Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

Supreme Magus – Capítulo 1323

Os Segredos da Morte-Viva (1)

Traduzido usando o ChatGPT



“Obrigada, eu acho.” Quylla disse para Nyka.

“Não agradeça a ela. Minha filha está naquela fase da vida de um vampiro em que não conseguem decidir se vão te comer, se acasalar com você, ou fazer ambos.” Kalla disse, e desta vez Scarlett não a interrompeu.

“Mãe!” Nyka exclamou enquanto todos deram um passo para trás dela.

“Por que sempre recebo todos os malucos?” Quylla resmungou.

“Deve fazer parte do seu charme.” Friya riu, mas nunca tirou os olhos de Nyka.

“Hoje temos uma palestrante especial.” Faluel apontou para Kalla, enquanto todos ocupavam seus assentos.

“Desde o dia do ataque Noturno a Lutia, o Conselho está em guerra com os Tribunais dos Mortos. Portanto, como as pessoas só conhecem o básico sobre os mortos-vivos além dos Necromantes, pessoas como Kalla foram encarregadas de ensinar aos outros sobre nosso inimigo comum para melhorar nossas chances de vitória.”

Depois de assumir sua forma de boneca de pedra e cumprimentar sua amiga, Solus não deixou de notar como todos olhavam para Nyka como se ela fosse um monstro. Era o tipo de olhar que as pessoas que não conheciam bem Lith lançariam a ele só porque ele era uma Abominação.

Solus fez a vampira se sentar entre ela e Lith para mostrar aos outros que não havia nada a temer.

“Meu núcleo pode não ser tão poderoso quanto o de Quylla ainda, mas estou me aproximando a cada dia.” Ele entregou a Nyka um frasco de vidro cheio de um líquido carmesim cujo cheiro delicioso fez suas pupilas se dilatarem de excitação.

“Você realmente está dando seu sangue para ela? Ela é uma vampira, assim como aquelas que você matou aos montes em Feymar.” Friya disse.

“Ênfase em ‘meu sangue’, então posso fazer o que quiser com ele. Além disso, matei ainda mais humanos naquele dia, mas não vejo vocês como uma ameaça também. Nyka é uma amiga que acontece de ser uma Vampira, assim como eu aconteço de ser uma Abominação.

“Tão simples assim.” A analogia de Lith abalou a certeza de seus preconceitos.

Afinal, a única diferença entre eles era que Lith era um morto-vivo natural, enquanto Nyka era artificial. Ambos eram almas perdidas habitando o corpo de outra pessoa.

“Muito obrigada pelo belo presente, mas você tem certeza de que posso aceitá-lo?” Nyka olhou para Solus como se ele estivesse traindo-a.

“É apenas sangue.” Solus deu de ombros, feliz por sua forma de pedra não poder corar.

“Antes de tudo, deixe-me dizer que a única razão de eu estar aqui é porque Scarlett me proibiu de entrar no laboratório de Necromancia.” Kalla recebeu mais dois tapas na cabeça, um de Scarlett e outro de Nok.

“Quero dizer, estou aqui para ensinar uma lição valiosa e deixar meu filho mais novo socializar. Meu desejo é que todos vocês se tornem bons amigos e agradecer tanto a Lith quanto a Solus por tudo o que fizeram por minha filha.

“Isso ou pelo menos colocar Nyka sob stress suficiente para fazê-la entrar em frenesi alimentar e fazer ela ferir vocês, acabando com essa bobagem e me deixando voltar ao meu trabalho.”

“Uma palavra a mais e eu queimarei suas anotações!” Scarlett rugiu enquanto mais tapas aconteciam até que o chapéu de festa de Kalla caísse de sua cabeça.

A pobre Nyka cobriu o rosto com as mãos constrangida, despertando a compaixão de todos. Além disso, ouvir as palavras de Kalla os fez se perguntar se Manohar e o Wight eram realmente parentes.

“A primeira coisa que vocês precisam saber é que Lith está certo quando disse que ele e Nyka são semelhantes.” A ideia de perder meses de trabalho árduo fez Kalla mudar instantaneamente sua atitude em relação à lição.

Ela não tinha apenas noção de tempo, mas também não tinha memória. Era por isso que ela anotava tudo o que descobria para não encher sua mente com noções que eram inúteis para seu projeto atual. Sem essas anotações, ela teria que recomeçar do zero.

“Depois de estudar os mortos-vivos por razões pessoais e as Abominações por causa de Balkor, posso dizer a vocês que há uma diferença tênue entre eles. É uma crença comum na comunidade dos Necromantes que a matriarca de nossa disciplina, Baba Yaga, baseou seu trabalho nas Abominações.”

“Tanto mortos-vivos quanto Abominações nascem com um núcleo negro. O fato de os mortos-vivos sempre reterem pelo menos parte de seu corpo físico e serem infundidos com uma poderosa força vital permite que eles se estabilizem rapidamente, enquanto as Abominações são feitas exclusivamente de energia do Caos que não tem contraparte.

“É por isso que sua fome ultrapassa em muito a dos mortos-vivos, impedindo que as Abominações tenham sequer uma semelhança de vida, e por que elas são incapazes de manter seus corpos. Mas também permite que elas usem livremente a magia do Caos.

“Para que vocês entendam a grandiosidade do trabalho de Baba Yaga, gostaria de destacar que, embora todas as Abominações tenham sido despertadas em algum momento e, portanto, seus núcleos mantenham a capacidade de usar magia verdadeira, os mortos-vivos são quasi-despertos, mesmo que em vida fossem apenas pessoas comuns.

“Todos os que se tornam mortos-vivos se sintonizam tanto com alguns elementos que podem usá-los como magia verdadeira, enquanto seu talento para as artes místicas cresce com a idade, mesmo que não o tivessem antes de serem transformados.

“Ao se alimentar, as Abominações simplesmente recuperam a força que perderam junto com seu corpo e usam o elemento da luz que roubam dos outros para dominar a magia do Caos. Mortos-vivos, por outro lado, se alimentam da força vital, usando-a para aprimorar seus núcleos da mesma forma que os Despertos fazem com a energia do mundo.

“Tanto as Abominações quanto os mortos-vivos não conseguem sentir facilmente a energia do mundo devido aos seus núcleos defeituosos. É por isso que Baba Yaga compensou isso permitindo que seus filhos se alimentassem não apenas do elemento da luz.

“Eles absorvem a vida e até mesmo a essência de sua presa, adicionando-a à própria. Como vocês já devem saber, a única diferença entre mana e energia do mundo é a presença do sétimo elemento, Magia Espiritual.

“A Magia Espiritual é absorvida para que um morto-vivo possa prolongar sua existência, enquanto os outros elementos, após serem reduzidos à energia do mundo, podem ser assimilados pelo núcleo sanguíneo.” Kalla disse.

“Espera um segundo. Pelo que sei, as Abominações não conseguem sentir a energia do mundo de jeito nenhum.” Lith disse.

“Essa é uma das principais diferenças entre as Abominações e os Eldritchs. Apenas estes últimos são completamente isolados por Mogar.

“Uma Abominação recém-nascida pode encontrar um gêiser de mana para se estabilizar, assim como o Marionetista que você enfrentou em Jiera podia usar seu corpo de Orc para sentir e manipular a energia do mundo através dos cristais.” Kalla balançou a cabeça.

“O que significa que, teoricamente, uma Abominação pode Despertar assim como um morto-vivo. Seus núcleos defeituosos tornam isso difícil e mesmo no caso de sucesso, a progressão de seus núcleos é muito mais lenta do que o normal.

“A maioria dos Despertos que decide se tornar morto-vivo espera primeiro até atingir o núcleo violeta brilhante ou pelo menos o azul brilhante. Dessa forma, uma vez que a transformação termine, eles podem facilmente trazer seu núcleo sanguíneo de volta ao seu nível anterior apenas se alimentando, em vez de perder tempo com a Ac.u.mulação.” Kalla disse.

“Isso vale também para os falsos magos?” Quylla perguntou. “Já que tenho um núcleo violeta profundo, eu o manteria depois de ser transformada? Além disso, o que acontece se eu morrer primeiro e depois um Necromante faz um morto-vivo com meu corpo?”


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar