The Beginning After The End – Capítulo 315

Despedida

Uma gota de suor rolou pelo lado do meu rosto enquanto eu cuidadosamente levantava minha perna de trás e lentamente a trazia para frente. Eu havia aprendido e reaprendido como andar ao longo de duas vidas, mas esse único passo exigia mais concentração do que até mesmo o mais complexo feitiço multi-elementar que eu havia dominado com o uso de mana.

Meu coração parou de bater de excitação enquanto os caminhos do éter continuavam a se manter fortes e me fornecer informações atualizadas com base na minha nova posição.

Eu me preparei para dar mais um passo quando um toque no meu ombro quebrou minha concentração. Os fluxos entrelaçados de violeta crepitaram e distorceram, enviando-me uma enxurrada de informações caóticas na forma de uma faca quente pressionada contra o interior do meu cérebro.

“Gah!” Recuei de dor, mas a sensação de perder meu recorde foi ainda mais agonizante.

“Eu estava no meu vigésimo terceiro passo!” Eu gemi de frustração para Three Steps.

Minha mentora zombou e falou em sua língua antes de estender a pata.

Pressionei minha palma contra suas almofadas quentes em resignação, deixando suas memórias entrarem.

“É infantil ficar com raiva de mim por não conseguir manter sua concentração. Além disso, o dia está acabando e os membros da minha tribo devem voltar de sua jornada.”

Soltando um suspiro que se formou como uma nuvem de névoa ao redor da minha cabeça, eu balancei a cabeça em confirmação.

Three Steps sorriu, revelando um canino afiado antes que ela desaparecesse com um Passo da Sombra. Eu olhei para baixo para vê-la em uma rocha fina em forma de nariz cerca de 12 metros abaixo do largo pico da montanha que estávamos treinando.

Acendi o God Step mais uma vez. Naquele momento de foco, senti a presença de Regis drenando dentro de mim. Ele permaneceu indiferente, não importa o quanto eu chamasse por ele. Quando tentei ejetá-lo, pude sentir meu núcleo de éter ancorando-o dentro de mim, não me deixando escolha a não ser permanecer paciente.

Concentrando meus sentidos nas correntes de éter que se acenderam ao meu redor, apareci próximo a Three Steps com um estalo de eletricidade etérica.

Sem pausa, minha mentora desapareceu mais uma vez, seu corpo se tornando um borrão escuro antes de aparecer vários metros abaixo de mim, perto da base de uma ravina sinuosa.

Nós dois subimos essa montanha em particular usando apenas nossas habilidades de teletransporte. Three Steps compartilhou comigo que muitas das montanhas ao redor da vila eram uma espécie de cursos de obstáculos para os Shadow Claws usarem para treinamento.

Com quanta dificuldade eu tive usando God Step para escalar as cristas estreitas e picos recortados que levam ao topo desta montanha, eu me recusei a acreditar que este era um dos cursos mais fáceis.

Continuei a seguir atrás de Three Steps montanha abaixo, minha respiração embaçando na minha frente e o suor deixando um rastro frio pelo meu rosto e nas costas.

Com todas as incógnitas da minha vida sempre pesando em minha mente, focar apenas no treinamento me fez sentir mais… no controle. E com um mentor me ajudando a progredir, não era tão frustrante quanto quase me matar várias vezes para ver alguns resultados reais.

Eu não queria admitir, mas estava me divertindo pela primeira vez desde meu treinamento no castelo voador.

Minha mente passou por lembranças de aprender magia elemental com Buhnd, Kathyln, Hester e Camus no castelo. Nós nos divertimos. Kathyln e eu gostávamos de ouvir as queixas e fofocas dos anciãos, e não me lembrava de ter aprendido magia tão divertidamente.

Estávamos em guerra, sim, mas ainda havia esperança de que poderíamos vencer. E eu ainda tinha meu pai.

Eu ainda tinha Sylvie…

Three Steps estava esperando por mim em uma saliência plana escondida por árvores cobertas de neve, olhando para mim com uma pequena carranca.

Uma das coisas que notei no início foi quão hiper empática Three Steps era. Ela me disse que tinha a ver com a forma como os Shadow Claws se comunicavam usando memórias, permitindo uma sensibilidade mais profunda não apenas de cenas compartilhadas entre os membros de sua tribo, mas também das emoções que se seguiram.

Quando eu não encontrei suas patas imediatamente, ela franziu a testa ainda mais e estendeu o braço ainda mais perto de mim.

Eu balancei minha cabeça, não querendo compartilhar essas memórias em particular.

Three Steps parecia que ela poderia insistir no assunto, mas o grito de um pássaro bem acima de nós a fez estremecer e cair agachada. Ela olhou para cima, tentando ver através das nuvens.

Segui seu olhar, despreparado para sua reação excessiva. Foi apenas um pássaro grasnando –

O corpo negro de um pássaro de tamanho humano, com um bico em forma de lança, mergulhou abaixo da superfície das nuvens brancas. Ele girou uma vez ao redor do topo da montanha, depois voltou para o mar branco e desapareceu.

“Um Spear Beak”, eu disse, mais para mim mesmo do que para Three Steps. Afastando-me do céu, eu a encontrei praticamente plana contra o chão, os pelos ao longo de seu pescoço e costas eriçados, seus dentes à mostra em um silvo silencioso.

Bati suavemente no braço do meu mentor e apontei para uma caverna rasa na face da montanha.

Depois de um momento, seguimos para a caverna, embora Three Steps nunca desviasse o olhar dela do céu.

De pé, com as costas apoiadas na cavidade rasa na encosta da montanha, não pude deixar de me ponderar sobre a visita do Spear Beak. O que traria um único membro de sua tribo até a aldeia Shadow Claw? Um batedor, talvez, procurando por Caera e eu, ou talvez apenas por Swiftsure.

Olhando para o Spear Beak ondulando para cima e para baixo nas nuvens, uma ideia me ocorreu. Eu sabia que poderia ser um tiro no escuro, mas tive a sorte de receber uma recepção calorosa de ambas as tribos. Se eu pudesse fornecer pelo menos um pouco de mediação, seria mais fácil para nós recuperar as peças do arco do portal.

Com mais a ganhar do que a perder, agarrei a pata de Three Step e enviei a ela a imagem de Swiftsure nos salvando e nos guiando para sua aldeia, de nossa recepção lá e de sermos alimentados. Eu apenas forneci trechos da conversa que tivemos com o Velho Broke Beak, pois não queria incomodá-la.

Three Steps afastaram sua pata de mim com surpresa, olhando para mim com confusão, ou talvez preocupação. Os rostos felinos dos Shadow Claws ainda eram difíceis de ler.

“Está tudo bem,” eu disse baixinho, reunindo um sorriso amigável para ela e estendendo minhas mãos novamente.

Eu queria compartilhar mais memórias, os momentos que passei com Swiftsure em nossa jornada da vila de Spear Beak, mas antes que pudesse enviá-los, comecei a receber uma.

Nele, eu estava novamente com Spear Rider. Éramos um pouco mais velhos do que antes e essa lembrança aconteceu no alto das montanhas. Ele estava correndo, correndo ao longo da pedra coberta de neve, e pelas emoções que senti através dos olhos de Three Steps enquanto olhava as costas dele, eu sabia que o relacionamento deles estava muito além de meros amigos.

“Mais rápido, Spear Rider!” Eu gritei enquanto Spear Rider perseguia um roedor gordo do tamanho de seu torso.

“De que adianta seus três passos se você demora tanto para recarregar!” Ele respondeu com um rosnado brincalhão antes de seu corpo brilhar.

A sombra do Spear Rider pisou bem no caminho do roedor, assustando-o, mas assim que ele baixou suas garras etéricas em nossa presa, a toupeira mergulhou sob a neve e reapareceu vários metros atrás dele.

Deixei escapar uma gargalhada enquanto meu parceiro de vida gritava de frustração.

Estivemos perseguindo essa toupeira de neve durante a última hora, na esperança de trazê-la de volta para a aldeia e ter um banquete. Era raro ver uma dessas bestas reclusas, e ainda mais raro pegar uma, pois eles podiam se enterrar na neve mais rápido do que até mesmo uma Shadow Claw poderia chegar perto. Ao contrário de seus irmãos, esta toupeira continuou a ressurgir em vez de se esconder nas profundezas da neve, no entanto, o que nos deu uma chance.

“Este roedor destemido deve ser ensinado a não ser tão descarado,” Spear Rider sibilou enquanto corria atrás dele, comigo seguindo logo atrás.

“Eu ouvi histórias sobre como essas bestas são capazes de alimentar uma aldeia inteira duas vezes por causa de sua habilidade de fazer seus corpos pequenos ou grandes,” eu gritei, a excitação batendo em meu coração. “Imagine o orgulho de Sleep-in-Snow se trouxermos um de volta!”

Spear Rider olhou para trás com um sorriso ansioso. “Talvez finalmente possamos treinar como desbravadores!”

A ideia de ser um dos cobiçados buscadores de respostas que viajava muito além da segurança da aldeia na esperança de encontrar segredos fez meu coração bater ainda mais forte.

Cheio de determinação, eu usei um passo da sombra no meio da corrida logo atrás do roedor branco e gordo. Foi quando percebi que ele estava mastigando algo enquanto corria.

Meu momento de distração permitiu que o roedor mergulhasse de volta na neve e reaparecesse na beira de uma ravina.

Uma sombra passou e eu observei quando Spear Rider saltou da borda da ravina e usou um passo da sombra para dentro dela e sumiu de vista.

“Spear Rider! Esper-”

Minhas orelhas se contraíram com um baque agudo e úmido e um grunhido de dor vindo de baixo, quase inaudível no silêncio da paisagem nevada. Então, o grito angustiante do grito de guerra de um Spear Beak ressoou pelas paredes da ravina.

Minha visão nadou enquanto o sangue subia à minha cabeça. Eu caminhei até a beira da ravina onde encontrei um Spear Beak em cima do meu parceiro.

Sem hesitar, usei um passo da sombra mais uma vez em cima do pássaro esguio montado em cima de Spear Rider com minhas garras estendidas, mas algo brilhou no canto do meu olho.

Girando, levantei minhas garras a tempo de bloquear o bico afiado de um segundo Bico de Lança, apontado diretamente para minha garganta.

Minhas patas agarraram o chão e eu deslizei até parar um pouco antes de sair da borda da plataforma de rocha, que estava bem no alto da lateral da ravina.

Foi quando percebi o rastro de sangue que havia feito. Duas linhas vermelhas foram desenhadas na neve por meus próprios pés, mas não era meu sangue. Apesar do perigo em que corria, meu olhar seguiu a trilha carmesim lentamente, até que me vi olhando para Spear Rider.

A pele clara do meu parceiro estava vermelha com o sangue que ainda estava acumulando sob ele, seus olhos vazios abertos em choque e dor.

Um uivo saiu da minha garganta quando a angústia e a tristeza tomaram conta de mim como uma nevasca e, apesar da magia do Criador ter sido drenada do meu corpo, juntei o que tinha sobrado para afiar e alongar minhas garras.

Foi quando percebi.

Os Spear Beaks, ambos escuros como uma noite tempestuosa, misturaram-se à sombra que nos cobria, e abaixo das garras do segundo Spear Beak estava o roedor que eles usaram para nos atrair, um fino cordão branco preso ao pescoço.

Meus olhos lacrimejaram de raiva enquanto eu disparava para frente, amaldiçoando a mim mesma que não deveria ter desperdiçado meu terceiro passo de sombra antes para alcançar o roedor.

O Spear Beak que tentou me matar avançou e encontrou minhas garras com uma enxurrada de facadas usando seu bico, me forçando a ir para a defensiva. Eu desviei e me esquivei, com cuidado para não escorregar na neve derretida abaixo de mim, mas meu foco diminuiu quando o outro Spear Beak começou a rasgar um pedaço de carne do meu parceiro. Demorou para engolir a carne, seus olhos fixos em mim, como se estivessem me provocando.

A criatura vil, eterna inimiga de meu povo, continuou a bicar e arrancar pedaços de Spear Rider, soltando gritos exultantes enquanto eu lutava para me defender.

Abruptamente, a memória apareceu, seguida por uma confusão de outras memórias, de altercações com os Spear Beaks, de expressão de medo, ódio e tristeza da tribo Shadow Claw.

E tão rápido quanto o desejo de ajudar a unir essas duas tribos veio… o desejo desapareceu.

Eu não tinha certeza se a animosidade entre as diferentes tribos era uma criação dos djinn ou o resultado de eras de competição, guerra e contenda, mas curar essas velhas feridas seria o trabalho de uma vida inteira, não uma busca completa vespertina para mim no meu caminho.

Pela primeira vez, tropecei depois de ser puxado para fora das memórias de Three Steps, suas emoções ainda persistentes e me afetando.

Nós dois trocamos um longo olhar e, mesmo sem dizer uma única palavra, eu sabia pela expressão de Three Steps que havia excedido minhas boas-vindas.

***

Uma tensão palpável pairava no ar quando chegamos de volta ao vilarejo e era óbvio que a reunião de Shadow Claws perto da entrada do vilarejo tinha algo a ver com isso. Three Steps estava examinando a multidão, claramente preocupada.

Só quando avistei Caera é que percebi o que estava acontecendo. Sua lâmina estava desembainhada, olhos calmos e mortais, mas ela permaneceu em uma postura neutra, sem vontade de atacar.

Avancei para ajudá-la, mas Three Steps me impediu. Ela soltou alguns gemidos baixos e estendeu a pata.

Meu olhar mudou entre minha mentora e Caera antes de aceitar impacientemente seu convite.

“Não desejo uma batalha, mas se quiser minha ajuda, precisarei saber toda a verdade.”

Com nossas mãos pressionadas, enviei a ela a memória da emboscada Shadow Claw, desde o momento em que o primeiro deles explodiu da neve e matou Swiftsure, todo o caminho até a destruição dos corpos por Caera e nossa formulação do plano para entrar em sua aldeia.

Ao longo da visão, senti Three Steps se afastar de mim, mas ela nunca quebrou o contato, permitindo-me completar o envio. Eu terminei repetindo nossa descoberta do portal quebrado, o velho Four Fists nos dando sua parte, e minha conversa com Caera sobre a necessidade de coletar todas as peças do portal para deixar esta zona.

Quando quebramos o contato, tentei ter uma ideia do sentimento de Three Steps, mas seu rosto felino estava ilegível.

Droga. Não tenho tempo pra isso agora…

Eu estava pronto para aceitar o fato de que Three Steps não nos ajudaria, e estava prestes a usar o God Step para se posicionar ao lado de Caera quando Three Steps passou por mim e apareceu entre a reunião de membros de sua tribo e Caera.

Seguindo atrás dela, fiquei ao lado da nobre alacryana, cuja expressão finalmente relaxou quando me viu. “Você está aqui.”

“Desculpe pelo atraso,” eu murmurei, meus olhos presos nas duas conhecidas Shadow Claws liderando o grupo.

Eu podia discernir o rosnado agressivo de Left Tooth enquanto seu olhar cintilava em minha direção e em Caera, enquanto até mesmo o calmo Sleep-in-Snow soltou um rugido enrugado. A raiva e o medo eram claros entre os membros da tribo, mas a reação do grupo mudou quando Three Steps falou.

“É difícil avaliar a situação aqui sem saber o que eles estão dizendo,” Caera disse suavemente. “Você sabe o que está acontecendo?”

Eu balancei minha cabeça. “Não sei ao certo, mas acho que os batedores que partiram antes podem ter encontrado sinais de nossa batalha com os membros de sua tribo.”

Embora eu não tenha entendido suas palavras, o tom de Three Steps era nivelado e assertivo. Enquanto ela continuava a falar, no entanto, alguns dos rostos das Shadow Claws se contorceram em expressões de descrença.

Left Tooth em particular ficou ainda mais furioso, estufando o peito e me olhando com um olhar de escárnio, o éter flutuando erraticamente ao redor dele.

A conversa terminou com Three Steps balançando o braço no ar e apontando para trás com um rosnado. Ela então se voltou para nós e fez um gesto para que a seguíssemos.

Caera e eu trocamos um olhar cauteloso e começamos a seguir meu mentor felino em direção a sua cabana quando uma sombra borrou em nossa direção.

Left Tooth e dois de seus lacaios passaram por meu companheiro e se lançaram em minha direção, suas garras de éter denteadas zumbindo malignamente.

Meu pé estalou em um chute frontal, mas ele usou um passo da sombra no último instante. Eu estava pronto para isso, minha visão girando com os caminhos etéreos, alimentando-me com a rota que Left Tooth havia tomado. Eu empurrei meu cotovelo para trás, pegando-o na lateral da cabeça e jogando-o no chão.

Caera conseguiu bloquear as garras cortantes do segundo Shadow Claw, e eu agarrei um terceiro meio-teleporte e o joguei no chão. A dor explodiu na minha panturrilha, e me afastei das garras de Left Tooth enquanto ele disparava para longe.

Regis! Agora seria um ótimo momento para ser útil, rebati, apenas para encontrar o silêncio.

Aborrecimento cresceu para raiva enquanto Caera lutava para manter a outra Shadow Claw sob controle sem feri-la gravemente.

Left Tooth soltou um grunhido, suas garras se alongando e contorcendo o ar ao redor delas antes que sua forma desaparecesse em mais um passo de sombra. Assim como ele apareceu na minha frente, eu também usei o God Step. A cabeça do altivo Shadow Claw girou de um lado para o outro enquanto eu estava atrás dele.

Tirando suas pernas de baixo dele, agarrei o lado de sua cabeça e bati com o rosto de Left Tooth no chão nevado.

Os braços do Shadow Claw se agitaram, suas garras arranhando desesperadamente o ar, mas eu o segurei firmemente, meus dedos quase prontos para esmagar sua cabeça.

“Greh!”

Minha cabeça girou para ver que era Three Steps que chamava meu nome. Seus olhos, cheios de raiva e tristeza, penetraram em mim enquanto ela balançava a cabeça.

Foi então que percebi que um manto de silêncio havia caído sobre toda a aldeia. Nem mesmo o uivo suave do vento podia ser ouvido, já que a atenção de todos estava exclusivamente focada em mim.

“Tch.” Eu liberei meu controle sobre Left Tooth e me levantei, varrendo meu olhar sobre os membros da tribo.

Cada um que eu olhei vacilou de medo até que meus olhos travaram em Three Steps, que estava caminhando em minha direção.

Three Steps estendeu sua pata uma última vez, e eu tive uma visão da peça do portal. Estava nas cavernas logo acima da cachoeira, escondido em um leito de areia preta sob uma rocha brilhante com crosta de quartzo.

Fiquei ali parado, repassando a memória mais uma vez apenas para ter certeza de que não iria esquecer, quando um leve empurrão me trouxe de volta ao meu mentor. Three Steps ergueu sua outra pata, entregando-me uma bola oca, ligeiramente menor que a minha palma, que estremecia ao menor movimento.

Eu tinha visto as crianças mais novas brincar com bolas semelhantes, e Três Passos me mostrou uma memória na qual ela os ensinava como usá-la. Raramente, as pequenas árvores resistentes da aldeia produziriam uma fruta grande o suficiente para se transformar neste brinquedo. Quando a fruta secava, ficava incrivelmente dura e prendia a semente dentro dela. Os adultos puxariam o caule, deixando um buraco um pouco menor que a semente no topo da bola, e cortariam uma costura fina na lateral pouco antes do processo de endurecimento ser concluído.

Foi uma maneira pela qual os gatinhos aprendiam a manifestar suas garras, já que apenas usando uma garra etérica eles poderiam puxar a semente pelo buraco.

Tirando meu olhar do brinquedo, que eu sabia que seria crucial para o meu crescimento, olhei para Three Steps mais uma vez.

Meu peito apertou quando Três Passos passou por mim e pegou Left Tooth sem outra palavra. Meu olhar a seguiu enquanto ela caminhava em direção aos membros de sua tribo sem olhar para trás nenhuma vez.

“É hora de ir,” eu finalmente disse a Caera, virando minhas costas para meu mentor também.

Talvez sentindo meu humor, a nobre alacryana caminhou silenciosamente ao meu lado enquanto nós dois cruzávamos a vila até a cachoeira.

Eu me esforcei para não olhar para trás. Arrependimento e culpa rasgaram minhas entranhas enquanto eu não desejava nada mais do que agradecer e dizer adeus ao mentor que havia compartilhado e me ensinado muito nos últimos dias.

Mas eu sabia que seu dever era para com sua aldeia, e seria errado da minha parte menosprezar a confiança que ela tinha nos membros de sua tribo por agir tão próximos a ela. De todas as provas nas Relictombs, esta zona foi a mais cruel na forma como testava um ascendente.

Eu estava pronto para terminar com isso.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar