Tate no Yuusha no Nariagari – Capítulo 24

Ovo Escolhido

— Oh, se não é o Yuusha-sama. Em que posso servi-lo hoje?

O gentil traficante de escravos apareceu sorrindo para nos cumprimentar.

— Olha só… — sussurrou o comerciante, surpreso, enviando um olhar curioso para a Raphtalia. — Que mudança incrível. Nunca imaginei que essa menina cresceria tão bem.

Ele falou enquanto abaixava os ombros como se estivesse desapontado.

— O que foi? — perguntei

— Pensei que você seria mais parecida com nós, isso é lamentável.

O que quer dizer com isso? Estava curioso, mas achei melhor ficar quieto.

— Traficantes experientes usam escravos de alta qualidade até estarem quase mortos. — Ele concluiu de forma casual.

— Então que você os considera produtos descartáveis, não é? — falei, de forma meio grossa.

— N-Naofumi-sama?

Raphtalia olhava para mim com preocupação. Me tornei bem mais confiante depois do que aconteceu no castelo. A situação atual era bem melhor do que da última vez.

— He he he… então é assim, que excitante. — O traficante de escravos, talvez surpreso pela minha resposta, soltou uma gargalhada. — Bem, deixe eu dar uma olhada… parece que ela conseguiu se desenvolver muito bem. E já que não é virgem… que tal 7 moedas de ouro?

— Por que está falando como se eu fosse ser vendida! Aliás, ainda sou pura!

As palavras de Raphtalia chocaram tanto o comerciante que ele não conseguia nem fechar a boca.

— Meu deus! Então o que acha de 15 moedas de ouro? Posso confirmar se ela continua virgem?

— Naofumi-sama!

15 moedas de ouro pela Raphtalia!?

— Naofumi-sama! Ei, por favor diga algo?

Era dinheiro o suficiente para comprar o lobo de nível 75! Enquanto pensava nisso, Raphtalia apertou meu ombro com força enquanto fazia uma cara assustadora.

— Naofumi-sama… se continuar brincando, eu vou ficar brava.

— O que há de errado? Você pare bem brava.

— Esse cara está querendo me comprar e você parece interessado na ideia.

— Estou apenas entrado na brincadeira.

Tive que inventar uma desculpa. A Raphtalia conseguia ler meus pensamentos mesmo sem eu ter falar nada. Mas não deveria nem pensar na possibilidade de vender única pessoa que confiou em mim.

— 15 moedas de ouro… — O aperto ficou mais forte quando sussurrei isso. — Ai, isso dói!

O poder de ataque da Raphtalia… se tornou maior que a minha defesa. Isso ajudaria muito nas batalhas futuras.

— Sabe… acho que vou fugir.

— É brincadeira. Só estava pensando em quão bonita e incrível você se tornou.

— I-Isso…Oh, Naofumi-sama…

Por algum motivo ela ficou envergonhada. É meio irritante… pensei, mas por que? Disse alguma coisa para deixá-la assim?

— Bem, ela não está à venda.

— Compreendo… que pena. Então, como posso ajudá-lo?

— Você não ouviu sobre o tumulto no castelo?

— Claro que ouvi. A marca de escravidão foi removida, não é? — respondeu o traficante, sorrindo para a minha pergunta.

— Se você já sabe da situação, tudo fica mais simples… Em primeiro lugar, não pergunte se você já sabe porque viemos aqui.

Podíamos ter evitado essa conversa sobre vender a Raphtalia. Que coisa…

— E, só para você saber, mesmo o rei falando aquelas coisas, o sistema de escravidão continuará a existir.

— Hm, pensei que os nobres não compravam escravos?

—Não, mas é claro que não. Há vários donos de escravos entre os ricos. Afinal, são bem úteis.

— Aquele rei lixo, dizendo aquelas coisas enquanto apoiava Motoyasu, o Herói da Lança… Não existe a possibilidade dos nobres se rebelarem por conta disso? Eu iria, se fosse um.

Seria bem engraçado se isso acontecesse. E aposto que o pais iria melhorar depois disso.

— Bem, há várias facções no reino. Se eles se rebelarem, aqueles que iriam acabar em prejuízo seriam os próprios nobres. Sim.

— Aquele velhote barbudo tem tanta influência assim?

Talvez esse reino fosse na verdade uma ditadura? Então existia uma possibilidade de uma revolução nascer para mudar tudo, já que a população era governada por um rei lixo que seria sucedido por uma princesa vadia.

— Na realidade, nesse país, não é o rei que…

— Bem deixa isso pra lá… vamos voltar a falar sobre a marca de escravidão…

— Ah, sim.

Desviamos demais do assunto. E agora que penso sobre isso, não me importo com o que vai acontecer aquele rei lixo.

— Então, você veio para reaplicar a maldição, certo?

— Sim, isso é possível?

— Sempre que você desejar.

Com um estalar de dedos, um assistente apareceu com o mesmo jarro usado para marcá-la na primeira vez. A Raphtalia, envergonhada, tirou sua armadura e expôs o peito.

— O-o que acha? — perguntou a menina.

— Acho o que?

Suspiro.

Por que ela estava sentindo tanta vergonha? Até mesmo suspirando. Fiz alguma coisa errada?

Assim como na última vez, coloquei meu sangue na tinta e a mistura foi aplicada no local onde a marca da Rapthalia costumava fica.

— Mesmo que apaguem a marca, ainda é possível restaurá-la.

— Oh

A marca começou a reaparecer brilhando no tórax de Raphtalia.

Gemido de dor.

Como esperado, parecia doloroso. No entanto ela suportou a dor. A restauração foi concluída diante dos meus olhos. Precisava checar a punição para a desobediência de ordens… Acho que posso pegar leve dessa vez. Raphtalia decidiu voltar a ser uma escrava para ganhar minha confiança. Então devia confiar nela a partir daquele momento.

— Tudo certo, agora… — Enquanto pensava sobre o que fazer, percebi que ainda havia um pouco de tinta sobrando no pote. — Ei, posso ter um pouco daquela tinta? Irei pagar por ela.

— Claro, vá em frente.

Espalhei o restante da tinta do pote sobre meu escudo.

Sugando.

E ele absorveu tudo.

Os requerimentos para Escudo do Escravocrata foram liberados.

Os requerimentos para Escudo do Escravocrata 2 foram liberados.

Escudo do Escravocrata

Habilidade selada… Bônus de Equipamento: Ajuste no Crescimento do Escravos (pequeno)

Escudo do Escravocrata 2

Habilidade selada… Bônus de Equipamento: Ajuste no Status do Escravos (pequeno)

Escudo do Escravocrata… Bem, isso era esperado. Uma nova ramificação apareceu na arvore, derivando do grupo do Escudo Pequeno. Não era tão forte. Entretanto, o bônus atraiu minha atenção. Ajuste no crescimento. E dois escudos foram liberados a partir de apenas um pouco de tinta? Olhei para a Raphtalia.

— O que foi?

Isso me lembra que o escudo já absorveu o cabelo dela antes. O Escudo de Guaxinim foi liberado naquela vez, no entanto talvez aquilo tenha preenchido as condições do Escudo do Escravocrata 2. Como preenchi os requisitos de antemão, os dois escudos foram liberados ao mesmo tempo. Isso parecia fazer sentido. Nesse caso….

— Raphtalia, me dá um pouco do seu sangue.

— Hã? Por que?

— Tem algo que gostaria de testar.

Intrigada, ela fez um pequeno corte na ponta do dedo e derramou um pouco do sangue na tigela. Coloquei aquele sangue no meu escudo.

Os requerimentos para o Escudo do Escravocrata 3 foram liberados.

Escudo do Escravocrata 3

Habilidade selada… Bônus de Equipamento: Ajuste no Crescimento do Escravos (médio)

Boa! Deu certo!

— Naofumi-sama? Você parece estar se divertindo — disse Raphtalia.

— Ah, é que um escudo bem interessante apareceu.

— Isso é ótimo.

Decidi equipar o Escudo do Escravocrata até que suas habilidades fossem liberadas.

— Tudo certo, agora… Hm?

Pensei em ir embora já que tínhamos finalizado nossos negócios ali, mas uma caixa de madeira cheia de ovos chamou minha atenção. Não lembrava de ter visto algo assim na última vez. Então fiquei curioso.

— O que é isso? — perguntei ao traficante de escravos.

— Ah, esse é o produto que vendemos na loja de fachada.

— E com o que vocês vendem nela?

— Monstros — respondeu o comerciante, excitado por algum motivo.

— Monstros? Isso quer dizer que existem domadores nesse mundo?

— Olha só, o Yuusha-sama já tinha ouvido falar deles?

— Acho que nunca vi nenhum, mas…

— Naofumi-sama — interrompeu Raphtalia, levantando a mão.

— O que?

— Philorial são monstros criados por domadores.

Nunca tinha ouvido falar daquele nome. Então eu não fazia ideia do que ela estava dizendo.

— O que é isso?

— São os pássaros que você vê pela cidade puxando carroças ao invés de cavalos.

— Oh, aquelas coisas.

Aqueles pássaros pareciam com chocobos1. Achei eram animais normais desse mundo, mas, pelo visto, eram considerados monstros.

— No vilarejo em que eu vivia, também haviam pessoas que domavam monstros. Muitas das fazendas os criavam pela carne.

— Oh

Então era assim que funcionava? Pelo visto fazendeiros também eram considerados domadores de monstros nesse mundo.

— Então… pra que os ovos?

— É muito difícil trabalhar com monstros se o dono não os criar desde o nascimento, então é melhor vende-los dessa forma.

— Entendi.

— Gostaria de ver as celas com monstros crescidos?

Se mostrasse algum interesse em um produto ele tentaria vende-lo na hora. O traficante de escravos era um verdadeiro homem de negócios.

— Não estou muito interessado. — Estava com outras preocupações na cabeça. — Só me explica uma coisa, o que aquela marcação quer dizer?

Não conseguia entender o que estava escrito, havia uma seta apontando para a caixa e caracteres que pareciam números.

— É uma loteria de ovos de monstro! 100 moedas de prata por tentativa.

— Isso é bem caro.

A gente só tinha 508 moedas de prata. O que era considerado bastante dinheiro.

— É porque você pode ganhar monstros valiosos.

— Só para eu ter certeza uma ideia, os Philorial, qual é o valor normal deles?

— O preço de um adulto é por volta de 200 moedas. O valor varia dependendo das penas e do pedigree. Sim.

— Então pintinhos e ovos devem ser mais baratos que adultos, não é? Mas também temos que consideram os custos de criação… Será que é bom negócio?

— Não se você pensar assim, pois há outras espécies de monstros misturados aqui.

— Entendi… por isso que é uma loteria.

Então tudo dependia da sorte. Você perdia se tirasse um ovo que valesse menos que o dinheiro gasto ou vencia se fosse mais caro.

— Acho não há ovos vencedores aqui, não é?

— O que! O Yuusha-sama acha mesmo que meu estabelecimento faria tal golpe!?

— Estou errado?

— Tenho orgulho do meu negócio! Apesar de gostar de enganar clientes de vez em quando, nunca iria mentir sobre meus produtos.

— Gosta de enganar, mas não mente… — Que tipo de logica era essa? Achei melhor desistir de tentar entender ele. — Então? Qual é o prêmio vencedor?

— Acho que vocês heróis iram entender se eu chamá-lo de Kiryuu.

Kiryuu?… Talvez fosse um dragão que cavaleiro de alto ranque usavam2?

— Um dragão para montaria?

— Esse são de uma espécie que voa. São bem populares… então a demanda para nobres é sempre alta.

Um dragão voador… agora sim, isso é um mundo de fantasia!

— Naofumi-sama?

— O preço de mercado é de 20 moedas de ouro para um.

— Quais são as chances de sair um Kiryuu?

— Bem, agora temos 250 ovos na loteria. Um deles é o premiado.

Então uma chance em duzentas e cinquenta.

— Uma magia poderosa foi conjurada para que aparência e o peso de todos sejam os mesmos. E o cliente tem que aceitar a possibilidade de perder antes de o deixarmos jogar.

— Você sabe mesmo como fazer um bom negócio.

— Mas é claro, e se alguém vencer nós teremos usaremos o nome dele. E com a publicidade nós ganhamos muitos novos participantes.

— Mas ainda é apenas um jogo de sorte…

— E se um cliente comprar 10 ovos nós permitimos que ele pegue mais um da caixa como bônus. Sim.

— Mas as chances continuam bem baixas?

— Sim. Entretanto, há outras espécies que valem pelo menos 300 moedas de prata.

Ouvir isso me fez sorrir. Espere um pouco… isso era tipo um gacha game3, não é? Seria fácil fazer as pessoas gastarem muito dinheiro com algo assim. Quase cai nessa armadilha.

— Hm…

Mesmo assim, isso me fez perceber algo importante. Seria perigoso no futuro se eu tivesse apenas um companheiro no grupo. Então qual era o melhor negócio, comprar outro escravo ou criar um monstro?

Seria interessante testar o novo Escudo do Escravocrata. O nível da Raphtalia já estava alto, então ela não se beneficiaria muito com o Ajuste no Crescimento do Escravos. Entretanto, me lembrei do rosto Motoyasu. Aquele cara insistiu muito na ideia de libertar os escravos… era certo pensar daquela forma, mas ele deve ter dito aquilo porque a Raphtalia tinha um rosto bonito. E escravos necessitavam de equipamentos, o que custava muito dinheiro. Minha pobre carteira mal conseguia manter as ferramentas da Raphtalia.

— Ok, então vou tentar uma vez.

— Muito obrigado! Como presente, irei oferecer a cerimonia para escravidão de graça.

— Olha só, que generoso. Gostei disso.

— Naofumi-sama!?

— O que foi?

— Vai mesmo comprar um ovo de monstro?

— Sim, a onda foi meio difícil então pensei que precisamos de mais alguém no grupo. Equipamentos para outro escravo custaria muito dinheiro, então pensei que criar um monstro poderia ser interessante para nós.

— Sabe que monstros também trazem um monte de problemas, não é?

— Sei disso. Mas você não quer um bichinho de estimação?

— Mas… você não está querendo o dragão?

— Vou ficar feliz mesmo que saia a merda de um Usapiru.

Eu não odiava animais, vários MMORPGs deixavam o jogador ter um mascote. Era relaxante cria-los no jogo, talvez fosse o mesmo naquele mundo. E, se ele seguisse minhas ordens por causa da marca de escravidão, também poderia ser útil em batalhas

Percebi que só porque minha carteira estava um pouco mais cheia, eu tinha ficado um pouco menos cuidadoso com os meus gastos. No entanto essa deveria ser uma boa compra graças ao Escudo do Escravocrata.

— E se precisarmos vende-lo depois de crescido, seria doloroso fazer isso com um escravo.

—Entendi. Isso faz sentido.

Claro, existia a possibilidade de nos apegarmos a ele, porém, se ficássemos sem dinheiro, poderíamos suportar a dor da venda. Contudo um escravo era uma outra pessoa, então fazer isso seria bem pior. Eu não seria capaz de vender alguém próximo a mim como a Raphtalia.

No entanto, monstros não conseguiam falar, então a situação seria apenas um pouco dolorosa. Poderei abandona-lo dizendo: “desejo que encontre um bom mestre” sem me sentir muito culpado.

— Você também recompra monstros, não é?

— Sim! A inteligência do Yuusha-sama ainda me supreende!

Esse traficante de escravos se excitava com muita facilidade. Quero dar uma olhada nos ovos agora. Ele tinha dito algo sobre não ser possível diferenciar um do outro. Bem, não tinha escolha a não ser escolher um aleatório.

— Vou pegar esse aqui então. — Usando minha intuição, escolhi um do lado direito da caixa.

— Por favor, marque esse símbolo que está no ovo com seu sangue para finalizar a compra.

Como instruído, coloquei meu sangue no ovo. Uma luz vermelha brilhou e um ícone que dizia Domador de Monstro apareceu na minha visão. A mesma coisa apareceu quando completei o contrato de escravidão…fiz com que a penalidade por desobedecer às ordens fosse mais dolorosa que a da atual Raphtalia. Estava trabalhando com um monstro afinal de contas. Seria melhor que a punição fosse severa já que ele não entenderia palavras humanas.

Agora só faltava chocar o ovo. O traficante abriu algo parecido com uma incubadora enquanto sorria.

— Se por algum motivo isso não chocar, vou querer um reembolso.

— Admiro muito você, Yuusha-sama! É um homem que não irá ficar calado a não ser que faça cada centavo valer a pena.

Esse traficante pareceu feliz quando falei aquilo. Droga, será que esse cara é um masoquista? Não é como se eu tivesse o hobby de abusar de outros homens, mas… Não, agora que penso nisso, ficaria muito feliz se eu pudesse fazer aqueles heróis de merda sofrerem um pouco.

— Mesmo que pareça apenas palavras vazia, realmente irei vir. Vou soltar minha escrava violenta em cima de você — ameacei

— Ei! O que você espera que eu faça? — reclamou Raphtalia

— Sei muito bem disso — respondeu o traficante, claramente de bom humor.

— Quanto tempo até chocar? — perguntei ao comerciante, após entregá-lo as 100 moedas de prata.

— Está escrito na incubadora.

— Hm

Os caracteres que pareciam números estavam mudando.

— Raphtalia você consegue ler?

— Hm… Apenas um pouco… deve chocar alguma hora amanhã.

— Tão rápido. Bem isso é bom.

— Estarei esperando pela sua próxima visita.

Depois de pagar tudo, nós saímos da tenda com nosso ovo.


Notas:

[1] Chocobos são pássaros que servem de montarias em todos os jogos da franquia Final Fantasy. Imagem.

[2] O kanji de kiryuu キリュウ é a junção das palavras cavalo e dragão, o Naofumi tentou adivinhar o que era usando essa lógica.

[3] Gacha é uma mecânica onde você gasta dinheiro real ou do jogo para conseguir um item aleatório no jogo. Basicamente uma loot box

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar