Second Life Ranker – Capítulo 189

Floresta dos Demônios (4)

Yeon-woo parou quando eles finalmente estavam distantes do Lago De Roy. Sentindo como seus Núcleos e corpo ficaram quentes, ele ficou preocupado que talvez tivesse exagerado ao utilizar o Circuito Mágico. “Eles não vão conseguir nos seguir tão longe.”

“Suponho que sim.” Galliard aterrissou no solo suavemente, olhando de forma estranha para Yeon-woo. Quando ele viu as explosões e técnicas de espada, foi difícil de acreditar que era a mesma pessoa que havia procurado por ele no Tutorial. Mas assim que Yeon-woo falou, ele reconheceu a voz instantaneamente.

“Já faz um tempo, Galliard.”

“Então é você, Cain.”

“Sim.”

“Fiquei sabendo que você fez várias coisas impressionantes, mas acabou mudando mais do que eu esperava. E parece que você está usando o Shunpo muito bem também.” Galliard não deixou de notar como os passos de Yeon-woo eram habilidosos quando ele estava usando o Teleporte. Isso era habilidade. Usar magia junto estava funcionando e ele se sentia orgulhoso que Yeon-woo estava fazendo jus à habilidade. Mas ele também tinha algumas perguntas.

Galliard circulou seu poder mágico para que pudesse usar Shunpo imediatamente se fosse necessário e disse, “Você sabia que eu estava aqui?”

“Foi coincidência.”

“Coincidência.”

“Sim. Eu estava procurando por Brahm e ao invés disso, encontrei você e as pessoas de Elohim lutando.”

Galliard assentiu. Ele esteve lutando com Elohim no lugar onde Brahm morava pelos últimos seis meses, apesar do lugar ter sido explodido dessa vez. “Entendo. Foi por isso que você me ajudou?”

“A história de Brahm ter sido expulso de Elohim é bem conhecida e já que você é amigo dele, achei que algo poderia ter acontecido.”

“Faz sentido. Mas ainda tem várias coisas que você não disse.” Galliard estreitou os olhos. “Você não conhece Brahm de verdade, não é? No Tutorial você disse que sim. Como vai explicar isso?”

Yeon-woo fechou a boca. A pergunta era completamente inesperada. Quando se encontrou com Galliard pela primeira vez, o Elfo Negro perguntou como Yeon-woo sabia sobre ele e Yeon-woo disse que ficou sabendo por Brahm. É claro que era uma mentira.

Ele havia dito isso naquela hora porque não tinha nenhum plano de se encontrar com Brahm na Torre. Ele também nunca pensou que se encontraria com Galliard de novo. Além disso, já que Brahm e Galliard não se encontravam fazia um bom tempo, era provável que não conversariam sobre ele.

No entanto, Galliard havia subido a Torre e se encontrado com Brahm. Parecia que eles eram bem sensitivos a estranhos e se pensassem que Yeon-woo era suspeito, ele não conseguiria se aproximar de Brahm.

“Não estou tentando te dar uma bronca, mas é que tem um monte de coisas importantes acontecendo.” Galliard colocou a mão em sua adaga. Embora Yeon-woo o tenha salvo, o gesto mostrou que ele não confiava em Yeon-woo completamente e que usaria a lâmina se necessário.

Yeon-woo tentou pensar em uma desculpa que era noventa por cento verdade. “Eu menti porque precisava do Shunpo e do Cálice de Undine no Tutorial. E fiquei sabendo que não conseguiria obtê-los se não dissesse aquilo.”

“De onde você ficou sabendo sobre Brahm?”

“De uma pessoa do meu planeta que retornou.”

“Alguém que retornou?” Galliard franziu as sobrancelhas. As pessoas que retornavam eram as que desistiam de subir a Torre e voltavam para suas casas. Aqueles que moravam no Distrito Exterior ainda tinham esperanças de subir a Torre, mas pessoas retornadas haviam desistido desse direito. Seria difícil para Galliard investigar se ele estava ou não dizendo a verdade.

“Quem é essa pessoa?”

“Não posso te dizer. É alguém que não quer que eu mencione o nome.”

Galliard examinou Yeon-woo em silêncio por um momento. Dúvida preenchia seus olhos, então desapareceu quando usou uma habilidade das espécies Superiores, Olhos de Fada, que poderia diferenciar entre verdades e mentiras.

Elfos e Elfos Negros haviam se dividido em diferentes ramos muito tempo atrás, mas os traços básicos de suas espécies permaneceram. “Entendo, você não está mentindo.” Mas Galliard podia dizer que havia algo mais que Yeon-woo não queria contar.

Yeon-woo não estava realmente mentindo já que seu irmão era uma pessoa que havia retornado e obviamente ele não iria querer seu nome mencionado na Torre. Galliard cuidadosamente fez diversas outras perguntas para Yeon-woo e ele respondeu com respostas que não fariam os Olhos de Fada sentirem nenhuma suspeita.

“Então resumindo, você está aqui porque precisa pedir a ajuda de Brahm e acabou participando da luta.”

“Sim, isso mesmo.”

“Por que faria isso? Suas ações o fizeram um inimigo de Elohim.”

Eles viram Yeon-woo durante a luta e mesmo que nunca tivessem se encontrado antes, eles o reconheceriam por seus traços e vestimenta. Suas ações significavam que ele havia virado suas costas para os Grandes Clãs. Mas Yeon-woo balançou a cabeça como se isso não fosse nada. “Eles não vão fazer nada.”

“Por que você acha isso?”

Yeon-woo não respondeu. Ele não poderia dizer que conhecia a personalidade de Aether e realmente não havia necessidade de responder.

Aether é uma pessoa muito orgulhosa. Ele sempre quer ser o líder e o centro das atenções. Provavelmente é algo com o que ele está acostumado, pois viveu como um nobre na Torre por um longo tempo.

Ele é o tipo de pessoa que faz os outros se sentirem cansados ao redor dele, mas também significa que ele também mantém os mesmos padrões elevados que utiliza com os outros. Ele nunca fala sobre as pessoas pelas suas costas e mantém seus sentimentos para si.

Nossa amizade pode ter se tornado distorcida por causa disso.

Aether foi excluído de sua espécie por causa de algo que sua família havia feito, mas ele conseguiu voltar graças a uma contribuição– a traição de Arthia. Já que ele já tinha sido exilado uma vez, seu orgulho nunca o permitiria arruinar sua reputação e arriscar ser expulso novamente.

Se boatos que ele havia perdido para um jogador dos andares inferiores que não era nem um semi-ranker se espalhassem, a reputação de Aether sofreria. Era óbvio que ele tentaria esconder o acontecido o máximo possível enquanto planejava sua vingança contra Yeon-woo.

Galliard estalou a língua e fez uma última pergunta. “Por que você precisa da ajuda de Brahm?”

Obviamente, Yeon-woo não podia contar a ele sobre a Pedra Filosofal. Ele estava prestes a dar uma desculpa que tinha pensado na hora quando Galliard de repente levantou sua mão e baixou levemente a cabeça. Parecia que ele estava se comunicando com alguém– talvez Brahm estivesse escutando de longe. Depois que terminou a conversa, ele olhou para Yeon-woo com uma expressão estranha que estava cheia de incredulidade. “O dono da casa está perguntando por que você tem o cheio de um dragão.”

Dessa vez, foi Yeon-woo quem ficou surpreso. Era impossível sentir os Fatores Dracônicos a não ser que tivessem despertado. Como Brahm sentiu algo que nem mesmo a Rainha do Verão conseguiu? Yeon-woo tentou não mostrar seu choque e balançou a cabeça, grato por estar usando uma máscara. “Não sei do que você está falando.”

“Você pode dizer ao dono da casa. Ele pediu que eu o levasse a ele. Siga-me.” Galliard se virou.

Observando Galliard se afastando, Yeon-woo suspirou e o seguiu. Ele não queria fazer cegamente o que eles queriam, mas já que estava aqui para pedir um favor, ele não tinha controle sobre a situação. E um pensamento lhe veio à mente: como Brahm percebeu os Fatores Dracônicos?


Galliard foi em direção à colina ao norte além da Floresta dos Demônios. De longe, parecia que fazia parte da floresta, com fantasmas andando pelo lugar, mas depois de um certo ponto, o ambiente mudou. Um céu claro e azul substituiu o céu vermelho e horripilante e uma brisa refrescante começou a soprar, junto com o som de um riacho.

“Barreira de Ilusões.” Yeon-woo percebeu pelo que havia acabado de passar e um olhar estranho surgiu em seu rosto. Barreira de Ilusões era um tipo de barreira que criava um mundo imaginário. Era uma versão mais compreensível do Território que Yeon-woo controlava.

Era como uma fortaleza e era de Brahm. Seria necessário muito tempo e esforço para estabelecê-la, o que significava que Brahm esteve vivendo no 23º andar por muito mais tempo do que as pessoas achavam.

‘Por que ele ficaria por aqui?’

Galliard disse, “Nunca fale para os outros o que você ver aqui. Na verdade, você pode até ser forçado a permanecer aqui por causa do que está acontecendo. Então se não quiser arriscar, pode ir embora agora.”

Yeon-woo não planejava ir embora e perguntou, “Ele está protegendo algo aqui, não é? Tem algo a ver com o motivo para Elohim estar perseguindo ele?”

“Isso mesmo.” Galliard concordou e fechou a boca. Uma expressão de pena apareceu em seu rosto por um breve momento, mas Yeon-woo conseguiu perceber.

Não muito tempo depois, eles chegaram no centro da Barreira de Ilusões onde havia uma cabana, que parecia com a que havia sido destruída, no meio do enorme campo aberto. Na frente do jardim, um homem de óculos muito bem vestido estava brincando de esconde-esconde com uma garotinha.

A garota estava correndo e rindo pelo lugar. Mas ela de repente parou quando sentiu a presença dos outros. Quando percebeu que havia mais alguém com Galliard, ela rapidamente se escondeu atrás do homem.

‘Humano Dracônico?’ Os olhos de Yeon-woo se arregalaram ao mesmo tempo. A garota se parecia com ele quando despertou seu Corpo de Dragão. Ela era humanoide, mas seu tronco era coberto de escamas e havia uma longa cauda de dragão saindo de baixo de seu vestido. Ela tinha presas e até pequenas asas crescendo de suas costas.

Humanos Dracônicos só apareciam uma vez a cada cem anos ou até menos a cada mil anos. Eram entidades que superavam os limites das espécies Superiores e eram chamados de Meio-Dragões. ‘Mas além de Ananta, não deveria existir mais nenhum outro Humano Dracônico.’

Depois que o dragão ancestral Kalatus morreu, sobraram somente três indivíduos que tinham algo a ver com dragões na Torre. Um deles era o último dragão, a Rainha do Verão. Também havia a Meio-Dragão, Ananta. E finalmente, o sucessor do dragão ancestral, Cha Jeong-woo.

Mas já que Jeong-woo estava morto, só restavam dois. Obviamente, a Rainha do Verão era a líder do Dragão Vermelho, enquanto Ananta de repente decidiu se esconder. Yeon-woo sabia o motivo para Ananta ter desaparecido por causa do diário, já que a última pessoa com quem Ananta falou foi seu irmão.

Mas agora havia um novo Humano Dracônico. Havia alguns poucos humanos descendentes de Humanos Dracônicos na Torre que poderiam despertar seus Fatores Dracônicos, mas nem todos eles tinham essa habilidade. Além disso, eles não tinham traços de dragão tão óbvios assim.

Yeon-woo não pôde evitar de encarar a garotinha, finalmente entendendo o interesse de Elohim. Era uma de suas tradições capturar as espécies Dracônicas.

A garota ficou desconfortável com seu olhar e se escondeu ainda mais atrás do homem. Suas pequenas mãos apertaram ainda mais suas roupas. O homem passou a mão na cabeça da garota para tranquilizá-la e ajeitou seus óculos para olhar para Yeon-woo. O olhar afetuoso que ele dera à garota se tornara frio.

Era Brahm, o homem que tinha orgulho de ter sido expulso de Elohim e que perseguia a liberdade. Ele era uma encarnação do deus superior Brahma, que tinha o desejo de descer do 98º andar. “Então você é o cara com os Poderes Dracônicos.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar