The Great Mage Returns After 4000 Years – Volume 2 – Capítulo 55

Capítulo 55

No continente africano, que havia se tornado uma zona sem lei, o único lugar onde se mantinha algum tipo de segurança era a África Ocidental.

Isso não era porque os caçadores estavam defendendo com sucesso ou que eles haviam conseguido suprimir os Demônios.

Era simplesmente porque os Demônios não estavam interessados naquela área.

O lugar para onde Lukas e Joanna se dirigiam era o país que anteriormente era a República do Congo.

A filial do Congo da Associação dos Caçadores deixou uma impressão muito suja. O prédio, que mal poderia ser chamado de esconderijo, estava à beira de um colapso, e estava tão sujo que dava para perceber que não estava sendo bem administrado.

A área ao redor que podia ser vista das janelas empoeiradas era ainda pior. Parecia que era uma cidade onde viviam zumbis.

Apenas depressão e resignação podiam ser vistas nos rostos das pessoas que andavam pelas ruas.

Talvez fosse porque eles tinham acabado de chegar da América do Norte, mas a atmosfera era tão sombria que eles podiam sentir na pele. Parecia que eles tinham ido para uma dimensão totalmente diferente.

— …

Joanna olhava pela janela com uma expressão vazia no rosto. Parecia como se sua alma tivesse deixado seu corpo.

Enquanto Lukas se perguntava sobre a reação dela, alguém se aproximou deles.

— Vocês são os caçadores da América?

Era um homem negro com uma tatuagem vermelha no rosto e, pelo físico, era fácil adivinhar que ele era um artista marcial ou um espadachim.

Joanna, que voltou a si, soltou uma tosse suave.

— Sou Joanna Goldberg, uma caçadora da América.

— E quem é o homem ao seu lado?

— Frey Blake.

— Hmmm?

A julgar por sua atitude, ficou claro que ele nunca tinha ouvido falar de Lukas antes.

O homem voltou a olhar para Joanna e, depois de observar o rosto dela por um momento, assentiu.

— Bem-vindo à filial do Congo. Sou Destin, o presidente da filial. Já ouvi os detalhes. Embora possa não ser muito, eu lhe darei todo o meu apoio.

— Obrigado.

Parecendo ter escapado de seu espanto anterior, Joanna respondeu com sua expressão distinta e orgulhosa.

— Não vamos conversar em pé. Me sigam.

Depois de dizer isso, Destin se virou e começou a andar a passos largos. Por suas ações, ficou claro que sua personalidade era tão brusca quanto sua aparência.

Enquanto o seguia, Joanna olhou ao redor.

“Eu não esperava que fosse tão ruim.”

Esta não era a primeira vez que ela recebia uma missão em outra região. No entanto, ela só esteve em cidades relativamente seguras e limpas. Ela nunca esteve na Europa ou na África, onde os Demônios eram mais ativos.

Então esta era a primeira vez que ela via uma cidade que estava na linha de frente.

E embora ela tivesse ouvido os rumores e lido os relatórios, era diferente de ver com seus próprios olhos.

Enquanto seguiam atrás de Destin, encontraram vários caçadores congoleses.

Quando passaram por Destin, todos acenaram com a cabeça algumas vezes. Mas Lukas e Joanna, os forasteiros, eles não pareciam estar nem um pouco interessados.

Durante sua curta caminhada, eles encontraram dois tipos de caçadores. Aqueles que tinham auras afiadas como lâminas desembainhadas que podiam cortar a qualquer momento, e aqueles que pareciam incrivelmente deprimidos e sem esperança ou estavam lutando com emoções conflitantes.

Quando eles finalmente chegaram ao escritório do presidente, ela ficou surpresa mais uma vez.

Era mais sujo do que qualquer banheiro da filial norte-americana e menor do que qualquer cômodo da casa de Joanna.

— Sentem-se onde quiserem. Sinto muito, mas não tenho nenhum refresco para lhes dar.

— N-não tem problema.

— Ainda bem.

Destin se sentou em um sofá que tinha pedaços de algodão saindo. A luz fraca no quarto destacou seu rosto cansado.

— Ouvi dizer que vocês estão planejando ir para o Egito.

O lugar onde Kran estava hospedado era perto do Egito. E parecia que ele ficaria lá por um tempo.

Isso porque ele teve que se recuperar do dano que sofreu durante sua luta contra o Duque Demônio.

Ou seja, após esse período, ele partiria para outra região sem hesitação. A partir dos padrões que ele exibiu até agora, ele procuraria novas presas.

Então eles não tinham tempo a perder.

— Recebi uma explicação breve da situação. E acho que vai ser uma luta contra o tempo. Já pensou em um meio de transporte?

— Não.

O Egito ficava a cerca de três mil quilômetros da República do Congo, sua localização atual.

Ir a pé seria absurdo.

“Eu poderia reduzir muito o tempo gasto se eu usasse magia, mas…”

Isso inevitavelmente atrairia a atenção.

Havia inúmeros demônios e bestas demoníacas na África, e Lukas não podia matá-los por causa de seu acordo com Sedi.

Se ele usasse magia de alto nível e atraísse poderosos Nobres Demônios, as coisas ficariam irritantes.

Foi por isso que ele planejou ir ao Egito sem a ajuda da magia.

Às vezes, usar métodos mundanos era a melhor solução. Claro, ainda levaria algum tempo. Afinal, não havia muito transporte público na África atualmente.

Destin tirou um cigarro do bolso e acendeu antes de dizer.

— Se vocês fossem a pé, provavelmente levaria um ano. Pessoalmente, eu recomendaria usar um caminhão do exército, já que é bom para atravessar estradas não pavimentadas, bem como terrenos planos. E tem espaço suficiente para armazenar gás e alimentos. Vocês teriam até espaço suficiente para dormir.

— Parece uma boa ideia.

— C-Caminhão do exército…

Quando Lukas assentiu como se isso fosse razoável, a expressão de Joanna ficou um pouco sombria. Para ela, que só estava acostumada a usar limusines ou outros carros de luxo, a ideia de viajar em um caminhão do exército era um mundo desconhecido.

— É claro que isso não vai resolver todos os seus problemas.

Destin soltou um bocado de fumaça.

— Você raramente encontraria Nobres Demônios de alto escalão, a menos que entrasse no norte da África, mas ainda existem inúmeras Bestas Demônios. Bem, seu poder de combate não é uma grande ameaça. Não seria um grande problema, a menos que eles viessem em um enxame. O problema são os outros caras.

— A Sol Cinzento.

Lukas disse o nome que ouvira de Joanna.

Destin assentiu.

— Exatamente. Esta área ainda está bem, mas assim que sair, você estará entrando no território deles.

E eles não ficariam apenas olhando um caminhão do exército passar por seu território.

O olhar de Destin se voltou para Joanna.

— Além disso, com o quão bonita você é, eles podem pular com olhos brilhantes quando virem você.

— Hmm…

Joanna estreitou os olhos.

Ela normalmente gostava de ser elogiada por sua boa aparência. Mas se o outro lado era a Sol Cinzento, então a história era diferente.

Era óbvio que se ela fosse capturada, experimentaria algo indescritível.

— Posso ajudá-los a encontrar a rota mais segura, mas seria impossível evitá-los completamente até o Egito. Então vocês devem pensar em uma contingência de antemão.

— …

— O caminhão do exército estará pronto pela manhã. Também forneceremos o máximo de comida, água e gás que pudermos. Bem como sacos de dormir, utensílios de cozinha e necessidades diárias. Se vocês precisarem de mais alguma coisa, por favor, sintam-se à vontade para me dizer.


O território da República do Congo já foi coberto de solo vermelho, mas agora o solo ficou quase todo preto, ou em outras palavras, a terra havia morrido.

Mesmo que fosse meia-noite, o tempo permanecia sombrio. Nuvens escuras enchiam o céu e um cheiro desagradável pairava no ar.

— Você não vai dormir um pouco?

Ele ouviu uma voz atrás dele.

Sem olhar para trás, ele sabia que era Joanna.

Ela franziu os lábios levemente quando Lukas não respondeu, mas continuou assim mesmo.

— O que você está fazendo aqui? Não acho que ser atingido por ventos empoeirados seja um hobby seu.

— Eu só estou de pé.

— Hmm. Você nem comeu, não é?

— É.

— Bem… Isso foi inteligente. O arroz daqui é horrível.

Parecia que ela tinha comido. E a julgar por sua expressão e tom, era pior do que não comer nada.

Joanna olhou para ele e pareceu se encolher um pouco.

Lukas sabia que ela não tinha uma opinião muito boa dele. Então ela deve ter uma razão para vir até ele e falar sobre coisas tão triviais.

E assim como ele esperava, Joanna finalmente abordou o assunto principal com uma voz cautelosa. No entanto, suas palavras pegaram Lukas de surpresa.

— Ei. A presidente Nina está bem?

Lukas virou-se para olhar para Joanna. Ela estava olhando para longe com um brilho fraco em seus olhos.

— Você conhece ela?

— Um pouco.

— Ela não está morta…

— Você não pode me dar mais detalhes?

Joanna falou em um tom exasperado. No entanto, quando Lukas não respondeu, ela soltou um suspiro.

— Não estou perguntando com más intenções. Eu só estava perguntando, porque estava preocupada.

— Por que você está preocupada com ela?

— Não posso estar preocupada com uma colega caçadora?

— …

— Caramba… É sério.

Joanna endireitou-se antes de se virar para olhá-lo.

— É porque eu adoro a presidente Nina…. Ela é minha heroína.

— Você conhece ela?

— Na verdade eu não a conheço. Bem, nos encontramos algumas vezes, mas duvido que ela se lembre de mim. É só que eu tenho muito respeito por ela.

— …

— Ela é uma das caçadoras mais famosas. Ela é incrível. Nina Rednikova, líder da Divisão de Sangue de Ferro. Existem até fã-clubes e aqueles que vão para a linha de frente apenas para serem seu escudo.

“Sou membra do maior fã-clube.”

Joanna acrescentou em sua cabeça.

Fã-clubes.

Lukas fez uma expressão como se não tivesse certeza se deveria rir daquele comentário, mas quando olhou para Joanna, percebeu que ela estava falando sério.

Ela estava dizendo a verdade.

— O estado dela é grave.

— Ah…

— Mas acredito que ela pode superar isso. Isso é o que todos que a conhecem, inclusive eu, pensam.

Nina provavelmente estava na pior situação em que ela já esteve em sua vida. Não eram apenas seus ferimentos físicos.

Não era exagero dizer que sua força de vontade havia se despedaçado. E a grande maioria dos humanos se tornavam inúteis ou até mesmo acabavam com suas próprias vidas quando suas forças de vontade eram quebradas.

Mas Nina não faria isso.

Ela tiraria vantagem da dor e se tornaria ainda mais forte do que antes. Lukas acreditava nela.

“No entanto, vai ser difícil por conta própria.”

Lukas estava pensando seriamente na reabilitação de Nina e estava disposto a fazer o que fosse preciso para ajudá-la a melhorar.

No momento, encontrar a pista do Top Três era sua principal prioridade, mas pretendia voltar assim que terminasse.

Joanna assentiu uma vez antes de se virar para olhar à distância novamente.

— Você já esteve na África antes?

— Sim.

— Os outros lugares também estão assim?

Isso era tudo o que ela queria?

Lukas franziu a testa ligeiramente.

A atitude de Joanna estava diferente de quando se conheceram. Talvez ela se sentisse mais familiarizada com ele já que chegaram a um lugar tão perigoso juntos.

Lukas olhou em volta. Ele podia entender o que ela queria dizer só de olhar para os arredores.

Desespero, escuridão, pobreza, fome.

Esta cidade parecia incorporar todas as facetas do lado sombrio da humanidade.

— Não.

— Então…

— Estão piores do que aqui.

— Ah…

Não apenas na África, mas também na Europa. Especialmente na França, onde o Rei Demônio residia. O ambiente tornou-se tão tóxico que nenhuma outra criatura poderia resistir.

E o norte da África, onde Kran estava, estava cheio de demônios do alto escalão.

Ao contrário daqui, onde a associação e os caçadores estavam ativos, não era estranho que os sobreviventes morressem repentinamente no dia seguinte.

Talvez Joanna nunca tivesse estado em uma missão na linha de frente.

— Eles poderiam ir para a América.

Lukas virou-se para olhar para ela com essas palavras.

— A América não rejeita aqueles que vêm até nós. Não entendo por que as pessoas continuam a viver em lugares tão perigosos.

— Você não sabe de nada.

Lukas não respondeu.

Em vez disso, era Destin, que estava atrás dela.

— O que você disse?

— Eles não são tolos. Se eles pudessem se mudar para a América, já teriam feito.

— Eles podem.

— A América só aceita caçadores.

— Hã?

— A América do Norte não aceita cidadãos sem poderes ou habilidades.

As pupilas de Joanna tremeram violentamente com essas palavras.

— I-Isso não é verdade. Aceitamos pelo menos milhares de civis todos os anos…

— Isso é limitado às famílias dos caçadores e amigos próximos.

Destin zombou enquanto continuava.

— As pessoas que você vê são aquelas que não têm nenhuma conexão. Então não podemos nem sair desse lugar amaldiçoado e pisar em solo americano.

Se eles saíssem, todos os civis neste lugar morreriam. Ou nas mãos dos Demônios, ou de sua própria espécie.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar