Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

The Beginning After The End – Capítulo 469

Divergência

POV ARTHUR LEYWIN

…Espera aí.

Esforcei-me para abrir os olhos, mas mesmo quando consegui, mal conseguia enxergar. Apenas uma coisa estava clara. Mamãe. Ela era mais jovem, muito mais jovem, e o estresse dos anos difíceis vividos ainda não se refletia em seu rosto. Seu cabelo castanho-avermelhado era mais espesso e a cor mais forte, sua pele mais suave, seus olhos mais brilhantes.

Senti-me aquecer enquanto olhava para ela.

— Oi, pequeno Art, eu sou seu pai. Você sabe dizer “papai”?

— Querido, ele acabou de nascer.

Meus olhos pequenos e tensos se arregalaram quando olhei para meu pai. Eu quase me esqueci de como ele era carismático, especialmente naquela época. Sua mandíbula quadrada ainda estava bem barbeada, destacando suas características juvenis, e seu cabelo, de cor marrom-acinzentada, estava bem aparado. Uma sombra de memória, como se outra camada de minha mente estivesse trabalhando separadamente sob minha consciência, referiu-se às sobrancelhas dele como se estendesse bruscamente como duas espadas, fortes e ferozes, mas ao mesmo tempo caídas e gentis.

Quando olhei para suas íris profundamente azuis, quase safira, molhadas de lágrimas, senti meus próprios olhos começarem a lacrimejar. Ondas de emoções complexas e conflitantes passaram por mim e eu desmoronei. Um grito selvagem e infantil saiu de minha boca e pulmões minúsculos.

— Doutor, há algo errado? — perguntou meu pai. — Por que ele está chorando?

O médico ignorou a preocupação do meu pai, dizendo:

— Os recém-nascidos devem chorar, Sr. Leywin. Continue em repouso por alguns dias. Estarei disponível caso precisem de mim para qualquer coisa.

Não estou entendendo. Esse momento marcou, ou marca, o primeiro dia da minha nova vida… não é mesmo? No entendo, certamente eu não renasci… de novo? Senti que estava ficando com fome e cansado. Era difícil manter meus pensamentos em ordem. Eu só… preciso descansar… comer… e então pensarei com mais clareza.

Em algum lugar na parte de trás da minha cabeça, senti uma pressão que era fria, escura e reconfortante, mas intensa, vibrante e vigilante, mas não consegui trazer nada mais à tona da minha mente consciente do que apenas isso, enquanto me deixava levar por uma nuvem de fadiga, incerteza e anseios do corpo de um bebê.


Eu gritava com o deleite de um bebê enquanto meu pai me balançava pelo seu quarto simples. Eu adorava tudo o que ele fazia, recompensando-o com risadas descontroladas e olhares de admiração. Parecia quase impossível manter a dissonância e a lógica racional de um adulto que já havia vivido meio século em duas vidas diferentes, mesmo antes de renascer novamente em meu próprio corpo infantil.

As lembranças da época em que era um bebê repousavam de forma incompleta no topo da minha mente consciente, como óleo sobre a água, mas, desta vez, minha vida era diferente. Eu era diferente. Não tinha certeza do porquê, mas a atração de ser um recém-nascido era muito mais forte, como se fosse uma terceira camada sobre minha personalidade.

Na verdade, sempre que deixava de me concentrar em quem eu era — aquele Arthur Leywin que já havia vivido vinte anos, lutado contra Foices e Asuras e dominado todos os quatro elementos apenas para perdê-los antes de encontrar o éter — eu parecia afundar na superfície, vivendo minha vida exatamente como antes, sem pensamento ou esforço consciente. Da mesma forma que alguém pode percorrer caminhos comuns para chegar ao seu destino e descobrir que não se lembra da viagem.

Houve um som de batida e uma dor inesperada em minha perna. Os instintos de um bebê sobrepujaram meus sentidos lógicos e comecei a chorar, alto e desesperado.

Meu pai olhou em volta em pânico, puxando-me com força contra o peito e dando tapinhas nas minhas costas com força.

— Hush, Art, hush. É só um arranhão, não precisa…

— Reynolds, o que você fez? — A voz da mãe entrou na sala logo antes dela própria. Ela me arrancou dos braços do meu pai, encarando-o, e depois começou a mexer no meu arranhão. — Ah, meu bebê! Seu pai machucou você. Está tudo bem, pequeno Art, está tudo bem. Sua mãe é uma curandeira, sabia?

Ainda chorando, fui colocado na cama deles. Então, com um soluço que sacudiu meu corpo pequeno e macio, parei quando a luz começou a sair das mãos de mamãe. A luz banhou meu ferimento e o arranhão começou a desaparecer como se nunca tivesse existido.

Esse momento foi minha primeira percepção de como a magia em Dicathen era diferente do ki na Terra. Observar minha mãe curar o ferimento foi um trampolim para meu interesse em mana. Só que, agora…

Partículas roxas flutuavam pelo ar, quase como se estivessem investigando a luz. Elas dançaram dentro dela, girando em torno das mãos da minha mãe e rolando ao longo da minha pele.

— Éter. — Eu disse, percebendo várias coisas ao mesmo tempo, mas esquecendo-me de manter minha postura de criança.

— Com licença — disse minha mãe com um sorriso bobo, beliscando meu nariz de leve. — Viu só, está melhor. — Ela esfregou o pedaço de pele que não tinha mais nenhum arranhão, mas eu não estava mais prestando atenção.

Posso ver as partículas etéreas… mas não poderia ter visto ou sentido o éter neste momento da minha vida. Eu tinha apenas alguns meses de idade e não tinha nem mesmo um núcleo de mana. Levaria muitos meses até que começasse o processo de reunir toda a mana do meu corpo em um núcleo… a menos que…

Pequenas coisas, momentos, foram diferentes, mudados por minhas ações, mas, na maior parte do tempo, eu tinha passado por essa chance na minha vida exatamente como antes.

Senti um déjà vu estranho e incômodo ao lembrar que havia ativado a quarta pedra-chave. Destino, pensei, enrugando meu rosto em concentração. Estou buscando uma visão do Destino.

Essa súbita revelação do éter atraiu meu foco para dentro de mim, para o yin e yang da escuridão e da luz que pressionavam a camada interna do meu subconsciente como um som que não era ouvido.

Sylvie! Regis! Senti meus membros macios de bebê se contorcerem enquanto a ansiedade inundava a pequena estrutura. Como eu os havia esquecido? Eles deveriam estar comigo, eles…

— Eles estão — disse uma voz feminina ligeiramente distorcida. Virei minha cabeça desajeitadamente, tentando olhar ao redor da sala. Mamãe estava franzindo a testa para mim, fazendo uma pergunta, mas eu não conseguia absorver suas palavras.

Em vez disso, encontrei os olhos dourados de meu vínculo, Sylvie, só que não eram exatamente dourados, mas transparentes como o resto dela. Ela tinha a mesma aparência de antes, jovem e nova, mal tendo adquirido sua forma humana. Só que também era magra e… fantasmagórica. Mesmo desconsiderando sua natureza incorpórea, ela parecia fraca, como se estivesse se esvaindo.

— Ah, Sylvie, você está aqui. Você esteve aí o tempo todo? Desculpe, é que é muito mais difícil manter um senso de mim mesmo nessa forma.

— Não, Arthur. Não sou a Sylvie que entrou na pedra-chave com você.

Hesitei em responder, profundamente confuso. Eu estava ficando cansado novamente e meus olhos se fecharam enquanto mamãe me embalava em seus braços e me fazia dormir.

— Eu sou a Sylvie que o trouxe para os Leywins, que cuidou de você na Terra, que ainda precisa se reconectar com o pedaço de mim que agora está em estática dentro do ovo — pensou Sylvie, suas palavras se formando não no ar, mas diretamente na minha cabeça. Ela me deu um sorriso compreensivo. — É confuso, eu sei. Porque, na verdade, eu também não sou bem aquela Sylvie também. Sou sua projeção daquela Sylvie. Porque isso é tudo, tudo mesmo. Você está projetando sua vida no reino da pedra-chave e a magia contida aqui permite que ela se desenvolva novamente enquanto você dorme… sonha.

Minhas pálpebras se agitaram e senti meu corpo infantil relaxar.

— Mas… parece tão real. E se for verdade… — bocejei e estiquei meus braços gordinhos —, como você saberia? Você não pode… saber nada que eu não saiba…

Então, embora eu tenha tentado evitar, adormeci novamente.


Com um jorro de mana, o núcleo se formou em meu esterno. A sensação foi ótima, muito além das palavras. Ao mesmo tempo, senti a adrenalina do sucesso por ter formado o núcleo pela primeira vez e a alegria sentimental de sentir um núcleo de mana sendo atraído pela mana em meu esterno mais uma vez, algo que nunca pensei que aconteceria.

Comecei a fechar os olhos para sentir meu núcleo de mana recém-formado, mas a lembrança do que aconteceu em seguida escapou da névoa do tempo que me engolia constantemente e, em vez disso, fiquei olhando para a casa semidestruída, cujos escombros ainda choviam do céu.

À distância, ouvi minha mãe gritar:

— Art! Ah, meu bebê! Você está bem?

Todavia, meu foco estava em outra coisa. Não a sensação de mana recém-disponível que formigava na borda da minha consciência, mas as partículas ametistas de éter que haviam sido deslocadas pela força externa do meu despertar. Não apenas as mais próximas foram deslocadas, mas o éter além da esfera de destroços parecia estar se aproximando, quase como se estivesse curioso, como se o próprio éter estivesse vindo investigar.

Mas por que o éter agiria dessa forma? Eu havia me esquecido de pensar em como poderia senti-lo, muito menos o que sua presença e suas ações sugeriam, pois meus últimos dois anos foram engolidos pelo ritmo de reviver minha vida quando criança.

Ao fundo, minha mãe, que havia me tomado nos braços, disse fracamente:

— Parabéns, Art, querido!

Enquanto meu pai exclamava:

— Você despertou, campeão.

Tomado por uma súbita consideração, tentei ativar God Step. Não havia o brilho flamejante de uma runa divina, nenhuma sensação de éter inundando meu corpo de quase três anos, o que fazia sentido: Eu não tinha um núcleo de éter ou runas divinas. Mesmo assim, no entanto, os caminhos etéreos se iluminaram vagamente diante dos meus olhos, piscando e desaparecendo rapidamente, como se eu estivesse vendo duas imagens concorrentes do mundo, uma sobre a outra.

Parei imediatamente de tentar canalizar éter, pois meu esterno se contraiu dolorosamente.

— Art, querido, tem certeza de que está bem? — perguntou mamãe, com lágrimas nos olhos e linhas de preocupação enrugando sua pele lisa.

Ao lado dela, completamente alheio, meu pai estava praticamente pulando dentro dos destroços. — Meu filho é um gênio! Despertado antes dos três anos de idade! Isso não tem precedentes. Eu achava que era rápido, mas isso está em outro nível!

— Desculpe, mãe, estou bem — disse, resistindo à vontade de cravar os dedos em meu esterno dolorido.

Enquanto um vizinho corria para ver o que havia acontecido, eu alcancei meu pai, que me pegou com orgulho e me deixou descansar em seus braços. No conforto de seu invólucro protetor, olhei para a atmosfera ao redor da casa, observando como cada vez mais éter parecia se acumular, como vários vaga-lumes violetas.


— Parem! — Eu disse, com uma onda de lembranças de vidas anteriores trazendo toda a minha mente para o presente. Olhei ao redor, realmente percebendo onde estava.

Talvez fosse algo em minha voz, mas a caravana parou quando Durden puxou as rédeas dos skitters.

— Qual é o problema, Art? — Meu pai perguntou, parecendo intrigado.

Engoli pesadamente, ficando frustrado com tudo isso pela primeira vez. Foi enlouquecedor perceber que eu havia me perdido na fuga de simplesmente reviver minha vida passada.

Um vento frio soprava das Grandes Montanhas enquanto nossa carroça puxada por skitters seguia seu caminho em direção ao portão que nos levaria a Xyrus. Eu tinha quase quatro anos, já havia sido apresentado aos Chifres Gêmeos e estávamos nos aproximando do momento mais decisivo da minha vida.

Decisivo…

O mundo zumbia dentro de minha cabeça como uma abelha presa. Por que só estou me lembrando disso agora?

Estávamos quase chegando à emboscada dos bandidos, o momento que me levaria para longe de minha mãe e meu pai por anos, que me faria perder o nascimento de minha irmã.

Olhei atentamente para meu pai e senti um nó crescendo em minha garganta. Eu não estava pronto para deixá-lo novamente, para perdê-lo. Não quando eu podia impedi-lo.

— Art, querido? — Minha mãe disse, colocando a mão em minha bochecha e depois na lateral do meu pescoço. Olhando para meu pai, ela disse: — Reynolds, ele está quente.

— Você está se sentindo mal? — perguntou meu pai, pulando a fileira de assentos para se aproximar. — Você pode curá-lo, Alice?

— Não estou doente — disse por fim, embora certamente houvesse um sentimento de doença em minhas entranhas.

Eu realmente não sabia como seria minha vida se não tivesse caído daquele penhasco defendendo minha mãe, mas não podia simplesmente nos deixar cair em uma emboscada que poderia matar qualquer um de nós. Não matou, é claro, exceto eu, de certa forma, mas quanto eu já havia mudado ao longo de minha vida? Os eventos haviam se desenrolado quase exatamente da mesma forma, mas e se fosse apenas o suficiente para causar alguma mudança sutil?

E se, desta vez, os ferimentos que Helen e papai sofrerem forem fatais? Eu me perguntei.

— Há uma emboscada à frente — expliquei em voz baixa. — Precisamos ser cuidadosos.

— O quê? — perguntou meu pai, pego de surpresa.

Durden e Adam trocaram um olhar, enquanto Angela Rose olhava ao nosso redor como se pudesse ver essa emboscada oculta. Jasmine colocou uma mão em meu ombro de forma protetora.

Os olhos de Helen se cravaram nos meus, buscando a verdade, antes de dizer: — Formação de proteção. Vamos prosseguir lentamente, com os feitiços a postos.

Em vez de relaxar, meu coração só bateu mais rápido, pois imediatamente comecei a me perguntar se tinha feito a coisa certa. Pressionei o ponto claro e escuro atrás de meus olhos, mas senti apenas uma agitação fraca e amorfa. Dominado pelas emoções da forma física de uma criança de menos de quatro anos, eu não queria nada além do conforto de alguém que me assegurasse que estava tomando a decisão correta.

— Você não encontrará isso aqui.

Minha cabeça girou e eu me vi olhando para a imagem jovem e fantasmagórica de Sylvie, que estava flutuando a alguns metros de altura, observando tudo o que acontecia com uma expressão melancólica.

— O que você quer dizer com isso?

Ela deu uma pequena sacudida na cabeça, enviando uma onda através de seus cabelos loiros transparentes.

— Você está sozinho, Arthur. Talvez mais do que nunca. E essa será a parte mais difícil. Porque ninguém mais pode entender, ninguém pode guiá-lo. Você também terá que arcar sozinho com o peso das consequências.

Esperei, esperando algo… mais. Uma afirmação ou expressão de positividade, ou a afirmação de que, na verdade, eu não estaria completamente sozinho, porque ela estava comigo, mas nenhuma gentileza desse tipo compensaria sua dura mensagem.

— Você não parece como você mesma.

— Claro que não — disse ela, aumentando o tom de sua voz. — Eu sou eu, mas como você interpreta o “eu” que foi deixado para trás depois que desisti de ser eu para que você pudesse continuar a ser você. Eu lhe contei o que aconteceu comigo. Talvez… — Ela fez uma pausa, pensando. — Talvez eu seja um pouco mais eu do que isso, já que uma parte do meu verdadeiro eu está aqui com você.

— Mas você disse que eu estava sozinho.

— E você está, mas talvez não para sempre. Lembre-se disso. Não precisa ser para sempre.

Meu rosto se fechou em incerteza. Estava me esforçando para entender suas palavras e meu olhar se desviava dela para procurar a emboscada iminente dos bandidos. Em uma dessas vezes, quando olhei para trás, ela havia desaparecido.

A luta começou repentinamente. Fui rápido em apontar os quatro conjuradores e o líder: os Chifres Gêmeos os derrubaram com precisão especializada, uma luta muito mais limpa do que a da primeira vez. Ninguém ficou ferido.

Depois da batalha, afastei-me da mamãe e caminhei até a beira da estrada. Sylvia estava lá fora, observando, ou assim eu pensava. Na verdade, eu não tinha como saber. Será que ela ainda me salvaria se simplesmente escorregasse e caísse, ou se eu mesmo pulasse do parapeito? Aproximei-me mais, respirando superficialmente. Fechando meus olhos, inclinei-me para frente e…

Uma mão forte agarrou meu braço e eu voltei à realidade. Ao me virar, fiquei cara a cara com meu pai, que me pegou e me colocou em seu ombro.

— Whoa, cuidado aí, Art. É uma longa queda — disse ele com uma risada. — Ei, como você sabia que aqueles caras estavam lá, afinal?

Engoli, olhando para trás, para a floresta lá embaixo.

— Eu não sei. Acho que apenas os senti.

Ele riu novamente.

— Ele diz que apenas os sentiu! Eu já lhes disse uma vez, e vou lhes dizer mil vezes, meu filho é…

— Um gênio — disseram Adam e Angela Rose ao mesmo tempo, com um tom levemente provocador.

Todos nós voltamos para a carroça e Durden fez os skitters andarem com um leve estalar nas rédeas. Minha mãe me puxou para perto e eu apoiei minha cabeça em seu ombro. Ela está grávida agora, percebi, o conhecimento confuso, como um fato parcialmente lembrado. Papai nunca se machucou, então não me disse para correr com ela ou que ela está carregando outro bebê. Minha irmã, embora ainda não saibam disso. Ellie.

Franzi a testa. Era difícil manter esses fatos em ordem, mas talvez fosse apenas porque estava muito cansado. Um dos problemas de ter o corpo de uma criança de três anos, pensei, deixando meus olhos fechados. Para um corpo tão pequeno, ele precisa de muito… descanso.

A última coisa que senti foram os dedos da mamãe passando pelos meus cabelos castanhos.


Os dias se transformaram em semanas, meses e anos.

Xyrus era incrível. Tive os melhores tutores e eles me prepararam completamente para entrar na Academia Xyrus, o que fiz aos 12 anos de idade, quando meu núcleo já estava vermelho claro! Minhas lembranças de minha vida passada como Rei Grey continuavam a desaparecer, mas tudo bem. Ficou cada vez mais fácil ser apenas Arthur Leywin, um ampliador bi-elementar e também um desviante de raios!

Às vezes, eu me arrependia de não ter me tornado um mago tri-elementar ou até quadra-elementar, mas sabia que isso era bobagem. Ninguém poderia se tornar adepto da utilização de todos os quatro elementos. Ainda assim, havia momentos em que flashes de minha vida na Terra apareciam e eu me lembrava do ki, e sentia que havia mais que eu poderia ter feito.

Até ajudei minha irmã mais nova, Ellie, a despertar cedo. Não tão cedo quanto eu, mas papai disse que nem todo mundo pode ser um “prodígio geracional”. Mamãe lhe deu uma palmada, e Ellie fez beicinho por dias. Tentei ajudar a garota com quem morávamos também, mas Lilia não conseguia controlar a mana. Não era de surpreender, eu acho, já que a mãe e o pai dela também não eram magos, mas isso me fez lembrar que havia algumas coisas que eu não podia fazer.

Uma boa lição para um garoto de 12 anos, pensei.

— Você parece nervoso — disse papai enquanto lutávamos nos dias que antecediam o início do meu primeiro período na academia. Estávamos atrás da residência dos Helstea, para a qual eles tiveram a gentileza de nos convidar. — É natural, Art, mas, embora esses outros garotos possam ser mais velhos, muitos deles não serão mais talentosos.

— Não estou nervoso! — insisti, avançando e golpeando minha espada de madeira de treino em sua canela. Quando ele se esquivou, eu a trouxe ao redor e através do meu corpo, mirando em suas costelas no lado oposto. Ele mal conseguiu colocar sua própria arma no lugar. — Eu ainda sou um mago há tanto tempo quanto eles. Talvez até mais!

Ele defendeu um golpe e eu me estendi demais, avançando demais e expondo meu flanco. Com uma risada, ele atacou minha posição aberta.

Pulei para frente para evitar seu golpe e voltei a ficar de pé, de frente para ele.

— Eu despertei mais jovem do que qualquer outra pessoa jamais despertou.

— Não seja arrogante — advertiu ele, embora não conseguisse esconder o orgulho óbvio em seus lábios trêmulos, mandíbula flexionada e olhos brilhantes. — Lembre-se, não deixe que os nobres e a realeza o pressionem, mas também não comece brigas.

Pegando minha arma com as duas mãos, dei um impulso para frente e soltei um gêiser de vapor, pegando papai desprevenido. Ele cambaleou para trás, tossindo e pigarreando, com a pele do rosto levemente vermelha por causa do calor.

— Mas certificar-se de acabar com eles se alguém for estúpido o suficiente para lutar comigo! — Acrescentei, repetindo o conselho que ele havia me dado muitas vezes antes.

Ele acenou, tentando recuperar o fôlego.

— Isso é… certo… —, ele acabou tossindo. — Ok, ok, isso é o suficiente por hoje. Seu tutor deve chegar em breve.

Não pude evitar o revirar dos olhos.

— Qual é, hoje? Estou pronto. — Eu me animei. — Deixe-me ir com você até a casa de leilões! Não estarei em casa com tanta frequência quando o período letivo começar, e quero passar meu tempo com você, não ouvir outra aula sobre a teoria da manipulação de mana… — Eu me arrastei quando as sobrancelhas levemente úmidas do meu pai se ergueram em seu rosto vermelho.

— Está bem, está bem — disse, desistindo de meu esforço sem convicção para escapar das aulas, com a cabeça baixa.

Uma mão calejada me deu um tapinha.

— Talvez sua mãe possa levá-lo até lá depois das aulas. E do jantar. — Olhei para cima com gratidão. O nariz do papai se enrugou. — E de um banho.

Pensei muito nesse momento quando o semestre começou e fui puxado para a vida acadêmica. Foi difícil lá. Eu era um bom lutador e forte para a minha idade, mas o talento prodigioso que havia demonstrado quando criança desapareceu com as lembranças da minha última vida. Mesmo assim, não foi tão ruim. Era muito mais fácil ser apenas uma criança e não ter todas essas coisas sobre a Terra e sobre ser um rei presas em minha cabeça,

Entretanto, sim, a Academia Xyrus ainda era difícil. Pensei nas lições que papai me ensinou sempre que as pessoas tentavam implicar comigo por ser tão jovem. Isso acontecia muito, especialmente com os jovens nobres, que eram todos horríveis. Até os príncipes e princesas de Sapin e Elenoir foram para lá, embora eu tenha ficado bem longe do caminho deles. Ainda assim, quase nenhum deles conseguia manipular dois elementos diferentes, muito menos um desviante, e a diretora era muito simpática, embora um pouco intimidadora.

Era uma pena que eu tenha que ficar preso com tantos deles em minha primeira viagem de campo, quando minha aula de Mecânica de Combate em Equipe 1 foi levada a uma masmorra de verdade na Clareira das Bestas, a Cripta da Viúva.

— Muito bem, todos estão prontos? — perguntou nossa professora, uma mulher intensa chamada Vanessy Glory. — Então vamos entrar. Preparem-se, quando entrarmos, vai estar frio. — Ela passou pela entrada, que parecia ser uma escada estreita que levava à escuridão.

Em uma fila única, todos nós começamos a descer as escadas. A temperatura caía sensivelmente a cada passo que dávamos.

— M-m-m-m-mas que porra é essa? Não imaginei que estaria tão f-frio! — disse um garoto chamado Roland com os dentes batendo.

— Proteja-se com mana, seu idiota. — Ouvi Clive, o vice-presidente do conselho estudantil, dizer por trás. Estava muito escuro para ver algo mais do que o contorno vago de cada pessoa.

Olhei de relance para Clive e meu olhar se desviou automaticamente para a garota elfa ao lado dele: a presidente do conselho estudantil, Tessia Eralith. Ela não me viu olhando, mas Clive viu. Ele fez uma careta e eu desviei o olhar, sentindo meu pescoço esquentar.

Como se eu fosse me interessar por uma princesa elfa elegante, pensei com raiva.

Descemos em uma enorme caverna revestida de musgo.

— Isso é estranho. Normalmente, já vemos uma boa quantidade de snarlers. Por que eu não…

De repente, ruídos horríveis começaram a ecoar ao nosso redor. Por trás das inúmeras pedras e das pequenas cavernas que pontilhavam as paredes da caverna, surgiam inúmeros olhos vermelhos e redondos.

Apertei o punho em torno do cabo da lâmina simples, mas útil, que a escola havia fornecido para essa expedição. Ao meu redor, os alunos lançavam olhares desconfiados para a professora Glory, mas eu me esqueci de todo o resto ao sentir a emoção de realmente poder me testar pela primeira vez.

— Isso é muito estranho. Mesmo nos andares inferiores, nunca há tantos snarles agrupados — disse a professora Glory, preparando-se. — Há muitos deles, mas não é impossível lidar com eles. No entanto, como se trata apenas de uma excursão de classe, acho que é melhor voltar a subir, por precaução. A segurança é nossa prioridade. Contudo, quando a Professora Glory começou a conduzir todos lentamente de volta para as escadas, uma bola de fogo passou voando por ela.

A bola de fogo explodiu e seis das bestas de mana, conhecidas como snarlers, foram arremessadas em direções diferentes. Seus corpos fumegantes, cada um com cerca de um metro e oitenta de altura, com peitos e braços densamente musculosos e pernas curtas e arqueadas, estavam imóveis.

— Viram? — zombou um nobre sarcástico chamado Lucas Wykes, brandindo seu cajado. — Esses bichinhos nojentos são fracos. Professora, não me diga que você nos trouxe aqui só para voltar. Até mesmo um pequeno feitiço de fogo foi suficiente para matar seis deles.

Para não ser superado pelo mago menos talentoso, avancei e imbuí mana do atributo fogo em minha lâmina, fazendo-a dançar com chamas brilhantes. A espada flamejante abriu um arco brilhante na caverna mal iluminada, atingindo a grossa camada de pelo cinza de uma das criaturas feias, que ardia em chamas e exalava um fedor horrível. Seus olhos vermelhos e redondos me encaravam a partir de um rosto de javali.

— Arthur! — gritou a professora, sem conseguir esconder sua frustração e preocupação, dado o contexto. — Droga, vocês dois. Todos, dividam-se em suas equipes e ocupem diferentes partes do piso! Não queremos que ocorra nenhum fogo amigo aqui. E Lucas, Arthur, se algum de vocês fizer algo assim novamente, haverá consequências. — A professora Glory lançou um olhar ameaçador para nós dois.

Assenti com a cabeça, sentindo minhas bochechas queimarem.

— Príncipe Curtis, pegue sua equipe e vá para o lado esquerdo da caverna. Princesa Tessia, leve sua equipe para a direita da caverna e mantenha sua posição. A última equipe, comigo. Ficarei de olho em vocês o tempo todo, mas fiquem atentos e não subestimem os snarlers, especialmente nessa quantidade. — Com isso, a Professora Glory fez sinal para que as equipes avançassem.

— Roland, quero que você seja a vanguarda, já que você é o melhor à queima-roupa — ordenou a princesa Eralith, com sua voz ecoando por toda a caverna. — Clive e Owen, se posicionem atrás dele, à esquerda e à direita, e certifiquem-se de que ele esteja coberto. Lucas, fique no centro, atrás de Roland e entre Clive e Owen. Estamos indo para a posição diamante que aprendemos na aula.

Eu, é claro, estava com a professora, já que nenhum dos membros da realeza tinha utilidade para alguém que não fosse de uma família nobre, nem mesmo um mago bi-elemental. A batalha foi intensa, e a Professora Glory nos manteve em uma rédea mais curta do que as outras equipes, mas enquanto eu girava e me esquivava, minha lâmina brilhando, o relâmpago imbuindo meus músculos para balançá-la ainda mais rápido, eu caí em um ritmo de massacre.

E o fato é que eu era bom nisso. E me senti bem. Eu queria mais, aquela sensação de poder. Eu queria me tornar um aventureiro desde pequeno, mas naquele momento eu realmente soube que seguiria os passos de meu pai.

Isso é ótimo!

Nesse momento, houve um estalo vindo de cima e um enorme pico de gelo se chocou contra o chão ao meu lado. Fui jogado para fora e tive que me envolver em um escudo de mana do atributo água para evitar o enxame de snarlers que aproveitaram a chance para me atacar.

A Professora Glory avançou com suas duas espadas gigantes, uma em cada mão, cortando várias feras de mana a cada golpe. Ela não viu as duas monstruosidades aladas descendo do teto até que uma delas a agarrou pelo ombro. Aquilo a levantou e a jogou para longe como uma boneca de pano.

Não pude fazer nada quando a segunda criatura, algo parecido com os snarlers, mas duas vezes maior e com asas largas, se inclinou em minha direção. Cada um de seus membros dianteiros tinha quatro garras longas e afiadas que brilhavam de forma ameaçadora à medida que se aproximavam.

Minha barreira se desfez como papel de seda, e as garras se cravaram em mim.

Fechei os olhos, incapaz de entender o que estava acontecendo. Não podia terminar assim, simplesmente não podia. Eu era especial, até mesmo único. Quando a dor deu lugar à dormência, tudo o que eu conseguia pensar era: Que desperdício…

Tudo ficou preto. Então, dentro da escuridão, um pouco de luz distante.

A luz no fim do túnel, pensei, ainda não estando ciente do fato de que eu não deveria mais estar pensando.

A luz ficou mais próxima, mais brilhante e, então, como se estivesse olhando por uma janela embaçada, tudo ao meu redor se transformou em um borrão brilhante, forçando-me a fechar os olhos, apesar de ter certeza de que já estavam fechados. Sons indiscerníveis invadiram meus ouvidos, deixando-me tonto. Quando tentei falar, as palavras saíram como um grito. A cacofonia de sons indistinguíveis foi se suavizando lentamente, e ouvi uma voz abafada.

— Parabéns, senhor e senhora, ele é um menino saudável.


Comentários

4.9 30 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
54 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
maxxxD
Membro
maxxx
1 mês atrás
Resposta para  BanKai

Falando para ler nesse site aí, mais nem o capítulo mais atual tem. Só saio daqui se lá lançar antes que aqui, que perca de tempo, aff.  

DDTD
Membro
DDT
1 mês atrás
Resposta para  maxxx

Na vdd, pelo que eu vi, a tsundoku traduz os capítulos que a central novel posta.

psouza66
Visitante
psouza66
18 dias atrás

man essa outra vida do arthur nn fez sentido ter a tessia , ela foi sequestrada e o arthur q a salvo mas se nn foi ele q salvo ela provavelmente foi um dos guardas dos elfos , supondo que foi um elfo salvo ela ,como os pais (a rainha e o rei ) deixaram ela ir para o reino dos humanos pra escola de xyrus ? se os tres reinos nn estavam se bicando na epoca e os elfos so simpatizaram com os humanos por causa do arthur.
tbm tem q a diretora da academia era amiga do virion mas nn faz sentido a tessia ta la
apenas uma observação

Última edição 18 dias atrás por psouza66
pingola mole
Membro
pingola mole
19 dias atrás

sla meio louco esse negócio, mas tipo será que ele vai ter que se ligar que a vida não e um limão e com a ajuda dessa silvie ele perceba que não da para mudar oque a conteceu

HeryD
Membro
Hery
1 mês atrás

Será que ele conseguiria viver tudo de novo e conseguir o conhecimento completo do Réquiem de Aroa? Que os carinhas de Alacrya atrapalharam ele a conseguir

Hm interessanteD
Membro
Hm interessante
1 mês atrás
Resposta para  Hery

genial man, espero q sim, mas acho que até chegar nessa parte ele vai morrer mais

Ste
Visitante
Ste
1 mês atrás

Capítulo muito bom, é bem legal poder ver uma nova versão do que poderia ter sido a vida do Arthur, apenas com umas mudanças “pequenas” de escolhas. Certeza que ele vai aprender muita coisa revivendo tudo assim varias vezes,

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
1 mês atrás

Pqp e eu achando q o autor tava ruchando a obra e ele me meteu essa 😐

Wesley Almeida
Visitante
Wesley Almeida
1 mês atrás

Parece que ele vai te que abrir mão das coisas boas de novo é vira o Arthur Guerreiro 🤔👀 é seria bom ser a vida fosse como nós queremos mais não é.
Então ver que abraçar a caminho solitário de novo é consiga a quatra perda 🤔

Dragon of TimeD
Membro
Dragon of Time
1 mês atrás

Sansara, será quantos ciclos ele vai ter que enfrentar?

Thamam
Visitante
Thamam
1 mês atrás

Virou a Guerra do amanhã kkkkkkkkkkkkkk

Wilthon
Visitante
Wilthon
1 mês atrás
Resposta para  Thamam

Oloooko… adorei a referência kkkkkk

Alguma coisaD
Membro
Alguma coisa
1 mês atrás

Dúvida, como exatamente o Lucas tava vivo e são (se é que ele foi são em algum momento) depois de explorar a masmorra lá do gigante de mato na época em que Arthur era aventureiro? Foi o próprio Arthur que encontrou a passagem secreta?

Laio KentD
Membro
Laio Kent
1 mês atrás
Resposta para  Alguma coisa

Simples: Lucas usou todo mundo como bucha de canhão, deve ter sido cassado, mas de resto nunca conheceu Jasmine, Elijah e Arthur

Noite
Visitante
Noite
1 mês atrás
Resposta para  Alguma coisa

Resposta 1- ele não foi lá por conta da mudança de destino
Resposta 2- sacrificou todos e fds

Enryuu
Visitante
Enryuu
1 mês atrás
Resposta para  Alguma coisa

Eles, talvez, não conseguiram permissão para entrar na Dungeon. Talvez não tenham conseguido cumprir os requisitos para entrar, já que nem o Arthur e nem a Jasmine estariam lá para completar a party(fonte: vozes da minha cabeça).

Hm interessanteD
Membro
Hm interessante
1 mês atrás
Resposta para  Alguma coisa

o povo pode até conseguir explicar o Lucas, mas a Tessia eu n sei n
é meio que forçado pensar que ela foi resgatada por alguém e n morreu como escrava

REI LOUCOD
Membro
REI LOUCO
1 mês atrás

Só vendo se a conta tá funcionando

Laio KentD
Membro
Laio Kent
1 mês atrás

Ele literalmente entrou na pele do passado como bebe, exceto pela perspectiva? Profundo…,um tsukiyomi de infinito, ou melhor, em loop infinito até ele resolver a charada, ele vai viver múltiplos e episódios de WhatIf versão TBATE. E toda vez que ele tenta buscar seu “futuro ideal” ele se afasta de entender o destino.
Cara, nessa versão de vida ele se acomodou muito, basicamente viveu uma vida comum, com uma vidinha melhor do que a maioria das população, mas ainda assim de status ordinário, – se que é isso deveria importar – mas a sociedade era medieval e segregada por camadas sociais – nada bacana -, cujo status fala mais que qualquer outra coisa – culpa de Windson lacaio – .
Talvez essa seja a mensagem principal: seguir em frente e não esperar que o destino funcione igual a mágica dos desenhos. Então, ele vai ter que fazer a lição de casa com Gambito do Rei e Realmheart, e não ficar curtindo imaginando salvar todo mundo senão ficara preso na ilusão.

Mas o que mais me chamou a atenção foi que nesta versão de vida dele mais cômoda, ele só teve 03 elementos, e não 06, como na linha principal. Sem falar que quando entrou em Xyrus ele estava no amarelo-escuro, e não vermelho. Será que seu progresso de elementos se deve á exposição do éter da vontade da Sylvia?
Talvez por isso não conseguiu ajudar Lilia, porque não tinha força suficiente, e por isso morreu…
Então a questão de mana é mais metafísica do que imaginava, e a questão de manipulação de mana não é meramente pelo DNA, mas pela exposição metafísica também. A razão das pessoal manipular poucos elementos é falta de perspectiva de éter também.

Interessante que este pov dá pra formular umas teorias:
01 – a predisposição para usar mana é a mesma da exposição a mana, ou á exposição metafisica;
02 – magia de luz não existe no reino físico porque tende ao reino metafisico (éter);
03 – físico e metafisico se relacionam como yin/yang, e um não existe sem o outro;
04 – racionalidade não se aplica ao metafisico, da mesma forma que o físico (mana);

Última edição 1 mês atrás por Laio Kent
Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
1 mês atrás
Resposta para  Laio Kent

Um What If do Arthur sendo reencarnado como o previsto em Alacrya ao invés de Dicathen, trabalhando para o Agrona, seria interessante!!

Samuel Martins
Membro
Samuel Martins
1 mês atrás

Alguém sabe o porquê que dessa vez ele não se despertou como um mago quadra-elementar ? 🧐

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás
Resposta para  Samuel Martins

Ele trilhou um caminho diferente nessa realidade ele nunca conheceu a Silvia acredito que a vontade dela tenha influenciado nisso sabe, acredito que os fatos tenham todos acontecido da mesma forma que eram para acontecer a sylvie nunca nasceu a Tessia foi vendida como escrava essa realidade foi toda sabotada só não conhecendo a Silvia ele mudou toda a historia, acredito que esse quarto enigma tenha a ver com isso “aceitação” saber que não se pode mudar as coisas porque geram futuros catastróficos, provavelmente nessa ai Agrona matou geral

Laio KentD
Membro
Laio Kent
1 mês atrás
Resposta para  Samuel Martins

Talvez a vontade da Silvia, o que fez ele ter menos propensão metafisica, ou profundidade de relação com a mana, ou talvez menos ou pior treinamento, por não ter Virion no pé dele, ou talvez falta de determinação ou de dificuldades a serem superadas, por isso ficou mais fraco nesta versão de Slice of life.

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
1 mês atrás

Caralhoooo, impressão minha ou esse é o Arthur Leywin “original”? Episódio da briga entre a Alice e o Reynolds com o Arthur, foi comentado algo como: Se o Grey não tivesse reencarnado no corpo do “Arthur”, como seria esse Arthur Leywin? Acho que o vimos nesse episódio, um gênio mas que se deixou dominar pela arrogância, virando uma versão super parecida com o Wykes, e que odeia nobres… (incluindo a Tessia, cruel. Sr. Turtle, cruel…)
ISSO QUE EU CHAMO DE TÍTULO BEM FEITO! The Beginning After The End, é um dos maiores títulos da história, porque o poder mais importante da obra, está sendo procurado numa sequência de inícios após diversos fins.
VOLTO A COMENTAR A METÁFORA DO XADREZ! Esse processo de repensar os seus movimentos em sua vida, é clássico exercício de xadrez para treino, ver onde você cometeu erros e mudá-los para testar novas variações, é basicamente isso que está acontecendo. É como se o Arthur estivesse jogando xadrez contra ele mesmo agora. Usando Gambito do Rei, para sacrificar sua força, afinal, esse Arthur Wykes, como vou apelidar essa versão do personagem. Está mais fraca que o Arthur original. Usando Requiem de Auroa para manipular o tempo da perspectiva e o usando o Realmheart para visualizar as partículas etéricas, está usando todas as runas das pedras angulares anteriores! E como foi dito a terceira pedra seria crucial para o poder da quarta ser liberado. O Gambito do Rei está dando o treino de rever os seus próprios movimentos e analisando eles de novo, Arthur poderá encontrar a combinação adequada de interferências no tempo para alcançar o Destino.

Na verdade, sempre que deixava de me concentrar em quem eu era — aquele Arthur Leywin que já havia vivido vinte anos, lutado contra Foices e Asuras e dominado todos os quatro elementos apenas para perdê-los antes de encontrar o éter — eu parecia afundar na superfície, vivendo minha vida exatamente como antes, sem pensamento ou esforço consciente. Da mesma forma que alguém pode percorrer caminhos comuns para chegar ao seu destino e descobrir que não se lembra da viagem.”

Isso aqui é um foreshadowing! Cravo! Primeira frase, é uma descrição desse capítulo, ele está deixando de concentrar em quem o Arthur era/foi. Vivendo a vida como antes, sem pensar ou esforço consciente. E o final, o encontro no Destino sem entender os caminhos pelos quais foram achados. Ele não vai se lembrar da viagem por esse caminho.

Samuel Martins
Membro
Samuel Martins
1 mês atrás
Resposta para  Victor Arthur

Onde ele usou o requiem de auroa exatamente?
Percebi ele usando o realmheart. E o gambito do rei da pra entender que pode ser ele revivendo e revendo cada umas das possibilidades possíveis…mas o requiem de auroa eu fiquei meio perdido

eduardo ariel
Membro
eduardo ariel
1 mês atrás
Resposta para  Samuel Martins

Ele usou o requiem de auroa para a reconstrução temporal perfeita, o gambito do rei para deduzir e esquematizar o mundo a partir do agora/antes e o realmheart para a interação com o éter.

Marcos
Visitante
Marcos
1 mês atrás
Resposta para  Victor Arthur

Mano, achei teu comentário tão fantástico… mas as vezes é algo bem mais simples. Pode ser que ele precise apenas aceitar que o que aconteceu precisava acontecer pra estar onde está hoje! E com isso, consiga enxergar o futuro (possibilidades)

Ygor
Visitante
Ygor
1 mês atrás

Mano ele vai repetir essa vida várias vezes wtff

Senor del Café
Membro
Senor del Café
1 mês atrás

Eu já percebi um padrão, a central sempre posta Domigo/Segunda, na madrugada ou perto da meia noite

Rick
Visitante
Rick
1 mês atrás

Quanto mais ele se afasta do seu caminho, mais ele esquece de quem era, e consequente mais fraco fica!
A busca pelo poder é um caminho solitário e difícil, infelizmente ele tem que ser menos sentimental e mais determinado, e trilhar o mesmo caminho, com um percepção diferente das coisas, o tornando muito mais forte do que ele já é!
Porque afinal ele já sabe tudo que vai acontecer!

eric araujo
Membro
eric araujo
1 mês atrás
Resposta para  Rick

causa e consequencia.
se ele nao caisse do penhaisco nao teria contato com a sylvia, q por conseguencia nao teria trasferido as habilidades pra ele e nem lhe confiado o ovo de sylvie, ou seja, sylvie nao nasce( ou nasce ao lado de agrona), ele nao salva a tessia dos contrabandistas, etc. acho q ele precisa reviver primeiro as relictumbs e aprender sobre o eter para poder pensar em mudar o destino

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás
Resposta para  Rick

A conclusão eu acho que esse “destino” não é para mudar o passado ou algo do tipo tão extraordinário, ele teria que repetir tudo de novo sofrer novamente acredito que se ele não aceitar que esses acontecimentos não podem se rebobinados ele nunca vai completar o enigma. minha opinião

FULLMETTAL
Visitante
FULLMETTAL
1 mês atrás

de um jeito ou de outro o homem vai voltar upado, llembro que nas relictombs na parte dos 4 clãs la ele saiu “brigado” com a mentora do godstep la por causa daquele passaro vagabundo, ele falou que queria voltar, ta ai a chance, pode aprender mais coisas com os outros 3 clãs (inclusive o barato de ficar invisivel )

Senor del Café
Membro
Senor del Café
1 mês atrás
Resposta para  FULLMETTAL

Caraca eh verdade!!!!!! Mano do céu que roubado, mas eu duvido muito que isso aconteça n acho que vão seguir por esse caminho sla.

Vevezito
Visitante
Vevezito
1 mês atrás
Resposta para  Senor del Café

Bem lembrado, não sei se a obra tem “tempo” p abordar esses detalhes, mas seria absurdamente inteligente por parte do autor, ate porque existiram coisas que nao foram mostradas naquele arco, como a vila dos ursos invisíveis, houve pouca interação do arthur com eles, lembro de ler e achar estranho ele ter visitado todas as vilas e sair das relictombs sem ver a dos ursos.

Última edição 1 mês atrás por Vevezito
Cavalo
Membro
Cavalo
1 mês atrás

Arthur é arrogante 🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥
Muito pika, crtz q ele bateria na tess.. diferente do Grey 🔥🔥🔥
Kkkkkk deixando a brincadeira de lado, essa runa tem haver provavelmente com o tempo, ent acredito q no futuro só existirá um Grey, msm q seja no passado e futuro

Cavalo
Membro
Cavalo
1 mês atrás
Resposta para  Cavalo

Apesar de tbate não ser minha obra número 1 e nem minha obra número 3.. cara, esse capítulo está perfeito… Mande mais autor 😳😳😳😳🔥🔥🔥🔥🫵🫵🙌🙌🤣🤣🤣🤣

Última edição 1 mês atrás por Cavalo
Vevezito
Visitante
Vevezito
1 mês atrás

Éé…, parece que nosso autor vai se enveredar com inspirações em “feitiço do tempo”. O nosso menino vai estrelar um loop temporal, oq me leva a pensar que o “destino” não é simplesmente a consequência obvia de ter ferramentas pra romper com o princípio da causalidade, acho que ta mais pra conhecer todas as ramificações provocadas pelas decisões passadas e a capacidade de mudar o resultado apenas brincando com as condições iniciais, isso me faz lembrar da alusão a tapeçaria que a Anciã Rinia dizia ver quando acessava o futuro…, a construção do futuro baseada em decisões, com certeza essa obra maravilhosa está caminhando pro final, e no melhor estilo.

♊⚕️I᥎ᥲᥒ, ᥆ Pᥣᥲᥙ᥉ί᥎ᥱᥣ ⚕️♊
Membro
♊⚕️I᥎ᥲᥒ, ᥆ Pᥣᥲᥙ᥉ί᥎ᥱᥣ ⚕️♊
1 mês atrás

Cara, que bom que voltou o POV do Art. Achei que o Toruga ia enrolar mais… Bem, agora a gente vai começar a ter uma ideia do que é a Quarta Runa e sinceramente, não acho que seja algo MUITO roubado que vai transformar o Art nível Kezess ou Agrona instantaneamente. Eu acredito que ela vai dar a compreensão total do Éter e o Art se torne o “legado” do Éter, ou seja, alguém com controle absoluto sobre ele, semelhante ao que a Cecil é para a Mana.
Aquela Djinn rebelde já disse para o Art que o Éter age diferente com ele, como se o éter obedecesse ao chamado dele, como se fosse obediente. Não sabemos se é somente pelo núcleo propriamente ou se ele tem algo a mais, essa info do capítulo que o éter supostamente sempre teve interesse no Art é bem curiosa…
Sobre a Quarta Pedra, acho que ela vai basicamente ficar revivendo o Art no nascimento dele até que ele “se encontre”, “se aceite” ou algo assim. O Art, por ter sido um Rei, tem uma mentalidade muito controladora também, ele quer mudar as coisas ao bel prazer, ele quer evitar que o mundo seja como é e talvez a Pedra ensine ele que mesmo sendo MUITO forte, não se pode controlar tudo, mexer em tudo, etc. Acredito que ele vai sair da Pedra podendo controlar várias espadas de éter como aquela Djinn combatente fazia e muito mais também (como ela mesmo disse que ele poderia)…
Particularmente, espero que o próximo capítulo continue o POV dele, quero muito ver ele saindo desse Teste e vendo que a Angela morreu, etc.
Além disso, to curioso sobre o plot dos Alacryanos forçados a trabalhar pelo Agrona… Acredito que o Art vai sair tendo pleno conhecimento do pq ele incitou o despertar de Regalias nos alunos dele e consequente vai saber como evitar a autoexplosão que o Agronegócio programou nos seus cidadãos, mas… nesse meio tempo provavelmente vamos ver batalhas de Foice vs Lanças (como as que já tem). Eu quero muito ver a Lindona Gélida em ação.
*Adendo: falando em lança, se o Art continuar seu POV, tenho quase certeza que ele vai tentar evitar a morte da Lança Élfica (Aya?) lá e morrer de novo pro renascimento aí kkkkkkk

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Talvez ele tente evitar a de Léa porque é ai que ele encontra ela

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Tô sem ler a novel desde o 467 só vendo por cima vou continuar assim, quero ler pelo menos uns 10 um em seguida do outro, quando comecei a ler a novel eu li pelo menos uns 30-50 capítulos por dia até mais que isso kkkkk

Zezinho69
Visitante
Zezinho69
1 mês atrás
Resposta para  CHiHIRO

Quando eu comecei a ler tmb era assim

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Vou esperar lançar pelo menos mais uns dois ou três capítulos senão fico ansioso kkkkkkk

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

É nessa mesma caverna que ele encontra a falecida lança Léa, talvez tenho sido a partir desse momento que a historia deu uma guinada, será que ele vai tentar fazer alguma coisa tipo o Subaru? ele á vivenciou então sabe o que vai acontecer ele poderia tentar mudar os fatos ,se bem que ele não conseguiria lutar contra o Uto. Os eventos estão se repetindo tem alguma coisa que ele precisa aprender? não sei
Vou reler os últimos capítulos

Última edição 1 mês atrás por CHiHIRO
♊⚕️I᥎ᥲᥒ, ᥆ Pᥣᥲᥙ᥉ί᥎ᥱᥣ ⚕️♊
Membro
♊⚕️I᥎ᥲᥒ, ᥆ Pᥣᥲᥙ᥉ί᥎ᥱᥣ ⚕️♊
1 mês atrás
Resposta para  CHiHIRO

Acho que o ponto é justamente o Art entender que ele não pode mudar o que aconteceu. Quando ele entender isso, provavelmente, ele vai reviver toda sua vida até a luta que perdeu o controle da Mana da mesma forma, mas sob a percepção do Éter também. Acho que todo esse rolê da Quarta Pedra é sobre entendimento, aceitação e compreensão.

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Realmente

eric araujo
Membro
eric araujo
1 mês atrás

acho que quando ele reviver o ocorrido na sala dos espelhos dentro da relictumbs(cap.296), aquela que ele desvenda a primeira pedra, nesse episodio ele se ve com a compreencao total do requien de aroa e ressuscita todos os companheiros alacryanos. Talvez quando ele reviver esse episodio ele consiga a compreensao total e consiga nao so restaurar objetos como tambem reviver pessoas.

Elias levi da Silva
Visitante
Elias levi da Silva
1 mês atrás
Resposta para  eric araujo

Aí sim seria picas…..

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Que loucura veio ele vai ficar revivendo de novo e de novo que doido

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás

Cara eu tive o pressentimento que ia lançar o capitulo kkkkkkkkk

KhaosLucas
Visitante
KhaosLucas
1 mês atrás
Resposta para  CHiHIRO

Será que você está na quarta relíquia nesse momento?
Kkk

CHiHIRO
Membro
CHiHIRO
1 mês atrás
Resposta para  KhaosLucas

pode ser kkkkk eu deixo a guia da novel aberta e olho ela todos os dias kkkkk

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar