Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Beginning After The End – Capítulo 477

Transcendência

POV ARTHUR LEYWIN

— Acho que ele está doente — disse minha mãe, balançando-me para frente e para trás em seus braços. — Ele não está comendo, Reynolds, e não deu um pio o dia todo.

Meu pai se aproximou para ficar ao lado da mãe. Ele me olhou nervosamente. 

— Posso chamar o médico? — Ele transformou a afirmação em uma pergunta, sua voz subindo junto com suas sobrancelhas enquanto ele olhava para minha mãe, incerto.

As sobrancelhas da mãe, por outro lado, desceram ameaçadoramente.

— Você pode, Rey? Isso seria adorável!

Meu pai se encolheu, esfregou a nuca sem jeito e murmurou:

— É claro que vou… — Qualquer outra coisa que ele pudesse ter dito sumiu enquanto ele saía correndo. 

Mamãe revirou os olhos para as costas dele, depois voltou a focar sua atenção em mim.

— Aquele seu pai… — Ela tentou sorrir, mas a expressão não chegou aos olhos dela. Ela cutucou minha barriga gentilmente, mexendo o dedo para me fazer cócegas. — Com um pouco de sorte, você terá a aparência dele, mas a minha inteligência, pequeno Arthur.

Eu estava ciente dessa troca, mas não pensei sobre isso. Minha mente consciente estava aninhada dentro do meu corpo de bebê, no controle e vivendo com ele momento a momento em vez de permitir que a pedra-chave me puxasse pelo tempo como quando se puxa o tapete debaixo dos pés de alguém. Eu me agarrei a isso, desesperadamente determinado a permanecer eu mesmo, ser eu mesmo.

Não vou me perder novamente apenas para acordar com as memórias da vida de outro homem, eu me disse repetidamente, enquanto evitava pensar nos eventos dolorosos da minha tentativa anterior com a pedra-chave.  E eu pretendia manter essa promessa para mim mesmo. Só que… eu ainda não entendia como.

Mas eu estava começando a entender uma parte da pedra-chave, pelo menos. Depois das minhas últimas duas vidas, senti confiança de que via a armadilha dela… a razão pela qual alguém não podia sair até que tivesse “completado” a pedra-chave… e por que isso era tão improvável. As vidas vividas eram punitivas de uma forma que eu não esperava. Já as minhas memórias dessas vidas estavam cheias de amargura, arrependimento e perda. Apesar de não ser realmente eu mesmo durante esses eventos, as memórias das minhas decisões, dos meus sentimentos… das minhas mortes… eram vívidas.

Eu ainda não tinha certeza se Sylvie e Regis, e suas respectivas habilidades, eram fundamentais para meu progresso contínuo, mas agora eu tinha certeza de que havia mais do que apenas isso. Apesar da capacidade de previsão dos djinn, parecia ser um passo além pensar que tinham previsto, esperado ou até mesmo exigido a presença de três mentes conectadas para entrar e alterar a pedra-chave de alguma forma que cumpriria seu propósito. O que tinham previsto, por outro lado, era a exigência de um mago que já conhecesse três artes etéreas muito específicas para ter chegado a este ponto.

As habilidades ensinadas pelas pedras-chave anteriores tinham agido como chaves para entrar neste quebra-cabeça, mas enquanto estava há dias e semanas em ruminação profunda, estava cada vez mais convencido de que elas tinham de ser mais do que apenas chaves. 

Depois de chegar e experimentar o milagre do meu próprio nascimento pela segunda vez, eu não deveria ter sido capaz de ver o éter se reunindo para o meu despertar, mas eu tinha. A importância disso tinha se perdido para mim nas seguintes tentativas repetidas desta vida, mas em retrospecto, esse estranho fato parecia ser algum tipo de pista ou indício para a solução da pedra-chave.

Contudo, buscar qualquer pista era em si um problema que eu não tinha certeza de como resolver. Afinal, como eu poderia tentar fazer uma mudança para aprender mais sobre isso se o ato de fazer essa mudança significava que eu perdia todo o sentido do que estava fazendo, pelo menos até eu nascer novamente com as memórias de uma vida inteiramente nova entulhadas em meu cérebro exausto.

Deve haver uma maneira de navegar neste lugar com mais propósito, disse a mim mesmo, pensando nas Relictombs e na Bússola.

Um choro irrompeu de minha forma pequenina, e eu recuei, deixando o tempo passar enquanto minha mãe me limpava e me alimentava, uma experiência distintamente desconfortável para me concentrar. Antes que percebesse, era criança mais uma vez, já perto do meu despertar.

Eu retornei ao presente com um solavanco de medo. Não estou pronto para ir mais longe. Ainda não.

Talvez devido à proximidade temporal com o dia do meu despertar, eu tenha me lembrado novamente da estranha visão de partículas etéreas enxameando como se fossem espectadoras daquele evento.

Eu não deveria ser capaz de ver o éter, mas há momentos em que posso. O que isso poderia significar?

Tentativamente, alcancei Realmheart.  Meu corpo infantil não continha runas divinas, é claro, mas meu corpo físico real tinha. Se houvesse momentos em que eu pudesse ver o éter, só poderia ser porque alguma sensação dele estava vazando do mundo físico para o reino mental da pedra-chave.

Porém, se havia alguma conexão física, eu não consegui encontrá-la. Assim como minha busca por Sylvie, tentar ativar o Realmheart não revelou nada.

Sylvie…

—  Estou aqui. — A aparição fantasmagórica do meu vínculo se manifestou diante de mim. Ela estava sentada com as pernas cruzadas e me observando cuidadosamente. — É fascinante. Eu posso ver tudo em sua mente, tudo o que já discutimos ao longo dessas múltiplas vidas que você viveu.

— Bom, isso pelo menos me poupa do trabalho de explicar explicar tudo de novo e de novo — respondi, percebendo que não estava protegendo meus pensamentos, porque não havia necessidade.

— Para continuar nossa conversa anterior, acho que posso ter uma ideia.

Eu esperei, silenciosamente encorajando-a a continuar.

— Se precisamos de um catalisador para despertar a mente real de Sylvie e permitir que eu me ligue a ela, talvez possamos canalizar a energia do seu despertar.

— Como?

— Não faço ideia.

Eu me sentei com a ideia por um tempo, tentando usar o que sabia sobre magia para formar uma possível solução. Ao contrário do ovo da ressurreição de Sylvie, no entanto, não me foi entregue alguma estranha resposta mística. Tudo o que eu fizesse dependeria de mim e, se não funcionasse, poderia alterar drasticamente a linha do tempo e acabar esquecendo tudo de novo.

Comecei a buscar Realmheart novamente, mais como uma prática meditativa do que qualquer expectativa de que eu realmente faria a conexão. Era como tentar enrolar os dedos de uma mão que não estava mais presa ao meu corpo. Sylvie e eu ficamos lá por horas, pelo menos para o meu cérebro e corpo desconectados, mas eu tinha certeza de que minha mãe teria vindo verificar se isso fosse o caso.

Dedinhos rechonchudos se ergueram para cavar em meu esterno nu.

Fiz uma careta e cocei com mais vigor. Havia uma coceira profunda dentro do meu peito que parecia inalcançável.

Minha visão piscou, e por um momento Sylvie se iluminou como uma árvore de Natal antiga da Terra, seu corpo feito de luz, tanto mana quanto éter.

A mudança repentina me fez recuar e ela piscou.

— O que foi isso? — perguntou Sylvie, olhando para mim com uma mistura de preocupação e entusiasmo. — Faça isso de novo.

Olhei para ela e tentei desfocar meus olhos, cruzá-los, olhar com tanta força que as luzes voltassem a aparecer. Quando elas não apareceram, fechei os olhos completamente, cerrando os punhos pequenos e me esforçando para alcançar aquela mentalidade que acabara de passar por mim como uma mariposa na escuridão.

Houve um estrondo súbito, e o quarto se encheu com um cheiro embaraçoso. Eu fiz uma careta, e minha mãe reapareceu para me limpar e trocar. Suportei a experiência, com medo de me libertar das amarras daquele momento. Quando ela terminou, em vez de me deixar fazer minhas coisas, ela me carregou para fora do quarto em seu quadril, me balançando e cantando suavemente.

— Eu estava tão perto… — resmunguei para Sylvie, que caminhava pacientemente ao lado da minha mãe. Meus dedos cavaram no meu esterno novamente.

— Você está com coceira, Art? — Mamãe perguntou de repente, me segurando para uma inspeção. Seus dedos tocaram o local com um leve zumbido. — Eu não vejo nada, mas… — Seus dedos brilharam com magia e eu senti a mana calmante passar através de mim. Embora aliviasse a dor nas minhas pernas e nádegas por ficar sentado por tanto tempo, só destacava a estranha coceira que eu sentia no meu…

Meu núcleo! Eu me contorci e minha fala saiu como um murmúrio.

— Art, o que… ah!

Eu me libertei da minha mãe e corri para longe no meu jeito infantil, fazendo minha melhor versão de uma corrida de volta para o quarto.

— Ok, então, já entendi — disse minha mãe com uma leve diversão sarcástica enquanto eu saía.

Sentando de novo, voltei meu foco para dentro o melhor que pude. Fechando os olhos, alcancei novamente o Realmheart.

A sensação de coceira ficou mais pronunciada.

Senti um sorriso torto tremer em meu rosto.

— Meu núcleo, Sylv. Eu posso sentir meu núcleo real. Essa maldita coceira… eu posso senti-la.

Seguindo a sensação desconfortável como um farol, minha consciência ligada à pedra-chave alcançou meu corpo físico.

Embora meus olhos estivessem fechados, o ar dentro do quarto ficou quente com o brilho repentino da mana e do éter atmosféricos.

Lentamente, abri os olhos e fiquei boquiaberto com os fragmentos de vermelho, amarelo, azul, verde e roxo que nadavam ao meu redor. Respirei fundo e um pequeno arrepio percorreu minha espinha. Com o Realmheart ativo, simplesmente sentei e olhei.  Era lindo, e mudava tudo.

Rapidamente comecei a me sentir cansado, então soltei minha conexão com a runa divina. As partículas de mana flutuantes desapareceram, deixando apenas as partículas roxas do éter. Depois de mais alguns segundos, elas também desapareceram. Apesar desse cansaço, eu não desanimei. Na verdade, fiquei entusiasmado.

Eu tenho uma ideia.

Apesar de passar a maior parte do meu tempo consciente vivendo o momento presente, os próximos meses pareceram voar em um borrão. Com a versão fantasmagórica de Sylvie ao meu lado, pratiquei conectar e ativar o Realmheart, o Réquiem de Aroa e o Gambito do Rei. Enquanto o Realmheart parecia funcionar mais ou menos como esperado, eu não conseguia utilizar o Réquiem de Aroa para consertar um item quebrado como tinha feito na vida “real”, e o Gambito do Rei servia mais para confundir meus pensamentos do que para esclarecê-los, e ainda não tinha duplicado o efeito de dividir minha mente e considerar muitas possibilidades ao mesmo tempo. Eu suspeitava que isso se devia à minha incapacidade de realmente manipular o éter dentro da pedra-chave.

Ainda assim, Sylvie e eu tínhamos um plano no qual estávamos confiantes.

Finalmente chegou o dia do meu despertar. Comecei minha meditação como de costume, condensando lentamente toda a mana do meu corpo no meu esterno.  Sylvie flutuava dentro de mim, pairando no centro daquele ponto como Regis costumava fazer. Ela estava em silêncio, mas seus pensamentos estavam hiperfocados na mente adormecida da verdadeira Sylvie. Apesar de estar dormindo, sua conexão comigo permanecia.

O que significava que havia duas metades do todo de Sylvie dentro de mim.

— Está começando — projetei para Sylvie. — Aguente firme, pode ficar um pouco agitado aí dentro. 

Usando a coceira no meu núcleo como uma âncora de volta ao meu corpo, como eu já tinha feito antes, ativei o Réquiem de Aroa e me concentrei na Sylvie fantasma. Ao mesmo tempo, abri minha mente para a verdadeira Sylvie, alcançando através de nossa ligação para dar a ela uma forte sacudida mental. Ou pelo menos tentar. Não pude ter certeza se fui bem-sucedido.

Uma poderosa força impulsora irrompeu de mim quando meu núcleo se formou e eu despertei. Fechando os olhos, canalizei o Réquiem de Aroa para Sylvie, desejando que ela estivesse inteira e completa novamente. Projetei meu desejo e pedido para o éter que eu sabia estar se reunindo ao redor de nossa casa para assistir à explosão se desenrolar, atraída por alguma reviravolta desconhecida do Destino. Eu não conseguia manipulá-lo da mesma forma que fazia com meu próprio éter purificado, mas se eu estivesse certo…

Em uma espécie de eco da minha mana condensada, o éter atmosférico também gravitou em minha direção, através de mim. Dentro da força de impulso, dentro do meu corpo, dentro do núcleo que estava se formando rapidamente a partir da explosão que destruiu nossa casa, as partículas violetas brilharam e dançaram ao redor da manifestação fantasmagórica de Sylvie. A força do meu despertar se espalhou não apenas no espaço da pedra-chave, mas também vibrou através do meu corpo físico e das conexões que eu tinha com meus companheiros.

Em algum lugar fora de mim, senti os olhos de Sylvie se abrirem.

Sua forma fantasmagórica saiu de mim, com os olhos dourados transparentes arregalados enquanto girava. Momentaneamente livre da realidade e incerta do que estava acontecendo, seus pensamentos surgiram e brilharam pela superfície da minha mente como as escamas cintilantes de um dragão. Havia uma textura líquida em seu corpo transparente enquanto parecia se mover e se reformar, envelhecendo e então rejuvenescendo rapidamente enquanto oscilava entre a versão mais jovem, pré-renascimento de si mesma, e a Sylvie ligeiramente mais velha com a qual estava familiarizado ao longo desses últimos muitos meses.

— Sylvie, você está bem. Não se preocupe, você acabou de acordar.

Meu vínculo olhou para seu corpo incorpóreo, soltou um grito que só eu podia ouvir, e então se expandiu para fora, explodindo na forma de um dragão. Seu peito largo, com escamas pretas, subia e descia pesadamente, e seu longo pescoço se torcia para frente e para trás, examinando o ambiente. Se o medo muito real dela não estivesse se espalhando diretamente em mim, a visão desse enorme dragão transparente se agitando enquanto minha mãe e meu pai cuidavam de mim, teria sido quase cômica.

Foi só quando mamãe e papai começaram a me tirar dos escombros de nossa casa que Sylvie pareceu se concentrar, com a cabeça abaixada e os olhos fixos neles, como se fossem um farol visto em meio a uma longa tempestade.

Agarrando´se àquela atenção, tentei falar com ela novamente.

— Sylvie, vai ficar tudo bem. Sou eu, Arthur. Consegui te acordar e… te ligar ao fantasma do seu eu passado. — Lutei para colocar o pensamento estranho em palavras reais que eu sabia que ela entenderia. — Estamos na quarta pedra-chave. E eu preciso de você.

Apesar de poder ver através deles, mantive-me focado em seus olhos dourados. O ofegar e soprar de seu corpo maciço diminuiu. Um passo hesitante após o outro, ela seguiu para onde Mamãe e Papai me levavam, a conversa deles se tornando ruído de fundo sem sentido neste ponto. Seus membros enormes e com garras não deixaram pegadas nos destroços da casa enquanto ela passava.

— Arthur?

Soltei um suspiro que não percebi que estava segurando. Funcionou.

Sylvie abriu a boca para falar, mas segurei sua mente e me concentrei nas memórias de tudo que havia acontecido na pedra-chave até agora. Demorou algum tempo para Sylvie superar as visões compartilhadas, mas não a apressei. Em vez disso, sentamos com minha mãe à sombra de uma pequena árvore enquanto meu pai inspecionava as ruínas e falava com um vizinho, que veio correndo com o barulho.

Finalmente, o foco de Sylvie voltou ao presente. Ela havia se encolhido para sua forma humana e agora me olhava com incredulidade.

— Eu vi um pouco do que estava acontecendo, como se estivesse sonhando. Isso é tudo… — Ela se calou com um movimento de cabeça. Sylvie observou minha mãe escovando lentamente os dedos no meu cabelo por um ou dois minutos, depois continuou. — Desculpe, Arthur. Sinto muito. As coisas que você teve que suportar aqui… é doentio.

— Acho que você colhe o que planta — respondi, vendo meu pai vasculhar os escombros sem realmente ver. — As vidas que vivi aqui foram o resultado direto de minhas próprias escolhas. Desviar das experiências da minha vida real quase sempre acaba resultando em…

Parei, franzindo a testa, quando um novo pensamento me ocorreu. Tentando, mais uma vez, seguir a coceira distante de volta ao meu corpo físico e ativar o Realmheart. Embora não houvesse uma manifestação física da runa divina ativando em meu corpo de criança, éter e mana invadiram minha visão. 

Uma garra ardente apertou meu coração, que começou a bater rapidamente. 

Entre as cores familiares que eu esperava ver, algo mais se iluminou sob a influência do Realmheart.

— O que é isso? — perguntou Sylvie, compartilhando minha visão por meio de nossa conexão mental.

Havia um nimbo de luz dourada irradiando da casa. Finos fios dourados pareciam conectar a casa demolida, eu, meus pais e lugares que não eram lugares, mas tempos, tanto para o futuro quanto para o passado.

Destino, pensei sem fôlego. Isso tem que ser o destino.

As engrenagens da minha mente giraram enquanto eu tentava determinar o que havia mudado, qual catalisador havia permitido que eu de repente visse essa manifestação. Foi o Realmheart, ou o despertar de Sylvie em conjunto com o meu, ou algum insight mais sutil que ganhei que expandiu as propriedades de minhas habilidades?

Curioso, liberei o Realmheart. Novamente, as partículas de mana visíveis desapareceram instantaneamente, enquanto o éter permaneceu e desapareceu mais lentamente. Os fios dourados permaneceram por mais tempo… por tanto tempo que comecei a pensar se talvez não estivesse relacionado ao Realmheart afinal… antes que os fios finalmente começassem a diminuir e se apagar, deixando pequenas imagens fantasmagóricas em meus olhos. Eventualmente, até mesmo as imagens residuais desapareceram.

— Se isso é o Destino, então talvez você possa vê-lo agora porque ele decidiu que você pode? — Sylvie perguntou hesitante.

— Você acha que o Destino pode ser… consciente? Racional?

Sylvie piscou, perplexa.

— Eu não quis dizer exatamente isso, mas… é possível, não é? Afinal, o éter tem uma espécie de consciência. O Destino não teria também, se é um aspecto do éter? Até agora, parece que a lição que você aprendeu sobre sua vida… seu “destino”… é que você já viveu o melhor cenário possível. Afinal, você mesmo disse que cada vez que mudou algo, resultou em uma série de eventos piores.

— E você acha que a pedra-chave, o Destino, ou os djinn… seja lá o que ou quem estiver conduzindo essa sequência de eventos… está tentando me mostrar que as coisas se desenrolaram por uma razão?

Sylvie encolheu os ombros incorpóreos.

— Não ousaria esperar que seja tão simples, e parece ir contra o fato de você ter vivido a vida exatamente como já tinha vivido, já que isso resultou apenas em um tipo de loop temporal… mas quanto ao motivo de você poder ver de repente esses fios dourados conectando momento a momento de sua vida, se essa compreensão está te colocando no caminho certo, então você ganhou algum insight que o Destino quer que você tenha.

Concordei lentamente. O que ela disse fazia sentido, mas também estava muito desconectado de como eu pensava sobre mana, éter, insight e até mesmo as suposições anteriores que eu tinha feito sobre o aspecto do Destino em si, e achei difícil fixar esse novo paradigma na minha mente.

— Por que não continuamos em frente? — sugeriu Sylvie. — Também podemos verificar outros pontos de sua vida em busca dessas trilhas ou fios. Talvez possamos confirmar mais sobre isso ou desbloquear algum novo insight.

— Não sabemos se você pode viajar ao longo da linha do tempo comigo — apontei. — Se eu retrair minha mente e permitir que os eventos prossigam, você pode ser levada pelo caminho que originalmente tomou durante esse tempo.

— Então nos veremos no meu nascimento — respondeu Sylvie com um sorriso irônico.

Eu me contorci nos braços da mamãe e ela me deixou escapar. Com um último olhar preocupado, ela se levantou e voltou para meu pai. 

Eu me sentei de joelhos ao lado de Sylvie.

— Entre no meu corpo. É apenas um palpite, mas talvez isso te proteja ou nos mantenha juntos.

Ela fez isso, e eu me afastei do mundo, deixando o tempo correr.

— Você ainda está comigo? — perguntei.

—Estou — confirmou Sylvie, e senti um alívio tomar conta de mim.

Progresso. Estávamos progredindo.

Mergulhei de volta na rápida passagem do tempo quando mais uma vez nos aproximamos do desfiladeiro onde o ataque aconteceu e fui separado da minha família. Eu me vi sentada na carroça com minha mãe, que observava a paisagem passar enquanto conversava com Angela Rose e não prestava atenção em mim.

Com a coceira no meu verdadeiro núcleo como guia, alcancei meu corpo físico e me concentrei na runa divina do Realmheart.

Como esperado, o mundo se iluminou com partículas de éter e mana. E correndo por entre elas, um fino fio de luz dourada, seguindo em direção ao local da emboscada e do penhasco. Fios mais finos e fracos voltavam da aura brilhante ao redor da montanha para cada um de nós, bem como para os bandidos escondidos. As peças estavam se encaixando.

— Parem! — Eu disse, com minha pequena voz comandando.

Durden  puxou as rédeas, fazendo nossa carroça parar. Todos os adultos olharam para mim com surpresa.

— O que você está fazendo? — Sylvie perguntou, então: — Ah! — enquanto meus pensamentos passavam para ela.

— Há uma emboscada à frente — continuei, explicando aos Chifres Gêmeos e aos meus pais o que ia acontecer. Enquanto eles se apressavam para se posicionar contra os bandidos, eu liberei o Realmheart e ativei o Réquiem de Aroa.

Dessa vez, embora as partículas de mana e éter desaparecessem da vista, as linhas douradas permaneceram.

Alcancei o fio dourado que se afastava da batalha entre meus dedos e dei um pequeno puxão. O mundo ao meu redor passou voando, só que estava se movendo para trás. Aquele pequeno puxão me levou de volta alguns minutos. Quando o soltei, a carroça estava novamente avançando, minha mãe ainda sentada ao meu lado conversando com Angela Rose, sem me dar atenção. O ponto em que parei a carroça passou e avançamos em direção à luta que me separou da minha família.

Ativando o Réquiem de Aroa novamente, puxei o fio para frente.

A luta passou por mim como se o tempo estivesse acelerado, mas era diferente do que quando eu me dissociava do meu corpo e me afastava, deixando a vida se desenrolar como tinha acontecido sem esforço ou interferência consciente. Essa aceleração dos eventos pareceu mais intencional, com minha mente e localização permanecendo relevantes para o meu lugar no tempo.  Os eventos ainda se desenrolavam da mesma maneira, mas não parecia haver risco de eu ser arrastado pela maré apressada do tempo e o efeito de vórtice que eu havia encontrado antes.

Mesmo quando caí do penhasco mais uma vez, eu sorri.

Tudo estava começando a fazer sentido.

Segui rapidamente para a caverna de Sylvia. Era outro ponto no tempo marcado com a aura dourada do Destino, o que não era surpresa.

— Eu posso sentir o ovo me puxando para dentro — disse Sylvie ao descermos para a caverna onde eu conheceria minha avó Sylvia… e Sylvie, sua mãe… pela primeira vez.

— Está tudo bem, vá até ele. Te vejo do outro lado.

Apesar da minha curiosidade sobre usar o Realmheart e o Réquiem de Aroa para explorar os diferentes resultados potenciais do meu tempo com Sylvia, havia algo mais imediato que eu queria tentar. Sylvie renasceu como ela mesma, e, como eu esperava, a mente real de Sylvie permaneceu acordada e consciente dentro de seu corpo recém-nascido.

Avançamos rapidamente, examinando cada grande momento decisivo da minha vida, sem nos surpreendermos ao descobrir que todos estavam marcados pelo Destino. Foi quando Windsom nos transportou para Epheotus pela primeira vez que uma reflexão inesperada e bastante desconfortável surgiu em minha mente.

Todos esses momentos marcados pelo Destino… estavam destinados a acontecer dessa forma? O Destino fez esses momentos acontecerem?

Ouvindo meus pensamentos e entendendo o contexto subjacente, o tom de Sylvie foi consolador quando ela respondeu.

— Você fez essas escolhas, Arthur. Sabe disso. Ninguém estava manipulando as coisas para que acontecessem.

Ainda assim, pude sentir sua falta de segurança, apenas parcialmente oculta em nossa conexão.

— Havia muitos lugares onde isso poderia dar errado. Mesmo quando fiz escolhas melhores na pedra-chave, o resultado sempre foi minha morte prematura. E se… o Destino estiver priorizando minha sobrevivência em detrimento do bem do mundo?

— Ou — começou Sylvie, com o tom de alguém explicando algo muito simples para alguém muito denso, — a sua sobrevivência é o melhor para este mundo. Mas acho que devo ressaltar que esta pedra-chave e os eventos que ela cria não são reais. Como ela poderia saber o que teria acontecido em cada cenário?

— Destino. — Eu a lembrei.

— Arthur, Lady Sylvie. Devo insistir em que continuemos — disse Windsom, voltando-se para nos olhar contra o pano de fundo da ponte multicolorida e do castelo de Kezess, os picos gêmeos do Monte Geolus engolidos por uma extensão infinita de neblina.

Ativando o Réquiem de Aroa, avancei rapidamente pela maior parte do meu treinamento até alcançar um ponto específico.

— O fato é que você é uma coleção ambulante de improbabilidades estatísticas — disse Wren, olhando para mim com clara exasperação. — Você tem uma habilidade inata para compreender o funcionamento dos quatro principais elementos, bem como algumas de suas formas elementares divergentes, coincidindo tão bem com o fato de que a compreensão de todos os quatro elementos é necessária para desvendar os mistérios do éter, que a própria princesa dos dragões, por acaso, gentilmente lhe concedeu. Tudo em você é estranho, garoto. Mesmo os asuras não têm tanto talento e sorte inatos.

— Se essa é a sua maneira de me animar, obrigado. — Eu ri, levantando-me. — Agora, o que vem a seguir em nossa lista de tarefas? 

— Antes disso, dê-me sua mão dominante. — Wren se levantou de seu trono de terra conjurado e se aproximou de mim. 

Estendendo minha mão direita, com a palma voltada para cima, olhei fixamente para o asura, esperando ansiosamente. O próximo passo era um sobre o qual eu estava menos certo do que as revelações anteriores sobre o Réquiem de Aroa e o Realmheart, ou até mesmo de combinar Sylvie com sua versão fantasma da pedra-chave.

Wren tirou uma pequena caixa preta do tamanho de um punho do bolso do casaco, depois a abriu e retirou um pequeno gema opaca em forma de pirâmide.

— Este é um mineral chamado aclorito. Sozinho, é uma rocha bastante rara, mas inútil. No entanto, com o processo correto de refinação e síntese… que guardarei até o túmulo, então não adianta perguntar… ele é capaz de fazer algo extraordinário. 

— Como formar uma arma. Ou até mesmo, nas circunstâncias certas, um ser vivo — respondi.

As sobrancelhas de Wren se ergueram até sua linha de cabelo desalinhado, e ele me olhou com espanto não disfarçado.

— Então, pelo que vejo, alguém andou espalhando segredos antes do devido tempo — disse ele após um momento, se recuperando e olhando ao redor amargamente, como se fosse encontrar o culpado escondido atrás de uma pedra. — Que falta de profissionalismo.

— Vou te contar uma coisa, e você não tem escolha a não ser acreditar em mim — comecei, já tendo confirmado que esse foi um daqueles momentos marcados pelo Destino. Confiei no conhecimento de que poderia simplesmente voltar atrás e tentar novamente se falhasse.

Wren fez uma careta, mas eu continuei.

— Embora leve muito mais que um ano, este aclorito, de fato, se transformará em uma arma: um ser consciente combinando aspectos de Sylvie, Sylvie, eu mesmo e um retentor Vritra chamado Uto.

A boca de Wren se curvou em um sorriso irônico, como se achasse que eu estava brincando com ele.

— Escute, Wren. Esse ser nasceu em um lugar chamado Relictombs… o sistema de masmorras ou “capítulos” criado pelos djinn, e assim ele é capaz de se alimentar e utilizar o éter. Alguma parte da consciência desse ser… o nome dele é Regis… está dormindo dentro de mim… mais ou menos, exceto que meu corpo está… fora deste espaço e tempo… e eu preciso acordá-lo. Acho que esse aclorito é a chave para fazer isso.

O sorriso de Wren aos poucos desapareceu de seu rosto. Ele estava me olhando com uma expressão de desaprovação, como se eu estivesse delirando ou algo pior.

— Como você poderia saber tudo isso, garoto? A vidente elfa? Mesmo que ela tenha compartilhado algum tipo de visão com você, como…

— É mais complicado do que isso — interrompi, provocando uma carranca do meu tutor. — Basta dizer que sei com a maior certeza que a consciência que surgirá desse aclorito está aqui, agora, conosco. Dormindo. Quero que você me ajude a ligar a mente de volta à pedra e acordar o Regis mais cedo.

Algo se encaixou na expressão de Wren. Não era exatamente crença, mas mais como… intrigado, e uma vontade muito real de explorar essa possibilidade mais a fundo.

— O que você está sugerindo?

— Primeiro, coloque o aclorito debaixo da minha pele — respondi, estendendo minha mão novamente.

Wren soltou um longo suspiro, depois segurou minha mão e começou a pressionar a gema opaca na palma da minha mão. Eu mal senti a dor, e logo o aclorito desapareceu debaixo da minha pele.

Eu flexionei a mão algumas vezes, olhando para minha palma. Nada aconteceu.

— E agora? — perguntou Wren.

 — Esta é sua área de especialização. Como essa rocha poderia se transformar em uma criatura viva e consciente?

— É raro — respondeu Wren. Ele também estava olhando para minha mão. — Com foco adequado, determinação e entrada de energia, uma arma feita de aclorito conterá algum grau de auto-determinação. Isso nasce do portador e liga completamente uma arma ao seu usuário, mas para que o acclorite se torne uma criatura completamente consciente, essa transferência de energia deve ser acompanhada por uma vontade incrível e, geralmente, uma dose significativa de desespero. Seu estado de ser quando a arma se manifesta desempenha um papel essencial, assim como a fonte e a variedade de insumos antes da manifestação.

Eu sorri, reconhecendo as palavras de Wren como um eco do que ele havia dito quando descobriu que Regis era uma manifestação consciente na minha vida real.

— E algo do aclorito permanece, não é? Você disse… bem, não importa, mas se Regis estivesse aqui em corpo, você seria capaz de sentir a energia do aclorito, certo?

Wren apoiou as mãos nos quadris e bateu os dedos rapidamente.

— Eu seria. Uma criatura nascida do aclorito é mutável por natureza, mas a assinatura de sua origem deve ser perceptível mesmo que esteja presente apenas em uma forma desencarnada. A menos que essa forma esteja escondida dentro do corpo de outro ser vivo, onde sua própria assinatura seria disfarçada pela mana e ritmo natural do hospedeiro… o batimento cardíaco, respiração, circulação do núcleo aos canais, e assim por diante. Isso pode ser ainda mais complicado se o ser estiver… como você disse? …fora do espaço e do tempo, seja lá o que isso signifique.

— Mas se você soubesse que ele está lá, e o hospedeiro em questão permitisse, você poderia encontrar essa mente adormecida?

Wren me considerou como se eu tivesse perdido completamente a cabeça.

— Não vou fingir que entendo completamente o que isso significa, mas… — Seus olhos estreitaram, e ele bagunçou ainda mais seus cabelos já emaranhados. Com um bufo, ele acenou com a mão e conjurou uma cama de pedra plana, indicando que eu deveria deitar. Fiz isso, e ele ficou sobre mim. — Feche os olhos e pare com as engrenagens barulhentas de seu cérebro sem sentido para que eu possa me concentrar.

Eu segurei uma resposta sarcástica e tentei fazer o que ele ordenou, deixando minha mente ficar quieta e em branco. Minha respiração diminuiu, assim como meu pulso. Recorrendo a múltiplas vidas de prática, mergulhei em um vazio meditativo.

As mãos de Wren passaram sobre mim. Eu podia senti-las, mas não me concentrei nelas. Ele murmurou pensativo, então soltou um suspiro irritado, seu hálito quente lavando meu rosto. Então, depois do que pareceu uma eternidade:

— Aha…

Dedos físicos pressionaram sobre meu esterno, e dedos mágicos sondaram mais profundamente, penetrando pela carne e até mais fundo do que meu núcleo, alcançando algo etéreo e intrínseco ao meu ser… o ponto onde minha consciência desperta na pedra-chave encontrava meu corpo físico fora dela. Eu me concentrei na vaga sensação que tinha da mente adormecida de Regis, que senti até mesmo naquele primeiro momento após aparecer dentro da pedra-chave, e esperava que o foco dos meus pensamentos levasse Wren na direção certa.

— Pare com isso, garoto. Apenas deite aí e finja ser o maluco desmiolado que você é. Retiro tudo de positivo que já disse sobre você. Não tem como você ser nada além de um maluco completo e absoluto… — Ele interrompeu com uma rápida inspiração, e senti os dedos incorpóreos se fecharem em torno de algo. — Pelos antigos, você está certo. Uma criatura nascida do aclorito… posso senti-la ligada a você… não, entrelaçada em e através de você, tão ligada a você quanto seu próprio sistema nervoso…

Uma energia quente e familiar subiu do meu esterno através do meu peito e para o meu braço, depois pelo braço até a minha mão, guiada pela magia de Wren. Ele bufou de alegria.

— Nunca coloquei uma consciência que já existe em um cristal de aclorito antes. Não deveria funcionar, mas se você está certo e este… Regis… realmente nasceu deste aclorito… — O aclorito queimava como ferro derretido na minha palma e eu ofegava de dor. Wren agarrou meu pulso, prendendo meu braço na pedra.

Uma luz roxa brilhava através da minha pele, que parecia queimar a qualquer momento.

— Arthur, o que está errado? O que está acontecendo? — A voz de Sylvie soava em minha mente de onde ela ainda treinava com seu avô no Castelo Indrath.

Meus olhos se reviraram para trás enquanto meu corpo se contorcia. Uma mão poderosa pressionou contra meu peito, me segurando e impedindo que eu me machucasse. Não que eu pudesse ter sentir qualquer coisa além da agonia do aclorito. 

Uma esfera de luz negra do tamanho do meu punho cerrado flutuou para fora da minha carne e a dor desapareceu. Eu recuei, não mais lutando contra os braços de Wren, suor escorrendo do meu rosto e minha respiração vindo em suspiros desesperados. Mal consegui distinguir a bola de luz escura, dentro da qual dois pontos brilhantes cintilavam como olhos e uma linha negra abaixo deles que parecia um sorriso irônico. 

Não tinha fôlego para falar, nem foco para gerar palavras. Até minha mente parecia turva e não conseguia sentir os pensamentos de Regis ou Sylvie.

O fogo fátuo negro se aproximou de mim e mergulhou.

— Contemple, mestre. Eu, Regis, a poderosa arma concedida a você pelos asuras há tanto tempo, finalmente me manifestei em toda a minha glória! — Os dois pontos brilhantes cintilaram como se estivessem piscando, e o fogo fátuo girou lentamente em um círculo. — Espere, que diabos está acontecendo?


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

4.8 36 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
72 Comentários
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Edson Gabriel
Visitante
Edson Gabriel
3 dias atrás

Capítulo foda viu, o Arthur e muito inteligente, cada level up dele é muito bem roteirizado, diferente da Cecília q tira poder da buceta.

TheVGonsD
Membro
TheVGons
14 dias atrás

Seria Arthur um dos personagens fictícios mais poderosos das obras, tirando, é claro, as entidades? Não sei, provavelmente só estou ficando louco de empolgação por esta obra maravilhosa e este personagem foda. Mas eu sei de uma coisa: Arthur é um dos personagem mais prodígios e com um dos maiores potenciais de todas as obras.
TurtleMe está fazendo um excelente trabalho.
Ansioso para ver tudo isso no webtoon. E mais ansioso ainda para uma anime desta obra prima, que, na minha opinião, infelizmente, esta um pouco longe de acontecer.

Wesley LimaD
Membro
Wesley Lima
14 dias atrás

Kkakakakakkak n tem como regis é a melhor arma ta mlkkk

⦕ Lok1 ⦖D
Membro
⦕ Lok1 ⦖
28 dias atrás

Eu amo o Régis kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Última edição 28 dias atrás por ⦕ Lok1 ⦖
pingola mole
Membro
pingola mole
1 mês atrás

amanhã cap da ellie kkk

Hm interessanteD
Membro
Hm interessante
1 mês atrás
Resposta para  pingola mole

zica não véi -_-

Al pacino
Membro
Al pacino
1 mês atrás

Senhores cap de hj 🤡 ápice de tbate

Treezy
Membro
Treezy
1 mês atrás
Resposta para  Al pacino

Slk foi muita sacanagem esse cap, espero que o Arthur tenha antecipado tudo isso, ele mesmo disse que o plano dele não iria segurar a Cecilia por muito tempo.

Gois
Visitante
Gois
1 mês atrás
Resposta para  Treezy

Mano Tessia é muito retard. Ela sabia que o Arthur queria segurar Cecília pelo maior tempo possível. E a retard vai lá e ajuda a soltar ela.

Noite
Visitante
Noite
1 mês atrás

Caralho nem fudendo
Não tem como Régis é a porra do melhor personagem desse caralho

Nietz
Membro
Nietz
1 mês atrás

Incrível, apenas isso que eu possa dizer

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
1 mês atrás

Eu queria colaborar com alguma teoria aqui, falar do capítulo, mas teve tanta coisa que eu nem sei oque falar, kkkkkk. Só que quando essa novel terminar, será top 1, por um bom tempo, talvez nunca mais tenha uma novel tão boa quanto TBATE, se o turtle escrevesse tão bem quanto agora desde o início, diria que a obra é perfeita. Entretanto, nada pode ser prefeito, o desenvolvimento de dicathen em sei lá, 200 capítulos foi muito inferior ao de alacrya, com menos de 100. Só aquela parte das relictumbs, antes dele sair e encontrar o prefeito daquela cidade do interior, ver a concessão e tal, já é infinitamente melhor que o desenvolvimento de dicathen. Eu só consegui imaginar o continente agora, quando o Arthur voltou, e aí sim, com a escrita muito melhor do turtle, envolveu mais personagens além do Arthur na história. Tipo, nas primeiras temporadas, antes do início da guerra, além de xyrus, a gente não sabia nada de como era dicathen, teve um breve momento em Elenoir (1 minuto de silêncio), mas foi bem superficial também. Porém na guerra, ele começou começou envolver melhor outras cidades e locais, como Etisten, o castelo voador, Darv em geral. Só tenho uma mensagem pra você, turtle, por criar essa obra maravilhosa. Eu te amo.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás
Resposta para  Mathh_01

Realmente o desenvolvimento do arco de Alacrya foi muito foda e envolvente, até mesmo saber sobre as tecnologias deles.
As Relictoms foram fodas dms também, estou até com saudades de Arthur caminhando pelas zonas, agora com uma visão melhor do Éter, dá pra ele adquirir muito conhecimento em cada uma das zonas.

Danilo Torres
Membro
Danilo Torres
17 dias atrás
Resposta para  Mathh_01

le shadow slave, mto bom tbm

Adriano Rodrigues
Membro
Adriano Rodrigues
1 mês atrás

salve Rapaziada
seguinte, eu acho que segue o fluxo de tempo imutável, o que aconteceu não pode ser mudado por isso as luzes do destino brilhando possibilitando avançar e rebobinar conforme a vontade do Art, mas isso não muda o fato dele aprender algo em cada ponto do destino na vida. Por exemplo o que aconteceria se ele lutasse com o Kesses quando se encontraram a última vez, ele poderia vencer, encontrar alguma fraqueza e etc… ele pode usar isso de várias formas para se preparar contra os inimigos daqui para frente acho que é assim que essa runa vai funcionar e além de combinar com todas as outras 3.

se o destino pudesse não faria sentido nenhum dos outros capítulos que aconteceram depois que o Arthur entrou na runa do destino

Noite
Visitante
Noite
1 mês atrás
Resposta para  Adriano Rodrigues

Faz sentido
Mas talvez o uso final dessa runa seja alterar o destino de acordo com a própria vontade do destino
Assim como dito ele aparentemente tem uma espécie de consciência, mas e se por ser justamente o destino então algo no destino original desse mundo seria trágico a ponto do próprio destino querer impedir, mas como se impede o destino?
Por isso o próprio destinou cuidou pra que o Arthur chegasse até esse ponto e pudesse ser controlado por ele pra evitar o destino inevitável da destruição de tudo

Até o momento o plano de agrona aparenta ser absorver o mundo inteiro, mas se ele conseguisse fazer isso então depois ele iria pra outros mundos absorver eles até que todo o universo fosse fonte do poder dele, talvez o destino esteja tentando impedir isso

Gois
Visitante
Gois
1 mês atrás

Rapaz o arthur vai sair muito buffado desta pedra angular.
Este poder dele de fazer os teste dele e rebobinar antes de dar algo errado neste mundo dentro da pedra angular é roubado demais.
Foi citado pelos dijins que eles colocaram todo o conhecimento deles sobre o Eter nas Relictombs(não seria citado atoa, e aquela visão da primeira pedra angular onde ele conseguia resolver tudo no mundo do espelho não seria mostrada atoa também), e que cada cenário la dentro ensinava algo, só que todos estavam somente focado em sobreviver e pegar reliquias que não olhavam para aquele cenário com o intuito de aprender. Algo que nosso art vai ter tempo de sobra agora para fazer.
Acredito que quando ele sair, ele vai ser uma compreensão do Eter muito mais afiada do que qualquer um, vai estar no máximo ou quase no maximo das runnas divina dele.

Obs: Algo que me deixou triste com o art sobre o Eter, foi que no ultimo encontro com o Kezes, ele foi pego numa trap e quando manifestou uma arma quando ficou com medo do perigo nosso querido Kezes chegou e desfez a espada dele de Eter num estelar de dedos.

Última edição 1 mês atrás por Gois
Um Lucas aí
Membro
Um Lucas aí
1 mês atrás

[Cara, eu tava aqui delirando e tudo q acontece aí n é real, certo? Mas continua sendo real de uma visão mais ampla como o “destino” já q tudo isso foi traçado por esse ser q parece desenhar o futuro do nosso pequeno Art, c o Arthur trazendo o Régis e a Slvie do mundo real ele provavelmente n estaria criando um passado? Onde o futuro q conhecemos n existiria já q essa linha do tempo se misturou c a de vdd e as pedras angulares já foram usadas pelo Art, entt deixariam de existir e invez de vermos os acontecimentos como foi, veríamos um Art c o poder de manipular o destino c o “aroa” e c o insigt do “Gambito do rei” ele podia se aventurar por várias dessas linhas do destino, ou provavelmente c o “gods step” até msm conseguir pular de uma linha do destino para outra(uma realidade totalmente diferente) entt ele n só salvaria o mundo dele mas como todos os outros mundos onde ele morre prematuramente… Eu tlvs esteja louco ksksk]

Hm interessanteD
Membro
Hm interessante
1 mês atrás
Resposta para  Um Lucas aí

Loucura saporra msm, mas tipo, ele conseguiu voltar no tempo desse “mundo” usando os “fios dourados” acho q pra isso ele usou o réquiem de aroa, então se ele for pros outros “mundos” ele quem vai fazer a silvye voltar no tempo pra reencarnar o Art num Leywin, ou ele simplesmente vai impedir Agrona dos outros mundos e do dele?
Obs: já tô meio perdido doq aconteceu qnd a silvye reencarnou ent devo tá falando merda

Última edição 1 mês atrás por Hm interessante
Matheus RochaD
Membro
Matheus Rocha
1 mês atrás

Só queria comentar como essa semana foi um presente pra todo fã de mangá, Itadori lutando 2 semanas seguidas e finalmente conseguindo todo o Hack que merecia, Turtle finalmente voltando aos tempos de ouro e tornando a obra envolvente e muito bem construída dnv( os últimos sub-arcos e boa parte do arco principal foi bem entediante e as vezes tomou um rumo não tão cativante, mas o Turtle se redimiu nesse último capítulo)

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
1 mês atrás
Resposta para  Matheus Rocha

Eu tava achando bem legal na verdade. Não tava tendo tanta ação, mas tava preparando o campo pra talvez “luta final”, mas eu realmente gostei dos capítulos desse volume.

Matheus RochaD
Membro
Matheus Rocha
1 mês atrás

O destino é literalmente uma consequência do tempo, e uma vertente, algo que dita o caminho que o tempo e o espaço devem seguir, faz totalmente sentido o Arthur controlar o tempo com ele, porém não foi isso que aconteceu nesse capítulo, o Arthur através do destino só manipulou o tempo graças ao Réquiem de Aroa que até então estava incompleto, com o Destino ele conseguiu manipular o tempo perfeitamente, Lembra que quando o Arthur tava aprendendo o Réquiem de Aroa faltou uma última peça que ele não entendeu e não descobriu oque era ? Sim era o Destino, o Destino também vai permitir ele controlar o ESPAÇO que sempre foi o poder que ele tinha mais afinidade, e também o Vivum, vai permitir ele dominar a destruição, resumindo, o Destino vai buffar todos os hacks que o Arthur já tem e tornar ele o mais forte da obra.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás
Resposta para  Matheus Rocha

Arthur até o momento continua da onde ele tava com o Requiem Aroas, ele não ganhou nenhum insight dele, nesse capítulo ele apenas usou a runa como tinha que utilizar dentro da ultima pedra-angular, algo que o primeiro Djinn disse que precisaria usar quando chegasse a hora.
Acho que ele vai continuar não tendo acesso totalmente ao AEVUM, e sim a Sylvie. Ao menos temos quase certeza que ele vai ganhar mais quando desbloquear o Destino… Mas até o momento ele está apenas utilizando para “pausa o filme da sua vida, acelerar ao ponto que quer ou mesmo reiniciar”.

VoidD
Membro
Void
1 mês atrás

Ler esse capítulo me fez sentir um PUTA falta da época de ouro dessa obra, esse capítulo me fez sentir SAUDADE das LENDAS VIVAS que escreviam textos e textos nós comentários falando de suas teorias e de suas ideias. Deixo aqui minhas condolências ao Humilde, Fé Pra tudo, Sei lá mano e ao deus Incógnito.

Porra como eu era feliz e não sabia, eu daria qualquer coisa para ler mais um comentário e mais um Review dessas lendas hoje em Dia, ainda mais num capítulo FODA dessas pqp

Última edição 1 mês atrás por Void
ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás
Resposta para  Void

Se lembra Void? VT também fazia comentários fodas, a época de Ouro da ReaperScans 😭😩, o sdd, sinto falta até dos casos de amor que rolava entre a fandom de tbate daquele site kkkkkk eu ria bastante.. me pergunto por onde anda essas Lendas.

Só sei que nada sei
Visitante
Só sei que nada sei
1 mês atrás
Resposta para  Void

Bom, noa sou nenhum deles, mas acompanho essa obra desde o primeiro dia do lançamento, e aqui vai uma teoria.
O Arthur vai obter o aspecto do destino e com isso vai entender, ao ativar o gambito do rei, que ele pode dividir sua mente e testar milhares de possibilidades do destino em alguns segundos, pois cada mente vai poder analisar uma parte específica por momentos específicos. Ao ativar o gambito do rei durante a próxima fase do destino, e nesse caso o réquiem de aroa vai ter o componente que falta para reparar qualquer coisa. Artur vai conseguir entender o tempo passado de algo com o destino, analisar em totalidade com o gambito e reparar retrocedendo o tempo com o réquiem de aroa. Mas o que eu acho interessante e seria só uma suposição roubada, ele conseguiria ver os caminhos de éter do espaço, ver as linhas do destino e guiar qualquer um para o destino que ele acredita ser o melhor, prevendo tudo o que vai acontecer e agindo do acordo. Uma suposição mais louca seria ele guiar a destruição através do espaço, como ele fez com os cortes de éter da última vez e matar qualquer um que ele consiga ver, ou pior, saber o que vai acontecer por conta do destino e guiar a destruição através do gospel para o locar antes de acontecer e queimar qualquer um durante o ponto em que aquele exato momento aconteceria.

Marcos
Visitante
Marcos
1 mês atrás

Cara, eu realmente ficaria meio frustrado se o “destino” fosse o poder de manipular o tempo. (Embora seja a conclusão óbvia)
Por um momento no começo do capítulo, eu cheguei a imaginar o “destino” como o que constrói tudo! Como se fosse um átomo. Eu imaginei o Arthur saindo de lá com o poder de manipular e controlar toda a existência do mundo ou algo assim. Mas seria meio chato também porque nem existiria mais luta.

Matheus RochaD
Membro
Matheus Rocha
1 mês atrás
Resposta para  Marcos

Ué o destino é literalmente uma consequência do tempo, e uma vertente, algo que dita o caminho que o tempo e o espaço devem seguir, faz totalmente sentido o Arthur controlar o tempo através dele, porém não foi isso que aconteceu nesse capítulo, o Arthur através do destino só manipulou o tempo graças ao Réquiem de Aroa que até então estava incompleto, com o Destino ele conseguiu manipular o tempo perfeitamente, Lembra que quando o Arthur tava aprendendo o Réquiem de Aroa faltou uma última peça que ele não entendeu e não descobriu oque era ? Sim era o Destino, o Destino também vai permitir ele controlar o ESPAÇO que sempre foi o poder que ele tinha mais afinidade, e também o Vivum, vai permitir ele dominar a destruição, resumindo, o Destino vai buffar todos os hacks que o Arthur já tem e tornar ele o mais forte da obra.

Matheus RochaD
Membro
Matheus Rocha
1 mês atrás
Resposta para  Marcos

E provavelmente vai acontecer tanto a sua primeira suposição quanto a segunda em até algum nível, o Arthur desde que formou o seu núcleo de Esther já tinha potencial pra se tornar onipotente em sua própria obra, não seria uma surpresa impossível.

Zezinho69
Visitante
Zezinho69
1 mês atrás

Nossa que capitulo fd meu parceiro ri muito quando ele disse (eu consigo sentir aquelamaldita coceira) kkkkkkk

Ryomen Sukuna
Visitante
Ryomen Sukuna
1 mês atrás

— Contemple, mestre. Eu, Regis, a poderosa arma concedida a você pelos asuras há tanto tempo, finalmente me manifestei em toda a minha glória! — Os dois pontos brilhantes cintilaram como se estivessem piscando, e o fogo fátuo girou lentamente em um círculo. — Espere, que diabos está acontecendo?
Saudades do Regis, finalmente ele voltou.

Senor del Café
Membro
Senor del Café
1 mês atrás

Não tem jeito o oda turtle é um gênio!!!

Robert Lucca
Membro
Robert Lucca
1 mês atrás

Acredito que os djiins sabiam que apareceria alguém apto o bastante para usar o éter de uma maneira completamente diferente da forma como o viam, eles sabiam que iriam morrer mas o destino mais favorável já estava, traçado o destino e éter estão ligados, simplesmente arthur é o salvador desses 3 mundos, agora depois de desbloquear essa chave o garoto vai virar um Deus

Pedro Henrique
Membro
Pedro Henrique
1 mês atrás
Resposta para  Robert Lucca

Na realidade não sabiam não, eles apenas teorizavam que um ser capaz de dominar todos os aspectos de Éter seria capaz de dominar o Fate. Os Djiins apesar de serem sábios também tinha divergências internas, alguns inclusive defendiam a criação de armas etéreas. Alguns tentaram achar as Keystones e dominar o Fate (não acreditavam em um salvador), fato que atrapalhou nosso prota. A real é que Arthur é um resultado de improbabilidades, em outras palavras ele foi escolhido pelo destino.

Roberto da Silva Luz
Membro
Roberto da Silva Luz
1 mês atrás

Quando ela terminou, em vez de me deixar fazer minhas coisas…”, pensa numa criança atarefada…kkkk

Meus amigos, que capitulo incrível!
A mente de Turtle deveria ser estuda pela NASA, pois o cara é um gênio para criar um enredo tão envolvente e fascinante como este.
Agora, Regis, o poderoso lobo sarcástico, está de volta e pronto para nos agraciar com sua mente hilária e distorcida…kkkk

dicksLixoD
Membro
dicksLixo
1 mês atrás
Resposta para  Roberto da Silva Luz

turtleme deveria ser estrupado pela nasa 🙏🙏

GicafeD
Membro
Gicafe
1 mês atrás
Resposta para  dicksLixo

Cara que merda é essa que você comentou

Reikai123
Visitante
Reikai123
1 mês atrás

Então esse é o verdadeiro prazer que dizem? É lindo

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás

Vou deixar uma pergunta no ar:
Seria este epsódio o real motivo para que Wren decidisse seguir Arthur como ele escolheu seguir correndo o risco de ser visto como traidor? Por ter esta memoria “futura” preservada em sua mente.

Wren é foda, uma dos melhores personagens com toda certeza.

DudsD
Membro
Duds
1 mês atrás

Mas o que ocorre na pedra angular não é real

Marcos
Visitante
Marcos
1 mês atrás
Resposta para  Duds

Se ela não fosse “real”, não daria pra ter essa interação com o Wren. Pense nisso

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  Marcos

Eu tb tenho duvidas quanto a não ser “real”.

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás

Não. Wren decidiu seguir Arthur por ele mesmo com o tempo, e não por ter essa visão do futuro até porque isso ocorre somente na Pedra-Angular, não acontece na realidade, Wren já enxergava o que Kezess e Agrona fazia com os “Lessers” mas apenas vir sozinho poderia ser complicado. Então ele aguardou que alguém conseguisse enxergar essas atrocidades (Aldir) e veio, pois Aldir falou sobre o que Seris disse sobre Arthur para ele.

Lembre-se que Wren Kain era alguém em Epheotus que fazia o que queria, conhecido por não seguir certas ordens, apenas se fosse do interesse dele, até dentro do seu Clan ele é mal visto pelos seus modos.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Sim vc tem razão, mas a ideia me empolgou rs

Henrique
Membro
Henrique
1 mês atrás

Não tem jeito, wren é gênio dentro e fora da pedra angular 🥵🥵

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás
Resposta para  Henrique

Querendo ou não, nosso Titan era uma figura de destaque em Epheotus… o homem é vivido, sabe testar e criar muita coisa rs.

GoulartD
Membro
Goulart
1 mês atrás

Finalmente o Lobão voltou “MIM DE PAPAI”

Joao scopel
Visitante
Joao scopel
1 mês atrás

O problema é que agora vem mais 3 ou 4 capítulos de histórias nada a ver que pouco contribuem com a história principal, mas esse foi um bom capítulo, acho q o melhor dos últimos 6 ou 7

Gois
Visitante
Gois
1 mês atrás
Resposta para  Joao scopel

O cap que a cecilia toma no fiofo também foi bom. Wren sempre um gênio.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  Joao scopel

Oloco! Não fale por mim, estou muito curioso sobre a Varay.

David
Visitante
David
1 mês atrás
Resposta para  Joao scopel

O capítulo da Varay foi foda demais, amigo. Você tem noção de que surgiu alguém quase tão foda quanto a Cecília do lado do Arthur?

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
1 mês atrás
Resposta para  David

Só não é tão foda quanto a Cecília por ela ser a porra do legado. Mas mesmo assim, é a segunda melhor coisa. Se as lanças já estavam conseguindo lutar e vencer as foices, talvez a varay agora esteja forte o suficiente pra lutar contra as assombrações, quem sabe até mesmo asuras, óbvio que não os mais forte né, mas mesmo assim, quem sabe não vem aí a varay dando trabalho pro Widsom? Talvez derrotando ele? Os asuras não conseguem ultrapassar o núcleo branco, então a varay está, talvez, mais forte, magicamente, doque alguns asuras. Pelo menos fora do clan indrath, pois esses arrombado usam o éter também. Se eu não me engano, no capítulo que a Cecília passa pela assimilação, ela fala algo sobre ter mana em cada célula do seu corpo, talvez o corpo de alguém no estágio de assimilação, esteja com um corpo comparável ao de um asura. Sei lá, talvez seja só muita viagem minha.

Mathh_01
Visitante
Mathh_01
1 mês atrás
Resposta para  Joao scopel

Talvez seja outro do Arthur na pedra angular, por nenhum motivo aparente, só acho que vai ser. Poderia ser também um do bairon, talvez ele também chegando no estágio de assimilação, assim como a Varay, ou Poderia ser outro cap da Varay. Sei lá, tá rolando muita coisa, e só tem 1 capítulo por semana. Queria pular o tempo e ter mais 20 capítulos pra ler direto. Tá tendo o arco lá da Seris, caera, Ellie, e os alunos do “professor Grey”, a assimilação da Varay, a treta em Etisten com a Katlhyn mandando geral que quer entregar o Arthur pro caralho. Teve a luta do bairon e mica contra as foices lá. O arco da Cecília, os alacryanos e assombrações tentando invadir epheotus, e oque não quer calar, oque caralhos foi esse plano do Arthur? Onde ele realmente está? Qual a extensão total do plano do Gambito do Rei? Ele realmente vai conseguir enganar seres milenares como o Agrona e o Kezess? Eu tô muito ansioso pra lançar capítulo novo.

Geovane
Visitante
Geovane
1 mês atrás

Agora assim, nosso menino art tá cada vez mais perto de se tornar um deus, acho que no próximo capítulo ele já vai conseguir sair dessa preda

Henrique
Membro
Henrique
1 mês atrás
Resposta para  Geovane

Tomara amigo, tomara…

Última edição 1 mês atrás por Henrique Carvalho
luisgustavo almeida rodriques
Membro
luisgustavo almeida rodriques
1 mês atrás
Resposta para  Geovane

pela teoria dos nomes dos capitulos, teriam mais uns 6 so de povs dele ate sair da pedra, ja que cada capitulo na pedra carrega o nome de 1 volume da obra

Marcos
Visitante
Marcos
1 mês atrás
Resposta para  Geovane

Aposto meu cu kkkkkkk próximo capítulo no máximo Varay (o que seria muito bom) mas acho que nem isso.
Vai jogar lá pra Elie e mãe sendo levadas pelo Windson

GicafeD
Membro
Gicafe
1 mês atrás
Resposta para  Marcos

Iche cuidado aí irmão já vi muitas pessoas perdendo apostas dessa jeito

Mataque
Visitante
Mataque
1 mês atrás

Finalmente cheguei nos capítulos atuais.

Henrique
Membro
Henrique
1 mês atrás
Resposta para  Mataque

Não comemore mn, não é nada legal esperar uma semana sem saber se o próximo capítulo vai ser o ponto de vista do art ou de outro personagem cativante qualquer

Marcos
Visitante
Marcos
1 mês atrás
Resposta para  Henrique

Kkkkkkkkkkkkk caraca, muito real
Eu doido espetando chegar sexta-feira, aí começa o capítulo: “pov Cecília” pqp kkkkkkkk (eu odeio ela, deixando bem claro)

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás

Finalmente um bom progresso dentro da Pedra-Angular em busca do Destino e claro, nosso Lobão Favorito 🐺 de volta… 🙌🏽🙏🏽.
Compreendam que a partir deste capitulo não vamos mais ficar revivendo a vida do Arthur desde o inicio, através do Requiem de Aroa ele consegue retorna o tempo na medida que ele quer recomeçar e acelerar também… (Mas lembrem, isso é somente dentro da Pedra-Angular!!)
E olha que engraçado, o seu próprio “Ataque da Espada de Éter” que foi desviado pela Cecilia contra ele próprio (Nesse dia ficamos muito puto que ela conseguiu controlar a mana para desviar o próprio Éter do Arthur na direção do seu Núcleo) e gerar aquela COCEIRA em seu Núcleo que infernizava ele até hoje… FOI A CHAVE PARA ELE PROGREDIR DENTRO DA 4° PEDRA ANGULAR!
Já que foi por causa da coceira que ele conseguiu criar o link para seu corpo físico real (o que está meditando ao lado de Regis e Sylvie) pra que ele consiga ativar as Godrunes: Requiem Aroa’s | Realmheart | King Gambit.

Heitor
Visitante
Heitor
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Oda gênio, digo turtlume gênio

Henrique
Membro
Henrique
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Adoro seus comentários sempre bro, e tbm achei irônico isso de ele conseguir se ligar ao corpo dele fora da pedra angular por meio da “coceira”. Será que nos próximos capítulos teremos “Arthur, a lenda que dominou o próprio destino”? Talvez kk masss, tô achando que o tortuguita vai deixar pro próximo volume essas coisas aí só pra na hora que todo mundo mais tiver precisando dele, ele aparecer fazendo uma “entrada triunfal” kkk

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás
Resposta para  Henrique

Obrigado irmão. Realmente foi irônico essa jogada da Coceira, pois no dia que ele recebeu seu próprio ataque indiretamente através do controle de mana da Cecília, a fandom ficou doida, todos ficamos indignados e com medo da maldita Cecilia começar a manipular o Éter

Depois desse capítulo creio que vai ter ter mais 3-4 capítulos até ele desbloquear o Destino irmão, pois acho que ele quer testar muitas possibilidades dentro da Pedra-Angular e também tirar dúvidas (o que pode aumentar os insights dele das godrunes).

Wilthon
Visitante
Wilthon
1 mês atrás
Resposta para  Henrique

Aquela entrada extravagante e de último segundo que todo herói faz… kkkk

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Posso estar enganado, mas o poder de avançar ou recurar a linha do tempo somado Gambito do Rei, por si só, já é um poder absurdo só pelas possibilidades e, me parece, que isto esta longe de ser a cereja do bolo.

Última edição 1 mês atrás por Marcos Vinícios de Moraes
ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás

Marcos, até mesmo o King Gambit sozinho pra mim já é muito foda irmão, imagine ele usando essas Godrunes em conjunto… Desde que o King Gambit apareceu se tornou a minha 2° Godrune favorita atrás do Godstep haha. 

Dá pra se fazer e criar muita coisa a partir do King Gambit mano, é só você olhar o capítulo em que a Cecilia cai na Armadilha e é retirada da guerra por tempo indeterminado. — Foi Arthur com o KG que articulou todo o plano após ouvir Oludari dizer como ele conseguiria lidar com Cecilia, após aquela conversa o Arthur se retira com o Wren e fala pra ele “Vou arquitetar uma operação, mas preciso de um pouco de tempo para articular os detalhes mais sútis e vou precisar que você coordene a operação” do qual o Wren atuou de forma muito foda (GOAT) e Cecilia caiu que nem um pato 🦆.. Tudo ali foi vindo da base do KG kkkkk imagina ele colocando essa Godrune em conjunto durante as batalhas já que dá pra ativar ela parcialmente 🤷‍♂️ vai tomar sempre as decisões mais precisas durante os 1×1 e azar pro inimigo rs.

Marcos Vinícios de Moraes
Membro
Marcos Vinícios de Moraes
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

É insano rs

luisgustavo almeida rodriques
Membro
luisgustavo almeida rodriques
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Olha se agente voltar la pelo cap 300 quando o arthur ganha o requiem, quando tudo estava ocorrendo e ele estava adquirindo o insight ele viu varios cenarios, um em que ele desfazia tudo que houve, no caso um em que ele conseguiria “restaurar” o proprio tempo, porem devido a tempo e falta de entendimento se deu a entender que ele so conseguia uma parcela do insight resultando no requiem que temos atualmente, aonde ele apenas conseguia restaurar objetos, tendo isto acho que com essa 4 pedra ele pode muito bem terminar de entender o requiem e evoluir ele

ꓷၜȋၜꓓD
Membro
ꓷၜȋၜꓓ
1 mês atrás

No capitulo em que Sylvie fica desacordada nas Relictombs quando eles vão resgatar a Seris e sua rebelião, deixa claro que quem precisa terminar o Insight daquela Godrune é a Sylvie já que agora este é o Édito dela AEVUM, assim como Regis quem vai liderar quando o assunto for VIVUM… Mas pode ser que “após” Arthur desbloquear o Destino, ele de alguma forma consiga criar alguma maneira dele ser totalmente pró eficiente nos 3 Editais do Éter de forma total.

Gian Carlos
Visitante
Gian Carlos
1 mês atrás
Resposta para  ꓷၜȋၜꓓ

Aparentemente eles está completando o entendimento que falta de cada aspecto para poder realmente entender o aspecto do destino… ao despertar Sylvie eles começam entender o o AEVUM, e aparentemente só funciona com os dois estando despertados na pedra chave… despertando o Régis provavelmente ele vai completar o entendimento dele com o VIVUM e a forma como isso influência no destino e por fim o próprio entendimento dele com o SPATIUM para desvendar todo o mistério do destino…

Então eu acho que provavelmente essa habilidade de manipular o tempo que ele conseguiu seja apenas o começo KKKKK tem muito o que melhorar… e também me faz pensar o que vai vir a seguir da Cecília… presa seja lá onde for, provavelmente também vai receber um grande boost

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar