Tate no Yuusha no Nariagari – Capítulo 29

Aqueles com Asas

Não encontramos o Motoyasu no caminho de volta. Pensei que ele ficaria louco de raiva e iria sair me procurando por todo os lados, mas, pelo visto, me preocupei à toa.

Depois que entreguei a carga na aldeia, voltei para a floresta e fui ver se a Raphtalia tinha melhorado.

― Está se sentindo melhor?

― Sim.

― I-Isso foi rápido… ― falou o lenhador, surpreso com a rapidez com que eu havia retornado.

― Parece que meu pássaro é bem rápido ― respondi, enquanto acariciava a Firo.

― Gua! ― Ela cantou de forma energética.

Sim, você é incrível.

― Bem, então vamos começar a explorar a floresta com todo mundo?

― Sim.

― Corre mais devagar dessa vez, tudo bem?

― Gua!

Quebra.

O que foi isso? Esse barulho… seu período de crescimento já tinha acabado, não é? O som veio da Firo. Ela não parecia incomodada com aquilo, porém…

***

A colheita do dia foi muito boa. Raphtalia parecia ter se esforçado mais que o normal enquanto lutava e pude ver o poder de ataque e os movimentos da Firo. Honestamente, a força e a velocidade dela já pareciam ter superado as da Raphtalia.

Eu, Lv26

Raphtalia, Lv29

Firo, Lv19

Os requerimentos para o Escudo de Usapiru Branco foram liberados.

Os requerimentos para o Escudo de Porco-espinho Escuro foram liberados.

Os requerimentos para o Escudo de Osso de Usapiru foram liberados.

Os requerimentos para o Escudo de Osso de Porco-espinho foram liberados.

Escudo de Usapiru Branco

Habilidade selada… Bônus de equipamento: +2 Poder Defensivo

Escudo de Porco-Espinho Escuro

Habilidade selada… Bônus de equipamento: +2 Agilidade

Escudo de Osso de Usapiru

Habilidade selada… Bônus de equipamento: Aumento de Vigor (pequeno)

Escudo de Osso de Porco-Espinho

Habilidade selada… Bônus de equipamento: Aumento de SP1 (pequeno)

Todas as habilidades eram pequenos aumentos de status. Se eu conhecesse algum lugar mais eficiente para caçar, os escudos poderiam ter sido melhores, no entanto não sabia onde os monstros que davam mais experiência e dinheiro ficavam. Então minha única escolha era me esforçar e liberar esses bônus mais fracos.

Quantas habilidades foram liberadas até o momento… não fazia ideia, eram muitas para contar. Em primeiro lugar, não usei nem uma vez os equipamentos mais fracos como o Escudo Laranja Pequeno. O máximo que fazia era equipar os com efeitos especiais uteis como o do Escudo Amolador já que não funcionavam em outros escudos.

O sol havia se posto e estávamos voltando para o vilarejo. Raphtalia ainda precisava se acostumar com a coroça, ela passou mal várias vezes durante a viajem, então tivemos que diminuir ainda mais a velocidade. No final chegamos lá só depois de ter anoitecido.

― Desculpa…

― Não se preocupe, uma hora você se acostuma.

Mesmo que eu não ficasse enjoado de jeito nenhum, não iria julgar as pessoas que eram mais fracas. E era só uma questão de tempo até aquele problema acabar, a Firo vai ter que se segurar um pouco.

― Gua!

Naquele momento, algo estranho estava acontecendo. Para ser sincero já fazia um tempo que aquilo começou, no entanto nós não tínhamos percebido. Minto, sabíamos que havia algo errado com a Firo, mas decidimos ignorar.

***

No outro dia.

As mudanças foram tantas que não havia como não perceber. Eu e Raphtalia estávamos parados observando a situação.

― Gua!

Quando chegamos no estabulo, a transformação já estava completa. Firo estava… não importava de qual ângulo olhasse, aquilo era bem maior que qualquer Philorial. A altura média deles era de 2 metros e 30 centímetros, a mesma de um avestruz, contudo sua estrutura óssea era bem maior, principalmente na cabeça e no pescoço.

Porém… ela estava com quase 3 metros. Era tão grande que se ficasse em pé bateria a cabeça no teto.

― Aquilo era mesmo o ovo de um Philorial? Estou começando a pensar que comprei alguma outra coisa.

― Sim… também estou achando.

― Gua!

Engole.

Firo tinha engolido alguma coisa. Parando para pensar, as partes da quimera que os aldeões colocaram no estabulo tinham desaparecido como mágica. Aquilo devia ter a mesma quantidade de carne que duas vacas inteiras. Será que ela comeu mesmo até a última migalha?

― Pensei que a faze de crescimento tinha terminado…

― Hm. Será que o escudo do Naofumi-sama é o responsável por isso?

― É possível. O Escodo do Treinador de Demônios 3 tem um bônus chamado Correção no Crescimento do Demônio (médio).

― Na-Naofumi-sama… tinha liberado o Escudo Escravocrata também, não é?

― Sim, o bônus de crescimento é o mesmo.

― Hm… será que esse poder me afeta?

― Claro, liberei já faz um tempo, então deve ter lhe afetado um pouco.

― Não! ― gritou Raphtalia, enquanto saia correndo pelo estabulo.

― Ra-Raphtalia!?

― Venho me sentindo mais leve nos últimos tempos. Isso foi culpa do Naofumi-sama, não é?

― Fica calma!

― Se-será que vou ficar gigante que nem a Firo? Isso é assustador!

― Seu corpo não está fazendo aquele barulho de crescimento, não é!

― É-é verdade. Graças a deus, estava com tanto medo.

Mesmo assim não podíamos ter certeza de que a habilidade não iria afeta-la também… Enquanto imaginava uma Raphtalia que havia se transformando numa marombeira, meu olhar voltava para Firo.

― Poderia parar de ficar imaginando essas coisas?

― O que a gente faz agora? ― perguntei, ignorando o que a Raphtalia disse.

― Acho melhor voltarmos para a loja do traficante e ver se ele sabe de alguma coisa.

― Boa ideia.

Não tínhamos outra opção. Não gostava da ideia de ter que voltar para a capital real, porém… era o único lugar onde podíamos encontrar uma resposta.

― Gua!

Saímos do Vilarejo Riyuuto com a Firo puxando a carruagem energeticamente. Ao mesmo tempo, eu fiquei cuidando da Raphtalia que lutava contra o enjoo. Tivemos que parar algumas vezes durante a viajem para lutar contra alguns monstros e alimenta meu pássaro. Chegamos na cidade só depois do meio dia.

 ― Como assim… ― falei surpreso.

Notei que a aparência do monstro continuava a mudar. As pernas e o pescoço estavam ficando mais curtos aos poucos. Quando percebi as mudanças o corpo dela lembrava o de uma coruja, torso longo com pernas curtas.

Mesmo assim continuou puxando a carroça feliz por todo o percurso, como se nada tivesse acontecido. Mas o jeito que o fazia mudou, ao invés das rédeas estarem amarradas em seu corpo ela as segurava com as assas, que pareciam ser articuladas como mãos humanas, para puxar o veículo.

― Kue!

Até seu canto era diferente e suas penas estavam se tornando completamente brancas.

― Hm?

Enquanto descia da carruagem, percebi algo estranho. Ela encolheu? A altura tinha diminuído para 2 metros e 30 centímetros. No entanto Firo ficou mais larga e parecia ter ficado mais imponente. Se fosse colocar de uma forma ruim, aquilo parecia um mascote de um parque de diversões, estranhamente gordo.

― Kue?

― Não, não é nada.

Será que ela tinha percebido suas mudanças? Era tão diferente que eu não sabia dizer se aquilo era mesmo um Philorial.

***

― Bem… Me pergunto o que é isso, não posso negar que estou surpreso, sim ― disse o traficante, enquanto limpava o suor e olhava fixamente para a Firo.

― Kue?

Ela tinha ficado ainda mais larga e comprida, fazendo-a parecer algum tipo de demônio coruja. Onde aquela forma amigável de avestruz foi parar.

― Então, quero fazer uma pergunta. Esse é o monstro que rachou daquele ovo que comprei aqui. Pode me dizer qual espécie é essa?

Dependo da resposta… Estalei meus dedos e Firo ameaçou atacar.

― KUE!

O traficante entrou em pânico e começou a olhar para um documento desesperado.

― I-isso é estranho. De acordo com os registros o ovo que o Yuusha-sama comprou era definitivamente o de um Philorial.

― ISSO é um Philorial?

― Kue!

Joguei um pedaço grande de carne no ar, o pássaro a pegou no meio do caminho e engoliu de uma vez só.

― Bem…

Parando para pensar aquele barulho que ela fazia quando estava crescendo tinha parado. Será que essa é sua forma adulta?…

― Mesmo assim, faz poucos dias desde que nasceu e já está desse tamanho. Como esperado do Yuusha-sama, você tem o meu respeito.

― Não adianta ficar elogiando. Fala logo o que tinha no ovo que comprei.

― Hm… esse monstro tinha essa forma no começo.

― Não. ― Comecei a falar tudo o que aconteceu desde o nascimento da Firo.

― Bem, então ela era um Philorial normal até a metade, não é?

― Sim, mas cresceu ao ponto de não termos nenhuma ideia de que monstro ela é agora.

― Kue?

Firo virou a cabeça e fez uma pose meio fofa, parecia que me ver irritado tinha deixado ela preocupada. Quem você acha que é o culpado disso? Hein?

― Kue

Usando todo o corpo, o pássaro me agarrou e começou a se esfregar em mim. Ser abraçado por aquelas assas enormes me fez sentir o calor dela. O corpo dela era tão quente que eu comecei a suar.

 ― Hm… ― Raphtalia franziu as sobrancelhas e segurou minha mão.

― Kue?

Parecia que elas estavam conversando com os olhos.

― Por que estão fazendo isso?

― Por nada.

― Kue kue.

Ambas balançaram as cabeça com se tivessem chegado a um acordo. O que está acontecendo?

 ― Então? O que é isso? ― perguntei mais uma vez ao traficante.

― Hm… bem… ― Ele parecia não saber a resposta. Trabalhava com monstros, mas não sabia como cresciam, que tipo de vendedor é esse? ― Poderia deixá-la aqui por um tempo? Vou chamar um profissional para resolver esse problema, sim.

― Tudo bem, mas se alguma coisa acontecer com ela durante esse tempo você vai se ver comigo, entendeu?

― Kue!?

― Claro, não se preocupe, no entanto, irá demorar um pouco para o especialista chegar, sim.

― Ok, conto com você então. Se alguma coisa acontecer vou querer uma boa compensação em dinheiro.

― Kue!?

Quando ouviu minha resposta Firo começou a balançar as assas como protesto. Contudo um funcionário colocou uma coleira nela e a levou para a cela. Talvez seja porque eu estava lá, mas ela não causou muitos problemas depois de entrar.

― Tudo bem, volto aqui amanhã para pegá-la. É melhor você ter uma resposta até lá. ― ameacei só para ter certeza e saia da loja com a Raphtalia.

― KUE!

Continuei ouvindo a voz da Firo mesmo depois de sair do local.

***

Aquela noite…

Estávamos alojados em uma pousada quando, de repente, o gerente nos chamou.

― Hm, Yuusha-sama.

― Hein? O que foi?

― Tem um cliente que está querendo falar com você.

Quem será? Foi o que pensei enquanto seguia o gerente para o balcão. Ali estava um homem que eu nunca tinha visto.

― O que quer comigo?

― É, eu… trabalho para o vendedor de monstros.

Vendedor de monstros… Ah, o traficante de escravos. Ele não poderia usar esse título em público.

― O que aconteceu?

― Bem, meu mestre ordenou que eu pedisse para você pegar seu monstro de volta.

― É o que!?

Fazia apenas algumas horas… o que será que aconteceu. Fui para a loja com a Raphtalia e percebi que o choro da Firo continuava alto.

― Peço perdão por incomoda-lo tão tarde. Sim ― disse o traficante, parecendo um pouco cansado.

― O que aconteceu? Não era para você cuidar dela até amanhã?

― Essa era minha intenção, contudo o monstro do Yuusha-sama é um pouco problemático.

― KUE! ― Firo, que estava balançando as assas sem parar até o momento, finalmente se acalmou quando viu nos dois.

― Ela quebrou 3 cadeados de metal, mandou 5 trabalhadores que tentaram controlá-la para o hospital e 3 monstros que usei para o mesmo serviço sofreram ferimentos sérios. Sim.

― Não vou pagar por nada disso.

― Tiro meu chapéu para o Yuusha-sama que se preocupa com dinheiro até nessa situação.

Será que ela ‘tá falando sério?

― Então, como foi? Descobriu alguma coisa?

― Não… apenas uma coisa, uma pessoa que viu seu monstro disse que o corpo dela é parecido com o Rei Philorial.

― Rei?

― Simplificando, é o um Philorial que comanda um grupo da mesma espécie. É bem famoso entre os aventureiros.

Pelo visto o traficante precisou checar toda sua rede de informantes para descobrir isso. Existia um grande grupo de Philorials selvagens e ele ouviu mencionarem que o líder deles era chamado de rei. Um ser que raramente aparecia para os seres humanos… estavam achando que a Firo era parecida com esse “Rei dos Philoriais”.

― Hm…

Aquilo parecia algum tipo de lenda. Se eu usasse meu escudo para absorve-la seria possível descobrir se era verdade, entretanto, teríamos que matar a Firo para isso. Sangue e penas liberavam apenas a série do Escudo do Treinador de Demônios, ainda haviam alguns bloqueados, no entanto meu nível ainda era muito baixo.

Não tinha ideia do que fazer. Fiquei parado olhando para ela.

― Kue!…

A espécie do monstro não aparecia nos status dos aliados…, contudo, se fosse um inimigo, eu poderia descobrir qual era.

― Então, como vocês chamam esse tipo de monstro mesmo?

― É chamado de Rei Philorial ou Rainha.

― Firo é fêmea, deve ser uma rainha.

― S-sim… parece que ela gosta muito do Yuusha-sama, então vou ter muitos problemas se tentar vende-la para mim.

Ficou chorando, destruiu tudo e quebrou 3 cadeados de ferro? Merda! Lá se vai meu plano! Bem, eu não tinha ido lá com a intenção de vende-la.

― Tre…

― Hm? Alguém falou alguma coisa?

― Você também ouviu? Não sei de onde essa voz saiu.

― 

Enquanto cobria a boca, Raphtalia apontava para a cela da Firo. Quando olhei ao redor os trabalhadores também apontavam para a mesma direção. Eu e o traficante nos viramos para ver o que estava acontecendo.

― Mestre…

Havia algo brilhando lá, soltando uma fraca luz branca… uma garota nua com um par de assas brancas esticava sua mão em minha direção.


Nota:

[1] Skill points = Pontos de Habilidade.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar