Estamos testando algumas plataformas de anuncios, caso notem links suspeitos e direcionando forçadamente para páginas indesejadas nos avise através do formulário de contato.

The Beginning After The End – Capítulo 237

Acordo expirado

PONTO DE VISTA DE ARTHUR LEYWIN

Muito depois do sol se pôr e a noite rastejar, trazendo um frio junto com ele, sentei-me sem pensar, perto do fogo. Acima de mim, as estrelas, tão semelhantes às do meu mundo anterior, brilhavam como pó de cristal no horizonte.

 Virion, como uma criança fraca, voltou a dormir depois de chorar. Seu corpo estava em um estado gravemente enfraquecido e seu núcleo de mana estava à beira de se despedaçar. Bairon ainda não tinha acordado, seus ferimentos recebidos da Foice eram muito mais graves do que eu esperava inicialmente.

Horas devem ter se passado desde a última vez que me movi de meu assento. Depois que a raiva se dissipou, os planos para salvar minha família e Tess – os planos de vingança e justiça – desapareceram, arrastados para um vazio impensado.

Então eu sentei no chão, correndo meus dedos preguiçosamente pela terra macia abaixo de mim, sem ideia para onde ir a partir daqui. Os alacryanos agora tinham controle sobre o castelo – e com ele, a habilidade de acessar o resto dos portões de teletransporte por todo o continente. Não precisava ser um gênio para adivinhar que eles iriam atacar a cidade de Xyrus em seguida, e depois, iriam prosseguir através do continente, destruindo lentamente as forças de Dicathen.

Considerando o estado atual de Virion, não tínhamos nem um líder. As Lanças foram espalhadas, certamente serão abatidas uma de cada vez. Depois que as Lanças caíssem, as pessoas ficariam indefesas.

Folhas esmagadas atrás de mim. Sylvie tinha saído do abrigo de terra, mas bastou um olhar para eu perceber que não era meu vínculo, apesar de sua forma física.

“Vamos dar uma volta, vamos?” Ela disse, e sua voz era a mesma, mas a cadência e o tom eram estranhos.

Meu coração acelerou e eu me peguei tremendo de raiva, mas o segui sem palavras. Caminhamos por cinco minutos, acompanhados apenas pelo estalar de galhos e pelo som das folhas sendo esmagadas sob nossos pés. Uma onda de emoções passou por mim enquanto eu olhava para as costas do responsável por todas as mortes e misérias que nosso povo teve que suportar.

Minha mente disparou para pensar em algo para dizer, para pensar em algo para fazer.

“Uau!” Sylvie respirou, sentando-se em um tronco caído. “Controlar este corpo mesmo para coisas simples como caminhar é um trabalho árduo.”

Eu encarei o líder do Clã Vritra e governante de Alacrya e caí de joelhos na frente dele.

Agrona franziu as sobrancelhas, contorcendo o rosto de Sylvie em uma expressão de surpresa e frustração antes de relaxar rapidamente.

“Que coisa, que mudança inesperada de eventos.” ele disse enquanto eu baixava meu olhar para o chão abaixo dele. “O herói, e outrora rei poderoso, admitiu a derrota?”

“Agrona,” eu disse com os dentes cerrados. “Você me mostrou o seu ponto. Por favor, deixe Tessia e minha família irem.”

“Por quê?”

Eu cavei meus dedos na terra. “Porque… eu aceito seu acordo. Vou me retirar desta guerra.”

Agrona gargalhou, levantando a mão delicada de Sylvie para cobrir sua boca. Seus olhos de topázio brilharam de alegria. “Você acha que nosso acordo ainda está de pé, Gray? Você era a única variável imprevisível, o único ser em Dicathen que tinha a menor chance de me atrapalhar, mas como você mesmo disse, eu fiz meu ponto. Mesmo você – com todos os seus dons e vantagens inerentes – só alcançou isso.”

Os olhos de Sylvie, atados com desgosto, olharam para mim. “O próprio fato de você nem mesmo ter dito ao seu vínculo de que sou capaz de possuir o corpo dela, me diz que você sempre esperava perder, desde o início.”

“Então o que… o que você quer?” Eu exigi. “Por que você apareceu na minha frente de novo?”

“Mais uma vez, fazendo perguntas que não tenho obrigação de responder.” As expressões de Agrona no rosto de Sylvie eram tão estranhas que tive problemas para lê-las. Isso foi um olhar de preocupação? Suas sobrancelhas estavam franzidas de preocupação? Eu não sabia dizer. “Não espero ter o prazer de me encontrar assim de novo, então… adeus.”

Eu me levantei com dificuldade. “E-espere, e quanto ao meu-”

E assim, Sylvie caiu para trás, inconsciente.

Gritando de ressentimento, bati com o punho coberto de mana no chão, acordando a floresta e seus habitantes.

“A-Arthur?” Sylvie chamou, cansada e desorientada. “O que está acontecendo?”

Eu deixei a barreira mental, que eu estava aprimorando e fortalecendo especificamente para proteger Sylvie do conhecimento do poder de Agrona sobre ela, cair, permitindo que meu vínculo lesse meus pensamentos e memórias sem obstruções.

“Desde que você quebrou o selo que Sylvia colocou em você, Agrona tem sido capaz de assumir o controle de sua consciência por curtos períodos de tempo.”

A expressão de Sylvie mudou rapidamente de confusão, para medo, para nojo. Sua boca se abriu, como se fosse me fazer uma pergunta, e então se fechou quando ela encontrou a resposta em minha mente.

“Lamento não ter contado.”

Em pé, trêmula, Sylvie caminhou lentamente até mim. Seus pensamentos e emoções estavam escondidos de mim. Como eu ainda estava de joelhos, ficamos cara a cara. Sua mão direita veio e me deu um tapa na bochecha com uma força desumana, quase me jogando para trás. O golpe teria quebrado o pescoço de uma pessoa normal.

“Pronto. Estamos quites agora.” Sylvie se inclinou para frente, envolvendo os braços em volta do meu pescoço e enterrando o rosto no meu ombro.

Eu agarrei meu vínculo de volta com força, com tanto medo de perdê-la também. Fiquei grato quando ela me deixou entrar, me deixou sentir o que ela sentia, para que eu pudesse saber que ela não me odiava pelo que eu fiz.

 Eu não apenas perdi, mas também implorei ao meu inimigo de joelhos. Sylvie sabia que a raiva, a culpa, a tristeza e a humilhação rasgavam minhas entranhas e o próprio fato dela saber e aceitar isso, era o suficiente para eu seguir em frente.

Mordendo meu lábio até sentir um gosto amargo metálico e quente, chorei silenciosamente, a poeira de cristal acima de nós estava trêmula e turva.

Quando Sylvie e eu finalmente voltamos para nosso acampamento, ficamos juntos do lado de fora, guardando o abrigo onde Bairon e Virion estavam dormindo.

Em algum momento, devo ter adormecido também, porque Sylvie teve que me cutucar mentalmente, me dizendo para acordar. Meus olhos se abriram e eu pulei, apenas para ver Virion e Bairon tendo uma acalorada discussão com o pequeno corpo humano de Sylvie interposto entre eles.

“Nós temos que voltar! Nossas tropas precisam de nós, comandante!” Bairon rosnou, cambaleando ligeiramente enquanto lutava para ficar de pé.

“E fazer o quê?” Virion explodiu. “É tarde demais.” O comandante encostou-se na tenda de barro para se apoiar. Seus olhos se voltaram para mim, percebendo que eu estava acordado. “Boa. Arthur, devemos nos preparar para sair.”

“Sair? Onde?” Eu perguntei, confuso.

“Nosso comandante diz que a guerra está perdida.” Interrompeu Bairon, com a voz cheia de condescendência. “Parece que seu ferimento por lutar contra a Foice o tornou incapaz de liderar.”

Virion perfurou a Lança com um brilho ameaçador. “A guerra está perdida, Bairon. Com o castelo em suas mãos, eles têm acesso a todos os portões de teletransporte em todo o continente. É apenas uma questão de tempo até que eles consigam descobrir como controlá-los totalmente.”

“Então, o que você tem em mente?” Eu perguntei para Virion.

Os joelhos de Virion se dobraram, caindo para frente até que Sylvie o segurou.

“Obrigado.” Ele disse ao meu vínculo antes de se virar para mim. “Camus, Buhnd, Hester e eu, junto com alguns outros amigos de confiança, construímos um abrigo para se refugiar, apenas no caso de um desastre, embora ninguém esperasse um resultado como este.”

Pensar no ancião Buhnd enviou uma dor aguda em meu peito, mas eu engoli. “Onde fica?”

“Você não pode estar falando sério.” Interrompeu Bairon. “Você é uma lança. Temos o dever de zelar por nosso povo. Vamos abandoná-los e deixá-los todos morrerem pelos alacryanos?”

“Não estamos abandonando ninguém!” O tom de Virion assumiu parte de sua antiga autoridade. “Mas se atacarmos cegamente de volta à batalha, e qualquer um de nós morrer, não deixaremos esperança para o futuro!”

“O futuro…” Sylvie ecoou.

“Sim! O futuro. Precisamos nos recuperar se quisermos uma chance de retomar Dicathen.” Virion continuou.

Os ombros de Bairon caíram e, pela primeira vez, vi a Lança deixar seu manto de autoridade e poder cair, e ele parecia muito frágil e vulnerável. “Então… não há nada que possamos fazer agora para vencer esta guerra?”

“Nossa melhor chance é permanecermos vivos e reunir as lanças .” Respondeu Virion, parecendo sinceramente aflito.

‘O que você acha que devemos fazer?’ Sylvie perguntou, sabendo que meus pensamentos ainda estavam cheios com a Tessia e minha família.

Soltei um suspiro antes de olhar para os dois com um olhar enrijecido. “Sylvie e eu levaremos vocês dois para onde quer que esteja este abrigo secreto, mas depois disso vamos procurar minha mãe, minha irmã e Tess.”

“Arthur…” Havia uma distância tangível na voz de Virion quando ele disse meu nome, um som oco e quase dolorido.

Eu balancei minha cabeça, segurando minha mão. No meu dedo médio estava um anel de prata simples que Vincent tinha dado a mim e minha mãe. “Este é um artefato conectado a um anel que minha mãe tem. É minha única esperança e não posso abandoná-la, sabendo que ainda há uma chance dela estar viva.”

Eu o mantive desligado durante a guerra, mas através da conexão entre os dois anéis e o fato de que ela e minha irmã tinham o pingente da Fênix Wyrm, era possível. E que o anel não foi ativado porque ela ainda estava viva… não porque ela o havia retirado.

“Vou direcionar os Dicatheanos que eu encontrar de volta ao abrigo durante minha busca, mas preciso fazer isso.” Concluí.

“Eu entendo.” Virion sussurrou, fechando os olhos.

Silenciosamente, comecei a trabalhar, destruindo o abrigo de terra e apagando todos os sinais de que já havíamos parado aqui para descansar.

“Então… onde é esse abrigo, Comandante Virion?” Perguntou Bairon.

Virion usou um galho próximo para desenhar um mapa aproximado de Dicathen, indicando nossa posição com um círculo. “O refúgio que encontramos fica perto da costa sul do Reino de Darv, ao longo das Grandes Montanhas…”

“Encontramos?” Eu interrompi. “Achei que você havia dito que você e os anciãos o haviam construído.”

“A maior parte do que parecia ser uma caverna feita pelo homem. Nós apenas construímos em cima dele e o escondemos mais.” Ele acrescentou.

“Bem, como vamos atravessar os quase mil quilômetros que serão necessários para chegar a este abrigo? Não podemos voar; é muito perigoso.” Observou Bairon.

“Você está certo. E será igualmente arriscado pegar um portão de teletransporte para uma cidade dentro de Darv. Devemos esperar até o anoitecer?”

“Que tal isso?” Sugeri, desenhando uma linha irregular que atravessava Sapin. “Estamos a cerca de uma hora de caminhada do rio Sehz, que desce por Darv e vai até o oceano. Vamos descer o rio até o anoitecer e viajar o resto pelo céu.”

“Há cidades construídas ao longo do Sehz, no entanto.” Sylvie rebateu. “Não estaremos visíveis viajando por cima da água?”

“Quem disse alguma coisa sobre viajar por cima da água?”


“Isso é fascinante.” Virion se maravilhou, observando os animais aquáticos e bestas de mana passando pelo topo das costas de Sylvie enquanto avançávamos pela água. Eu estava ocupado concentrando-me nas múltiplas camadas de feitiços que precisava administrar continuamente para tornar possível nossa jornada subaquática.

Tive de criar dois bolsões de ar, um nas costas de Sylvie para permitir que Virion, Bairon e eu respirássemos e ficássemos secos, e outro em volta da cabeça de Sylvie. Embora não estivéssemos submersos fundo o suficiente para ter que nos preocupar com a pressão da água, isso significava que manter as bolsas de ar estáveis ​​era um pouco mais difícil.

Para acelerar nossa jornada, eu estava usando a magia da água para nos empurrar mais rápido, e Sylvie havia formado uma barbatana feita de mana que se conectava à ponta de sua cauda. Pode não ter sido tão rápido quanto voar, mas estávamos percorrendo uma grande distância.

Embora Virion parecesse estar gostando desse novo meio de transporte, o mesmo não poderia ser dito de Bairon. A pobre Lança estava agarrado com tanta força às costas de Sylvie que, mesmo através de suas escamas duras, ele reclamou para mim sobre a dor.

“Como você pensou na ideia de viajar debaixo d’água?” Virion perguntou, girando para a esquerda e para a direita para ver tudo ao nosso redor. Por um momento, pude ver o velho Virion, o homem com quem cresci quando apareci pela primeira vez em Elenoir com Tessia.

“Você esqueceu que eu sou muito inteligente?” Eu provoquei, evitando sua pergunta.

Ficamos bem fundo na água, exceto nas vezes em que tínhamos de reabastecer nossas bolsas de ar. Depois que o espanto inicial passou, nós quatro viajamos em silêncio, meditando em nossas próprias mentes, com pouco desejo de conversar. Sylvie e eu ainda conversávamos telepaticamente, mas mesmo essas conversas diminuíam, à medida que cada um de nós sucumbia aos próprios pensamentos sobre o futuro sombrio.

A água ao nosso redor começou a escurecer conforme o sol se punha, indicando que poderíamos voltar à superfície em breve.

Sem fazer uma pausa, nós quatro nos lançamos fora do rio e no céu roxo e azul profundo.

Você ficará bem em voar com eles nas costas? Eu perguntei a Sylvie, pulando de suas costas. Virion e Bairon ainda mal conseguiam usar mana depois da luta contra a Foice.

‘Eu vou conseguir’ Respondeu ela, batendo suas asas poderosas para acelerar.

Eu segui ao lado deles, voando sozinho para diminuir seu fardo. Observei quando a terra abaixo de nós começou a se transformar em deserto enquanto cruzávamos a fronteira para Darv. Eu dei uma última olhada para trás, tentando não pensar sobre as batalhas acontecendo e o caos se espalhando por nossas tropas, enquanto elas eram deixadas sem seu comandante.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar