Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

The Beginning After The End – Capítulo 474

Acerto de Contas

POV ARTHUR LEYWIN

Nico olhou para mim e deu um sorriso travesso.

— Vai ter um novo hoje. Outra menina. Draneeve deixou escapar esta manhã.

Eu só balancei a cabeça enquanto prosseguia com meus alongamentos para me preparar.

— Espero que ela seja tão gata quanto aquela menina Maylis. — Nico me observava ansiosamente, sabendo que falar sobre essas coisas sempre me fazia corar. Tentei esconder, mas ainda sentia o calor subindo pelo meu pescoço. Nico riu, vendo-me constrangido sem fazer qualquer esforço para o fazer. — Acho que alguém gostou de você. — O sorriso tornou-se forçado. — Mais do que ela gostava de mim, de qualquer forma.

Esfreguei a nuca e escovei uma mecha de cabelo do meu rosto, murmurando:

— Acho que você está esquecendo uma coisa. 

Eu odiava quando ele me atormentava assim. Eu tinha a sensação de que ele sempre foi assim, mesmo em nossa vida passada, mas minhas lembranças da Terra e de ser um rei não eram mais muito claras. Algumas coisas, como todo o treinamento físico que tinha feito, ficaram claras, mas minha vida em si parecia toda confusa.

— Sim, sim, eu sei — disse Nico, revirando os olhos antes de lançar um olhar vago pela sala de treinamento. — Estamos à procura de algum terceiro mosqueteiro mítico para a nossa dupla dinâmica. — Nico franziu a testa de repente, uma expressão que eu me senti igualando.

— O que é um Mosqueteiro? — perguntamos os dois ao mesmo tempo. 

Nico deu de ombros, rindo, mas não consegui esquecer a pergunta tão facilmente. Muitas vezes nos encontramos nos baseando em algum fato compartilhado ou pedaço de memória cultural de nossas vidas na Terra, mas também muitas vezes não faziam sentido para nenhum de nós. Não pude deixar de me perguntar se sempre foi assim desde a minha reencarnação, mas como as lembranças da Terra, minha vida antes da Foice Cadell me salvar daquela dragão e me trazer para Alacrya também era confusa.

Suponho que sim, considerei. Eu só tinha uns quatro ou cinco anos quando isso aconteceu.

Meus pensamentos permaneceram sobre esse assunto, pegando inutilmente no tecido dessas lembranças sem obter nenhuma nova visão sobre elas enquanto eu completava meu aquecimento pré-treino. Só quando as Foices Melzri e Viessa apareceram, Nico se apressou em seguir meu exemplo. As duas foices nos observaram em silêncio, Melzri parecendo estar entediada enquanto Viessa irradiava uma constante corrente de decepção.

Quando Foice Cadell chegou pouco depois, eu me levantei e fiquei em pé. Com ele estava uma menina que parecia ter mais ou menos a minha idade. Ela tinha cabelos azul marinho da cor das águas profundas do oceano que vi ao visitar a costa de Vildorial com Cadell, mas eram seus olhos que realmente se destacavam. Eram como dois rubis brilhantes embutidos em seu rosto levemente redondo.

Cadell estalou os dedos e atentei-me, percebendo que estava olhando demais. Ao meu lado, Nico continuou disparando olhares expectantes para mim, mas o ignorei o melhor que pude.

— Grey. Nico. Esta é Caera do Alto Sangue Denoir. Cadell nos observava de perto, seus olhos vermelhos e escuros em comparação com os da menina. Além de seus lábios e olhos, nenhum músculo se contraiu. Ele estava tão imóvel que poderia muito bem ser confundido com uma estátua. — Ela é descendente do sangue Vritra, embora ainda não tenha despertado. Ela vai treinar com vocês nos próximos dias. Essa oportunidade é uma grande honra para o sangue Denoir. — Seu tom mudou ao dizer essa última parte, deixando claro que estava falando com a garota sem sequer olhar para ela.

Ela se curvou profundamente, seus cabelos azuis marinhos caindo sobre seu rosto.

— Claro, Foice Cadell Vritra! Agradeço por esta oportunidade incrível. O Alto Sangue Denoir provará sua pureza ao Alto Soberano.

São todos iguais, pensei, lembrando de todos os outros jovens adotivos de sangue Vritra que foram trazidos para treinar conosco nos últimos dois meses. Era difícil ver o mundo da perspectiva deles. Para eles, o Alto Soberano era essa força mística, incognoscível, um deus entre os homens. E ele era um pouco intimidador, e bem estranho, mas, principalmente, era apenas o Tio Agrona.

Cadell me deu um olhar significativo, forçando-me a endireitar ainda mais, depois voltou sua atenção para as outras Foices.

— Vou deixar as minúcias do treino de hoje para vocês.

— Como sempre — disse Melzri sob sua respiração enquanto Cadell saia da sala. Eu sabia que ele tinha uma audição insana e deve tê-la ouvido, mas Melzri sempre foi sarcástica e ele sempre a ignorou. Eu gostava de Cadell, mas não conseguia imaginar bancar o esperto com ele, ou qualquer outra coisa que não fosse completa e perfeitamente respeitosa, na verdade. De certa forma, ele era muito mais assustador até mesmo do que o tio Agrona.

Viessa avançou e colocou nós três em uma fila. Melzri pegou três lâminas de treinamento imbuídas de seu suporte e entregou uma para cada um de nós. Eram feitas de uma madeira escura dura, densa e difícil de manejar, mas que segurava magia facilmente. 

— Nico, Grey, vocês vão começar — disse Viessa, com a voz arrepiando minha espinha como sempre. — Mostrem à Caera a velocidade e a intensidade de sparring que esperamos. Concentrem-se na forma e na entrega adequada de seus ataques. Seu equipamento será configurado para corrigir o desleixo.

Senti meus músculos tensos e Nico enrijeceu atrás de mim. As runas esculpidas nas lâminas e empunhaduras de nossas espadas de treinamento ajudavam a ajustar a velocidade, força e precisão de nossos movimentos. Elas também podiam ser configuradas para dar choques dolorosos no alvo ou no portador, dependendo do desempenho de ambos os lados. Quando Viessa conduzia o treinamento, muitas vezes eram os dois, e a dor da “correção” era sempre intensificada.

— Caera, esperamos que você seja capaz de igualar o ritmo desses pequenos idiotas sem a ajuda de qualquer uso de mana — disse Melzri à garota. — Preste atenção. Internalize sua velocidade e estilo. Lembre-se, estamos procurando ver se vocês podem treinar juntos de forma eficaz, e isso significa duplicar seus esforços sem problemas. — Ela deu a Nico um olhar significativo. — A menos que eles sejam desleixados, então não se segure e, definitivamente, não se preocupe em machucá-los.

Os olhos de Caera piscaram inseguramente em direção a Melzri um batimento antes de sua expressão se estabelecer novamente.

— Sim, Foice Melzri Vritra!

— Vamos lá — resmungou Nico, lutando para não fazer bico. Por mais que estivesse feliz em ser usado como parâmetro, ele odiava quando Melzri o escolhia, o que só a fazia fazer isso ainda mais.

Ele se moveu para o centro da área de treinamento, girou e entrou em posição tail stance, com a lâmina de sua espada voltada para trás, na minha direção, e os braços cruzando seu corpo. Levantei a testa questionando e ele deu um pequeno aceno. Levando isso a sério hoje, eu acho. Porém, o olhar dele continuava passando de mim para a menina, eu tinha treinado com Nico o suficiente para saber que isso já tinha acabado.

Com minha própria perna esquerda para frente, deixei a ponta da minha espada para baixo na postura fool’s stance e respirei, deixando a maior parte do meu corpo relaxar. Então esperei. Nico nunca foi muito paciente, mas era muito mais impaciente quando sentia que precisava provar algo. Como quando há uma menina por perto. Ficamos assim por apenas alguns segundos antes que ele ficasse tenso.

Ele abriu com um corte arrebatador para cima, que evitei com um rápido recuo sem sequer trazer minha própria arma. A espada de Nico girou da direita para a esquerda, mantendo o ímpeto da pesada madeira escura, depois cortando em direção ao meu ombro. Em vez de desviar para a esquerda, que teria sido a direção natural, abaixei a cabeça e dei um passo para a direita, movendo-me por baixo de sua lâmina e trazendo a minha para o seu lado com um baque suave.

Ele grunhiu e recuou, rangendo os dentes.

Houve um choque de mana da minha espada de treinamento, atingindo meus braços e peito com picos de dor. Cerrei os punhos, tentando não deixar a dor transparecer enquanto olhava para as Foices questionadoramente.

— Se seu oponente estivesse usando armadura e tivesse a proteção de mana, ele nem teria sido ferido pela força de seu ataque — explicou Viessa em seu tom frio. — Não falhe com a jovem Lady Caera mostrando fraqueza diante dela. Você sabe muito bem que não deveria pensar que esse nível de força seria aceitável, rapaz.

Frustrado, acenei com a cabeça bruscamente e recomecei. Desta vez, Nico foi mais paciente e eu fui para o ataque primeiro. As pesadas lâminas de madeira colidiram várias vezes, liberando um som alto, seguidas por um baque pronunciado e um rosnado de dor de Nico. Nós recomeçamos mais uma vez.

— Melhor. Essa é a velocidade que esperamos. — disse Viessa à menina. — Quaisquer formas tradicionais são aceitáveis. Haverá uma oportunidade de treinamento mais tarde que a encorajará a se libertar de posturas estabelecidas, mas hoje, queremos ver se você está treinada bem o suficiente para identificar e combater os estilos usados por Nico e Grey. — Falando conosco novamente, ela disparou: — Bem, o que estão esperando? Não percam meu tempo.

Nico e eu duelamos por vinte minutos, trocando três vezes mais golpes. De cada golpe que acertou, três em cada quatro foram meus, e minha espada de treinamento não me “corrigiu” novamente. Nico, por outro lado, começou a se contorcer a cada pausa depois da quinta vez que sua espada lhe deu um choque.

Depois disso, Viessa parou e trouxe a garota para frente, Melzri me puxou para o lado. Ela me obrigou a ficar de costas para a sessão de sparring com os olhos fechados. Com sua poderosa assinatura de mana tão próxima e mal contida, era difícil focar em qualquer outro sentido que não fosse o do meu núcleo de mana.

— Narre a sessão de sparring — ordenou.

Aprimorei meus sentidos naturais em direção aos sons e movimentos das assinaturas de mana muito mais fracas de Nico e da garota. Seus calçados se arrastaram pelo chão. A pele de suas mãos rangendo enquanto agarravam firmemente os cabos embrulhados em couro de suas espadas de treinamento. A respiração de Nico era mais pesada e rápida do que a da menina.

— Caera atacou primeiro — comecei a narrar, fazendo o meu melhor para imaginar a luta deles no olho da minha mente. Uma série de colisões de madeira sobre madeira ressoou através da câmara. — Nico está lutando defensivamente, não contra-atacando. Ele… — Havia um pulso de mana seguido de um gemido abafado — …está se segurando.

— Bom — disse Melzri, soando um pouco entediada. — Continue.

Mantive uma narração constante da sessão de sparring pelos vinte minutos seguintes, recebendo uma batida afiada contra uma coxa ou bíceps sempre que deixava algo passar ou errava o fluxo do combate.

Contudo, enquanto escutava, senti minha atitude começando a mudar.

A menina tinha claramente treinado extensivamente. O problema com esses sangue Vritra, ao menos daqueles que conheci, era que eram simultaneamente tratados como armas e como se fossem feitos de vidro. Altivos e cheios de auto-importância e poder social não conquistado, nenhum deles havia sido focado ou colocado à prova. Naturalmente talentosos, sim, mas bem treinados, não.

Exceto por essa menina. Ela era mais forte até comparada aos meninos com quem tínhamos treinado, mas ainda rápida. Errou só alguns passos ao longo de todos os vinte minutos, enquanto entrava e saía suavemente de uma dúzia ou mais posturas. Por mais que Nico não fosse exatamente o mais esforçado em Taegrin Caelum, ele ainda era melhor do que qualquer outra criança com quem havíamos treinado por uma larga vantagem, mas essa garota se manteve, acertando um golpe para cada um que Nico lhe deu.

Quando terminaram, peguei-me reconsiderando meu pensamento anterior. Talvez não sejam todos iguais, afinal.

— Nico. Comigo — disparou Melzri, marcando o fim do sparring de Caera e Nico. — Grey. Vá. Não me decepcione. Ela olhou significativamente para minha espada de treinamento enquanto a entregava.

Tendo estudado Caera cuidadosamente nos últimos vinte minutos, presumi que sabia o que esperar quando nossa vez começou. Ela me surpreendeu imediatamente, imitando a postura fool’s stance que eu havia adotado anteriormente contra Nico apenas para dar seu primeiro golpe para frente, voltar para a posição tail stance, girar e dar um salto por baixo do meu braço esquerdo. Eu trouxe minha própria lâmina a tempo, pegando seu golpe e avançando para que sua própria lâmina fosse empurrada para trás. Ela girou no ar, seus pés voando para frente e ela caindo de costas, sua cabeça batendo nas telhas de pedra.

Nico xingou e virou para ver o que aconteceu, apenas para receber um golpe na parte de trás de seus joelhos de Melzri. Eu instintivamente avancei para oferecer a Caera uma mão para cima e ter certeza de que ela estava bem, mas um brilho frio de Viessa me parou.

Caera rolou, levantou e esfregou a parte de trás de sua cabeça cautelosamente. Seus dedos saíram manchados de vermelho.

— Você precisa de um curandeiro, menina? — Viessa perguntou soando mais como uma ameaça.

— Não — Caera disse imediatamente, endireitando-se. Ela limpou o sangue em suas calças, depois se virou de volta para mim, sua espada de treinamento firmemente em ambas as mãos. — Boa jogada. Pensei em pegá-lo desprevenido com o salto, mas…

— Mas você sacrificou sua capacidade de ajustar sua postura e absorver a força de pressão de uma forte manobra defensiva — interrompi.

Ela apenas assentiu. Com um comando de Viessa, recomeçamos.

Nossos vinte minutos se passaram no que pareceu ser momentos, e percebi quando acabou que realmente estava me divertindo. Caera era experiente, mas também muito intuitiva. Seja por um equilíbrio em nossos talentos ou por sua própria capacidade de avaliar um oponente e se ajustar rapidamente, ela fez frente a Nico e a mim quase perfeitamente, muito melhor do que qualquer um dos outros. Eu sabia antes mesmo da primeira hora que ela seria a única.

O pensamento me deixou inexplicavelmente nervoso. Afinal, por que ela realmente está aqui?

— Nada mal, pequenas feras — disse Melzri, nos olhando com um olhar desconfortavelmente predatório. — Bebam. Reservem alguns minutos para descansar e conversar. Temos várias horas a mais de treinamento emocionante pela frente hoje. — Ela se afastou, levando Viessa com ela.

Enchi três copos de pedra na fonte que corria por uma parede da sala de treinamento e os entreguei aos outros. Nico apenas grunhiu, mas Caera pegou a taça com as duas mãos e se curvou levemente para mostrar respeito.

— Obrigada.

— Então, onde você aprendeu tudo isso? — Nico explodiu, falhando como de costume em manter a compostura. — Você é melhor do que deveria.

Com o copo a meio caminho dos lábios, Caera se arrepiou. Ela baixou lentamente o copo e olhou para Nico com uma irritação mal velada.

— E o quão boa eu deveria ser, exatamente?

Nico arregalou os olhos e quase deu um passo para trás.

— Isso não é… eu só quis dizer… — Ele me procurou pedindo ajuda, mas fingi não ver enquanto dava um longo gole, drenando meu copo. — Eu só quis dizer que você é muito boa, só isso.

— Claro que sou, sou do sangue Denoir — disse ela, com o queixo erguido. Embora fosse perfeitamente praticada, havia um indício de ser forçada que minava sua altivez. Mais suave e com menos atitude, ela acrescentou: — Vou ser uma ascendente um dia. Tenho que treinar para estar pronta.

Os olhos de Nico se iluminaram e a tensão se dissolveu quando a conversa se voltou para a associação de ascendentes, as Relíquias e os prêmios que podiam ser encontrados dentro dela. Eu me peguei sorrindo durante a conversa, e cada vez mais não conseguia tirar os olhos de Caera do Alto Sangue Denoir.

O tempo passou e tudo, exceto nós três, desapareceu. Quando me perdia em um borrão de luta, treinamento e tutoria, o rosto de Caera sempre se mantinha em foco. À medida que ela foi temperada pelo ritmo extenuante do treinamento do Tio Agrona nos anos seguintes, seu rosto afinou, nunca perdendo totalmente sua forma levemente arredondada, mas tornando-se mais definido, mais maduro. Mais bonito.

A mão dela estava suada enquanto apertava a minha. Ela não me olhava pelo canto do olho, mas eu podia sentir sua atenção em mim, seu desejo de conforto e apoio. Não era como se ela estivesse tão nervosa, mas, de novo, este não era exatamente um dia normal.

Nico, Caera e eu estávamos juntos em silêncio no saguão externo da ala de Agrona no Taegrin Caelum. Não querendo quebrar a tensão, simplesmente olhei para frente. Uma enorme asa cobria grande parte da parede à minha frente. A espessa membrana que conectava a estrutura dos ossos havia sido rasgada e depois reparada em alguns lugares, as escamas brancas pareciam sem brilho e desbotadas na luz fraca. Eu me perguntava se a asa tinha pertencido à dragão que me tirou da minha família quando era apenas um menino, aquela de quem Cadell me salvou.

Senti os olhos em mim e olhei para Nico, que desviou o olhar, mas não antes que eu pudesse ver a expressão em seu rosto enquanto ele observava a mão de Caera segurando a minha.

Eu teria suspirado, mas não queria quebrar o silêncio tenso.

Sempre houve uma rivalidade competitiva entre Nico e eu. Progredi mais rápido, treinei mais e recebi runas de nível superior; Era natural que ele ocasionalmente ficasse frustrado por sempre ficar em segundo. Eu não o culpei por isso. Ele tinha sido meu melhor amigo por duas vidas. Estávamos unidos pelo destino, ou assim pensei. Todavia, a dinâmica entre nós tinha mudado quando Caera chegou. Ela tinha sido… bem, o que o Tio Agrona estava procurando. Talentosa, motivada e conseguindo um equilíbrio perfeito, socialmente, entre Nico e eu. Pelo menos, até os sentimentos mencionados anteriormente.

Não havia muito espaço para descobrir coisas como relacionamentos na maneira como vivíamos, e eu não recebia exatamente indicações de pessoas como as Foices Cadell, Melzri e Viessa, que eram nossos professores primários, entre dezenas de outros magos poderosos que serviam Agrona. E nunca planejei isso. Nós meio que tropeçamos nisso quando a atração mútua entre nós começou a invadir nosso treinamento e estudo constantes. Afinal, passávamos quase todas as horas acordados juntos. Talvez fosse inevitável.

Embora, isso valesse para os sentimentos de Nico. Eu sabia que ele tinha se apaixonado por Caera desde o momento em que ela entrou por aquela porta para a sala de treinamento, anos atrás. Ele não conseguia evitar, era apenas quem Nico era. Ele também, infelizmente, não pôde evitar seu ressentimento por sempre vir em segundo lugar para mim. Ele se afastou de nós quase imediatamente na primeira vez que nos pegou mantendo contato visual um com o outro por tempo demais.

A pressão do ar na sala mudou e percebi que as portas haviam se aberto. Tio Agrona, vestido de maneira simples com uma túnica folgada, mas com sua ornamentação costumeira cobrindo os chifres que se estendiam de sua cabeça, olhou para nós três com um sorriso satisfeito.

— Ah, aqui estão elas, as três pessoas mais importantes do mundo. Entrem, entrem, temos muito a discutir.

Caera apertou minha mão novamente e a soltou, seguindo Agrona primeiro. Nico levantou as sobrancelhas e deu de ombros, caindo ao meu lado enquanto seguíamos atrás.

Prosseguimos por uma série de corredores e quartos ricamente decorados até chegarmos a uma câmara que não me lembrava de ter visitado antes. Os cheiros inebriantes de solo rico e uma mistura de muitos tipos diferentes de plantas saíam de uma porta entreaberta que levava a uma espécie de jardim interno. A luz do sol entrava através de um teto de vidro, a água escorria em pequenos riachos pelas paredes e em calhas incrustadas no chão. 

As plantas brotavam do solo a esmo, enrolando-se umas nas outras como se cada uma lutasse por sua própria sobrevivência. Flores que pareciam delicadas demais para competir eram apunhaladas por arbustos grossos cobertos de espinhos. Trepadeiras que pendiam pelas paredes recuaram visivelmente quando entramos.

Agrona riu e chegou a acariciar uma delas.

— Você tem muita sorte, Caera — disse ele, que embora estivesse de costas para nós, eu podia sentir o sorriso em sua voz. — Muito poucos neste mundo terão a oportunidade de cumprir seu propósito tão completamente quanto você.

Caera engoliu pesado.

— Qual é o meu propósito, Alto Soberano?

Agrona parou e virou-se para olhá-la, uma sobrancelha erguida acima da outra.

— Tio Agrona. — Ela se corrigiu com uma pequena reverência.

Ele voltou a se mover pela sala, curvando-se para sentir o cheiro de uma flor aqui ou arrancando uma pétala ali.

— Você é o receptáculo, Caera — disse ele, como se isso explicasse tudo.

Senti-me a franzir a testa, mas sabia que era melhor não intervir. Um receptáculo é algo em que você coloca outra coisa…

— Seus amigos cumpriram seu propósito como âncoras admiravelmente, forjando para mim o receptáculo perfeito — disse Agrona, que não esclareceu exatamente nada. — Você vai mudar o mundo, querida.

Caera me disparou um olhar levemente em pânico.

— Sinto muito, tio. Não entendo.

Agrona virou-se com um floreio, com as mãos estendidas para o lado.

— É claro que não! Como poderia?! O Legado está além de sua compreensão, mas não por muito tempo. Em breve, você entenderá perfeitamente.

Meus olhos se voltaram para Nico com a menção de Agrona ao Legado. Nossas expressões eram idênticas, quase como se olhar no espelho.

Cecilia

A fúria fria como brasas quentes instalou-se no fundo do meu estômago quando finalmente entendi. Olhei para o lado, incapaz de encontrar os olhos de Caera, incapaz de aceitar o que eu tinha feito com ela. Eu realmente não ouvi enquanto Agrona continuava; quando ele nos dispensou, voltei direto para o meu próprio quarto e não atendi a porta quando Caera veio bater mais tarde. Eu não podia enfrentá-la. Não queria segurar sua mão e olhar em seus olhos e saber que eu a tinha matado.

Em vez disso, mergulhei em nosso treino. Eu vivi para isso, progredir, e alcançar o poder que isso proporcionava. Nunca me senti impotente nesta vida até saber o que Agrona tinha reservado para Caera. Eu odiava esse sentimento mais do que qualquer coisa, então decidi não ser impotente. Um dia, eu seria mais forte do que todos eles.

Madeira escura bateu forte contra o aço em rápida sucessão. A mana imbuindo as duas lâminas estalava e enviava faíscas voando ao redor delas. Nico estava na defensiva, todo o seu esforço se esgotou apenas em manter minha lâmina longe de si, mas suas mãos sozinhas não eram rápidas o suficiente e foi forçado a recuar meio passo a cada golpe.

Variei meus ataques, atacando rapidamente de direções alternadas, enquanto continuava avançando, esperando.

Ele errou o passo e sua lâmina saiu de posição. A madeira, raspada em uma ponta afiada mortal, atingiu-o no alto do braço. A mana agarrada à sua carne exposta e a superfície externa de sua armadura rompida, esculpida pela minha própria mana, que também cortou o couro de besta de mana sob ela. Nico se contorceu de dor quando minha lâmina encontrou a carne, marcando um corte raso ao longo de seu braço. Em vez de recuar e se recompor, ele empurrou seu ombro para frente, forçando a borda da lâmina mais profundamente e me obrigando a puxar meu golpe ou arriscar causar-lhe danos reais. 

Eu não vi o soco chegando até que fosse tarde demais.

O punho de Nico, envolto em chamas, explodiu contra minha bochecha. Minha própria mana atenuou o golpe, mas o fogo da alma enviou agonia disparando da minha bochecha até meu olho. Tropecei para trás antes de me ajoelhar, depois coloquei minha arma em sinal de rendição para encerrar a luta.

— Que merda, Nico… — resmunguei, esfregando meu olho, que estava lacrimejando e imediatamente irritado, embaçando minha visão do lado direito. — Era para ser só infusão. Sem artes de mana.

— Especialmente sem feitiços Vritra — disse Melzri com a voz arrastada e irônica. — Ainda assim, foi uma boa tática. Sacrificar uma pequena ferida para entregar um ataque fatal, se esta fosse uma batalha real contra um oponente diferente. Muito bem, Nico.

Virei-me para encarar Melzri.

— Dificilmente foi “muito bem”. Nico aproveitou minha adesão às regras estabelecidas para nossa luta para desferir um golpe injusto.

— Seguir regras de combate em uma batalha é um paradoxo — respondeu Melzri, me observando atentamente. — A adesão eslava a tais regras só serve ao seu inimigo.

— Mas não somos inimigos. — Ao lado de Melzri, o rosto de Caera parecia pensativo entre Nico e eu. 

Já se passaram meses e ainda estou fazendo isso, pensei, frustrado com a situação e comigo mesmo. De alguma forma, ainda era mais difícil pensar na pessoa sob aquele cabelo azul marinho, olhos escarlates como rubis e sua coroa de chifres como não sendo Caera. E, mesmo assim, também era impossível vê-la como Caera, porque as duas eram muito diferentes. Então pensei nas mãos de Caera, seu rosto, seus braços agora cobertos de tatuagens rúnicas que corriam até seu pescoço, em vez de pensar nela pelo nome.

Cecília, disse a mim mesmo, levantando-me lentamente. Seu nome é Cecília.

— Você… está bem? — Nico perguntou, finalmente, fugazmente encontrando meus olhos.

— Ótimo — respondi com firmeza, olhando para seu perfil até que ele limpou a garganta e fingiu virar as costas para mim para ir embora, agindo como se estivesse simplesmente reiniciando o campo de batalha.

Melzri riu enquanto jogava seus cabelos brancos como neve para trás, acomodando-os em torno de seus chifres.

— Acho que isso foi duelo de espadas o suficiente por agora. Grey, Cecília. Apenas feitiços. Sem movimentos.

Nico enviou sua lâmina para um dispositivo de armazenamento extradimensional ao redor de seu pulso e saiu correndo para longe de mim. Olhei para baixo a espada de madeira escura em minha mão. Não era uma arma de treinamento, mesmo que parecesse principalmente com os bastões cegos com os quais Nico e eu estávamos batendo um no outro desde que éramos crianças. Sua borda havia sido esculpida para ser afiada como uma navalha, e a parte plana estava imbuída de várias runas que prendiam a arma a mim, tornando difícil e doloroso para qualquer outra pessoa usar, mas também fortificava a madeira. No final, ainda não era tão durável quanto uma espada de aço, mas a madeira canalizava mana muito melhor do que qualquer arma de metal que eu já tivesse segurado. Com aplicação suficiente de mana, seria muito mais forte do que a simples lâmina que Nico empunhava.

Lamentavelmente, eu também abri meu anel dimensional com mana e guardei a lâmina. Eu sabia o que estava por vir, e não estava exatamente ansioso por isso.

Quando Nico e Cecília passaram um pelo outro, ela estendeu a mão para ele, depois o puxou para ela e rapidamente beijou sua bochecha.

Meu olhar foi ao chão.

— Ei, parem com essa merda no meu turno — Melzri ladrou. — Você é o legado, não uma garotinha colegial apaixonada. Não me importo se estavam mortos e separados há muito tempo.

— Desculpe, Foice Melzri Vritra — disse Cecília, corando e oferecendo à Foice uma rápida reverência antes de se apressar no lugar oposto a mim.

Tentei limpar a mente, mas o latejar na lateral do rosto só se intensificou quando vi Cecília se aproximar. Canalizando mana de vento, ela conjurou uma almofada de ar sob si mesma, cruzou cuidadosamente as pernas e se acomodou em cima dela, pairando a cerca de dois metros do chão.

Não pude deixar de ranger os dentes. Alguns meses e ela já é capaz de algo assim.

A rápida purificação de seu núcleo e expansão de suas habilidades foram muito além de qualquer coisa que eu poderia esperar. Parecia desafiar todas as leis da magia que eu tinha aprendido neste mundo. Eu mesmo tinha uma regalia, dois emblemas e uma crista, fornecendo-me aptidão com três dos quatro elementos tradicionais. Também aprendi algumas das artes de mana Vritra, com foco na água podre e no vento vazio para complementar, ou combater, a especialização de Nico em fogo da alma e ferro-sangue.

Cecília, porém, só precisou de tempo para se familiarizar com o corpo que agora habitava antes de demonstrar quase imediatamente afinidade com todos os quatro elementos e cada uma de suas possíveis desviantes, sem quaisquer runas adicionais concedidas após sua reencarnação.

Isso foi outra coisa que me encontrei fazendo com frequência: Não conseguia reconhecer toda a verdade da presença de Cecília neste mundo conosco. Porque não tinha sido simplesmente a sua reencarnação; ela não habitou aleatoriamente um corpo, nem renasceu em seu próprio corpo. Não. Seu espírito exigiu um receptáculo. E Caera teve que ser desalojada no processo, pensei com uma fúria crescente. Agrona a matou. Cecília a matou.

Melzri disse algo que não ouvi, então mana girou em um feitiço visível em torno de Cecília.

Saindo do meu estupor, formei uma barreira em torno de mim, já com o pé atrás devido ao meu foco fraco.

Um raio azul caiu contra meu escudo, seguido pelo estalo de trovões concentrados. A mana desviante do atributo som, purificada no núcleo de Cecília, tremeu através da barreira que me protegia, começando no ponto atingido pelo raio e ondulando para fora, como uma pedra jogada em uma lagoa.

Encostei-me na barreira, reforçando-a com toda a mana que pude reunir. Senti Cecília empurrando para o centro da ondulação com sua vontade, não lançando um feitiço, mas simplesmente empurrando a mana diretamente, opondo-se ao meu controle sobre ela.

O escudo derreteu de repente e um punho concentrado de vento me atingiu no peito, levantando-me do chão apenas para me bater nas costas e me deixar esparramado.

— Grey, você se mexeu. — A voz de Melzri foi seguida com o brilho de mana, depois um chicote de chamas negras lambeu minhas costas.

Minha visão ficou branca por vários segundos enquanto a dor me dominava.

— Acho que foi um novo recorde, Cecília — continuou Melzri, desconsiderando que eu me contorcia no chão. — Mas seu uso de mana é preguiçoso. Embora seja impressionante que você tenha sido capaz de explodir seu escudo quase inteiramente se opondo ao seu controle sobre a mana, essa habilidade é uma muleta. Se aprender apenas a dominar seus oponentes por pura força de mana, então você não conseguirá exercitar a criatividade necessária para fazer uso de todo o seu potencial. Você é a única maga em Alacrya que pode controlar todos os atributos da magia. Faça uso disso.

— Sim, Foice Melzri Vritra!

— Grey, levante essa bunda do chão. De novo. E foco desta vez!

Fechei os olhos, respirei fundo e me levantei com os braços trêmulos.

A vida tornou-se uma névoa infeliz de repetição à medida que a distância entre Cecília, Nico e eu aumentava. Minha sensação de impotência só se aprofundou, um poço escuro e vazio que se abriu sob mim. E se olhasse para baixo, sabia que poderia cair e nunca mais me recuperar. Se não fosse o esforço contínuo de Agrona para que vivêssemos, estudássemos e treinássemos em grupo, eu não poderia aguentar isso.

— Você está com raiva, Grey. Bom.

Minha mandíbula apertou até doer e tentei não encarar o Alto Soberano.

— Use-a, rapaz. Não se segure. Sua raiva é um mecanismo de sobrevivência, destinada a empurrá-lo além do limiar de suas habilidades. Contê-la é se impedir. Se você fizer menos do que poderia, estará simplesmente esperando pela morte.

Tomei minha posição e sorri para Nico a minha frente. Um grande peso se instalou sobre meus membros enquanto Cecilia suprimia minha mana, forçando eu e Nico a confiar apenas em nosso treinamento de combate. Vi a boca dela pronunciar “Desculpe” pelo canto do olho. Se ao menos Agrona me igualasse contra ela sem a nossa mana. Então eu não estaria tão impotente contra ela.

Expulsei esse pensamento, focando.

— Comecem.

Desta vez, Nico mergulhou pela minha direita, abrindo agressivamente. A lâmina dele bateu contra a minha. Avancei no ataque, forçando sua lâmina para fora do caminho e plantando meu pé entre os seus, mas seu mergulho tinha sido uma finta e ele piruetou-se ao meu redor, sua lâmina virando para um aperto reverso e empurrando para trás em meu estômago.

Bati com a palma da mão na parte plana da arma dele e novamente entrei em seu ataque, muito perto para que as espadas fossem totalmente eficazes. Meu cotovelo arrebentou em direção à sua boca, mas ele se torceu e levou o golpe na mandíbula enquanto puxava sua espada de volta em sua direção, cortando meu corpo. Minha própria espada girou no lugar, desviando a ponta cortante da minha pele. Sem mana imbuindo a madeira escura, senti o aço cortar a ponta fina afiada da minha arma, entalhando a lâmina.

Fingindo um passo para trás, como se estivesse corrigindo minha postura, soltei um chute para frente na lateral do joelho dele. Atrasado, Nico tentou corrigir seu pé, mas minha bota bateu firmemente, dobrando sua perna para o lado com um estalo estranho.

Nico fez uma careta e brandiu sua arma defensivamente, criando uma barreira entre nós, mas havia sangue na água agora, e eu podia sentir o cheiro. Saindo do meu pé traseiro, mergulhei para frente e bati diretamente no protetor de mão de sua espada. Sua tentativa de bloqueio foi desajeitada e a lâmina sacudiu para fora de posição. Avancei, empurrando a ponta da minha espada de madeira através de suas costelas.

Ele se aproximou do ferimento, trazendo a cabeça para baixo, no meu joelho, o que se conectou com o barulho da cartilagem se partindo.

Nico tropeçou e caiu para trás, sua arma deslizando pelo chão com um ruído surdo de raspagem.

Virei-me com raiva para Agrona.

— Todos sabemos que sou o melhor espadachim. Qual o sentido desse exercício?

O sorriso de Agrona aguçou-se.

— Curandeiro, coloque Nico de pé. Depois, vamos de novo.

Minha mana voltou rápido depois que Cecília liberou a supressão para ajudar na cura de Nico. Nico ficou em silêncio enquanto o curandeiro aliviava o inchaço em seu joelho, colocava o nariz no lugar e parava o sangramento do corte em suas costelas, mas eu podia senti-lo fervendo. Cecília assistiu a tudo nervosa. Ela continuou tentando chamar minha atenção, mas eu a ignorei.

Quando Nico estava de pé, voltamos às nossas posições iniciais e a nossas posturas de abertura, esperando a ordem de Agrona.

— Comecem.

Nico veio com uma postura alta. Abri com um bloqueio acima da cabeça, meus pés já alinhados com meu caminho através do golpe e atrás de Nico, onde eu desferiria um corte na parte de trás de suas pernas.

Nossas duas armas se encontraram. O aço novamente cortou a ponta desprotegida da madeira. As armas se chocaram com a resistência esperada, empurraram, depois continuaram avançando uma contra a outra.

Uma linha brilhante de dor atravessou meu ombro e desceu pela parte externa do meu braço.

Os dois últimos centímetros de madeira escura caíram no chão, quicando. Nas mãos, segurei apenas o cabo com uma ponta cortada.

Mantive meu movimento original, mas em vez de atacar a parte de trás das pernas de Nico, já que minha arma não era mais longa o suficiente para alcançar, girei e soltei a empunhadura.

Nico havia completado seu golpe e estava meio virado, hesitando enquanto olhava para a lâmina de madeira quicando uma segunda vez, girando como se estivesse em câmera lenta.

O comprimento restante da lâmina atingiu seu esterno desprotegido, afundando até o cabo. Os olhos de Nico arregalaram de surpresa, sua boca formando um sonoro “Oh”. Ele cambaleou para trás uma vez, tropeçou na lâmina de madeira ainda quicando e caiu no chão.

Houve um momento em que ninguém se mexeu, então o grito de Cecília de “Nico!” dividiu o ar como um trovão.

Ela correu para o lado dele e alcançou o cabo, mas suas mãos pairaram sobre ele com medo.

— Ajudem! — ela gritou, lançando um olhar assustado para o curandeiro, mas ele estava observando Agrona, esperando o comando do Alto Soberano.

Enquanto as emoções de Cecília aumentavam com turbulência, sua vontade esmagando minha mana balançava para frente e para trás como um lobo rasgando sua presa.

— Solte minha mana, Cecília.

— Agrona! — Cecília gritou, olhando para o Alto Soberano com uma espécie de confusão suplicante.

— Cecília, solte a minha…

— Cale a boca! — Cecília gritou e algo dentro de mim rasgou.

Eu desmaiei como uma marionete que teve suas cordas cortadas, minhas mãos batendo no meu esterno. A mana, antes limitada ao meu núcleo pelo poder de Cecília, estava vazando e ficando escura. Fora do meu corpo, a sensação quente de mana que irradiava de todos na sala esfriava. Eu ofegava, incapaz de respirar, engasgado com meu próprio pavor, afogando-me em meu medo.

— Curandeiro, veja se Nico pode ser salvo.

Meus olhos se fecharam. Meus ouvidos zumbiam tão alto que as palavras se tornaram quase ininteligíveis.

— E quanto ao outro, Alto Soberano?

— O propósito do menino está completo. Deixe-o.

Meus dedos ficaram dormentes e não consegui mais senti-los cavando em minha pele, desesperado para alcançar a dor dentro do meu esterno. A bile encheu o fundo da minha garganta.

— Não se preocupe, Cecília querida. Lembre-se, embora uma âncora possa lhe dar estabilidade, ela também irá segurá-la. Acho que você chegou ao ponto em que o peso de tais relações deve ser cortado. É hora de você voar livre.

O soluço de Cecília foi a última coisa que ouvi antes do mundo ficar escuro.

Então, dentro da escuridão, um ponto de luz distante.

A luz se aproximou, ficou mais brilhante, e depois se transformou em um borrão brilhante, forçando-me a fechar os olhos. Sons indiscerníveis assaltaram meus ouvidos. Quando tentei falar, as palavras saíram como um grito.

— Parabéns, senhor e senhora, é um menino saudável.

Tudo voltou e lembrei onde estava e o que estava fazendo. O contexto da vida que tinha acabado de viver se encaixava, assim como as tentativas anteriores. Tudo parecia um sonho horrível, mas não desapareceu quando acordei.

Porque não estou realmente acordado.

Forcei meu corpo infantil a se acalmar e ignorei a agitação que acontecia ao meu redor enquanto voltava meu foco para o quebra-cabeça da pedra-chave. Não posso me perder toda vez que tento fazer algo diferente, pensei frustrado. Como posso resolver um quebra-cabeça se esqueço o que estou fazendo toda vez que pego uma peça?

Cheio do frio daquela triste e indesejada existência em Alacrya, um arrepio me atravessou. Pela primeira vez, senti o medo de ficar realmente preso na pedra-chave para sempre. Eu me agarrei ao calor da minha mãe com necessidade genuína, mas não conseguia escapar do sentimento de solidão melancólica que subsumia todos os outros sentimentos. De muitas maneiras, eu tinha esquecido o que era me sentir sozinho, estar sozinho na minha própria cabeça. Eu gostaria de poder me confortar com a mãe e o pai, mas naquele momento, com a vida de Grey em Alacrya ainda tão fresca em minha mente, não poderia aceitá-los inteiramente como reais.

Sylvie, Regis, onde diabos vocês estão?


Comentários

4.6 36 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
65 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Bomba
Visitante
Bomba
10 dias atrás

Cedo demais pra saber de algo , tarde de mais pra mudar algo, esse capítulo literalmente tá nos dizendo isso , que é cedo demais pro Grey entender algo e tarde demais pra ele querer muda algo que não pode , sendo assim , eu chuto que teremos provavelmente um desafio pick Dr.Estranho com a joia do tempo, mas em vez de um futuro diferente, o Grey vai apenas obter informações, conexões com pessoas ,informações novas e mais conhecimento geral antes de compreender algo sobre o desafio dessa KeyStone.
Aguardemos algo mais sombrio daqui pra frente sobre esse mundo e oque aconteceria se algo fosse mudado , e pelo oque parece ( pq acho que todo mundo esqueceu ou não está conectando ) a Sylvie literalmente é uma “viajante” de linhas temporais , já que ela praticamente foi quem fez o Grey nascer em Dicathen mudando o curso da sua reencarnação, ent tem algo á mais ae oque me gera a dúvida se um paradoxo foi criado ou uma realidade foi totalmente desfeita apenas ora essa existir.

Última edição 10 dias atrás por Bomba
pingola mole
Membro
pingola mole
11 dias atrás

alguém sabe qie horas vai lançar cap novo

Time luxio
Visitante
Time luxio
11 dias atrás

Primeira ramificação top demais, espero que tenha uma que o ART se de bem pó

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
11 dias atrás

Esperemos que o Capitulo de amanhã e os 5 próximos sejam focados totalmente no Arthur desbloqueando essa ultima Keystone… E tenho certeza que o tempo fora da “Keystone” vai demorar uns 5-6 meses para ele conseguir desbloquear.. Angela já morreu, vamos ver quem mais iremos perder, eu chuto que seja Virion ou algum dos Irmãos Glayders (Lado bom é que Alice e Ellie estão em Epheotus)..

pingola mole
Membro
pingola mole
11 dias atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

virion acho difícil ma vai morrer bastante gente importante, dai eu acho que vão ficar todos contra o art, mas não querendo lutar contra ele, só não apoiando mais ele, dai ele fica sozinho ele, regis, e silvie contra todos

Ste
Visitante
Ste
12 dias atrás

Outro capítulo muito bom, gosto muito de ver essas possíveis realidades que a pedra mostra. O que ficou claro pra mim até o momento é que a realidade que o Arthur viveu até agora é a melhor pra ele e a que oferece mais possibilidades dele bater de frente com o Agrona, até porque foi a única até agora onde ele ficou com a Sylvie e ela parece ser realmente a ancora que ele precisa.
Concordo com o que falaram aqui de que o poder do destino não vai dar a possibilidade de voltar pro passado e refazer tudo (seria uma solução muito simples e sem graça), acho que o Arthur pode passar por umas outras realidades por um tempo pra ganhar mais conhecimento, talvez descobrir fraquezas do Agrona, mas o caminho ideal seja seguir a mesma vida que ele levou até agora e a partir dai testar diferentes possibilidades até encontrar a realidade onde o Agrona e Kezzes são derrotados (uma vibe Dr. Estranho testando diferentes realidades com a joia do tempo e só uma sendo a que eles ganham).
Com certeza não vai ser sem um preço e vão rolar mais mortes no caminho, mas pra chegar no melhor final o Arthur teria que ver e deixar tudo isso acontecer, acho que tb seria legal ver como ele vai reagir a isso.
Enfim, capítulo muito bom e que deixou espaço pra criar várias teorias, infelizmente deve demorar mais umas 3 semanas pra ter outro pov dele (espero estar errada).

Noite
Visitante
Noite
12 dias atrás

Esse capítulo me trouxe um pouco de esperança pra caera mas tbm foi basicamente uma confirmação de que ela e o Arthur nunca vão ficar juntos

Se o Grey em alacrya teria um romance com ela de forma inevitável então o mesmo se aplica a tessia em dicathen, esse capítulo me faz acreditar que mesmo que a tessia morra de 10 formas diferentes o Arthur não ficaria com ninguém se isso acontecesse

Diego
Visitante
Diego
12 dias atrás

Finalmente cheguei nos semanais.

Henrique
Membro
Henrique
13 dias atrás

Vou cagar na sua porta tortuguita

pingola mole
Membro
pingola mole
13 dias atrás

rapaziada me ajudem! o botão de próximo sumiu!!! ou será… a maldição/glória… eu cheguei nos semanais😮
que cap, eu acho que o próximo cap vai ser o art resolvendo o destino, mas se o próximo capa não for do art oque provavelmente não será. Tenho certeza que o próximo pov do art ele desvenda

Fernando
Visitante
Fernando
13 dias atrás
Resposta para  pingola mole

Acredito que ainda está muito cedo para resolver a pedra. Acho que no próximo pov dele, ele irá pegar algum insight ou algo que mostre o caminho para resolver e ele irá começar a seguir este caminho.
Está muito cedo para resolver a pedra, acredito que ele irá sair da pedra em um momento de caos e com Cecília fora por algum tempo não tem este caos próximo.

DjonasK
Visitante
DjonasK
14 dias atrás

Capítulo 132 da Comic. A adivinha rinia diz ao Arthur que precisa de uma âncora, um objetivo.

Ian Lucas
Visitante
Ian Lucas
14 dias atrás

Tenho uma teoria interessante, leiam se quiser:
Nós acreditamos que Grey é o personagem principal da obra, mas essa é nossa perspectiva ( estamos certos), mas na obra o Grey é apenas uma ferramenta nas duas vidas, ele nunca foi o rei porque quis. Mas como ele vai se tornar o personagem principal, o rei que todos procuram?
A resposta é simplesmente, ele precisa do controle do seu próprio destino ( o que ele nunca teve) mas para isso ele vai conquistar o poder do destino, até agora todos os poderes tiveram ligados a ter uma visão “superior”, simplificando: ver além da visão comum, pensamentos acelerados para analisar rapidamente, e não menos importante um poder que pode concertar…
Eu vejo que o poder do destino NÃO É MUDAR O PASSADO OU O FUTURO, mas sim ter o conhecimento de todas as possibilidades para que o Arthur tenha a capacidade de moldar o próprio futuro.
Eu não acredito que ele vá fazer igual a solo leveling, que é voltar no passado e salvar todo mundo, e simplesmente ter um futuro perfeito, se isso acontecer vai ser uma MERDA!!
Eu acredito que ele vá ter experiência de reencontrar pessoas importantes, como o pai dele, e isso vai mostrar quem é o verdadeiro Arthur, pois ele deixou o lado do Grey assumir, sem sentimentos para salvar a família dele, infelizmente essa não é a solução.
E infelizmente acredito que a sylvie vá ter posturas diferentes do que estamos acostumados.
É isso, agradeço quem leu, se quiser discutir mais sobre podem me responder aqui, estou aberto a discussões sobre.

Pedro Henrique
Membro
Pedro Henrique
14 dias atrás
Resposta para  Ian Lucas

Salve Lucas, eu concordo com tudo o que você disse. Conhecendo o Turtle, duvido que ele daria essa mancada de viagem no tempo. Ao longo da obra é perceptível o quanto o destino é cruel com Arthur/Grey. Mortes e frustrações marcam a jornada do nosso prota. Por isso eu acredito que essa visão do destino é mais metafórica. Reassistir seus erros, suas falhas, comprendê-las e, acima de tudo aceitá-las. Assim, ele estaria pronto para tomar as rédeas da sua história e vislumbrar o seu destino ideal. É apenas o que eu acho kkk, é a cara do turtle

Ian Lucas
Visitante
Ian Lucas
14 dias atrás
Resposta para  Pedro Henrique

Salve Pedro Henrique, você disse tudo, é exatamente o que eu penso sobre tudo isso, e sinceramente isso me instiga a continuar lendo, pois o Turtle não ta fazendo um clichê, ele não tem dó dos personagens e mostra muito os sentimentos, mesmo o Arthur sendo o “herói” ele também pode ser mal ( como muitas vezes ele foi) ele tbm pode ficar triste ou errar, e isso faz com que parece mais real, um personagem mais humano. Por isso o resto dos mangás ficaram “chatos” depois de eu ler essa obra de arte kkkkkkkkk

igor garcia
Membro
igor garcia
14 dias atrás
Resposta para  Ian Lucas

eu concordo cntg licas, mas em geral eu acho que o fato da pedra estar fazendo o arthur reviver esses momentos todas as vezes é pra mostrar pra ele que por mais que ele tente alterar o destino é imutável, ele vai reviver esses momentos até entender de alguma forma que ele nao pode alterar oque tem ou que ja aconteceu e que as únicas coisas variaveis são as escolhas dele…

Ian Lucas
Visitante
Ian Lucas
14 dias atrás
Resposta para  igor garcia

Achei interessante Igor Garcia, vamos ficar de olho nos próximos cap, vai ser emocionante

Arthur Medeiros
Visitante
Arthur Medeiros
15 dias atrás

Fico imaginando se teria alguma possibilidade do Arthur viver em Epheotus como um dragão nessas ramificações, até onde o poder dele chegaria e como isso afetaria o mundo deles… Realmente um capítulo muito intrigante com diversas fontes para teorias e vertentes nunca conhecidas, Turtle sabe como deixar seu público ansioso.

Pedro Henrique
Membro
Pedro Henrique
14 dias atrás
Resposta para  Arthur Medeiros

É difícil.. em todas as ramificações é possivel perceber acontecimentos que se repetem, pois estão longe da influência de Arthur. Devido a isso as ramificações são limitadas, não é WHAT IF. Como ele iria para Epheotus? Lembrando que ele sempre se esqueçe das artes do Éter. Em que ramificação Kezess simpatizaria com um menor? Arthur conseguiu acesso a Epheotus devido a uma exceção à regra. Vínculo com Sylvie, Quadra Elemental, Encontro por acaso dom Windsom. Além disso, ele não concluiria o treinamento por causa da guerra iminente.

ApogeoD
Membro
Apogeo
15 dias atrás

Sabe, é impressionante o fato de o Arthur estar se fudendo a mais de 300 capítulos sem parar kkkkkk da até dó nmrl

anfabuD
Membro
anfabu
16 dias atrás

nossa o Agrona seria tão feliz nessa realidade

Hery
Membro
Hery
16 dias atrás

Assim como a Cecília, o que o Arthur precisa para não esquecer de quem ele é e viver como um novo Arthur, é de uma âncora. Em nenhuma das duas últimas vidas ele chegou na Sylvie, que acho que seria essa âncora. Se ele não tirar ela do ovo e ser seu vínculo, ela não consegue continuar no paradoxo de voltar à Terra, pegar o Grey, transformá-lo em Arthur Leywin e depois voltar pro ovo. Talvez seja por isso que ele se esquece de quem ele é.

pingola mole
Membro
pingola mole
13 dias atrás
Resposta para  Hery

mlk tu e um genio

Estefanio
Visitante
Estefanio
16 dias atrás

Será que agora é a hora dele viver desde a infância em Epheotus !? kkkkkkkk seria interessante ele ser treinado desde cedo nas artes asuras sobre a tutela de Koldri, Wren, Aldir e Kezess kkkkk

Última edição 16 dias atrás por Estefanio
Ian Lucas
Visitante
Ian Lucas
15 dias atrás
Resposta para  Estefanio

Se ele lembra de tudo isso dps q sair da pedra, ele vai ser mt mais foda, talvez esse seja o poder do destino, conseguir utilizar o conhecimento das possibilidades do destino

Hery
Membro
Hery
16 dias atrás

Arthur no volume 8 (ou 9, sla): “Não acho que esteja tudo bem você chamar o Alto Soberano como se fosse seu tio menos favorito”

Arthur no volume 11: “Oi Tio Agrona😊”

anfabuD
Membro
anfabu
16 dias atrás
Resposta para  Hery

qnd q ele disse isso msm? pra sylvie?

Hery
Membro
Hery
15 dias atrás
Resposta para  anfabu

Foi pra Caera quando eles estavam nas relictombs

Victor Arthur
Membro
Victor Arthur
16 dias atrás

EU PREVI ISSO! https://snipboard.io/tlsziN.jpg
Tinha feito esse comentário há alguns capítulos sobre a possibilidade de um Arthur em Alacrya, and here we go! Estamos vendo alguns padrões se manter entre as vidas, e eu achei um interessante, o Arthur Wykes (primeira versão da keystone), conseguiu dominar apenas três elementos dos fundamentais, o Arthur Vritra (essa versão), também, conseguiu dominar apenas três elementos, diferente do Arthur da linha original que conseguiu dominar quatro, justamente o número de pedras necessárias para o domínio do Fate… Talvez, o número de elementos que as versões estão dominando, faça alusão à compreensão do Grey/Arthur sobre o Fate, nessas duas vidas, ele está cometendo erros e se mantendo na mesma compreensão de sempre, o que não ocorreu na vida normal dele, onde ele conseguiu aprender os quatro elementos, o que indica a compreensão dele sobre o destino. Esses padrões podem significar os erros que precisam ser evitados para a compreensão da quarta pedra.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
16 dias atrás

Turtle nos apresentou neste capitulo o conceito de âncoras e de quebra deixou explicito o proposito real dos três personagens:
Arthur e Nico: Sacrificios emocionais para servirem de escada ao “Potencial” real de Cecilia sacrificio este que exige a morte de ambos.

Não se preocupe, Cecília querida. Lembre-se, embora uma âncora possa lhe dar estabilidade, ela também irá segurá-la. Acho que você chegou ao ponto em que o peso de tais relações deve ser cortado. É hora de você voar livre.

Talves (TALVES) Arthur tenha que decompor o conceito por trás da âncora e, a partir daí, conscietizar as outras duas pontas da triade (Arthur, Nico e Cecila) a colaborar ou serem sacrificios juntos.
RECEPTÁCULO

Senti-me a franzir a testa, mas sabia que era melhor não intervir. Um receptáculo é algo em que você coloca outra coisa…

Esta fala me faz pensar se o proposito final de Agrona não seria possuir o corpo de Tessia/Cecilia uma vez que Cecilia comprir seu “proposito” em romper os limites do corpo e mundo fisico de The beginning fter the end.
Assim teriamos 3 sacrificios, em vez dos dois anteriores (Arthur e Nico)

Pedro Henrique
Membro
Pedro Henrique
16 dias atrás

Sua teoria é bastante interessante, levando em consideração o modus operandi do Agronegócio é obvio que ele quer o poder de Cecília. Mas como ele conseguirá ou pretende conseguir? Usando aquela mesa com runas estranhas?
Outro ponto, eu acredito que o poder de Cecília não está no corpo, mas na alma. Isso explicaria como o Legado(poder) veio junto com ela para o corpo de Tessia. Além disso, Tessia não tem autoridade sobre o poder de Cecília, apesar de habitarem o mesmo corpo e as vezes assumir o controle dele. O legado só pode ser usado pela Cecília.
Por isso duvido que Agrona invadiria o corpo de Cecília, mas talvez roubar esse poder.. transferir essa autoridade sla esse bixo é maluco e tem muito tempo livre

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
16 dias atrás
Resposta para  Pedro Henrique

Salve Pedro! Eu ainda não sei, mas já parou para pensar que Agrona poderia ter forçado a reencarnação de Cecilia da mesma forma que forçou a de Arthur e Nico? A ideia de Receptáculo soa como a busca de uma brecha para se apossar de algo que não é seu.
É claro! É apenas um devaneio meu tentando entender o que Turtle planeja e provavelmente estarei bem enganado no final rsrss

Lucas
Visitante
Lucas
13 dias atrás
Resposta para  Pedro Henrique

Talvez ele possua a Cecília para depois com contato direto com sua alma tentar entender o poder dela e copiar como a Cecília fez com o poder do guardião da tessia

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
12 dias atrás
Resposta para  Lucas

Não descartaria.

Fernando
Visitante
Fernando
16 dias atrás

Foda que este capítulo não deixa claro se Grey sempre perde a memória depois de tomar um caminho diferente ou não.

Acho que ele tem que seguir a vida dele igual a verdeira, deixar as pessoas morrerem e tudo. Mas nosso art é MT sentimental e protetor.

Henrique
Membro
Henrique
13 dias atrás
Resposta para  Fernando

Acho que toda vez que ele começa a sair do curso da história “original”(que tá acontecendo fora da pedra), ele vai esquecendo o real propósito dele estar ali

o0bruno0o
Visitante
o0bruno0o
16 dias atrás

Parece que é só o grey e o nico não se envolverem com nem uma mina e que tudo ficaria dboas. ( bct é foda)🤣.
Tem a opção deles nunca virarem amigos. Creio que tu seguiria tranquilo.

Yumi
Visitante
Yumi
16 dias atrás

Será que Cecilia foi parar às relictombs?

Yumi
Visitante
Yumi
16 dias atrás

Pera aí, se Arthur está em Alacrya, então o que aconteceu com Sylvie?

Última edição 16 dias atrás por Yumi
iHallz
Visitante
iHallz
15 dias atrás
Resposta para  Yumi

Essa é uma boa pergunta. Nessa linha Sylvie e Regis são dependentes do Art, então acredito que para eles surgirem necessitaria que o Art tomasse o mesmo rumo que fez na linha da vida dele. Pelo visto ele não deve ter encontrado com a Sylvia.

Ian Lucas
Visitante
Ian Lucas
15 dias atrás
Resposta para  iHallz

Mas já foi explicado que grey virou Arthur por causa da sylvie, então esse chek point não muda, pois nesse capítulo ele foi “salvo”, provavelmente o passado antes do nascimento não pode ser mudado, sylvie ainda cumpriu seu objetivo que era guiar o Arthur, pois ela se tornou um ser além do destino, ela é um ser “maior”, então ela não tem início nem fim, ela só não vai conseguir ter uma forma física.

Lucas
Visitante
Lucas
13 dias atrás
Resposta para  Yumi

Nessa vida provavelmente ela nem chegou a nascer já q a foice lá matou a Silvia

Yumi
Visitante
Yumi
16 dias atrás

Ei, veio aqui um pensamento louco enquanto lia os comentários.
Nesta, vamos dizer, ‘ramificação’, Grey se apaixonou por Caera, que era o futuro receptáculo de Cecilia. Na original, Arthur se apaixonou por Tessia, e acho que todos sabemos como ela está agora (estou a falar do corpo dela estar a ser usado como receptácuo por Cecilia, não a coisa do portal).
Então, não é muito coincidência ele se apaixonar pelo futuro receptáculo de Cecilia duas vezes? Coincidências não gostamam ter um bom fim para o nosso querido Arthur.

Yumi
Visitante
Yumi
16 dias atrás
Resposta para  Yumi

*costumam e não gostumam

Senor del Café
Membro
Senor del Café
16 dias atrás
Resposta para  Yumi

Uai?!? Isso não é coincidência o Agrona já explicou isso: pra criar um receptáculo que rerista o legado, os dois precisam ter algum tipo de relacionamento com ele. Por isso que ele enviou Eliajah(Nico) pra Dicathen. Não é coincidência é Destino, isso acontece porque o Agrona estudou as artes do eter e teve esse insight.

Yumi
Visitante
Yumi
16 dias atrás
Resposta para  Senor del Café

Eu sei disso, eu estou a falar do facto que Arthur apaixonou-se pelo future receptáculo de Cecilia duas vezes. Também do facto que ele, na sua primeira vida, ter se apaixonado por Cecilia por algum tempo mas depois desistiu por Nico também gostar dela.

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
16 dias atrás

KRL mais q KRLs nunca vi tanto egoísmo em dois personagens desgraça DESGRAÇA
VSFD tutleME tu pegou nos meus calos nesse cap

Antônio Icaro
Visitante
Antônio Icaro
16 dias atrás

A cada parágrafo,a cada linha e a cada palavra o ódio e raiva q eu sinti lendo só AUMENTAVA. VSFD VSFD

Henrique
Membro
Henrique
13 dias atrás
Resposta para  Antônio Icaro

Calma cara, é só uma ‘ramificação’ kk não aconteceu no curso original das coisas… pelo menos não algumas rsrsrs

Ryomen Sukuna
Visitante
Ryomen Sukuna
16 dias atrás

Incrível saber que indepedente de quantas vidas Arthur, Nico e Cecilia tenham, o relacionamento deles sempre vai se torna algo ruim e tóxico. Acho que o destino está querendo ensinar para o menino Arthur, é que não importa o quanto ele tente o destino nunca será mudado.

Cavalo
Membro
Cavalo
16 dias atrás
Resposta para  Ryomen Sukuna

Vsfd destino, Vsfd autor, até agora eu não vi um motivo concreto para Nico, Cecília e Arthur se odiarem msm os 3 sabendo que o agrona faz, pelo amor.. personagens sem maturidade, até uma porta tem mais

Senor del Café
Membro
Senor del Café
16 dias atrás
Resposta para  Cavalo

Vamos lá.. Grey sempre foi mais habilidoso e foi o primeiro amor de Cecília isso causava inveja em Nico. Cecília percebeu que Grey não queria nada e partiu pro Nico. Quando Cecília foi raptada Nico fica processo procurando por ela. Grey não ajudou ele pois tava muito ocupado tentando ser o melhor e achar os culpados pela morte da Diretora. Isso emputeceu o Nico. Depois Cecília foge e cercada pelos caras maus pula na espada do Grey e Se mata Na frente do Nico. Aí o relacionamento entre Nico x Grey acabou. Cecília é puta com Grey pq ele é um empecilho pra vida perfeita prometida pelo Agronegócio. Tudo isso tava na novel garoto!! Se põe no lugar de qualquer um deles, tenho certeza que não faria melhor

Senor del Café
Membro
Senor del Café
17 dias atrás

“Veja como massacraram meu garoto..”

~O poderoso chefão

Não pude deixar de me lembrar disso após ler este capítulo. Simplesmente estou de saco cheio.
Eu realmente acreditava que este seria o gancho para a conclusão desta KeyStone. Eu estava errado… ainda há muito sofrimento reservado para nosso prota e, é claro, para nós também.

Queria saber como tudo isso poderia ter sido diferente se eu tivesse nascido neste continente. Se tivéssemos nos conhecido em circunstâncias diferentes, o que nosso relacionamento poderia ter se tornado?

Caera 464

Pobre Caera.. uma vítima do destino. Não importa quem esses desgraçados se relacionem sempre forjarão um receptáculo para Cecília.
O destino é o maior vilão desta obra.

Fullmetal
Visitante
Fullmetal
17 dias atrás

Essas “ramificações” da pedra angular é muito boa vtnc… Simplesmente poderíamos ter um caera & grey canon

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
17 dias atrás
Resposta para  Fullmetal

Meu sonho..kkkk
Caera e Arthur combina muito mais do que com Tessia e por essa ramificação, naturalmente, eles dois foram atraídos um para o outro.

David
Visitante
David
16 dias atrás
Resposta para  Fullmetal

Mas eu acho que o final será isso. A Téssia vai de berço e a Caera fica com ele.

João Vitor
Visitante
João Vitor
16 dias atrás
Resposta para  David

Espero que sim, Caera combina muito mais…

REIKAI123
Visitante
REIKAI123
17 dias atrás

Que capítulo bom(absolute cinema). Faz vc pensar em um monte de teorias, oque vai acontecer daqui para frente e torcer para que quando o Arthur termine essa chave não seja tarde mais

Leleo
Visitante
Leleo
17 dias atrás

Mlk que capitulo senhores

a284
Visitante
a284
17 dias atrás

Agonizante. Dá para sentir a solidão. This is absolute literatura

Note
Visitante
Note
16 dias atrás
Resposta para  a284

Está e literatura absoluta.

GicafeD
Membro
Gicafe
17 dias atrás

Última edição 17 dias atrás por Gicafe
Aiin
Visitante
Aiin
17 dias atrás

Ptm ele esquecendo do que precisa fazer e o povo morrendo lá fora que agonia

Gud
Membro
Gud
17 dias atrás

Arthur só se fode

Júlio Celso
Visitante
Júlio Celso
16 dias atrás
Resposta para  Gud

então muito provavelmente o grey não vai ter feliz na obra tenho quase certeza que ele vai morrer no final tudo pra ele é destinado tanto a sua vinda pra esse mundo que já foi dito que ele não precisou possuir um corpo apesar de ser uma reencarnação . O verdadeiro destino do grey é fazer as pessoas importantes para ele felizes não ele

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar