Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

Supreme Magus – Capítulo 1438

Tempo em Família (2)

Traduzido usando o ChatGPT



“Excelente!” Lith estalou os dedos, Dobrando todos na floresta.

O inverno ainda não havia chegado, mas o clima do final do outono estava muito frio e ventoso para as roupas leves que os Verhens usavam no conforto de sua casa.

“Lith Verhen!” Elina disse. “Você percebe que nem todos aqui são Despertos e que se não fosse pela armadura que usamos, estaríamos congelando aqui fora?”

“Primeiro, eu fiz aquelas armaduras. Segundo, não vamos ficar.” Lith deu de ombros enquanto Solus mergulhava no chão como se fosse água, fazendo a torre aparecer.

“Pela minha mãe, Elina, você me fez comer demais. Sinto que vou explodir a qualquer momento.” Seu corpo de energia abriu a porta para eles, segurando a barriga.

“Desculpe, querida, mas toda vez que vejo esse seu pequeno corpo de pedra, não consigo deixar de tratá-la como uma criança em crescimento.” Ela riu.

“Você fica muito mais bonita assim. Por que você não fica sempre assim, tia Solus?” Leria perguntou.

“Eu adoraria, mas não posso.” Ela disse enquanto a menina brincava de pegar os cabelos flutuantes de Solus, uma mecha de cada vez.

Lith fez sua família entrar e depois os levou para um tour completo pela torre. Não demorou muito, já que nenhum deles realmente entendia de magia e Tista já estava em casa, mas eles realmente gostaram de Solus fazendo um quarto para cada um deles e decorando-os como quisessem.

As crianças fizeram um quarto feio e brega para si mesmas. Estava cheio de armaduras pesadas, armas e livros mágicos antes de perceberem que o metal conjurado era opaco e convenientemente pesado demais para eles usarem.

Quanto aos livros, uma vez que se virava a capa chamativa, eles eram apenas contos de fadas.

Depois que todos terminaram seus respectivos quartos, Lith usou a Dobra da Torre para mostrar a eles todos os lugares onde ele tinha estado no passado. O norte do Reino já estava coberto de neve, dando a todos a oportunidade de construir um boneco de neve.

Fazer as clássicas três bolas grandes de neve e empilhá-las exigiu esforço dos Verhens e os ajudou a digerir. Uma vez que o boneco de neve estava pronto, as crianças usaram magia da água para transformar a neve em gelo, fazendo-o parecer uma escultura de cristal que vagamente se assemelhava a Raaz.

“Não é magnífico? Parecemos gêmeos.” Raaz disse enquanto abraçava a criatura com botões nos olhos e um grande seixo redondo como nariz.

“É fofo.” Lith respondeu. Ele tinha sido proibido de participar do esforço em equipe junto com Tista e Solus.

Com sua força, eles teriam arruinado o jogo, e o hábito de Lith de trapacear com magia só teria piorado as coisas.

“Sério? Você realmente precisava fazer isso?” Elina enxugou o suor da testa enquanto as crianças olhavam maravilhadas para o dragão de gelo do tamanho de uma casa que Lith havia feito com magia.

Sua resposta veio na forma de uma chama azul que saiu da boca do Dragão, fazendo cócegas em quem tocava em vez de queimar. As construções do Domínio da Luz podiam ter qualquer forma e cor, até mesmo se assemelhar a fogo.

“Legal! Podemos montar nele?” As crianças perguntaram.

“Claro.” Lith colocou-as nas costas da estátua enquanto Solus fundia-se com ela para fazer o Dragão se mover e dar-lhes um passeio ao redor da torre.

“O que você está fazendo?” Rena perguntou enquanto Lith apontava seu amuleto do Conselho para as crianças gritando em cima do Dragão trotando.

“Guardando este momento.” Lith respondeu enquanto mostrava a ela um holograma do que ele acabara de filmar, incluindo os Verhens construindo o boneco de neve. “Vou fazer uma Lembrança disso e dar uma cópia do holograma para cada um de vocês.”

“Obrigado, filho.” Seus pais o abraçaram, agradecendo aos deuses por abençoarem suas vidas com tanta felicidade mesmo durante sua hora mais sombria.

Depois disso, Lith os levou de volta ao Condado de Lustria, mas não em Lutia.

“O que é este lugar?” Tista perguntou, olhando para o prédio principal de uma mansão que não era de forma alguma inferior à casa dos Lark.

Faltava mobília, mas as paredes já haviam sido pintadas de branco e dourado. O chão e o teto eram feitos de mármore precioso que fazia suas luzes mágicas brilharem como pedras preciosas em sua superfície.

Havia tantos quartos e corredores que era fácil se perder, obrigando o grupo a nunca se afastar demais. Quando Lith os levou para a sala de estar, eles ficaram boquiabertos.

A sala já estava perfeitamente mobiliada com cadeiras e mesas de cerejeira acolchoadas. Também havia sido decorada com vasos, pinturas e pequenas estátuas de famosos magos do passado como Lochra Silverwing.

Além disso, a sala sozinha era maior do que o primeiro andar de sua casa em Lutia.

“Bem-vindos à Mansão Verhen.” Lith disse, usando um feitiço de luz para deixar a sala clara como o dia. “Está longe de estar concluída, mas se vocês concordarem, eu estava pensando em comemorar meu aniversário aqui.

“Teríamos todo o espaço que precisamos e, graças ao gêiser, Solus pode ficar em sua forma humana o tempo todo.”

“Ela fica mais bonita assim, mas não muito mais alta.” Aran usou uma fita métrica de luz dura para mostrar como ela estava mais próxima das crianças do que de Lith e Tista.

“Eu não sou baixa, são eles que são varas de feijão!”

“Claro, querida.” Elina acariciou sua cabeça com amor, mas devido aos mais de 10 centímetros de diferença de altura entre elas, Solus realmente se sentia como uma criança.

Para piorar as coisas, Elina era a mais baixa da família.

“Você é tão macia, assim como o papai. Em sua forma de boneca, você é tão dura quanto o tio Lith.” Leria cutucou vergonhosamente a barriga macia de Solus, fazendo com que ela e Senton corassem de vergonha.

“Eu preciso colocar você em uma dieta.” Rena murmurou.

“Eu já estou me exercitando, juro.”

“Bem, o que vocês acham?” Lith ignorou a questão das gordurinhas e acenou para a sala.

“Obrigado, mas não, obrigado.” Raaz rejeitou com um aceno de mão.

“De jeito nenhum.” Solus balançou a cabeça.

“Pelo menos posso saber por quê?” Lith perguntou depois que sua família recusou unanimemente sua oferta.

“Porque, não importa o quão bonito seja este lugar, não é o nosso lar. Não tenho boas lembranças aqui, o que o torna frio e distante. Nosso lar, por outro lado, é onde vivi minha vida inteira e criei meus amados filhos.” Elina disse.

“Eu não abriria mão disso por nada neste mundo.”

“Eu também.” Solus assentiu. “Não importa a forma que eu assuma, desde que estejamos juntos e eu possa ser uma parte ativa da sua vida.”

Lith segurou a mão dela o tempo todo para ajudar Solus a manter sua forma humana apesar da distância da torre, deixando sua família um pouco confusa sobre seu relacionamento e Solus tão feliz quanto uma ostra.


Mais tarde, naquela noite, depois de colocar o resto da família na cama, Lith e Solus voltaram para a torre para finalmente experimentar uma nova técnica de respiração.

“Kowalski, análise.” Ele disse.

“Você ainda age como um idiota pomposo, mas pelo menos parou de se lamentar e ficar deprimido.” Solus respondeu.

Eu sei. É só que eu adoro poder mexer com você sem te deixar realmente bravo. Senti muito a sua falta.” Solus o abraçou enquanto fungava um pouco, fazendo Lith se sentir como um monstro pela segunda vez em apenas algumas horas.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar