Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Super Detective in the Fictional World – Capítulo 408

Prato Especial e Ativos Indisfarçados

Jeff e Karen se levantaram e se despediram de Luke e Selina.

Os novos vizinhos também disseram adeus, mas não saíram com eles.

Após Luke e Selina saírem, eles retornaram para casa.

Luke lavou as mãos e começou a cozinhar.

Os pratos que Selina pediu para fazer só podiam ser cozinhados por ele. Afinal, Selina era melhor em comer.

A comida feita por ela era muito inferior.

Citado pela própria, o que ela fazia era lavagem que nunca comeria.

Naturalmente, não havia nada que Luke pudesse dizer sobre alguém que tinha coragem de reconhecer suas falhas.

Ele pegou um frango mendigo {frango mendigo é uma receita, não é um frango de rua não kkkk} que já havia preparado da geladeira. Depois, colocou o temporizador no forno e aguardou aquecer.

Selina também estava na cozinha. Escorada na parede, falou: — Eles são realmente estranhos. Você os testou quando os cumprimentou, não é? Mesmo que a Natalie seja mulher e canhota, a mão ainda era áspera. Porém, talvez seja porque ela cozinha muito?

Luke deu de ombros: — Nenhum deles é canhoto e não havia nenhuma marca notável em suas mãos. Contudo, a forma da mão do Sr. Tim sugere que ele treina boxe profissional com frequência. Ele é um escritor, não boxeador. A menos que seja um fã ávido de boxe, poucas pessoas ricas teriam mãos assim.

Selina exclamou: — Você conseguiu ver até isso? — Ela se sentiu impotente.

Ela era observadora, mas não notou nada de incomum sobre os punhos de Tim. Afinal, Tim foi atento e manteve as mãos numa posição que era difícil de observar.

O que Luke não disse foi que seus olhos eram afiados o bastante para detectar calos nas mãos direitas do casal que foram causadas por uso constante de armas.

Embora tivessem as coberto, e Natalie tivesse cuidado especial com as mãos — talvez devido a uma vaidade feminina — Luke ainda conseguiu ver traços delas.

Segundo, embora o cheiro de óleo de arma e pólvora não fosse pesado, sugeria que haviam disparado armas fazia poucos dias.

Havia muitas pessoas que gostavam de brincar com armas, não necessariamente significava que eram todos criminosos.

Entretanto, era bem interessante que um marido e esposa, um escritor e uma blogueira culinária, gostassem de brincar de armas.

Pensando por um momento, Selina notou outro ponto suspeito. “Um homem que treina boxe profissional não conhece jiu-jitsu brasileiro?”

Luke riu: — Ele estava fingindo ser um amador quando falou que o jiu-jitsu brasileiro foi inventado pelos japoneses.

Portanto, Luke também falou besteira e disse que o jiu-jitsu brasileiro se originava da China.

Ele podia falar baboseira também se precisasse!

Selina também percebeu isto e estalou a língua: — Aqueles dois são muito bons. Quando estavam descrevendo suas experiências, quase fiquei convencida que eram um escritor e uma blogueira.

Luke assentiu: — Então por que estão se aproximando do Jeff?

Selina pensou por um momento antes de responder: — É por causa do trabalho dele? Ele trabalha na Mcwell Boon Inc., uma grande companhia aeroespacial com projetos que envolvem vários tipos de mísseis e jatos de combate.

Luke assentiu: — Também acho que é isso. Não acho que alguém estaria na designer de interiores Karen.

Selina sugeriu: — Então… devemos ficar de olho nos dois?

Ponderando por um momento, Luke balançou a cabeça: — Eles são profissionais. Vamos ter cuidado. Seria melhor ficar de olho em nosso bom vizinho Jeff.

Selina: — Isso é diferente.

Luke retrucou solenemente: — É claro que é diferente. Jeff é nosso vizinho e devemos cuidar dele.

Selina olhou para ele: — É porque é mais fácil monitorar a casa do Jeff, não é?

Luke: — O que você falou é verdade. Lembre-se de trabalhar comigo mais tarde.

Selina bufou: — Tch, não é como se fosse instalar uma câmera no banheiro do Jeff. Será tão difícil assim?

Luke foi incapaz de responder.

Realmente seria muito fácil colocar câmeras fora da casa de Jeff nesta vizinhança comum.

Enquanto conversavam, Luke colocou os dois frangos mendigos no forno. Vendo que Selina ainda estava parada, ele a lembrou: — Esta vai ser a primeira reunião da comunidade que vamos comparecer. Você tem certeza de que vai vestir isso?

Selina bateu na testa: — Isso mesmo. Meg definitivamente falará merda. Preciso encontrar algo apropriado. — Ela então foi ao quarto.

Los Angeles já estava quente em abril. Estava seco sem chuva e podia ser muito quente à tarde.

Selina logo saiu numa nova roupa e girou na frente de Luke, que estava testando as câmeras: — Que tal este?

Luke levantou a cabeça, só para ver que ela estava usando um vestido vermelho e preto até a canela que ressaltava sua figura. Ele balançou rapidamente a cabeça: — Você quer que aquelas esposas sintam inveja de você? Quantas delas ousariam mostrar suas pernas e cintura? Use algo mais discreto se não quiser se tornar uma inimiga pública.

Selina olhou para seus peitos, sombria: — Mas certos ativos não podem ser cobertos independente do motivo, certo?

Luke não podia concordar mais, só que ainda falou: — Tente cobri-los um pouco. Você ainda ficará linda. Seja boazinha e vá se trocar. — Se ela saísse assim, seria uma chatice quando um bando de velhos a cantasse mais tarde!

Selina só podia colocar uma calça capri e uma camisa de seda branca limpa e prática, mas não diminuía sua beleza: — E quanto a este?

Luke assentiu: — Perfeito. Vamos lá. Não esqueça de levar sua especialidade.

Selina olhou para ele e foi até a cozinha empacotar sua “especialidade” num recipiente de comida, antes de ir direto ao jardim de Jeff.

Era dez para as seis, e muitas pessoas chegaram.

Segundo Jeff, a maioria dos vizinhos estava, enquanto alguns eram colegas. Danny, esposa de Meg, também era colega de Jeff, exceto que ele estava trabalhando no departamento de P&D da Mcwell Bonn Inc. Jeff tinha bastante amigos e as pessoas na festa iam de homens de meia-idade na casa dos quarenta e estagiários na casa dos vinte.

Alguns também levaram seus filhos, que deixou o quintal ainda mais animado.

O quintal de Jeff era uma área comum compartilhada com outros dois que também estavam na festa. Era levemente espaçoso, então não estava muito lotado.

Olhando para os velhos vizinhos desconhecidos, Luke achou interessante.

Alguns deles, principalmente os de meia-idade, usavam camisas e shorts grandes, alguns até estavam de chinelo.

Não parecia muito educado, mas não se importavam e ninguém os criticava.

Os mais jovens estavam usando roupas mais formais. Eles eram os jovens colegas de trabalho da empresa de Jeff e não estavam habituados como seus veteranos.

Contudo, também havia alguns que se deixaram levar completamente após o trabalho e usavam estilos individualistas e da última moda.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar