Supreme Magus – Capítulo 1180

Forças Conflitantes (2)

Além disso, o Caos também devorou ​​a mana que ela havia usado, forçando-a a usar novamente o feitiço de nível cinco. Se ela usasse escuridão demais, em vez disso, faria as outras forças vitais reagirem à ameaça compartilhando parte de sua energia com a Abominação para protegê-la.

O menor erro só pioraria a situação, exigindo que Solus gastasse mais mana do que ela absorveu do gêiser.

‘Você fez o suficiente. Agora descanse um pouco enquanto continuo o procedimento.’ disse Phloria.

Ela pôde ver, graças ao Revigoramento, que Solus estava prestes a desmaiar devido ao abuso de mana. Solus ainda não havia se recuperado do dano que a forma Abominação de Lith infligiu a ela.

Usar tanta mana em um estado debilitado fez com que as cicatrizes negras em seu corpo de pedra se espalhassem perigosamente perto de sua força vital.

‘Eu ainda posso continuar e você nunca executou a Escultura Corporal em Lith.’ Solus disse, mas ela estava tão fraca que Phloria precisou apenas de uma leve pressão para forçar os feitiços de Solus a recuar.

‘Você tem razão, eu não fiz isso, mas eu a observei tempo suficiente para entender o que você está fazendo e por quê. Sei que não sou uma curandeira genial, mas sou mais do que capaz de lhe dar alguns preciosos minutos de descanso.’ disse Phloria.

‘Vejamos. É tudo uma questão de equilíbrio, e se, em vez de tratar o lado Abominação como um parasita, eu considerar as forças vitais de Lith semelhantes a três estados em guerra? Eles estão em guerra um com o outro, mas sempre reagirão juntos ao perceber uma ameaça comum.’

Seguindo esse raciocínio, Phloria realizou cortes ainda menores que os de Solus, mas a cada vez ela forneceu às outras duas forças vitais parte de sua vitalidade. A abordagem permitiu que ela enfraquecesse o lado Abominação em três frentes ao mesmo tempo.

Toda vez que seu bisturi tocava, criava uma abertura que os lados humano e Besta exploravam para suprimir a energia do Caos com efeitos colaterais mínimos em Lith. A técnica de Phloria permitiu que ela continuasse estabilizando-o no mesmo ritmo que Solus, apesar da lacuna em suas habilidades de cura, mas também drenou grandes quantidades de energia.

Ao contrário de Solus, no entanto, ela poderia recuperá-la usando o Revigoramento e poderia realizar o procedimento sem sobrecarregar nenhum de seus companheiros. Solus apreciou a ajuda e a engenhosidade de Phloria, usando cada segundo que ela tinha para reconsiderar seu tratamento.

Ao mesmo tempo, graças à situação de Lith melhorando a cada segundo e ao descanso, seu corpo de pedra estava quase consertado, permitindo que ela canalizasse a maior parte da energia mundial em seus feitiços, em vez de se manter unida.

‘O tratamento de Phloria é infalível, mas consome muita energia para ser eficaz, enquanto o meu é mais eficiente, mas também é mais perigoso. Pelo menos sempre que ela comete um erro, a condição de Lith não melhora, mas também não piora.’

‘Talvez eu possa fundir os dois métodos em um só.’ Solus pensou.

Ela reduziu o número de cortes que realizou ao mesmo tempo e usou a mana restante para alimentar as outras duas forças vitais assim que se certificou de ter desestabilizado o lado Abominação.

Dessa forma, ela não apenas diminuiu o risco de erros usando menos energia da escuridão, mas também fez com que cada corte durasse mais. A pressão constante exercida pelas outras duas forças vitais impediu a cura da Abominação, fazendo-a gradualmente perder espaço até voltar a ser uma esfera perfeita.

‘Ok, Tista, deve ser seguro deixar de lado o lado humano agora. Com a Abominação sob controle, podemos finalmente tratar seus ferimentos sem que nossos feitiços de cura sejam absorvidos.’ Solus disse através de sua conexão mental.

No momento em que Tista dissipou a barreira de luz e terra que isolava a força vital de Lith, suas feridas externas começaram a fechar a uma velocidade visível a olho nu. Todos os cortes desapareceram e até sua asa mutilada se regenerou até se tornar inteira novamente.

“Você fez isso?” Tista perguntou a Phloria, cansada demais para suportar o pequeno dano que a conexão mental infligia a cada pensamento que compartilhavam.

“Não, achei que fosse você.” Entre a luta anterior e a cura, Phloria usou o Revigoramento tantas vezes que a técnica de respiração quase não teve efeito.

Ambas olharam para Solus em busca de uma resposta, mas agora que Lith estava fora de perigo, ela finalmente olhou para eles com o sentido de mana. Seus corpos estavam à beira do colapso devido ao abuso de mana e seus núcleos estavam cheios de fumaça.

Para piorar as coisas, ambas as garotas tinham muito da mana de Solus correndo por seus corpos por causa do uso prolongado da conexão mental durante o procedimento.

‘Droga, eu falo demais.’ Solus pensou. ‘Graças a Deus eu não estava sozinha. Eu não teria sido capaz de lidar com esse tipo de ferimento sozinha, nem mesmo ao custo de minha força vital. Me pergunto o que cacete acabou de acontecer.’

A resposta era realmente simples, mas a exaustão impedia as três garotas de pensar direito. As feridas de Lith permaneceram abertas apesar dos melhores esforços de Olua e Bodya porque seu lado Abominação monopolizou toda a energia da luz que entrou em seu corpo.

Agora, no entanto, com o equilíbrio quase restaurado, os lados humano e besta haviam espremido parte do excesso de energia que a Abominação ainda tinha, forçando-a a curar Lith. Dessa forma, eles consertaram seu corpo e enfraqueceram ainda mais a Abominação.

Dois pássaros com uma pedra.

“Estou impressionada, criança. Apesar da pouca idade, você conseguiu resolver um problema que eu nem conseguia entender.” Olua ofereceu a mão a Tista, que só a apertou depois de se certificar de que Solus havia escorregado para trás no dedo de Lith.

“Foi tudo trabalho em equipe.” Ela meio disse e meio ofegou.

O Roc tinha visto a conexão mental com a Visão da Vida, assim como ela podia ver que Tista mal conseguia ficar de pé. Olua deu a ela o máximo de vitalidade que pôde, enquanto Bodya fez o mesmo com Phloria.

“Precisam de uma carona para casa?” O Nidhogg perguntou.

A resposta veio na forma de Solus abrindo uma Dobra Dimensional que levava ao prédio deles.

“Não, obrigada. Eu gostaria de conversar um pouco, mas meu irmão mais velho precisa descansar e nós também.” Phloria carregava Lith como se fosse uma princesa, tomando cuidado para que suas asas não tocassem as bordas do corredor dimensional.

Bodya adoraria trocar sua runa de contato com Tista, mas, infelizmente, nenhum item dimensional era grande o bastante para caber em sua forma de besta e não impedir seus movimentos.

Pertencer à linhagem de um Guardião significava herdar seu poder junto com todos os problemas de encontrar a enorme quantidade de recursos que seus enormes corpos exigiam para fazer o equipamento adequado.

“Vou passar por aqui mais tarde para ver como Flagelo está se recuperando, se não for muito incômodo.” Ele disse com um sorriso encantador.

“Claro, até amanhã.” Tista estava cansada demais para perceber as implicações de suas palavras ou mesmo para perceber que Bodya ainda estava completamente nu. Ela respondeu por hábito, desejando apenas chegar à cama e não se levantar por alguns dias.

“Eu não sou uma especialista em Bestas Imperadoras, mas esse com certeza parece ótimo. Eu nunca pensei que você iria flertar do lado da cama de um paciente, muito menos do seu irmão.” Phloria disse rindo assim que a Dobra se fechou atrás delas.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar