Agora temos uma página destinada a Doação, para os leitores que tem interesse em contribuir e também para aqueles que querem ter acesso as obras em formato PDF/EPUB acessem para mais informações.

The Beginning After The End – Capítulo 445

A Verdade do Poder

Atenção: Este conteúdo foi traduzido automaticamente por meio de Inteligência Artificial (I.A.). Embora a qualidade da tradução possa ser superior às traduções automáticas padrões, ainda é possível que haja falhas ou imprecisões na tradução. Por favor, tenha isso em mente ao ler este capítulo.

Lembrem que não é a Central Novel que traduz essa obra, apenas repostamos o conteúdo, a SCAN que traduz está com problemas, então não faz sentido nos cobrarem alguma tradução. Dito isso, pra “quebrar um galho” temporariamente estamos disponibilizando a tradução dessa forma mas como já avisado ela está longe de ser perfeita porém costuma ser melhor que o Google Tradutor.



CECÍLIA

Eu encarei o espaço onde o portal tinha estado, sua imagem residual ainda visível contra a escuridão da noite e as favelas abaixo. Minha mente estava vazia, a fúria da batalha sendo lavada pelo choque de seu fim súbito. Até a dor lancinante da ferida em meu lado parecia abafada, distante, enquanto o sangue escorria pela minha mão.

Eu tinha falhado. Grey estava lá, bem diante de mim, mas eu não tinha conseguido detê-lo. Eu o deixei escapar…

Eu simplesmente não conseguia entender. Eu era a Legado. Meu controle sobre a mana era tal que eu poderia arrastá-la do núcleo de um asura ainda vivo, e no entanto, Grey tinha se igualado a mim — tinha me ferido, quase me matado. Se eu não tivesse sentido a distorção na mana onde seu ataque apareceu, talvez ele teria conseguido. Novamente.

Embora eu só tivesse conseguido absorver uma quantidade insignificante da mana do dragão, foi o suficiente para oferecer uma centelha de compreensão: Grey aparentemente podia manipular a interação entre o éter e a mana, usando uma força para mover e guiar a outra, chegando até a desviar ou cancelar feitiços de atributos de mana com seu éter; e através da mana do dragão, eu vi a possibilidade de fazer o mesmo inversamente.

As duas forças se opunham uma à outra, e assim qualquer aplicação de mana causava alguma pequena mudança no éter ao seu redor. Eu não tinha entendido isso antes — mal sabia o que era éter — mas estava começando a enxergar.

Mas eu tinha sido excessivamente confiante. A quantidade de mana e força mental necessárias para mal mover a arma conjurada de Arthur, mesmo o pegando de surpresa, tinha sido cataclísmica. Rangendo os dentes, eu não conseguia deixar de sentir que tinha desperdiçado a oportunidade. Da próxima vez que eu o enfrentasse — e eu não tinha dúvidas de que haveria uma próxima vez — ele estaria preparado.

Pelo menos parecia claro que Agrona tinha se enganado ao ver o núcleo de Grey como uma mera curiosidade. Isso, ou ele estava escondendo o quanto o controle de Grey sobre o éter impactava seus planos. Eu não podia ter certeza do que ele entendia — ou não. Uma parte pequena de mim desejava ser inteligente o suficiente para analisar a situação e sair com uma compreensão melhor do que Agrona poderia ganhar com Grey, Nico e eu, mas esse tipo de pensamento estratégico nunca tinha sido minha força.

O vento forte do feitiço de voo de Nico fez meu cabelo voar em volta do meu rosto quando ele alcançou meu lado. Meus olhos se encontraram com os dele, mas rapidamente os afastei, incapaz de suportar a visão dele.

Ele estava pálido, com o rosto ensanguentado e machucado, seu núcleo exausto, lutando para manter o foco através da vara que permitia canalizar seu feitiço. Mesmo voando, ele favorecia o lado esquerdo, onde Grey o havia atingido. Ele não era mais do que ossos quebrados e sangue acumulado, mantidos unidos por pele machucada.

A culpa se enrolou em meu estômago, envolvendo meu coração como vinhas. Eu deveria ter ouvido ele? Eu me perguntei, começando a questionar cada palavra e ação minha. Será que Grey realmente poderia nos ajudar — fazer o que Nico temia que nem Agrona conseguisse? Eu não deixei esse pensamento se enraizar, mas o arranquei e o descartei. Essa era uma opção menos viável agora do que nunca, a batalha deixara isso claro.

Havia um olhar assombrado nos olhos de Nico quando ele me examinou, a incerteza brilhando como lágrimas prestes a cair, como se ele não conseguisse ter certeza se eu estava realmente ali ou se ele poderia acordar e eu ter desaparecido.

Eu já estava acostumada com o Nico duro e cheio de raiva deste mundo, aquele que foi à guerra por Agrona, que matou para me trazer para este mundo. Ele me assustou no começo, quando eu estava recém-desperta do vazio da morte, mas não demorou muito para eu entender a necessidade de sua raiva, sua escuridão. O que Agrona exigia de nós para recuperar as vidas que o destino nos roubou não poderia ser realizado pelos órfãos lutadores que éramos na Terra.

Agora, vendo o olhar impotente em seu rosto ensanguentado, eu não conseguia deixar de ver aquele garoto, o jovem sensível e inteligente que eu relutantemente me apaixonei.

Mas pensar naquele Nico só me lembrou da menininha frágil e assustada que eu era. Anos gastos tolice, esperando que eu pudesse controlar meu ki quando criança, depois todo o tempo trancada, sendo experimentada, com treinamento sendo martelado em mim todos os dias até que tudo em que eu conseguia pensar era a fuga da morte…

Abri minha boca e me preparei para gritar, mas a frustração e a dor ficaram presas em minha garganta, e só o silêncio irradiou de mim.

Então tudo voltou à tona. O medo, a culpa, a raiva, a incerteza, a esperança… mas a dor superou tudo isso. Por um momento, lembrei como era morrer.

Forçando a lembrança para longe, pressionei as duas mãos no corte e o inundei com mana do atributo água, desejando que ele se curasse. Mas, embora eu pudesse aliviar uma febre ou a dor causada por horas de treinamento, eu não era uma curandeira.

“Cecil, sua ferida —” Nico disse, mas ele se calou imediatamente quando eu afastei o que ele estava prestes a dizer.

Focando em vez disso na mana do atributo fogo, queimei o corte, cauterizando-o e interrompendo a perda de sangue. Isso não me mataria antes que eu conseguisse chegar a Taegrin Caelum e aos curandeiros lá

, então coloquei a ferida e a dor de lado.

Nico limpou a garganta. “Guardas e soldados já estavam se reunindo do lado de fora do palácio antes de partirmos. Vou voltar e informá-los do que aconteceu. E… eu preciso encontrar Draneeve, ver se ele ainda está…”

Eu bufei. “Você está preocupado com aquele criaturinha quebrada e chorona em um momento como esse? Chifres de Vritra, Nico, temos coisas mais importantes para… para…” Eu parei quando observei sua expressão.

O nariz de Nico estava enrugado, as sobrancelhas franzidas em um cenho, e seu lábio se curvava em um esnobe descrente. “Eu fiz uma promessa a ele, Cecília. Ele nos ajudou — te ajudou! Eu —” Desta vez, ele se interrompeu. Olhando para longe, ele inspirou profundamente, como se estivesse se fortalecendo. Quando ele olhou para mim novamente, estava mais calmo. “Eu o tratei terrivelmente. Por anos. Entendo como você o vê — como vê todos os outros — porque eu costumava ser igual. É por isso que eu quero ajudá-lo a escapar dessa vida.”

O peso de suas palavras quase me arrancou do ar. Senti minhas bochechas ficarem vermelhas de vergonha por sua repreensão. “Desculpe, Nico. Por não te contar o que lembrei mais cedo. Eu…”

Ele soltou um suspiro, entre riso e desprezo. “Por favor, não peça desculpas para mim. Não é… não é…” Ele parou. Enquanto a umidade em seus olhos finalmente começava a escorrer por suas bochechas sujas e manchadas de sangue, ele virou-se e começou a flutuar lentamente de volta para o palácio em ruínas de Sovereign Exeges.

O Soberano…

Cerrando os punhos, eu o segui. Eu quase tinha esquecido do Soberano! Parecia inacreditável — impossível — que Grey fosse poderoso o suficiente para derrotar um Soberano basilisco de sangue puro e sua guarda pessoal inteira, e depois ainda tivesse a potência para lutar contra mim até um impasse, mesmo com dois asuras iniciantes ao seu lado.

Agrona precisava saber o que tinha acontecido imediatamente. Um Soberano tinha sido assassinado, uma Foice morta, e nosso alvo tinha escapado…

Não era uma conversa que eu estava ansiosa para ter.

“Você deveria ter ouvido o Nico,” a voz de Tessia soou de repente em meus pensamentos.

Eu estava esperando que ela intervisse, na verdade, fiquei surpresa que ela tenha esperado tanto tempo.

“Você deveria ter me ouvido. Poderíamos estar seguros em Dicathen agora, longe de Agrona e de suas ambições. Arthur poderia nos ajudar, tenho certeza disso.”

O vento provocado pelo meu voo carregou meu resmungo de resposta. Como se eu pudesse confiar nele para fazer isso. Mesmo que Grey não tivesse a intenção de me matar, ele abandonou Nico e eu em sua ânsia de se tornar rei. Ele é obstinado, tem sido desde criança. Parece que ele me quer morta com tanta vontade que está disposto a matar você para que isso aconteça.

“Ele se defendeu,” Tessia rebateu com frieza, sua consciência se retorcendo sob minha pele como um parasita. “Mais uma vez, você é a agressora o colocando em posição defensiva, enquanto a história se repete.” Sua voz ficou silenciosa como uma pausa tensa pairando entre nós, e então: “Você é realmente tão covarde a ponto de forçá-lo a te matar duas vezes para escapar de suas vidas? Você colocaria esse fardo nele novamente, em uma pessoa que você já considerou sua melhor amiga — alguém que você costumava amar, até?”

Uma risada amarga escapou dos meus lábios, apenas para se dissolver no ar noturno à medida que nos aproximávamos do palácio em ruínas.

Amor… como se. Eu era uma criança com uma queda pelo primeiro que tinha sido gentil comigo. Além disso, Grey nunca foi assim — romântico — e ele desistiu de mim no momento em que ela mostrou interesse nele. Desistiu de mim e de Nico também. Mas Nico nunca desistiu. É por isso… é por isso…

Engoli em seco. Se você nos odeia tanto, a mim e a Nico, por que me ajudou a defendê-lo? Perguntei, lembrando das vinhas de esmeralda que brotaram de mim para segurar o braço de Grey e impedi-lo de arrancar a cabeça de Nico. Você liberou o poder do Guardião da Floresta Antiga para mim, por um momento. Você está tão certa de que Grey pode — que ele nos ajudaria, e ainda assim você sabe tão bem quanto eu que ele estava pronto para nos matar ambos, se tivesse conseguido.

Tessia não respondeu imediatamente. Seu espírito estava irritado, como o início de uma dor de cabeça.

Rindo, eu a confrontei. Embora eu não pudesse mais bloqueá-la completamente, eu podia enredar sua vontade em uma luta contra a minha, forçando-a ao silêncio. Eu não estou pronto para morrer — nem vou. Eu pensei que só tinha uma saída, antes, e talvez naquele mundo fosse verdade. Mas aqui…

Segui Nico para dentro dos destroços fumegantes, casualmente conjurando uma brisa forte para limpar o ar.

Aqui, eu tenho o poder de mudar o resultado da minha vida. Eu posso ser a arma de Agrona, mas só porque ele é a minha melhor chance de conseguir o que eu quero. Quando eu terminar com este mundo, vou voltar para a Terra. Não como a Legado, mas como Cecília, e vou viver uma vida tranquila e amorosa com Nico. Eu vou…

Mesmo enquanto eu o imaginava, minha mente tropeçou na ideia. Desde que Agrona prometera tornar isso realidade, eu só tinha aceitado como sendo o que eu queria. Eu nunca pedi para ser a Legado, apenas para ter uma vida. Mas o chalé acolhedor longe das cidades, da política e da guerra na Terra realmente me daria isso? Eu poderia sacrificar o poder que agora tinha pela vida que tinha perdido…?

Dar a alguém esse presente apenas para tirá-lo deles? Era um destino pior do que a morte.

Será que esses não tinham sido meus próprios pensamentos, vendo a ferida de Nico? Será que realmente era o desejo mais profundo do meu coração abrir mão de tudo que tinha ganhado deste mundo, da mana…?

Tessia recuou mais profundamente dentro de mim, não me pressionando mais, e eu quase desejei que ela o fizesse. Com quem mais eu poderia falar, se não a voz na minha própria cabeça…?

Eu recuei da luta de vontades, não mais tentando mantê-la em silêncio. Mas ela permaneceu em silêncio mesmo assim.

Nico estava afastando os destroços onde eu podia sentir a assinatura fraca da mana de Draneeve. Gritos vinham da frente do palácio.

“Lidarei com os soldados”, eu disse suavemente, mordendo o lábio. Quando ele não respondeu, deixei-o e voei para fora do saguão de entrada parcialmente desmoronado.

Cem ou mais magos já estavam reunidos lá, embora não tivessem invadido os terrenos do palácio.

Um homem mais velho usando uma pesada armadura de placas e ostentando um longo bigode caído deu um passo à frente. “Legado”, ele disse, ajoelhando-se em uma reverência. Atrás dele, toda a força dos soldados fez o mesmo. Ele manteve a reverência por um tempo respeitável e depois olhou para cima para mim em busca de permissão para se levantar.

Concedi com um aceno. “O Soberano foi assassinado”, expliquei, minha voz obscurecida com mana do atributo vento para que apenas ele pudesse ouvir as palavras. “Nenhum sobrevivente permanece no palácio, mas você precisa enviar magos para começar a apagar as chamas para que elas não se espalhem. E prepare um comunicado para a cidade explicando a destruição, mas não anuncie nada relacionado a Exeges. Você receberá instruções adicionais em breve.”

O rosto do homem ficou abatido enquanto ele me encarava, sem compreender.

“Envie alguém para preparar o portão de teletransporte mais próximo para nos levar imediatamente a Taegrin Caelum”, acrescentei antes de me afastar.

Voando de volta através da fumaça e dos destroços, encontrei Nico inclinado sobre Draneeve, que havia sido descoberto e agora estava apoiado contra a base de uma parede demolida, com a cabeça pendendo inconsciente. Fiquei surpresa com o quão normal ele parecia.

“Ele vai sobreviver?”, perguntei, tentando parecer preocupada, mas não sentindo que conseguia realmente.

“Acho que sim”, respondeu Nico. “Mas ele tem o crânio fraturado e está muito inchado. Preciso levá-lo a um curandeiro, mas…”

“Não em Taegrin Caelum”, completei quando ele hesitou, entendendo. “Vou dizer a Agrona que ele está morto.”

A mandíbula de Nico trabalhou em silêncio por alguns segundos antes de finalmente falar. “Tenha cuidado. Não minta para ele se puder evitar. Quando eu cuidar de Draneeve, vou trabalhar com as forças da cidade para lidar com as coisas aqui e depois seguirei você.”

Balancei a cabeça, mas ele não estava olhando na minha direção. Estendi a mão para tocar seu ombro, mas parei antes de tocar. Maldito corpo, pensei amargamente antes de me afastar.

Quando cheguei ao complexo onde o portão de teletransporte estava localizado, ele já estava sintonizado para Taegrin Caelum, conforme eu havia ordenado. Os guardas me deixaram passar sem cerimônias, e me vi dentro da fortaleza de Agrona. Pelo burburinho e agitação, ficava claro que todos estavam cientes do que havia acontecido e em alerta máximo, mas também percebi uma certa confusão na resposta. Embora tenha recebido as habituais reverências e bajulações quando apareci, esperava que houvesse uma mensagem ou ordens de Agrona me esperando nas câmaras de teletransporte, mas ninguém se aproximou de mim.

Na verdade, havia um certo temor na maneira como os atendentes e soldados me observavam enquanto eu atravessava a câmara, com a maioria evitando meu olhar enquanto outros me devoravam com os olhos, com a respiração suspensa, como se estivessem esperando que eu lhes desse ordens.

Fiquei cada vez mais tensa à medida que avançava pela fortaleza e ninguém me impedia. Não foi até começar a subir as escadas que se abriam para o salão que conectava à ala privada de Agrona que comecei a entender. Acima de mim, alguém estava gritando e berrando, sua raiva abalando as pedras.

Antes que eu pudesse abrir a porta pesada com ferro, ela foi arrancada de suas dobradiças logo à minha frente. Bateu contra a parede oposta e explodiu em uma teia de madeira estilhaçada e metal retorcido.

O corredor ornado anteriormente estava em ruínas.

Os objetos que decoravam as paredes foram jogados ao chão, os móveis esmagados, os tapetes grossos rasgados e queimados. Um chifre de dragão perfurou a parede. Penas vermelhas e alaranjadas, agora enegrecidas pelas chamas, foram lançadas por todos os lados, manchando o chão como tantas manchas de sangue.

No meio deste cenário de destruição estava Melzri.

Ela estava de costas para mim. Enquanto eu observava, ela soltou um uivo e enviou crescentes de fogo negro contra uma barreira que a impedia de avançar pelo corredor. As chamas estalavam contra a barreira, mas mal faziam a mana se mover em resposta.

Ela girou de repente, seus olhos se acendendo, os dentes à mostra, a mana fervendo em feitiços ao redor de suas mãos. “Você!” ela gritou. Apontou para mim, a mana se retorcendo em seu aperto. “Sua inútil, você deveria…”

Fiz um gesto com a mão na minha frente, como se estivesse afastando uma teia de aranha.

Seus feitiços se desfizeram. Seus olhos se arregalaram ainda mais, sua boca se abrindo e fechando como um peixe se afogando.

“Onde está Agrona?” perguntei, olhando além dela para a barreira.

“Ele… ele não…” Ela hesitou, desanimando. “Ele não quer me ver. Viessa… morta… mas ele nem sequer olha para mim!”

“Ele está aqui?” perguntei, ainda sem olhá-la nos olhos. Havia algo tão desconfortável em ver uma Ceifeira parecendo tão patética que eu não queria reconhecê-la. “Agrona. Ele está aqui?”

Rosnando, ela girou e atacou novamente a barreira. “Como eu vou saber! Se ele está, não mostrou sua maldita cara.” Engolindo um fôlego com dificuldade, ela gritou “Covarde!” a plenos pulmões.

Sua voz me incomodou, me fazendo franzir a testa. Quase sem querer, varri a mana de todo o seu redor, tirando-a até mesmo de seu corpo.

Ela cambaleou como se tivesse sido atingida, olhou por cima do ombro para mim com confusão e depois desmaiou no chão, inconsciente.

Me senti um pouco mal, sabendo que o retrocesso que ela sentiria quando acordasse seria realmente terrível. Mas ao mesmo tempo, eu esperava que eu estivesse ajudando-a. Salvando-a de si mesma, até. Se ela encontrasse Agrona em seu estado atual, a conversa não seria boa. Era melhor que ela dormisse durante a pior parte de seu luto. Eu esperava.

A barreira que impedia sua passagem se abriu como uma cortina diante de mim e se fechou facilmente atrás de mim. Passei pelas portas além, e então entrei na ala privada de Agrona propriamente dita.

Eu só tinha visto partes desse lado de Taegrin Caelum. Agrona me deixara entrar e sair como eu quisesse em certos momentos, mas me avisara contra explorar muito profundamente seu espaço. Era perigoso, ele me disse quando eu estava apenas começando a entender minha reencarnação, e eu deveria me restringir a procurá-lo diretamente se entrasse nessa ala.

Estendendo meus sentidos para fora, busquei pela assinatura de mana dele.

Muitas fontes de mana brilhavam por toda a fortaleza, algumas delas até mesmo asura, eu tinha certeza, mas Agrona não estava entre elas.

Eu nunca soube que ele estava ausente de Taegrin Caelum. Certeza de que ele estava mais fundo, sua assinatura de mana oculta por seu próprio fazer ou algum aspecto da barreira que ele havia envolvido em torno de toda a ala, continuei avançando.

Cada cômodo que eu passava estava ricamente decorado e decorado com os despojos de seus séculos de liderança. Ele era particularmente fã de partes do corpo de outras raças asuranas, como os chifres e a asa que adornavam o salão de entrada antes do acesso. Mas ele parecia colecionar uma grande variedade de retratos e tapeçarias também, cobrindo as paredes com dezenas e dezenas deles.

Ao explorar mais profundamente em sua ala, chegando a salas que eu nunca tinha visto antes, percebi que havia uma espécie de história sendo contada. Uma descida. Da luz para a escuridão. Era, eu pensava, uma metáfora para a fuga de Agrona de Epheotus, contada em retratos e cenários. Reconhecer isso me deixou… triste, e por um tempo eu esqueci o que estava fazendo ali.

Uma escadaria estranhamente posicionada chamou minha atenção. Embora o andar superior continuasse a se espalhar, esta escadaria, que interrompia uma sala de jantar de outra forma ornamentada, fez tanto alarde de si mesma que me senti compelida a descer, assim como a história das decorações estava contando.

A pompa do andar superior ficou para trás, e entrei em corredores estreitos de pedra fria. O túnel virava e virava novamente, intersectando outros doze como um labirinto. Portas estavam embutidas a distâncias estranhas e em locais incomuns, e quando pensei em verificar atrás de uma, encontrei uma sala pequena com uma única esfera de vidro descansando em uma estreita saliência no topo de um pequeno pedestal.

Toquei o vidro frio, mas não houve reação, então recuei da sala e fechei a porta atrás de mim.

Ignorando as próximas portas, experimentei outra aleatoriamente. A sala além estava vazia, exceto por uma grelha redonda no chão, por onde corria um filete constante de água. A água parecia estar vindo das próprias paredes, escorrendo da pedra.

Quando me encontrei no final de um túnel ramificado, abri a porta para espiar lá dentro e prendi a respiração.

Entrando rapidamente, fechei a porta atrás de mim e olhei para o objeto que ocupava a maior parte do quarto vazio. Era uma mesa com cerca de dois metros de comprimento e um metro de largura. Como antes, olhar para ela me preenchia com um sentimento de estranheza, como se insetos invisíveis estivessem subindo pelos meus braços e pernas. Vacilando, passei meus dedos ao longo das runas entalhadas, tão indecifráveis quanto da última vez em que as tinha visto.

A mesa onde acordei após a minha Integração.

“Eu me pergunto o que essas runas significam”, pensou Tessia, subitamente ressurgindo. “Decifre-as e você saberá o que Agrona realmente estava tentando fazer quando você despertou.”

Um súbito raio de medo me atingiu, acelerando meu pulso. Naquele instante, soube que tinha ido longe demais. O que quer que essa mesa representasse, o que quer que essas runas fizessem, Agrona ficaria furioso se soubesse que eu a tinha encontrado. Mesmo que ele não me punisse, tenho certeza de que mandaria realocar a mesa ou até mesmo destruí-la. Se ele fizesse isso, eu não seria capaz de mostrar a Nico as runas em sua forma completa. Nico não tinha avançado muito com o traço de mana que eu tinha retirado da última vez, mas se ele visse todo o sistema de runas, talvez…

Saí apressadamente do quarto, certificando-me de que a porta estava fechada, e me movi rapidamente por outro corredor e depois mais um, aumentando a distância entre mim e o artefato com runas.

“Devagar, você vai esquecer onde está…”

De repente, virei uma esquina e me vi cara a cara com uma jovem mulher de manto. Ela deu um salto para longe de mim com tanta força que o objeto em suas mãos — um prato redondo de cristal que emitia luz multicolorida — escapou de seu aperto e bateu no chão com um estrondo doentio.

Vento, calor e luz encheram o corredor. A jovem mulher gritou, a luz a dissolvendo diante dos meus olhos.

Quando o barulho se dissipou e a luz diminuiu, ela tinha desaparecido por completo, e o artefato que ela estava segurando não era nada mais do que fragmentos quebrados de cristal no chão.

“Bem, isso é uma pena.”

Girei na direção da voz, com o coração batendo na garganta.

“Curioso como tantos desses antigos artefatos de djinn são tão perigosos, não é? Considerando.” Agrona se aproximou de mim, olhando para o relicário destruído. “Ah, bem. Vou mandar alguém para limpar essa bagunça. Ah, não pareça tão arrasada”, ele acrescentou, avaliando minha aparência.

Minha mandíbula estava pendurada como se tivesse sido deslocada, e eu podia sentir o sangue fugindo do meu rosto.

“Eles ficarão felizes em não ter que raspar as entranhas dela das paredes, você sabe? Uma desintegração limpa, sem sequer poeira deixada para trás. Realmente um feito”, acrescentou Agrona, oferecendo o braço, e eu o aceitei, minha mente entorpecida e os lábios trêmulos. “Ou talvez não tenha sido a morte súbita daquela jovem — e bastante talentosa, devo acrescentar — Imbuídora que a deixa tão perturbada. Bem, vá em frente, então. Imagino que você não tenha invadido minha santuário privado por capricho, querida Cecil.”

“Proteja seus pensamentos!” Tessia gritou na minha cabeça, preenchendo todos os cantos da minha mente.

Quando eu tinha silenciado Melzri e passado pela barreira acima, eu estava no controle da minha turbulência interna, pronta para enfrentar Agrona. Agora, eu me sentia dispersa e despreparada, e a intrusão de Tessia não estava ajudando. Mas eu sabia que precisava manter meus pensamentos em ordem, ou ele me leria como um livro infantil.

Respirei fundo, afastei todos os pensamentos sobre a mesa com runas, o relicário quebrado, a morte súbita da jovem mulher e até Tessia Eralith. “Encontrei Grey. Ele assassinou o Soberano Exeges. Lutamos e… Scythe Viessa e Draneeve não estão mais conosco.” Parei, puxando meu braço para longe do de Agrona e fazendo uma profunda reverência, lutando para manter a calma. “Perdoe-me, Grande Soberano. Grey escapou.”

Aguardei uma resposta, mas nenhuma veio. Eventualmente, olhei para cima através dos cabelos prateados que caíam sobre o meu rosto. Agrona me observava calmamente, com as sobrancelhas ligeiramente erguidas e um leve sorriso nos lábios.

“Oh, esse Arthur, não é mesmo?” Mordendo o lábio, ele estendeu o braço novamente, e eu o aceitei, com a mente entorpecida e os lábios tremendo. “Como um ovo ruim flutuando na superfície do caldeirão, ele simplesmente se recusa a ser mantido no fundo, não é mesmo?”

Olhei para Agrona, incapaz de ler seu humor. Externamente, ele parecia quase…animado? Mas eu não podia confiar em suas emoções externas.

Rindo da expressão no meu rosto, ele deu um pequeno abanar de cabeça, fazendo os enfeites em seus chifres tilintarem. “Deixe-me compartilhar um pequeno segredo com você”, disse ele, sorrindo com um ar de mistério. “Arthur Leywin — Grey — está fazendo exatamente o que queremos que ele faça.”

“O quê?” perguntei, incapaz de evitar me engasgar com a palavra. “Mas você ordenou—”

“Bom aço é forjado em fogo quente, não é mesmo?” ele interrompeu, mexendo as sobrancelhas para cima e para baixo. “Você é uma ferramenta, ele é uma ferramenta. As ferramentas precisam ser afiadas, temperadas — misericordioso, no caso do Nico, a ferramenta precisava ser desmontada e reforjada por completo.”

Engoli em seco. Era assim que Agrona operava. Frivolidade, mudanças súbitas de traços de personalidade extremos, vagueza… ele sempre sabia como pegar seu oponente desprevenido. E agora, ele estava me tratando como um oponente.

“Nico quase morreu. Eu quase morri”, retruquei, parando para apontar para o ferimento no meu lado, sangue encharcando minhas roupas. “Se você realmente está…temperando-nos ou algo assim, o que você está fazendo para garantir que não quebremos?”

Agrona parecia completamente indiferente quando olhou para o sangue manchando metade do meu torso. “Você concordaria, Cecília, que batalhas são vencidas pela força?”

Senti a armadilha em seu tom, mas não conseguia vê-la. “E guerras são vencidas pela aplicação estratégica dessa força. Sim.”

“Não exatamente, não. A batalha não consiste apenas nos níveis de poder. Se fosse o caso, Kezess — com seus números e recursos muito maiores — já teria me assassinado há muito tempo.” Agrona começou a andar novamente, e eu não tive outra opção senão segui-lo. “Independentemente de estar estudando menos lessers ou asuras, há uma verdade universal em conflitos violentos. Os fatores que cercam uma batalha — as emoções, a interação entre relacionamentos, encruzilhadas entre expectativa e esforço — são igualmente importantes para o resultado quanto a força dos combatentes.

“Enquanto o jogo do Disputa dos Soberanos pode ter uma combinação quase infinita de movimentos, você limita a criatividade do oponente não mudando o jogo, mas mudando eles. Por exemplo, eu sabia que Arthur deixou Dicathen com um fênix lessuriano a reboque. Não haveria motivo para fazer isso a menos que ele pretendesse trazer esse lessuriano para a batalha. Dragoth teria sido um pobre adversário para tal guerreiro, e então eu o mantive onde está, batendo sua cabeça grossa e chifruda contra os escudos de Seris.”

“As habilidades de Viessa…” comecei em voz alta e depois parei.

Agrona assentiu encorajadoramente, como se eu fosse uma criança dando os primeiros passos. “É uma pena que ela tenha morrido, eu suponho, mas ela serviu ao seu propósito. O impacto do lessuriano na batalha foi reduzido, e até mesmo transformado em um ativo, perturbando a capacidade de Arthur se concentrar em você e forçando-o a proteger seus companheiros enquanto você não estava tão prejudicada.”

Senti um calafrio percorrer minha espinha. Eu não tinha contado a ele nada disso; ele leu meus pensamentos.

Agrona ficou em silêncio por um momento, seus olhos percorrendo o comprimento do meu corpo. “Afinal, parece que você foi capaz de absorver um pouco da mana do laço de dragão dele, mesmo que apenas um toque.”

Era demais para absorver enquanto lutava para manter meus pensamentos em ordem. Fechei os olhos com força, até que pontos brancos estouraram atrás deles, concentrei-me em minha respiração. Só depois de abrir os olhos novamente me senti confiante o suficiente para falar. “Então, o que é que você—nós—queremos que Grey esteja fazendo?”

Agrona parou, pressionou um dedo nos lábios e olhou para cima, como se estivesse pensando. “Nunca conheci outro que pudesse manipular o éter da maneira como ele faz. Os djinns sabiam mais, é verdade, podiam trabalhar o éter de uma forma que parecia… bem, mágica”, disse ele com uma risada afiada. “Mas eles o manipulavam. Era uma ferramenta para eles, tijolos na parede. Você acha que Arthur sobreviveu tanto tempo porque ele é… o quê… mais poderoso do que eu? Mais inteligente do que eu? Melhor preparado do que eu? Ah, Cecília querida…”

Ele se entregou a uma risadinha, seu corpo tremendo ao lado do meu enquanto caminhávamos pelo corredor estreito. “Vou admitir que, quando Nico e Cadell o tinham encurralado, quando afirmaram que Tessia Eralith era seu recipiente, eu o havia dado como morto, achando que ele estava morto e não tinha mais utilidade para mim. Mas, após a Victoriad…”

Abanei a cabeça, incapaz de decidir se Agrona estava dizendo a verdade ou apenas encobrindo seus erros. “Mas os Espectros…”

Ele deu de ombros, movimento que me tirou do ritmo por um instante. “Uma forja. O calor precisava ser aumentado, por assim dizer. Um grupo inteiro de Espectros foi o suficiente para ser decisivo. Ou eles o matariam, ou ele revelaria sua força. Se formos honestos, eu teria ficado bastante desapontado se fosse o primeiro.”

Mas você me deu a tarefa de encontrá-lo, matá-lo. Você sabia…

Como se lesse minha mente — endureci minha vontade contra essa possibilidade — Agrona me lançou um olhar preocupado e paternal, dizendo: “Você e Grey precisam um do outro agora, Cecília. Você é o martelo, ele é o torno. É onde vocês se encontram que a verdade sobre o poder neste mundo será revelada.”


Agora temos uma página destinada a Doação, para os leitores que tem interesse em contribuir e também para aqueles que querem ter acesso as obras em formato PDF/EPUB acessem para mais informações.

Comentários

5 4 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
5 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Marcus
Visitante
Marcus
2 dias atrás

Estou triste, pq agr eu tenho certeza que nem a tessia nem a Cecília vão morrer. 😭

Wan
Visitante
Wan
4 dias atrás

obrigada pelo capítulo 👏🏻

Marden
Visitante
Marden
4 dias atrás

Qual o bo que aconteceu, não estava encontrando em lugar nenhum a obra traduzida, ate pensei que tinha entrado em hiato

Grey
Visitante
Grey
4 dias atrás

Cara você é um Deus, muito obrigado mesmo!

Arthur LeywinD
Membro
Arthur Leywin
3 dias atrás
Resposta para  Grey

É uma IA a traduzir

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar