer a comida que seu Contratante oferecia.

‘Talvez não?’

Será que ela já não foi sempre assim? Ela começou a agonizar com uma memória vaga que tinha.

‘Então a partir de agora, eu deveria não comer mais a comida que o Contratante me dá?’

Ela pensou seriamente nisso e eventualmente tomou uma decisão.

‘Vou desistir disso, não acho que seja culpa do bolo ou do chá.’

Ela concluiu que não era do caráter de uma monarca colocar a culpa em bolos e chás inocentes.

‘Vou prestar mais atenção de agora em diante.’

Não importava o quanto ela tinha se tornado próxima de seu contratante, ela ainda era a Rainha Gélida. Ela era uma rainha respeitada que governava tudo. Todos tinham que se ajoelhar diante dela, pois ela era capaz de congelar o mundo todo.

“Vou fingir que nada aconteceu quando eu entrar.”

Determinada, a Rainha Gélida abriu a porta. Ela fez uma expressão tão fria que parecia que podia produzir ventos gelados, mas essa expressão desapareceu cinco segundos depois.

“Rainha, se está entediada, você quer assistir algo aqui?”

Foi porque seu Contratante deu a ela a janela da Comunidade.

‘E-Eu quero assistir…’

Não era possível fazer postagens ou enviar mensagens fora das cidades, mas o sistema de vídeos podia ser acessado e filmar também era possível. Depois de contemplar por um tempo, a Rainha Gélida fechou os olhos.

‘… Sim. Pensando nisso, se eu começar a me comportar como uma adulta de repente depois de parecer com uma criança pode impactar negativamente o estado mental do meu contratante que ainda está ferido.’

Sua autoexplicarão a convenceu. Sem hesitação, a Rainha Gélida deu um sorriso e assentiu.

“Quero!”

Mas depois disso, ela se arrependeria da escolha que fez hoje pelo resto de sua vida.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar