Supreme Magus – Capítulo 1099

Luto pelos Mortos (1)

“Você realmente precisa se exibir tanto?” Brina riu enquanto varria seu cabelo dourado atrás da orelha e expondo seu pescoço esbelto. “Todo mundo sabe que você está com os Verhens, isso é um exagero.”

Ela bateu na insígnia em seu ombro, fazendo Nalrond xingar internamente Rena novamente e a si mesmo por sua ingenuidade. Amuletos de comunicação eram ferramentas comuns em qualquer tribo de Werepeople, mas no resto de Mogar, eles eram a marca da riqueza.

“Não se trata de se exibir.” Mesmo que sua pele fosse bronze, Nalrond conseguiu corar.

“Eu deixei o Deserto de Sangue após a morte de toda a minha aldeia. Eu nunca vou esquecer de ver suas runas desaparecerem uma após a outra até meu amuleto voltar a ser uma lousa branca. Desde que consegui uma nova família, eu nunca mais vou guardá-lo porque me permite verificá-los.”

Ele apontou para as várias runas de comunicação gravadas na prata.

“Oh, deuses, eu sinto muito. Eu não fazia ideia.” Brina ficou pálida ao perceber seu erro. “Foi por causa da Soberana Salaark? Ouvi dizer que ela é uma tirana sem coração.”

“Não, ela nunca faria uma coisa dessas. Foi-” A boca de Nalrond ficou seca quando quase todas as runas em seu amuleto escureceram ao mesmo tempo.

Apenas os que pertenciam a Tista, Solus, Protetor e Faluel ainda estavam disponíveis, mas ele sabia que todos estavam fora de Lutia. Protetor estava fora em uma missão, Faluel tinha ido com alguns de seus amigos, e as meninas estavam tendo uma noite fora.

Ele os contatou em uma teleconferência enquanto desativava os hologramas para não chamar mais atenção.

“Oh, deuses. É meu primeiro dia de folga em meses e um dos meus filhos me liga bem quando eu estava prestes a relaxar.” Faluel gemeu apesar dos melhores esforços de sua massagista para aliviar a tensão em seus ombros.

O Banho do Dragão era um dos melhores estabelecimentos do Império Górgon e aceitava todas as raças, desde que os convidados se comportassem. Tinha fontes termais, banhos de lama termais e os melhores cozinheiros do continente Garlen.

“É por isso que eu não aceito aprendizes nem quero filhotes por um tempo.” Scarlett, a Escorpicore, riu do infortúnio da Hidra. “Muito incômodo. Prefiro manter as coisas simples. Ou confio em alguém, ou como.”

“Tanto faz. Se ela for embora, eu fico com os lanches dela.” Feela, a Behemoth, não conseguia entender por que as porções humanas eram tão pequenas. Toda vez que ela ia a um spa, o líder do Conselho das Bestas gastava uma pequena fortuna em comida.

“Então eu vou levar as bebidas dela.” Scarlett respondeu.

“Obrigado por sua preocupação, meninas.” Faluel rosnou ao responder. “Nalrond, que parte de ‘eu não quero ser incomodada’ você não entendeu?”

“Mestra, você pode verificar o que há de errado com Lutia?” Nalrond ignorou sua pergunta e foi direto ao ponto.

“Que porra é essa?” Faluel pulou na mesa de massagem, fazendo com que a expressão de suas amigas ficasse séria.

“Eu não consigo sentir nenhuma das proteções que coloquei.” Ela pegou um cristal de controle de seu amuleto dimensional e descobriu que sua luz havia desaparecido.

“Alguém não apenas desativou todos eles, mas também conseguiram não acionar nenhum dos alarmes. Estarei lá em um- Ah, caramba! Eu mal posso sentir meu covil também. Alguém cobriu ele todo com uma matriz de vedação de ar para me impedir de Dobrar direto para casa.”

“Não se preocupe, eu posso-” Feela também não conseguiu entrar em contato com seu covil junto de Scarlett.

“Alguém planejou isso cuidadosamente. Eles sabem onde você está e com quem você está. Aposto-” Scarlett tentou dizer.

“Você está me dizendo que meus filhos estão em perigo?” Protetor a interrompeu. Seu tom parecia ainda menos respeitoso que o de Nalrond. “Foda-se a missão, eu vou voltar.”

“Tista, eu iria checar Rena se eu fosse você.” Nalrond disse enquanto tentava e não conseguia abrir uma dobra dimensional perto da casa de Selia. “A casa de Lith é protegida por mais matrizes do que posso contar e pelo corpo da Rainha, enquanto Selia não tem nada além de suas ferramentas de caça!”

Naquele momento, Nalrond não poderia se importar menos com os clientes do Lobo Celestial vendo ele usar magia. Uma Dobra dimensional que levava à floresta de Trawn se abriu bem ao lado de sua mesa e fechou no momento em que ele passou por ela.

Ele terminou a ligação enquanto se transformava em sua forma de Rezar e voava a uma velocidade vertiginosa. As imagens de sua vila em chamas continuavam se repetindo na frente de seus olhos, tornando-o incapaz de guardar o amuleto de comunicação.

As runas de contato eram a única maneira de Nalrond ter certeza de que as poucas pessoas que realmente sabiam quem ele era e que se importavam com ele ainda estavam vivas.

“Morto-vivo.” Feela completou a frase para Scarlett, ignorando o desrespeito de um discípulo para com seu mestre pela primeira vez em séculos. “Eles não podem usar muito a magia dimensional e gostam de selar a magia do ar até mesmo no campo.”

“Vocês podem me ajudar a voltar para casa?” Faluel perguntou enquanto conjurava suas roupas.

“Eu vou fazer mais do que isso. Aqueles sanguessugas não só mexeram com um de seus discípulos, eles se atreveram a mexer em sua casa e até na minha! Eu não dou a mínima para humanos, mas se é uma guerra que os mortos-vivos querem, levarei com prazer uma até eles.”

O amuleto de Feela estava coberto com tantas runas que sua luz tornava impossível ver o Davross por baixo. No entanto, foi preciso apenas um aceno de sua mão para ativá-los todos ao mesmo tempo.

A única coisa que Lith odiava em Lutia era que além do gêiser de mana localizado nas profundezas da floresta de Trawn, não havia outro por quase mil quilômetros.

Isso significava que, mesmo que Solus estivesse com ele, ele teria sido forçado a usar um Portão para Derios, a capital do Marquesado de Distar, para depois voltar para casa. Com seus movimentos rastreados pelo sistema do Reino, ir ao gêiser de mana de Ynca com sua família correndo um perigo mortal levantaria muitas questões.

No entanto, antes de dar seu destino ao funcionário do Portão, Lith tentou entrar em contato com Faluel, finalmente percebendo todas as chamadas perdidas. Tista, Solus e a Hidra rapidamente o trouxeram à tona.

“Derios, rápido!” Ele disse no momento em que soube que o misterioso agressor havia desativado até a rede do Portal das Feras.

“Mestre Faluel, quanto tempo você vai levar para voltar para Lutia?”

“Estou no Império, então minha resposta é: muito tempo. Posso usar nossa rede para voltar ao Reino, mas de lá terei que chegar a Derios como você.” Faluel entendeu o quão terrível era a situação quando Lith a chamou de ‘mestre’ em vez de ‘professora’.

Ele inconscientemente a bajulava apenas quando estava desesperado.

“Vou para a casa de Rena enquanto Solus espera por você no local de sempre.” Tista disse antes de fechar a ligação.

Solus se sentiu impotente mais uma vez. Sem um gêiser de mana para fortalecer a torre, sem Lith para alimentar seu núcleo quebrado, ela não era diferente de um mago falso comum.

Para piorar ainda mais as coisas, o gêiser da Floresta de Trawn estava muito distante da casa de Lith para permitir que eles lutassem como haviam feito nas minas de Feymar.

Lith interiormente amaldiçoou sua própria má sorte e o planejamento cuidadoso do inimigo. Eles haviam esperado o momento preciso em que Faluel e todos os seres mais poderosos do condado de Lustria estivessem fora para atacar.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar