The Beginning After The End – História Secundária – Capítulo 3

Mas para quê?

JASMINE FLAMESWORTH

Avancei no banco de madeira e inclinei meus ombros e cabeça para trás contra a lateral da tenda, lutando para encontrar uma posição mais confortável enquanto esperava pelo capitão sênior. A lona estava fria, e o tamborilar suave da chuva fria na barraca me deu vontade de fechar os olhos.

No instante em que o fiz, memórias desagradáveis surgiram em minha mente.

Ainda estávamos na estrada quando nos chegaram notícias da queda de Dicathen, por meio de uma força de soldados alacryanos que havia bloqueado a estrada para Etistin. Os Chifres Gêmeos e dois outros grupos de aventureiros assinaram para guardar vagões de armas e mercadorias indo da Muralha para Etistin. Alguns dos suprimentos provavelmente chegaram até lá, embora não estivessem em nossas mãos.

Um grosseiro mago alacryano nos informou que a guerra havia acabado, que os membros do Conselho haviam sido executados e que qualquer pessoa que abaixar suas armas e voltar para suas casas teria permissão para fazê-lo. Foi Helen quem nos convenceu a fazer o que eles disseram.

Eu podia sentir minha carranca se aprofundar enquanto pensava naquele momento.

Durden estava pronto para cair lutando, seu temperamento normalmente calmo tendo fugido com ele após a morte de Reynolds. Angela estava com medo, mas ela teria seguido Helen para qualquer lugar. Helen, porém… nossa líder sempre foi a voz da sabedoria. Ela nos dissuadiu do abismo quando Adam morreu, quando Reynolds morreu na Muralha e ela salvou todas as nossas vidas lá na estrada para Etistin.

Mas por que caralhos ela fez isso? Eu me perguntei pela centésima vez.

Quando o elfo Albold chegou à Muralha na calada da noite, procurando por guerreiros dispostos a lutar contra os alacryanos, os outros ficaram mais do que felizes em ir com ele.

Mas eu não consegui.

Houve uma leve briga quando a aba da tenda foi empurrada para o lado. Uma mulher jovem e severa colocou a cabeça para dentro e disse: “O capitão sênior vai vê-la agora.”

Eu me levantei e ajustei minha armadura antes de sair para a chuva.

A guarda me conduziu até a grande tenda onde o capitão sênior se reuniu com os outros comandantes da Muralha. Um anão magro e careca estava saindo. Ele me lançou um sorriso triste por baixo de sua barba rala enquanto saia. Jerimiah Poor, a alma caridosa da Muralha. Ele sorria com frequência, mas sempre com uma expressão de cansaço. Imaginei que ser responsável por dar esmolas aos necessitados era um trabalho bastante ingrato, quando todos ao seu redor precisavam de algo e você não tinha quase nada para dar.

A chuva, embora suave, estava extremamente fria e rapidamente me distraiu do anão. Pelo menos eles me deixaram esperar em uma barraca, mesmo que o banco dessa barraca fosse mais duro do que a cabeça do Durden. Um sorriso fino e sem humor surgiu em meus lábios com o pensamento. Eu teria que dizer isso a ele, se eu visse o grande conjurador novamente.

O guarda me olhou com ceticismo enquanto segurava a aba da tenda de lado. “Jasmine Flamesworth está aqui para ver capitão sênior, senhor”, disse ela. Eu levantei minhas sobrancelhas para ela e sorri ironicamente, mais como um sorriso irónico, na verdade. Seu olhar focou logo acima do meu ombro enquanto ela esperava que eu entrasse, mas ela deixou a aba cair atrás de mim depois que eu adentrei, cortando a luz cinza enevoada e forçando meus olhos a se ajustarem.

A grande mesa redonda ainda dominava o espaço. Na verdade, a tenda parecia quase idêntica a quando meu pai a ocupou, embora o mapa sobre a mesa tivesse sumido, assim como as pilhas de papel organizadas. O capitão sênior Albanth estava sentado atrás da velha escrivaninha ornamentada de meu pai. Era algo que incomodava e era difícil de manejar em uma barraca, mas esse era Trodius Flamesworth…

O capitão sênior estava olhando carrancudo para um pergaminho. Ele gemeu e balançou a cabeça enquanto rolava o pergaminho, seus olhos se voltando para mim enquanto o fazia.

Eu fiquei parada, esperando ser chamada, ou talvez convidada a sentar. Eu sabia que Albanth não era tão escravo ao decoro militar quanto meu pai era, mas também sabia que não seria bom presumir que ele aceitaria um desrespeito proposital.

O capitão sênior grunhiu para seu pergaminho. “Estamos enfrentando escassez de tudo, exceto bocas para alimentar.” O soldado de peito largo se levantou e deu a volta na mesa, ficando de pé na minha frente. Ele se recostou na mesa e respirou fundo, quase como um suspiro. “O que significa que tenho muito trabalho no momento e pouco tempo para uma conversa amigável. O que você precisa, Flamesworth?”

“Trabalho.”

Ele franziu a testa para mim e cruzou os braços.

“Trabalho, capitão sênior.” Eu repeti, tomando cuidado para manter meu tom respeitoso.

O capitão Albanth me lançou um olhar avaliativo antes de balançar a cabeça. “Existe muitos tipos de trabalho, Jasmine, mas nem todos são remunerados. Se você apenas precisa se manter ocupada, talvez eu possa encontrar algo—”

“Eu preciso comer.” Eu disse, mais duramente do que pretendia. Cerrei minha mandíbula para não dizer mais nada enquanto esperava pela repreensão de Albanth.

O capitão sênior franziu a testa, mas não respondeu imediatamente. Quando ele falou novamente, sua voz profunda ficou suave. “Eu ouvi dizer uma vez que você foi mentora do jovem General Leywin. Isso é verdade, Flamesworth?”

Eu concordei acenando e olhei para Albanth, mas não disse nada, sem saber o que ele queria dizer.

Seus lábios se curvaram em um sorriso irônico por baixo da barba. “É extremamente difícil imaginar isso.”

Eu senti meu corpo se afundar. “Por que pensa isso?”

“Não estou dizendo que é mentira, você possui total capacidade de ter a mentora dele.” Albanth respondeu, relaxando contra sua mesa e olhando para mim com um olhar avaliador. “É que não consigo imaginar o General Leywin como uma criança. Algo sobre alguém tanto poder faz você pensar que ele deve ter surgido da terra como um homem adulto.”

Então percebi o porquê do capitão sênior havia citado o Arthur.

Seu desaparecimento e provável morte foi um golpe maior do que a perda de qualquer batalha, até mesmo a destruição do castelo voador do Conselho. Ele era o único dicatheano individualmente poderoso o suficiente para fazer a diferença na guerra, ainda mais do que as outras Lanças. Era natural que as pessoas que entenderam isso quisessem falar sobre sua perda, lamentar por ele da maneira que pudessem

Quando não pulei direto para a história da minha aventura com Arthur, Albanth continuou. “Eu nunca lutei ao lado de ninguém com uma mente como a dele. Eu juro, ele tinha a destreza tática de um general com cinco vezes mais que sua própria idade. Eu ouvi dizer que…” Albanth parou de falar e pigarreou, como se estivesse prestes a compartilhar um boato desagradável. “Ouvi dizer que ele despertou com apenas três anos?”

De repente, lembrei-me de Arthur me fornecendo uma explicação detalhada de sua técnica de luta com espada quando ele tinha apenas três anos, logo depois de ter envergonhado Adam em um luta de treinamento.

Meu olhar caiu para os pés de Albanth e eu ajustei minha armadura desconfortavelmente. “Ele era uma criança estranha.”

Albanth estava me observando com expectativa, mas não elaborei. O que ele quer que eu diga a ele?

O silêncio durou vários segundos cada vez mais estranhos antes de eu dizer: “De qualquer forma, ele era o que você esperava. Existe algum motivo pelo qual você queria saber sobre ele?”

Albanth pareceu pego de surpresa pela precisão da minha pergunta. Ele limpou a garganta e puxou o pergaminho ondulado de sua mesa. “Só por curiosidade, apenas isso. É uma pena saber que ele foi.” Seus olhos desviaram do pergaminho para mim suscetivelmente. “De qualquer forma, você diz que quer ajudar? Existe uma maneira. A Muralha precisa de comida. Sem esperança de suprimentos contínuos de Xyrus, Blackbend ou qualquer uma das pequenas aldeias agrícolas próximas, nossa única fonte real de comida são as Clareiras das Feras.”

“E você quer que eu vá caçar.”

Albanth me deu algo entre um aceno de cabeça e um encolher de ombros. “É mais perigoso lá fora do que costumava ser, com as bestas de mana que sobreviveram ao ataque da horda e outras que vieram se alimentar dos mortos. Isso torna a caça difícil e perigosa. Mas se você puder trazer algumas bestas de mana comestíveis, vou encontrar um lugar seco para você descansar sua cabeça à noite. Fechado?”

Eu me virei e levantei a aba da tenda antes de responder. “É melhor que seja um lugar onde eu possa tomar um banho quente.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar