Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

The Beginning After The End – Capítulo 460

A Criança de Lady Dawn

Enquanto observava a fênix cair, com o núcleo sobrecarregado, a reação o arrancando da consciência, uma lembrança que não era a minha ficou embaçada em minha mente: um menino correndo e rindo, seus olhos heterocromáticos, um laranja ardente, o outro azul gelado, brilhando de alegria e admiração. Agora, aqueles mesmos olhos vazios voltaram para dentro de sua cabeça enquanto ele caía em queda livre.

Estava olhando para o filho de Lady Dawn, não havia dúvida. O sabor de sua mana permaneceu em meus sentidos, criando uma espécie de ressonância com a dele. Eu podia sentir a conexão deles, agora fazia parte dela, como se houvesse dois ímãs nos ligando.

Junto com a conexão, vieram emoções que também não eram minhas: proteção, desespero e uma fúria brilhante e intensa.

Não eram emoções minhas. Pensei com amargura em todos os pensamentos, memórias e ideias que haviam sido enfiados em minha cabeça desde que reencarnei. Não se trata de alguém com quem me importo.

Controlando firmemente os instintos maternais que estavam surgindo, eu os reprimi, enterrando-os.

Khoriax se abaixou e agarrou a fênix inconsciente pela parte de trás de suas roupas. Ele me lançou um olhar questionador para onde eu estava escondida, entre os galhos fumegantes de uma árvore de folhas largas. Abri a boca para falar, mas antes que as palavras saíssem de mim, o mundo explodiu em um inferno de fogo.

As chamas iniciadas pela batalha rugiram para o céu, pintando o mundo em um vermelho que queimava como um sol poente. O ar queimou meus pulmões, transformando-se em fumaça e fogo. Minhas roupas fumegavam e pequenas chamas saíam da barreira protetora de mana que envolvia meu corpo. Até mesmo meus sentidos pareciam queimar sob a mana crescente, como se estivesse olhando para o sol.

Estendendo a mão, agarrei a mana e tentei reprimi-la… mas a vontade que a controlava resistiu, fazendo-me recuar.

— Mas… como? Quem? — ofeguei alto, espantada.

Um homem desceu até o inferno. O vento que rugia repentinamente parecia mal agitar seus cabelos, assim como a fumaça não conseguia cegar seus olhos amarelos.

As quatro Assombrações sobreviventes enfrentaram o homem, mas estavam tendo ainda mais dificuldade para resistir aos efeitos do feitiço. Eles trocaram olhares incertos e lançaram olhares de busca para as árvores em minha direção.

— Servos de Agrona. — A reverberação da voz do homem de repente me disse quem ele era, sua identidade estava contida nas memórias compartilhadas por Lady Dawn. — Sua hostilidade em meu próprio domínio não será tolerada. Este lugar e todos que estão nele estão sob minha proteção — disse Mordain, do clã Asclepius, com firmeza. — Vocês testam minha neutralidade juramentada ao atacar aqui. Devolvam-me esse membro do meu clã e vão embora.

A foice de Khoriax se reformou em suas mãos e ele pressionou a lâmina contra a garganta de Chul.

— Parece que hoje está chovendo fênix sobre nós. Que conveniente. Pare de canalizar esse feitiço maldito e se entregue, ou abrirei a garganta desse garoto e…

Enormes garras de fogo se manifestaram a partir do calor que queimava a atmosfera, envolvendo Khoriax. As garras queimaram sua mana e sua carne, transformando-o em carne carbonizada antes mesmo que pudesse gritar. O fênix mestiço caiu sobre a garra, ileso.

Eu ainda estava escondida, meu controle de mana garantindo que não pudesse ter a presença sentida até mesmo para alguém tão poderoso como esse homem. Estava preocupada que as Assombrações pudessem me denunciar, mas os três restantes mantiveram o foco em Mordain, com suas defesas levantadas, mas sem fazer nenhum movimento para atacar.

De repente, a árvore na qual me escondia foi engolfada por um fogo que eu não podia controlar nem sustentar. Reagindo instintivamente, saltei no ar e voei para longe das chamas, com a pele vermelha e dolorida mesmo sob minha mana protetora.

— O Legado… — disse Mordain. Seus olhos amarelos brilhantes estavam fixos em mim, suas vestes ondulando ao seu redor e se fundindo com a fumaça. — Nem mesmo você pode se esconder de mim dentro de meu próprio feitiço de domínio. Não teste seus limites contra minha paciência.

Minha mente estava confusa. Eu não sabia o que fazer. Essa fênix era poderosa, seu domínio sobre o mana era de ferro. Os dragões ainda se aglomeravam na Clareira das Bestas, portanto, mesmo que eu o derrotasse, conseguiria fazer isso rápido o suficiente para voltar à minha tarefa sem chamar a atenção deles?

Não vale a pena o risco, disse a mim mesma, esperando estar agindo logicamente, como Agrona faria, e não por medo.

— Assombrações, venham com…

De repente, meu corpo ficou rígido, pois uma força dentro de mim se impôs contra meu controle. Minha mão se ergueu por vontade própria, estalando para a frente e soltando um cipó em forma de chicote que havia se enrolado em meu pulso.

O chicote esculpiu o espaço entre Mordain e eu, um crescente verde que parecia estar se movendo em câmera lenta. A ponta da videira explodiu em chamas, que correram ao longo de sua superfície, escurecendo o verde-esmeralda de sua carne.

O chicote se transformou em cinzas bem perto da garganta de Mordain.

Sua expressão se contraiu levemente, mas ele não se moveu para contra-atacar, a hesitação transparecendo em seu rosto por uma fração de segundo.

Cerrando os dentes até rangerem, forcei meu corpo a se submeter novamente, quebrando a perda momentânea de controle, depois girei e voei a toda velocidade, saindo do limite do feitiço de domínio e voltando para o céu azul e o vento frio.

— O que, em nome de Vritra, você estava tentando fazer? — rosnei para dentro de minha própria cabeça.

Tessia não respondeu imediatamente, então me apressei em colocar distância entre mim e Mordain. As três Assombrações tinham ficado para trás, esforçando-se ao máximo para me acompanhar.

Olhando por cima do ombro, percebi que o feitiço de domínio de Mordain era uma esfera que envolvia tudo dentro dela em puro mana de atributo de fogo. Dentro dessa esfera, sua própria mana empurrou toda a mana atmosférica, ampliando seus feitiços e seu controle e diminuindo o de seus inimigos.

— Você achou que ele poderia nos derrotar ou nos matar, não é? Dentro desse terreno infernal que ele criou. Decida-se, por favor? Afinal, você quer viver ou morrer? Você ao menos sabe?

— Não, eu não quero morrer — disse Tessia suavemente, suas primeiras palavras para mim desde que entramos em Dicathen. — Mas não posso deixar de me perguntar se sou covarde por não me esforçar mais para que isso aconteça. Para ferir Agrona e manter Arthur e todos a salvo, você precisa morrer.

Parei de repente, com um calafrio percorrendo minha espinha.

O feitiço de domínio de Mordain caiu. Por um momento, a presença de ambos os asuras foi cristalina, então a mana atmosférica pareceu engolir suas assinaturas enquanto Mordain encobria Chul e a si mesmo de mim.

E mesmo assim… algo ainda estava lá. Não havia sentido suas assinaturas de mana, mas… a ressonância que sentia agora com Chul não podia ser tão facilmente disfarçada.

Reunindo minha própria mana, empurrei uma esfera condensada e a lancei para frente na mesma velocidade em que eu estava voando.

— Sigam enquanto o feitiço durar, depois voltem para os outros e retomem sua caçada.

As três Assombrações me lançaram olhares semelhantes de confusão. Quando acenei para que seguissem em frente, não hesitaram e se afastaram rapidamente, seguindo o sol em miniatura que agora caía sobre a copa das árvores da floresta.

Deslocando-me sob a cobertura das árvores, comecei a voltar lentamente na direção em que as Assombrações haviam lutado contra Chul. O vento carregava o cheiro de fumaça, e havia um fluxo consistente de mana atmosférica de volta ao vazio deixado pelo feitiço de domínio.

A raiva brotou dentro de mim: raiva de mim mesma por ter que fugir de Mordain e por permitir que Tessia assumisse o controle.

— Se seu objetivo era matar nós duas, deveria ter me deixado morrer durante minha integração — gritei para a elfa enquanto procurava a ressonância.

— Foi fácil para você? Quando você se matou na espada de Grey? — Ela respondeu, com a voz carregada de amargura e arrependimento.

Mastiguei a parte interna da bochecha, tomando cuidado para manter minha mana sob controle, com medo de que Mordain a percebesse.

— Mesmo assim, consegui, não consegui?

— Sim, você conseguiu. Mas você fez isso para escapar, para fugir do que não podia suportar. — Um pouco de silêncio se prolongou antes que ela falasse novamente, com seus pensamentos cada vez mais confiantes. — Não queria morrer naquela época e não quero morrer agora, mas estou tentando fazer o que posso para ajudar, para lutar, diferente de você.

— Só porque você conhece minhas lembranças, não significa que saiba o que eu passei — disse, interrompendo minha busca. — Você não faz ideia do que tive de suportar… ou do que estou disposta a fazer para garantir que Nico e eu tenhamos a vida que merecemos.

Com a determinação renovada, parei por um momento para alinhar minha assinatura de mana com a mana ambiente ao meu redor e voltei a rastrear Chul, deixando que a leve atração de seu núcleo me guiasse. Avancei com cuidado, voando silenciosamente pela rede inferior de galhos, com toda a minha atenção voltada para aquele pequeno puxão à distância.

De repente, a conexão com a mana de Chul foi completamente cortada. Senti um pico de medo quando a adrenalina me invadiu e aumentei minha velocidade, visando o último lugar onde a havia sentido. Meus pensamentos começaram a se misturar, mas tentei deixar minha mente em branco novamente, lembrando-me apenas da sensação de onde aquele puxão havia estado antes de ser bloqueado.

Diminuí a velocidade mais uma vez quando me aproximei do ponto em que pensei ter perdido a conexão e me acomodei nas raízes de um carvalho gigante com casca prateada.

Deve ser aqui perto, pensei, quase esperando uma confirmação relutante de Tessia.

A Clareira das Bestas inteira estava ressoando com o eco de toda a mana derramada entre Epheotus e Dicathen, mas também havia várias fontes de magia de encobrimento em ação na floresta. Agora, tão perto, podia sentir as bordas de tal feitiço, ou melhor, muitas camadas do feitiço. Era sutil, intencionalmente quase indetectável, mas eu podia ver a mana, sentir a forma como o feitiço de envoltório pressionava as partículas atmosféricas, sentir o gosto da complexa compressão, sentir o cheiro daquele atributo único que tornava a mana das fênix diferente.

O feitiço de Mordain era poderoso; tinha que ser. Ele estava escondendo seu povo de Agrona Vritra e Kezess Indrath há séculos. Contudo, o que importava mais do que o poder era o controle, e o meu era maior do que o de qualquer um deles.

Fechei os olhos e estabilizei minha respiração. Minha própria mana estava em perfeito equilíbrio com a atmosfera, escondendo-me de qualquer pessoa que pudesse, por sua vez, estar procurando por mim. A madeira queimada era áspera e fria contra minhas costas. O aroma rico e esfumaçado de suas folhas me fez lembrar a preparação de um chá. O vento carregado de mana enviou ondulações através de suas folhas, que se esfregavam umas nas outras com ecos sobrepostos de arranhões suaves.

A árvore estava respirando. Eu podia sentir sua vida, sua energia. Os membros se erguiam muito alto no ar, espalhando-se e buscando o sol e a mana, enquanto as raízes se enterravam profundamente no solo. Era quase lindo como a árvore absorvia o sol, a água e a mana atmosférica e, mesmo sem um núcleo, purificava essa mana em outra coisa, algo novo, uma forma desviante de atributo planta exclusivamente sua.

Essa mana se espalhava por todo o local, infiltrando-se no solo, misturando-se com a mana do atributo terra e dando-lhe vida e energia. Conseguia sentir isso em cada galho, folha e raiz. As raízes dessa árvore, assim como de todas as outras nessa parte da Clareira das Bestas, pareciam crescer em um ângulo como se estivessem sendo atraídas por algo. Não se espalhavam uniformemente, mas eram puxadas em uma direção, mergulhando mais fundo do que qualquer outra árvore próxima.

Deixei meus sentidos se infiltrarem, seguindo a mana desviante até as raízes, que se espalhavam e se entrelaçavam, então senti os feitiços de cobertura passando por mim como um véu que se abre enquanto eu a seguia, cega para tudo, exceto a mana de atributo planta. Quando minha consciência ultrapassou as camadas de proteção, de repente senti novamente as assinaturas de mana específicas de Mordain e Chul… além de muitos outros.

Meus lábios se puxaram para formar um sorriso enquanto eu limpava a gota de suor que ameaçava rolar em meus olhos.

 — Está vendo agora? Isso era inevitável desde o inícioO seu propósito, seu destino era ser o receptáculo para minha reencarnação  pensei presunçosamente.

— Se for esse o caso, estou ansiosa para ver o destino que a aguarda, uma covarde com medo demais para enxergar a verdade: que você não passa de uma arma, uma ferramenta de destruição — respondeu Tessia, com uma voz insuportavelmente piedosa. — Se o que você espera se tornar realidade, posso te garantir que não será conquistado por meio da vitóriaSerá por misericórdia.

Meus punhos se cerraram, pois cada fibra do meu ser não queria nada mais do que apagar sua presença da minha mente como uma vela, mas o controle que eu tinha sobre a mana além do escudo de Mordain ameaçava se soltar.

Voltei meu foco para a tarefa em questão, deixando minha mana permear as raízes dentro das paredes esculpidas do santuário das fênix, avançando cuidadosamente como se estivesse andando em uma corda bamba até que…

— …precisa agitar seu núcleo, incentivá-lo a absorver a mana. Acenda as tochas e traga-me cristais de mana e elixires. Tudo o que tivermos!

Era a voz de Mordain. Apertada com uma ponta de pânico, não mais a tempestade controlada de poder que havia me mostrado antes. Uma dúzia de outras conversas vibrou no solo e nas raízes das árvores, mas as bloqueei, concentrando-me apenas em Mordain.

— Estamos perdendo ele  disse outra voz, ligeiramente rouca e hesitante. — Seu núcleo mal está extraindo mana, e os membros que perdeu…

— Obrigado, Avier  disse Mordain com firmeza, cortando a segunda voz.

POV MORDAIN ASCLEPIUS

Avier se acomodou novamente em seu poleiro para observar em silêncio, com as penas levemente eriçadas, mas não podia me dar ao luxo de dar mais atenção a ele. Haveria tempo para gentilezas e pedidos de desculpas mais tarde. Depois…

Mana jorrou de minhas mãos, o calor se espalhando pelo ar entre mim e Chul. Soleil e Aurora, dois membros do meu clã, fazendo o mesmo que eu, suas manas se juntaram à minha enquanto tentávamos agitar o núcleo de Chul, mas, embora sua pele tenha se avermelhado sob o calor, seu núcleo permanecia opaco e dormente.

Ele não estava mais processando mana. Mesmo dormindo ou inconsciente, seu núcleo deveria ter continuado a absorver e purificar a mana para sustentar seu corpo físico, mas ele se colocou profundamente em reação enquanto seu corpo estava em um estado de quase morte. Grande parte de sua mana foi usada para apoiar e curar a si mesmo, e não sobrou nada para curar a tensão resultante em seu núcleo. Como um coração que parou de bater, tivemos que encontrar uma maneira de fazer sua mana fluir novamente, caso contrário…

Olhando ao redor da sala, tentei me lembrar das lições de minha juventude. Fazia muito tempo que não precisava curar feridas de batalha.

Uma única cama foi colocada no meio de uma pequena câmara no ninho central do Santuário Devido aos nossos esforços e ao fogo aceso na lareira, estava muito quente. Fiquei de um lado da cama de Chul, enquanto meus dois membros do clã ficaram aos pés e à cabeça de Chul, respectivamente. Avier se empoleirou em uma prateleira fixada na parede em sua forma de coruja verde, com seus grandes olhos acompanhando cada movimento nosso.

Chul estava inconsciente na cama entre nós. A última gota de sua mana havia sido usada para queimar suas próprias feridas, de modo que havia pouco sangue, mas a visão dele tão rasgado e dilacerado, sem a perna e o braço, foi suficiente para fazer meu velho coração se apertar dolorosamente. Quando o deixei ir para essa batalha com Arthur, nunca imaginei que voltaria para nós dessa forma.

Eu deveria ter sido mais cauteloso, pensei cansado. Havia mais em jogo do que a vida de um membro do clã. Eu precisava de Chul, precisava entender o que ele tinha visto e experimentado desde que deixou o Santuário. Ele era meus olhos no mundo para ver sua forma atual, a bússola com a qual encontraria a verdade dos eventos que se desenrolavam em ambos os continentes.

Fechei os olhos e soltei o suspiro sincero de um velho.

— Olá novamente, Arthur  disse Avier, e meus olhos se abriram.

Arthur Leywin estava na entrada, olhando atônito para o corpo de Chul. Eu não o senti entrar no Santuário. Escondendo minha surpresa, o recebi.

— Que truque do destino o traz aqui neste momento?  perguntei, observando-o atentamente em busca de algum sinal de suas intenções.

— O que aconteceu?  perguntou ele, aparentemente desnorteado.

— Eu…  As palavras me faltaram, e minha compostura se desfez, minha intenção de esconder a profunda dor que senti com meu próprio fracasso se esvaiu à medida que minhas feições tremiam. — Tive que chamar Chul de volta ao Santuário, mas não sabia da presença do Legado na Clareira das Bestas. Ela o atacou com um grupo de basiliscos mestiços, acho que se chamam Assombrações. Você… chegou bem a tempo de se despedir de Chul. Não posso salvá-lo. — Mesmo quando disse as palavras, entendi que eram verdadeiras. Não havia mais nada que pudesse fazer pelo filho de Dawn.

— Por que você… espere…  Arthur pareceu se esforçar por um momento para entender o que eu havia dito. — Como assim, você não pode salvá-lo? Esses ferimentos parecem ruins, com certeza, mas ele é um asura… ou pelo menos metade. Ele é…  Então ficou quieto, com o olhar fixo em Chul.

Eu sabia o que ele estava vendo.

— Seu corpo está muito fraco e ferido para se sustentar. Com tão pouca mana, ele não apenas está horrivelmente ferido, mas seu corpo está faminto enquanto tenta se curar. Não conseguimos alterar o estado de seu núcleo, e nenhum elixir que usamos foi absorvido adequadamente.

— O desequilíbrio entre a força de seu físico e seu núcleo  disse Arthur suavemente. Suas sobrancelhas se franziram e ele me lançou um olhar feroz. — Você disse que o Legado… fez isso?

Apoiei minha mão na testa ardente de Chul, lembrando-me da sensação de sua vontade batendo contra a minha. Sabendo que não era o momento de contar toda a história, apenas assenti com a cabeça.

Arthur se aproximou da mesa. Suas mãos estavam fechadas em punhos brancos ao lado do corpo.

— Ele não deveria estar sozinho. Deveria estar em Vildorial com minha irmã…  Seus olhos se iluminaram quando ele teve um pensamento repentino e desesperado.  — Ellie! Ela pode manipular a mana, empurrando-a diretamente para o núcleo. Talvez ela possa…

Assenti com a cabeça, já sabendo o que ele pretendia sugerir.

— Embora seja improvável estimular um núcleo tão enfraquecido e sem reação, eu tentaria com prazer, tentaria qualquer coisa, mas… simplesmente não há tempo, Arthur. Quando conseguirmos trazê-la de Vildorial, Chul já estará…

— Vocês têm que ter alguma maneira de… vocês são fênix, droga  disse Arthur, com o olhar afiado de raiva genuína. — Por que caralhos você o mandou sozinho para lá, Mordain? O que estava pensando?

Eu sabia que ele estava falando por medo e frustração por seu amigo, então não levei suas palavras a sério, aceitando seu peso e não sentindo nenhuma amargura em relação a ele. Quando falei, tomei cuidado com cada palavra, não querendo causar-lhe mais dor naquele momento.

— Achei que a necessidade era grande, Arthur, mas você tem razão em ficar chateado comigo. Foi minha própria impaciência que trouxe Chul ao seu estado atual. E sinto que sua frustração só aumentará à medida que você souber de tudo.

— Os outros asuras  disse Arthur de repente, mudando a conversa. — Certamente os dragões, ou Kezess, teriam uma magia capaz de curar até mesmo essas feridas, certo?

Não pude evitar a expressão de tristeza que se instalou em minhas feições.

— Talvez. As artes vivum dos dragões podem ser bem potentes, mas quando um asura não consegue mais absorver mana, há pouca coisa que mesmo os mais poderosos feitiços de cura ou elixires possam fazer. A reação adversa em um asura é rara, Arthur. Temos mana suficiente em nossos núcleos para evitar isso em todas as situações, exceto nas mais terríveis.

— Tem que haver alguma coisa  disse Arthur, passando a mão pelos cabelos, com os olhos arregalados. — Talvez…  Ele fez alguma coisa, alguma magia com seu éter que não conseguia sentir, então começou a jogar itens na cama ao lado de Chul. — Tenho elixires e todo o tipo de coisas que peguei em minhas viagens, só para garantir. Aqui, dê uma olhada em tudo. Que tal isso?  Ele segurou um pequeno frasco de um líquido rico em cor de ameixa. — Ou talvez estas?  Espalhadas no colchão estavam três escamas verdes desbotadas, cada uma do tamanho de uma concha de molusco.

Soleil se inclinou para frente, olhando com os olhos arregalados da pilha de tesouros para Arthur e depois para mim. Arthur lhe lançou um olhar esperançoso.

Movendo-me ao redor da mesa para ficar ao seu lado, peguei os artefatos e os afastei.

— Simplesmente não é suficiente. Nem perto, mas você já sabe disso.

Ele pareceu se esvaziar, pegando os objetos e fazendo-os desaparecer novamente em algum tipo de armazenamento dimensional. Ele procurou meus olhos, mas não pude ter certeza do motivo. Talvez haja algum significado na morte de Chul? Ou na verdade… e pensando nisso, percebi algo.

— O que você está fazendo aqui?  perguntei, esperando que minha voz soasse gentil. — Você não poderia saber sobre Chul, então por que veio?

Ele ignorou a pergunta.

— Isso realmente importa neste momento? Era… importante, mas primeiro precisamos… precisamos…  Seus olhos se arregalaram mais uma vez e, novamente, ativou seu armazenamento dimensional. — Elixires! Quase me esqueci de que ele os chamou de elixires poderosos.

Senti minhas sobrancelhas se erguerem.

— Ele? Quais elixires? Arthur, eu…

Um suspiro saiu de mim antes que pudesse evitar, enquanto olhava para os três objetos que ele segurava frouxamente na mão. Movendo-me rapidamente, mas com cuidado, envolvi as mãos dele com as minhas e pressionei gentilmente seus dedos para que se fechassem firmemente em torno das três pérolas azuis brilhantes.

— Cuidado, Arthur, cuidado!  Sua expressão era pensativa ao observar minha reação, como se estivesse avaliando-a em sua mente. — Você sabe o valor do que está carregando?

Arthur retornou meu olhar incerto com uma clareza e um propósito que me surpreenderam, mesmo vindo de alguém como ele.

— Quando tentei dá-las antes, um senhor asurano se recusou a aceitá-las porque eram valiosas demais para serem aceitas. Não sou idiota, Mordain, sei como essas pérolas devem ser preciosas, mas tudo o que me importa agora é se elas o ajudarão ou não.

— O que são elas?  Avier perguntou com curiosidade, virando a cabeça para o lado.

Soleil e Aurora também estavam olhando para mim sem entender. Jovens, tão jovens, todos eles, pensei, triste por aqueles que estavam em meu lugar não conhecerem mais as Lágrimas da Mãe… e ainda assim hesitante em contar a história a qualquer um deles.

Olhando para Chul, pude ver o pouco de mana que ainda restava em seu corpo queimando rapidamente. Seria correto contar tudo a Arthur antes de aceitar uma em nome de Chul. O peso de seu sacrifício não deveria ser feito por ignorância, mas… Engoli pesadamente, procurando nos olhos de Arthur a verdade de sua intenção.

Por fim, assenti e peguei uma única pérola entre dois dedos, tirando-a levemente da palma da mão de Arthur.

— Acredito que sim, embora não tenha visto uma sendo usada em muitos e muitos anos.  Meu foco mudou para Soleil. — Vá, encontre-me a faca de prata mais afiada. Rápido!

Arthur deu um passo à frente e se inclinou sobre Chul, então uma lâmina de poder ametista vibrante se condensou em sua mão na forma de uma adaga.

— Eu faço isso. Apenas me diga o que precisa ser feito.

Arrastei meu dedo ao longo da pele ardente do peito de Chul, acima de seu esterno.

— Precisamos cortar o núcleo dele. Abra o núcleo o suficiente para inserir a pérola.

Não houve surpresa ou hesitação em seus gestos. Em vez disso, ele apoiou uma mão no peito de Chul enquanto a outra guiava sua lâmina conjurada graciosamente ao longo da dobra acima do esterno de Chul. A lâmina ametista separou a carne, o osso e até mesmo o exterior resistente do núcleo tão fácil como se estivesse cortando pão. Era necessária apenas uma única passagem.

Movimentando-me tão lentamente que parecia quase doloroso, desci a esfera azul brilhante por baixo da pele de Chul até o próprio núcleo e me afastei rapidamente; Soleil e Aurora fizeram o mesmo.

Arthur nos copiou tardiamente, seu olhar se movendo para frente e para trás entre mim e o ferimento no esterno de Chul.

— Está funcionando?

— Saberemos em um instante. Até lá, tudo o que podemos fazer é esperar.

O silêncio permaneceu enquanto todos nós observávamos, igualmente incertos quanto ao resultado. A paz e a calma se instalaram na tensão profundamente arraigada, ajudando a rompê-la. Tudo o que poderia ser feito já foi feito, agora tudo o que podíamos fazer era esperar.

— Você disse que… Cecília fez isso?  Arthur perguntou depois de um minuto ou mais.

— Seus soldados o fizeram  expliquei, sentindo uma ponta de raiva invadir a paz do momento. — Ela ficou escondida. Acredito que seu objetivo era que ninguém descobrisse sua presença em Dicathen  hesitei. — Havia algo… estranho neste encontro. Ela… me atacou, mas foi um esforço fraco, e pareceu ter sido pega de surpresa por sua própria tentativa. Então fugiu.

Arthur estava em silêncio e contemplativo, mas não respondeu.

Considerei tudo o que havia acontecido, a improbabilidade de tudo, desde a presença do Legado até a chegada de Arthur com as pérolas.

— Diga-me, Arthur… Preciso saber como você conseguiu essas pérolas. Você as roubou? Tomou à força? Alguém as ofereceu a você em troca de algo? Se…

Ele pareceu surpreso e afrontado, olhando para as outras fênix e para Avier.

— Não! Veruhn… O senhor Eccleiah as deu para mim. Presumi que fossem um presente a ser dado ao clã Matali, mas eles recusaram.

— Entendo  disse sem querer interrompê-lo. — Lorde Eccleiah… Não vou fingir que entendo o que ele estava pensando. Ter presenteado você não com uma, mas três dessas coisas, e sem nem mesmo explicar o que eram…  Balancei a cabeça, mal acreditando naquilo. — Veruhn está jogando um jogo perigoso. Estou surpreso que Kezess tenha permitido que você deixasse Epheotus com isso. Estão acontecendo coisas que não entendo.

— Meu senhor Mordain  chamou Aurora em sua voz baixa. Quando olhei em sua direção, ela continuou. — O que essas pérolas… fazem? O que as torna tão valiosas?

— Lágrimas da Mãe… um ritual leviatã. — Fiz um gesto para Arthur, e ele levantou as outras duas. — Criadas a cada mil anos, talvez menos. É extremamente raro que um asura morra na infância, antes mesmo de nascer. Uma tragédia inacreditável. — Minha garganta ficou áspera, minha voz rouca. — Os leviatãs… há muito tempo descobriram um processo pelo qual… decompõem o corpo do bebê, mas mantêm seu núcleo.

“Contida em um núcleo leviatã imaturo, toda a mana que deveria formar e construir uma nova vida, sustentando um bebê enquanto ele aprende a manipular a mana por si mesmo. Uma vida. Isso é o que cada pérola contém. Uma nova vida.”

— Não entendo o que isso significa  disse Arthur, com a voz suave.

— As pérolas de luto são o maior presente que o senhor da raça leviatã pode oferecer. Ele as concede apenas raramente, e somente para aliviar o grande sofrimento de uma vida que deve ser vivida, entende?  Senti minha boca se curvar em uma carranca cada vez mais profunda a cada palavra. — A história de Epheotus é rica em contos de príncipes, reis, profetas e grandes heróis que foram salvos da morte certa por uma dessas pérolas, mas cada uma delas é comprada com uma vida não vivida, um bebê que não pôde ser salvo. Nunca é uma troca feita levianamente.

— Três mil anos de pérolas…  murmurou Arthur. Ele as rolou gentilmente e depois as fez desaparecer de volta em seu armazenamento dimensional, pensei que talvez estivesse começando a entender o peso de sua decisão. Ele se sacudiu um pouco. — Não importa. Ainda não sei o que o Senhor Eccleiah quer para ter me dado isso, mas, independente de seu valor, se puder salvar esse simplório faminto por batalhas de…

— Ele se afastou enquanto a luz azul se refletia em seus olhos dourados. A mana estava começando a fluir da pérola. No início, era apenas um gotejamento, depois, um riacho. Em poucos instantes, um rio de mana jorrou.

Uma luz azul-branca, tão brilhante que tive de desviar o olhar, brilhou do corte no peito de Chul. Derramando-se para fora dele, fervendo sobre sua carne antes de ser absorvida novamente por suas muitas feridas, envolvendo-o em uma luz líquida de mana pura. Suas feridas se fecharam, foram limpas como se não passassem de manchas de sangue em sua pele, então, lentamente, o braço e a perna que faltavam começaram a se regenerar.

Eu mal podia acreditar. O mana de um nascimento, uma vida, um… renascimento. Sabia que Chul mudaria, mas não tinha certeza de como. Rejuvenescido não apenas por essas feridas, mas por uma vida inteira de crescimento e desgaste.

— Não senti isso…  Arthur sussurrou. — Como pode haver tanto mana escondido nisso?

Na cama entre nós, o peito de Chul se expandiu lentamente enquanto ele respirava fundo. A tensão diminuiu em seu rosto e o manto de mana começou a escurecer à medida que voltava para sua carne, preenchendo-o mais uma vez.

— Seu núcleo está… consertado  disse Arthur, com a voz tensa.

Meu olhar se voltou para o rosto dele, que estava cheio de emoções conflitantes. Seus dedos se cravaram em seu próprio esterno, pressionando com força suficiente para embranquecer os nós dos dedos, eu podia entender.

Ele limpou a garganta e deu um tapinha suave no braço de Chul.

— Fiz o que pude, meu irmão em vingança. O resto agora é com você.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

5 15 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
46 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Odeio novel
Visitante
Odeio novel
1 mês atrás

Essa fênix do carai chamou chul com urgência pra fofocar, não tentei kkkkk

Ruhtra GreyratD
Membro
Ruhtra Greyrat
1 mês atrás

Ja foi falado que o Chul tem pouca mana comparado aos asuras pq ele é apenas metade asura. Tenho quase certeza de que essa pérola vai tirar o “limitador” do núcleo dele e ele n vai mais ter problemas com isso.

E se oq eu escrevi em cima estiver certo, tem uma pequena chance de o Arthur conseguir um núcleo de mana usando as outras duas pérolas, e ai meus amigos, o bixo vai pegar.

Última edição 1 mês atrás por Ruhtra Greyrat
Davi Israel
Membro
Davi Israel
1 mês atrás
Resposta para  Ruhtra Greyrat

Sylvia vem forte pae

GutoD
Membro
Guto
19 dias atrás
Resposta para  Ruhtra Greyrat

Ele provavelmente vai da pra alguém inútil a beira da morte e talvez fique com uma, talvez.

Biell
Visitante
Biell
2 meses atrás

Fala pessoal
Vim aqui só dar uma olhada rápida pois faz mt tempo que não leio essa obra. Parei onde o Arthur fez o acordo com o lord idranth (acho que é assim).
Pelo que eu vi a sylvie voltou e tá acontecendo mts coisas vcs, me recomendam voltar a ler?
Oque aconteceu com o lobão mais amado da obra? Me passem um resumindo pf

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
2 meses atrás
Resposta para  Biell

Tá muito foda pra mim. Eu recomendo você ler, não tem muitos capítulos desse parte até aqui

Newton
Visitante
Newton
2 meses atrás

Eu tô incomodado com esse boost de poder que o autor deu na cecil viu,acho que essa lágrima vai ser a chave pra resolver os problemas no núcleo do ARTh VMS ver no que dá né

VerhenD
Membro
Verhen
2 meses atrás
Resposta para  Newton

O poder da Cecília começou a desandar pra min quando ela conseguiu influenciar o Éter, pra min isso foi a gota d’água

Lucas
Visitante
Lucas
2 meses atrás
Resposta para  Verhen

É pq o autor percebeu q a Cecília não iria aguentar o Arthur e teve que dar um buff. Depois disse que a Cecília teve que se concentrar muito para fazer isso.

Ruhtra GreyratD
Membro
Ruhtra Greyrat
1 mês atrás
Resposta para  Lucas

Mas oq é foda é q o Arthur tem todo um caminho pra conseguir os poderes e os krlh, o autor nós mostra a dificuldade q ele passou e todo o esforço pra conseguir ficar minimamente mais forte. Enquanto isso a Cecília só ganha poder e fds, tlgd q ela é o LEGADO mas ja ta parecendo o Yuno de Black Clover tirando poder do cu o tempo todo.

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
2 meses atrás
Resposta para  Verhen

Ela não manipulou o éter, ela influenciou ele. Uma forma muito mais limitada, ela so conseguiu isso, por que a espada do Arthur tinha uma concentração tão absurda de éter que ela com a mana conseguiu envolver a espada dele, e sem sabe, usou aquela propriedade entre mana e éter que o Arthur descobriu. Ela não vai manipular o éter como o Arthur, nem perto disso, fica calmo

chico amaroD
Membro
chico amaro
1 mês atrás
Resposta para  Mathh_01

aqui eu percebi que vocês realmente não lêem os caps direito. Cecília NÃO influenciou o éter diretamente e nem indiretamente, oque ela fez foi pegar a mana da Silvy(que tem éter) e envolveu na espada do Arthur. A ” propriedade de mana e éter” que você ta falando creio que esteja se referindo à interação entre mana e éter que o Arthur descobriu, se for o caso, então não, Cecília basicamente usou a mana da Silvy que era imbuída com éter e só por isso ela conseguiu influenciar a espada do Arthur.

Detalhe que ela só conseguiu isso porque o Arthur simplesmente nem tentou lutar contra a vontade de Cecília, ele foi pego desprevenido.

E eu creio que os poderes de Cecília são até razoáveis, levando em consideração que o maior caunter dela é o Arthur dominador do éter, ela precisa ser roubada mesmo pra tankar. Fora que ela aparentemente não tem nenhum vínculo com o éter

chico amaroD
Membro
chico amaro
1 mês atrás
Resposta para  Mathh_01

mesmo se Cecília vier a influenciar o éter (ela vai) não vai ser um problema pro Arthur, dificilmente ela vai ter o mesmo dom e conhecimento que o art, afinal diferente da mana, o éter se influencia e não controla

jardel
Visitante
jardel
2 meses atrás
Resposta para  Newton

as perolas são para ressuscitar nico e cecília.

Ruhtra GreyratD
Membro
Ruhtra Greyrat
1 mês atrás
Resposta para  Newton

Ahahhahaha o bglh vai ficar doido

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás

Teoria.
1 para o Chul
1 para o Arthur
1 para a Cecilia
Pegando a ideia de ‘um vida que não teve’, acredito que este item vai ser a chave para separar as mentes da Tessia e da Cecilia, ela dará opção ao Arthur de recriar um corpo para a Cecilia.

Nota: ainda prefiro descartar a ideia que a lagrima pode ser usada como ressureição, tirar o peso da morte seria um erro.

Última edição 2 meses atrás por Marcos Vinícios de Moraes
CHINIT
Visitante
CHINIT
2 meses atrás

O único problema é que a Cecília é um personagem muito irracional, do contrário, ja era pra ela estar colaborando com o Arthur.
Quanto à ideia de criar um corpo, isso foge um pouco à lógica, afinal, nada pode ser criado do nada. Seria necessário um ponto inicial, uma base, tipo uma ultra regeneração a partir de uma célula. E de fato ressuscitar os personagens tiraria o peso da morte, então é pouco provável que isso aconteça, pelos menos no decorrer da obra, afinal, um final utópico não é improvável.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás
Resposta para  CHINIT

Salve CHINIT! Creio que seria a partir da alma da Cecilia, mas é uma suposição inicial e, como tal, cheia de buracos. Mas observando que a Cecilia é a principal antagonista da obra, em algum momento ela mudará de lado tornando a ideia de como separa-la de Tessia e lhe dar um novo corpo a principal questão de resolução da obra. Por este motivo tomei ideia usual da lagrima para tampar esta lacuna.

CHINIT
Visitante
CHINIT
2 meses atrás

Compreendo.

Arthur LeywinD
Membro
Arthur Leywin
1 mês atrás

Adiciono a questão, se isso funcionar como a história indica, isso é uma vida, mais perto de uma alma que de um corpo, se ajudar seria na separação das almas, não na aquisição de um corpo, que não poderia ser qualquer corpo para acomodar o poder do legado, dos corpos que talvez aguentem vejo talvez 2, o de Tessia e talvez, o de Ellie, ignorando alguns asuras cujo o corpo aguentaria, mas não acho provável que deem um corpo assim

Ganped11
Membro
Ganped11
2 meses atrás

Eu tmb tenho uma teoria que gostaria de compartilhar, não sei se vc era, mas o núcleo do nico estava quebrado, ent tem chance de que a Cecília tente pegar uma dessas pérolas pra tentar concertar o núcleo dele, mas é só teoria

Agora uma sobre o chul, ele recebeu esse núcleo de uma criança que regenera o núcleo dele, será que tem chance de isso aumentar as reservas de mana dele, que sempre foram um problema pra ele, ou por exemplo, ele agr ter algum poder perto dos leviatãns, seria interessante, mas tmb só teoria
E achei interessante oque vc disse sobre poder criar um novo corpo para a Cecília, eu nem tinha pensado sobre isso, vlw por compartilhar essa teoria

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás
Resposta para  Ganped11

Salve Ganped11!
Creio que o nucleo do Nico terminará de regenerar sozinho, minha impressão sobre ele é a de uma ferida que esta no meio do processo de cicatrização, entende?
Sobre sua ideia dos poderes do Leviatã, confesso que não havia pensado nisto, mas é uma hipotese louvavel.

chico amaroD
Membro
chico amaro
1 mês atrás
Resposta para  Ganped11

ta mais onde Cecília iria arrumar uma dessas pérolas do luto? são limitadas e só são feitas em um único lugar em epheotos.

Chul na verdade tem grandes reservas de mana e uma força asurana, o problema dele é que a mana dele queima muito rápido e eu não acho que ele tenha um poder semelhante aos do leviatã, provavelmente foi só um bust de mana pra ajudar o núcleo dele que tava tendo um efeito negativo

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
2 meses atrás

Eu acho que no lugar da Cecília, ele vai dar a pedra pra Ellie. Tipo, eu acho que esse elixir super foda não ia conseguir interferir na consciência delas. Eu acho que o Arthur vai salvar a Cecília e a tessia com o destino talvez

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  Mathh_01

É uma boa hipotese e seria o caminho natural pelo o que foi ‘dado a entender’ referente ao poder do destino: Talvez uma chance de Nico e Cecilia reencarnarem no antigo planeta e, oxalá, fazerem justiça por todo mal que lhes causaram e refletiu neste planeta.
Não descarto sua hipótese.

OmegaLoLchan
Visitante
OmegaLoLchan
1 mês atrás

Concordo plenamente contigo, agora esse papo re ressurreição é improvável, o corpo de Chul apesar de tudo ainda não tinha ” morrido ” de fato, então deva existir um limite

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  OmegaLoLchan

Sou jogador de RPG e adoro jogar como Clérigo ou Paladino, então, em suma, meus personagens quando alcançam leveis altos adquirem, no D&D, a capacidade de Ressuscitar outros personagens e, acredite, com isto se perde parte da graça já que todos tem ciência que poderei ressuscita-los. Todo mundo vira “vida-loca”.
De outro modo, em anime temos o exemplo do Dragon Ball, a partir da primeira ressureição do Goku a morte perdeu o peso no enredo, por mais que a série seja legal ninguém acredita que de fato existe uma chance real de alguém morrer ali. E sim, sigo o seu mesmo pensamento ao dizer que o caso do Chul era diferente de outros que já morreram ou o povo acredita que morreu.

Dante
Membro
Dante
2 meses atrás

Será que é assim que o Arthur vai conseguir o insight da Criação?

Última edição 2 meses atrás por Dante
cotonete
Visitante
cotonete
2 meses atrás

Ele deve guardar essas pérolas pra alguma emergência que sempre tem.
Acho que não tem porque ele voltar a usar a mana o éter em si é bem melhor para ele já que seu corpo se adaptou-se a isso, seria demorado demais para criar os mesmos caminhos que ele criou com o éter, fora purificar o núcleo até acima do branco. O éter da mais possibilidades a ele, o problema que ele é tarado por espadas e acaba deixando de usar o éter de forma mais efetiva. Igual a djin da segunda provação.

Tytanium-_-
Membro
Tytanium-_-
2 meses atrás

São 3 lágrimas. Uma para o Chul… a outra, como o capítulo sugeriu, deve ser para o próprio Arthur (vou elaborar mais depois) e a terceira… Eu aposto que será para reviver o Aldir no mundo do éter ou para consertar de vez o núcleo remendado do Nico.
Que capítulo magnífico, cara. Muitas chances de haver um conflito do Art com a Cecil em breve… Ou ela só vai localizar de vez o Lar e voltar para o Agrona (o que é uma bandeira vermelha preocupante para o Mordain…)
Sobre o Mordain… Ele é muito foda kkkkkkkk, mas era esperado. O que mais me surpreendeu foi a Cecil ser páreo para ele, eu achei que ela não tivesse no nível dos chefes de clã Asura ainda…
Sobre o núcleo do Arthur… Ele está DESPEDAÇADO, é diferente do núcleo do Chul que estava sobrecarregado num ponto de não sustentar a biologia Asura dele mais. Então eu acredito que a Lágrima sozinha não vai curar o núcleo do Art, mas e se ele fundir um certo núcleo de dragão (Sylvia) com a Lágrima da mãe junto ao seu próprio núcleo, hein? Pois é, um núcleo de Dragão já tem afinidade com Éter também, seria perfeito para o Arthur… Embora eu acharia mais legal a lágrima sozinha curar o núcleo dele e o Art virar um humano, meio djinn, meio dragão, meio leviatã, meio basilisco kkkkkkkkk

Wan
Visitante
Wan
2 meses atrás
Resposta para  Tytanium-_-

Seria foda ele voltar pra buscar aldir kkk até pq seria uma forma de agradecer o clã leviatã por dar as 3 lágrimas pra ele. Aldir errou com dicathen, mas ele só foi mais uma vítima, merece ser perdoado e retonar. Já pagou os pecados dando a vida a nossa Sylvie, sem ele, ela não teria retornado

Johnny
Visitante
Johnny
2 meses atrás

Será que vai ter outro x1 da Cecília e do Arthur no próximo capítulo kkkk caralho o Arthur tem que usar uma dessas pérolas no núcleo dele alguma coisa de bom deve acontecer kkk

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás

A ideia de reviver o próprio Pai e Sylvia seriam legais, mas considero improprias (não possíveis).Seria legal velos de volta, mas tiraria o peso da morte da obra deixando fútil.
Até mesmo pela descrição final do capitulo, creio que o Arthur tentará arrumar o próprio Núcleo.

Última edição 2 meses atrás por Marcos Vinícios de Moraes
Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
2 meses atrás

Pelo que foi explicado neste capítulo, as Lágrimas da Mãe não ressuscitam as pessoas, mas sim, mesmo à um passo da morte, ela os salva, os revitalizando e etc e etc.
Então, acredito que, ninguém que já tenha morrido poderia ser trazido de volta à vida usando uma dessas pérolas.
Para que as pérolas funcionem, o ser em que elas serão usadas ainda tem que estar vivo de alguma forma.
Elas “somente” salva aqueles que não tem mais nada à ser feito, como é o caso do Chul, cujo núcleo já não consegue mais absorver mana para poder se curar sozinho.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

Foi o que eu entendi tb Roberto. Só enfatizei por ver muitos sugerindo isto.
Acredito que será fundamental para resolver o problema Tessia/Cecilia, criando um corpo físico para a Cecilia.

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
2 meses atrás

Acredito que será fundamental para resolver o problema Tessia/Cecilia, criando um corpo físico para a Cecilia.”
Cara, quando estava lendo este capitulo, eu pensei exatamente isso também.
Ao meu ver, até agora, para que as duas possam ter seus próprios corpos, seria criar um novo para Cecilia(Não sei, tipo, como ela está “viva”, mas sem corpo, talvez a Lágrima da Mãe consiga criar, como se estivesse curando, um corpo nova para ela) e ela(Cecilia) cair fora do corpo da Téssia chatolina.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
2 meses atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

Acredito que esta é a grande questão a ser respondida pela obra. Uma vez que a propria Cecilia ja mostrou que também pode recuperar um nucleo quebrado, com as devidas proporções. rs

Zezinho69
Visitante
Zezinho69
2 meses atrás

Mn q capitulo FOD@ um dos melhores capítulos sem dúvidas

joao
Visitante
joao
2 meses atrás

ele tem o nucleo de sylvia, será q ela volta? existe um mundo

Leandro
Membro
Leandro
2 meses atrás
Resposta para  joao

Ele deixou em epheotos? Se não me engano ele ofereceu no altar da Lady Sylvia.

Wan
Visitante
Wan
2 meses atrás

Será se agora Arthur vai consertar o núcleo dele? Podendo usar mana e éter

leonyxz
Visitante
leonyxz
2 meses atrás
Resposta para  Wan

acho que ele cai reviver o pai dele e a sylvia

Wan
Visitante
Wan
2 meses atrás
Resposta para  leonyxz

O pai dele eu acho que n tem mais como reviver, já se passou tanto tempo da morte dele, será se ainda existe núcleo?mas Sylvia com certeza. Tlvz ele volte no reino do éter pra buscar aldir pra lutar na guerra

chico amaroD
Membro
chico amaro
1 mês atrás
Resposta para  Wan

não tem nada pra concertar no núcleo dele mano, esquece a mana bglh é eter crlh

anfabuD
Membro
anfabu
2 meses atrás

e obg pelo capítulo

anfabuD
Membro
anfabu
2 meses atrás

bem q teve um cara q falou dos sentimentos da mãe do chul no último cap, pode jogar na loteria ja

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar