Super God Gene – Capítulo 614

Matando o Pavão

Han Sen perseguiu a lagosta, que tinha atingido uma profundidade de mais de mil metros. A luz azul do pavão continuou ficando cada vez mais fraca, um sinal claro de que estava morrendo.

Suas asas foram quebradas pelas pinças da lagosta, e o sangue vazou no mar, colorindo a área em uma névoa vermelha.

Han Sen viu as luzes azuis do pavão tremeluzindo.

A cara do pavão estava apodrecendo. Sua carne foi bastante dilacerada ao ponto de expor as partes do crânio.

Em todo o seu corpo, sua plumagem outrora agradável de penas graciosas foi estilhaçada. Suas outras partes também foram mutiladas pela ferocidade cruel da lagosta. O pavão, que parecia bem e orgulhoso na ilha, agora era mais feio do que uma galinha depenada.

Parece que é muito melhor focar em defesa. Pelo menos, valeu a pena para a lagosta que garantiu a comida da semana, Han Sen pensou. O pavão podia ser poderoso, mas seu poder não era suficiente para competir com a lagosta resistente.

A lagosta não era o alvo do Han Sen. O pavão, uma Super Criatura, só foi capaz de deixar marcas rasas de arranhões na concha; ele não queria se arriscar a se tornar o próximo alvo potencial da lagosta, já que era forte demais. Mesmo com a Força Yin, duvidada que seria eficiente.

Han Sen mergulhou atrás do pavão, quando viu que estava morrendo. O sangue obscuro que contaminou as águas ajudou a mascarar sua perseguição.

Agora estava a cerca de dez metros de distância deles. A lagosta brincava alegremente com o corpo quase sem vida do pavão, sem saber que estava sendo observada.

O pavão não tinha forças para revidar. Seus olhos ficaram brancos, e estava começando a se afogar. Ele só reagiu quando a lagosta fez outro corte profundo na sua carne.

Han Sen invocou a Espada da Besta Divina e segurou com força. Esta era uma espada de Alma de Besta de Linhagem Sagrada de Variante Furiosa; se pudesse infligir um poderoso golpe no ponto mais fraco do pavão, poderia ser capaz de tirar a vida dele diretamente.

O ponto fraco que estava se referindo era o mais grave que seria capaz de dar um golpe fatal.

Han Sen se posicionou com cuidado e não podia permitir que a lagosta tomasse conhecimento da sua intrusão, mas tinha que chegar o mais perto possível do pavão.

Depois de uma observação minuciosa do estado atual do pavão, considerou uma série de feridas para ver qual era a melhor. Mas, seja qual for a escolha dele, só teria uma chance de garantir a morte. Assim que atacasse, a lagosta que estava mastigando sua presa seria alertada pela sua presença; não haveria outra tentativa.

A ferida na asa do pavão era a mais grave. Mas, mesmo que atacasse lá, não era um local mortal e crítico.

O pavão foi arrastado pela água por muito tempo e sofreu um monte de feridas na batalha subaquática; contudo, nenhuma delas era fatal. Pelo visto, a causa da morte do pavão seria afogamento. As feridas em si não eram suficientes para aleijar o pavão ou fazê-lo sangrar até a morte.

Han Sen continuou observando. Se quisesse matar o pavão de uma só vez, o local mais viável que poderia atacar seria a ferida causada pela vespa.

A cara do pavão estava apodrecido. O plasma sanguíneo vazou dos olhos, indicando que seu cérebro foi devorado pelo veneno.

Han Sen evitou cuidadosamente o plasma que se fundiu com o mar. Podia parecer sangue comum, mas o plasma se solidificou na água e não descoloriu nem se fundiu à água como o sangue vermelho.

Em seguida, camuflou-se na nuvem de sangue e conseguiu se esgueirar por trás do corpo do pavão. A grande lagosta ainda estava comendo seu inimigo de penas e não estava ciente da presença dele.

Han Sen estava começando a ficar ansioso. Se fosse descoberto, não teria escolha a não ser recuar, pois não teria como lutar contra uma lagosta nas profundezas do seu próprio domínio; o mar.

A lagosta podia não ser tão assustadora quanto a vespa, mas a sua concha a tornava invulnerável para Han Sen no seu estado atual. Além disso, apesar de ser um nadador ávido e extremamente hábil, não havia dúvida de que a lagosta seria consideravelmente mais rápida do que ele. Assim, não se atreveu a irritá-la.

Talvez tivesse a chance de contra-atacar se estivessem em terra, só que não era o caso. Han Sen só podia rezar para que não fosse descoberto.

Felizmente, a sorte estava do lado dele, visto que conseguiu se aproximar ao lado do pavão sem que a lagosta percebesse.

Ele se meteria em problemas se alvejasse os olhos. A lagosta estava de frente a essa direção, então sem dúvidas seria visto.

Han Sen ficou perto do corpo do pavão por um tempo, esperando a oportunidade perfeita, mas ela nunca chegou.

Após esperar mais um pouco, a chance que estava esperando ainda não tinha chegado, só que agora estava correndo contra o tempo, porque parecia que o pavão estava nos seus momentos finais. Sua cabeça teve convulsões na água e as contrações do seu corpo estava ficando cada vez mais fracas após cada mordida da lagosta.

Não. Não posso esperar mais. O pavão vai morrer se eu não fizer nada. É um risco que vou ter que correr. Han Sen cerrou os dentes, segurou a Espada da Besta Divina e olhou para a cabeça convulsionando.

Ele executou o Mantra da Heresia e a Força Solar de Jade. Com o coração parecendo um gerador de energia e com os rins acelerando, ele foi dotado de uma reserva infinita de poder. Assim, agora estava pronto para ir.

Han Sen escolheu não se transformar na Formosa da Neve. Em vez disso, preferiu a Rainha Fada, porque precisava de maior clareza de visão para analisar mais adequadamente a cabeça do pavão e os movimentos da lagosta.

Ele usou seus sentidos notáveis e reuniu uma visão completamente detalhada da cena para que pudesse prever todas as possibilidades.

Atacar assim definitivamente chamaria a atenção da lagosta. E depois disso só poderia fugir. A vida do Han Sen dependia se poderia ou não escapar da perseguição da lagosta; portanto, não poderia cometer um único erro. Não podia se dar ao luxo de ser descuidado.

Porém, foi então que uma oportunidade surgiu, de modo que entrou em ação. Ele nadou direto para a cabeça do pavão como um torpedo, com a espada na mão e pronto para atacar.

A lagosta notou o intruso assim que ele agiu. As pinças que estavam trabalhando para desmembrar o corpo detonado do pavão agora voltaram sua atenção para Han Sen.

Os olhos dele pareciam frios. Desde que desbloqueou seu bloqueio genético da Pele de Jade, poderia ficar sem emoção e sem medo da morte à vontade.

As pinças da lagosta foram muito rápidas. Ele sabia que seria incapaz de se esquivar dos ataques da garra se continuasse o ataque.

No entanto, não teria uma segunda chance de matar o pavão se fugisse agora.

Seus olhos pareciam diferentes. A Espada da Besta Divina Antiga foi cravada nos olhos do pavão repetidamente e, ao mesmo tempo, invocou sua armadura dourada e o glifo da gárgula. Com a outra mão, tentou parar a pinça.

Squish~

A Espada da Besta Divina foi cravada profundamente no olho do pavão e logo desapareceu lá dentro; não teve resistência.

Só que, ao mesmo tempo, a grande pinça roxa da lagosta veio direto no Han Sen, quem a atacou com a mão nua.

Pang~

A mão de Han Sen foi rebatida indo direto no seu próprio peito. Assim, ele tossiu sangue e foi lançado como uma bala de canhão a algumas dezenas de metros.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar