Estamos testando algumas plataformas de anuncios, caso notem links suspeitos e direcionando forçadamente para páginas indesejadas nos avise através do formulário de contato.

The Beginning After The End – Capítulo 243

Na Superfície

TESSIA ERALITH

Olhei para trás, para o corredor suavemente iluminado que se estendia na escuridão atrás de mim, de volta para meu avô e Arthur.

“Desculpe, vovô,” eu murmurei baixinho, olhando para o medalhão branco em minha mão. “Eu juro que vou devolver isso.”

Virei-me e encarei o antigo portão à minha frente e me preparei mentalmente para o que quer que acontecesse quando eu cruzasse.

Vovô já havia matado mamãe e papai em sua mente, eu podia ver no olhar que ele sempre tinha quando eu os mencionava. Eu sabia o que aquele olhar significava; para ele, meus pais não eram mais família, mas traidores.

Vovó Rinia não era tão ruim, mas eu sabia que ela havia desistido de tentar salvar meus pais. Só de ouvir os planos que ela e Virion fizeram junto com o general Bairon, eu sabia que meus pais não estavam em nenhuma parte da lista de pessoas que pretendiam salvar.

Mas eles não sabiam – eles não estavam lá. Eles não viram o quão forte as mãos de minha mãe tremiam enquanto ela segurava a minha e me puxava para longe. Eles não estavam lá para ver o Pai com lágrimas escorrendo pelo rosto enquanto passávamos pelo portal.

Puxando o capuz sobre minha cabeça, eu me preparei. Eles podiam dizer que eu estava agindo precipitadamente, que estava deixando minhas emoções me dominarem, assim como fizeram depois da batalha na Floresta de Elshire. O que quer que alguém pensasse das minhas ações, não importava. Meus pais mereciam uma chance, e se sua própria filha não desse isso a eles, quem o faria?

Reconheço que fiquei tentada a pedir a ajuda de Arthur, mas isso era muito egoísta. Eu sabia dos perigos que viriam, e se algo acontecesse com ele por minha causa…

Eu sou dispensável, ele não.

Segurando o medalhão na minha frente, atravessei o portão brilhante. A luz roxa suave ondulou com o toque do medalhão e eu senti um leve puxão. Em vez de resistir à sensação estranha, aceitei e avancei para o portão até que todo o meu corpo estivesse imerso.

Imediatamente, fui puxada por um funil giratório de luz. Parecia diferente dos portões de teletransporte normais, mais… nauseante.

Saí cambaleando pelo outro lado em terreno pavimentado, ainda um pouco desorientada com a viagem. De algum lugar próximo, ouvi uma voz gritar: “O portão! Alguém usou o portão!” Havia quatro alacryanos montando guarda ao redor do portão de teletransporte pelo qual eu havia cruzado.

“Fique de joelhos e tire o capuz!” Um dos guardas ordenou, apontando uma esfera condensada de vento em minha direção. “Agora!”

Eu me abaixei e bati minha palma no chão. Antes que os feitiços dos Alacryanos pudessem me alcançar, entretanto, uma rajada de vento soprou ao meu redor.

Mantendo uma mão na cabeça para manter o capuz no lugar, murmurei outro feitiço. Desejei que a barreira protetora de vento se expandisse, afastando os magos inimigos, que foram pegos desprevenidos.

Usando essa breve janela de oportunidade, corri para o beco mais próximo, trinta metros ao norte.

Eu ouvi o latido de ordens e logo outro par de alacryanos estava vindo para mim de cada lado. Mantendo meu capuz abaixado, corri em direção ao Alacryano à minha esquerda, atirando uma rajada de vento nele.

Quase imediatamente, uma armadura de gelo envolveu seu corpo, protegendo seu pescoço da forte meia-lua de vento que teria cortado sua garganta. Embora eu tenha ficado inicialmente surpresa com a magia desviante, eu me lembrei que os alacryanos usavam magia de forma diferente de nós; uma forma superior de magia não significava necessariamente um mago mais forte no caso deles.

O Alacryano coberto de gelo conseguiu se defender do meu ataque, mas a força da lâmina de vento o desequilibrou. Era tentador usar minha magia de planta ou a vontade bestial para escapar, mas resisti. Usar magia desviante assim chamaria muita atenção para mim. Eu poderia muito bem ter mandado um arauto andando antes de mim, proclamando que a ex-princesa de Elenoir estava aqui.

Conjurando uma onda condensada de vento abaixo do meu pé traseiro, eu me impulsionei para a distância de um braço do inimigo. Ele levantou sua espada longa para bloquear qualquer ataque que ele pensou que eu iria acertá-lo, mas em vez disso, agarrei seu braço e usei um clássico arremesso de cabeça que meu avô me ensinou.

Com a ajuda da magia do vento, joguei o Alacryano no ar, o que abriu o caminho para o beco mais próximo.

“Não o deixe escapar!” uma voz gritou de longe.

Consolada pelo fato de que pensaram que eu era um homem, me afastei do guarda me perseguindo, que não conseguia acompanhar minha corrida com vento.

Corri pela passagem estreita. Os edifícios se elevavam sobre mim em ambos os lados, a estrada mal larga o suficiente para permitir que dois homens andassem ombro a ombro.

A maioria das cidades humanas parecia tão semelhante entre si que era difícil dizer exatamente onde eu estava até que pudesse ter uma visão melhor da cidade como um todo, mas eu sabia que pelo menos tinha chegado em uma das grandes cidades de Sapin.

Meus olhos esquadrinhavam constantemente a estrada e até mesmo os telhados próximos, para o caso de um alacryano estar rastreando meu paradeiro de cima. Uma rápida olhada no céu confirmou que eu não havia pousado na cidade de Xyrus. As nuvens estavam bem acima e não havia barreira translúcida que pudesse ser vista protegendo a cidade flutuante.

Depois de algum tempo, eu cuidadosamente fiz meu caminho em direção a uma das estradas maiores. Eu espiei pela passagem estreita; ainda havia muitas pessoas andando pelas ruas.

Fiquei fora de vista e estudei os pedestres que passavam. Enquanto eles eram na maioria aventureiros e soldados vestidos com armaduras ou couro protetor, eu vi muitas crianças e donas de casa também. Todos pareciam estar se movendo na mesma direção…

Todos eles têm expressões sem vida, pensei comigo mesma, meu peito se fechando de culpa. Foi estúpido me sentir pessoalmente responsável por tudo o que aconteceu, mas havia uma voz gelada na minha cabeça que dizia que era em grande parte minha culpa que a guerra tinha se voltado contra nós.

Eu balancei minha cabeça, afastando a voz. Eu não poderia me distrair.

Depois de envolver minha capa firmemente em torno de mim e me certificar de que a maior parte do meu cabelo visível não pudesse ser vista, pulei para fora do beco. Misturando-me a uma carruagem puxada por cavalos que passava por perto, caminhei ao lado dela até que um grande grupo de pedestres me ofereceu um véu mais natural para esconder minha presença.

Algumas pessoas me olharam de passagem, mas ninguém pareceu notar muito.

“Nós realmente temos que ir?” uma mulher de meia-idade a alguns metros à minha frente sussurrou para o que parecia ser seu marido.

O homem gordo respondeu em um tom abafado. “Aqueles malditos Alacryanos já estão começando a expulsar as pessoas de suas casas. Se não formos agora, só vai piorar as coisas.”

A mulher olhou para o marido como se fosse dizer outra coisa, mas parou, os olhos voltados para o chão. Eu podia ver seus ombros caírem, embora ela ainda segurasse com força a mão de sua filha.

Confusa, continuei seguindo a multidão até que avistei algumas barracas na lateral da rua. A maioria dos comerciantes estava quase terminando de embrulhar suas mercadorias e colocar as lonas que penduravam de seus estandes, mas havia um estande de roupas que ainda não estava completamente embalado.

Afastei-me do grupo de pessoas e me aproximei da arquibancada, mantendo minha cabeça baixa. A lojista me observou com cautela com o canto do olho. Sem dizer uma palavra, coloquei cuidadosamente várias moedas de prata em sua mesa, puxei um conjunto de roupas – uma longa touca de couro, manto e calças combinando – de uma prateleira e fui embora. Olhando para trás, vi a lojista de olhos arregalados pegar as moedas e voltar a desmontar sua barraca, olhando para longe de mim.

Deslizando para outro beco próximo, entre uma padaria abandonada e um açougue com janelas quebradas, eu rapidamente coloquei as roupas que acabara de comprar.

Amarrei meu cabelo e enfiei na touca de couro, que descia pelo meu pescoço, certificando-me de que a maior parte do meu cabelo prateado não pudesse ser visto. Depois de colocar o manto e a calça, corri meus dedos ao longo do chão e espalhei terra no rosto.

Pensei em equipar o arco de treino que peguei emprestado de Ellie para completar o conjunto de aventureiro, mas percebi que ninguém estava carregando sua arma. Correndo para fora do beco, mais uma vez me misturei com a maré de pessoas andando solenemente na mesma direção. Apesar de quão mais lotado estava, ainda havia um silêncio assustador pairando sobre a cidade.

“Desculpe. O que está acontecendo?” Eu perguntei, disfarçando minha voz para soar mais profunda.

O homem não respondeu, em vez disso acelerou para colocar alguma distância entre nós.

Tentei novamente, desta vez para uma senhora idosa, mas encontrei a mesma resposta. Na minha terceira tentativa, uma senhora mais jovem – um pouco mais velha do que eu – finalmente respondeu.

“A-acabou”, disse ela, sufocando um soluço. “Esses invasores nos disseram para nos mudarmos para o centro de Etistin se não quiséssemos ser caçados.”

“Caçados?” Eu disse baixinho. “E quanto ao exército de Dicathen estacionado em Etistin?”

O ritmo da mulher acelerou enquanto ela olhava para trás nervosamente.

Eu a segui, acompanhando seu ritmo, e perguntei novamente antes que ela finalmente respondesse, em uma voz ainda mais baixa. “Eles… eles foram embora.”

“Embora?” Eu disse um pouco mais alto do que pretendia.

Os olhos da mulher se arregalaram como um cervo assustado e ela disparou, agarrando-se com força à bolsa em seus braços.

Tentei reprimir a frustração e ansiedade crescendo dentro de mim. Minha curta conversa com a mulher me deixou com mais perguntas do que respostas, e parecia que todo mundo estava com muito medo de falar.

Ajustando minha touca de couro, eu continuei. A única maneira de obter algumas respostas era indo para o centro da cidade. As Grandes Montanhas estavam em nossas costas, então eu sabia que estávamos caminhando em direção ao oeste.

Devo ter cruzado o portão leste de Etistin, o que faz sentido, pois era o portão de teletransporte menos usado e o mais distante do castelo de Etistin.

Quanto mais eu caminhava, mais densa a multidão ao meu redor se tornava. Chegou ao ponto em que todos nós tivemos que avançar, nossos ombros pressionados um contra o outro. Os gritos das crianças podiam ser ouvidos acima do silêncio nervoso dos pais.

Os prédios altos e ornamentados que formavam as partes internas da cidade de Etistin bloqueavam a visão do centro da cidade, mas foi quando nos aproximamos dessa área que avistei alacryanos.

Eles não eram diferentes dos humanos de Sapin, mas todos usavam o mesmo uniforme cinza e preto com listras vermelho-sangue. Eles também eram os únicos com armas e as usavam para conduzir as pessoas à frente para o caminho que levava ao centro da cidade.

Foi então que ouvi: o primeiro grito.

Isso foi apenas o começo – aquele primeiro grito disparou mais quando a multidão à frente alcançou a área aberta da praça da cidade.

Eu empurrei a multidão, tentando me espremer em direção à frente. Eu estava no meio da densa pressão de pessoas se arrastando para a área aberta que já fora o centro de comércio e mercado de Etistin.

Conforme me aproximei, notei a mudança na atmosfera – de medo e preocupação, para desespero. Sob os gritos que ressoavam nos prédios ao nosso redor, eu podia distinguir os suspiros, gemidos e soluços silenciosos das pessoas à nossa frente.

Notei um homem largo apontando um dedo trêmulo para algo que eu ainda não conseguia ver, e uma mulher com as duas mãos cobrindo a boca, os olhos arregalados e as lágrimas fluindo livremente; outro homem tinha uma expressão dura enquanto olhava para o outro lado.

Foi quando cheguei à frente.

Meu estômago se contraiu e um nó na garganta ameaçou me sufocar quando vi as quatro figuras: dois homens, duas mulheres, com pontas pretas perfuradas por seus corpos – bem alto no ar para todos verem.

Blaine e Priscilla Glayder e… meus pais.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar