Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

The Villain Wants to Live – Capítulo 25

Vestígio (5)

… Duas horas atrás.

Sylvia saiu às 19h, levando o carro com ela. Ela carregava uma pilha de notas, flores e uma caneta, mas não se sentia muito bem. Sentando-se calmamente no banco de trás, ela murmurou para si mesma.

“Por que ele deu esse monte de tarefas com tanta indiferença? Mesmo que houvesse uma condição de que eles só tivessem que fazer duas das três atividades e ele não exigisse um trabalho de alta qualidade como costumava fazer, eles não podiam apenas cumprir o mínimo necessário, pois seria equivalente a apenas cinco créditos…”

“Chegamos.”

Ela havia alcançado seu destino enquanto se preocupava com as atribuições. O ar noturno que a saudou estava frio. O sol estava se pondo no horizonte a oeste, espalhando uma luz laranja por todo o céu. Combinava com seu destino.

Sylvia caminhava com as flores nas mãos, seus sapatos elegantes tilintando silenciosamente na estrada bem polida. Esperando por ela em seu destino estava uma lápide adornada com buquês.

[Sierra de Ellemin Iliade]

[Bruxa orgulhosa, esposa de Glitheon e mãe de Sylvia, uma filha adorável.]

O lugar onde sua mãe dormia eternamente. Sua mãe queria ser enterrada em sua cidade natal, e Sylvia seguiu seus passos até a instituição.

“Estou aqui.” Sylvia se ajoelhou enquanto colocava as flores cuidadosamente sobre a lápide. “Hoje no solo sagrado, meu irmão mais novo fez seu teste de aptidão.”

Fazia cinco anos desde que seu pai se casou novamente. Seu irmão mais novo, que apareceu de repente em sua vida, acabou de fazer quatro anos.

“Meu irmão não tem talento para magia. Ele também parece uma batata, uma batata assada. Não acredito que ele esteja totalmente desenvolvido ainda. Não, talvez ele tenha nascido sem algo?”

As reclamações de hoje continuaram suavemente.

“O professor Deculein é nada menos que um vilão. Ele parece pensar que a única responsabilidade que tenho são suas palestras.”

Ela não conseguia mais se lembrar da voz de sua mãe. Até sua tristeza pelo destino de sua mãe parecia um pouco vaga. Mesmo assim, uma vez por mês, chegava um dia especial em que Sylvia, a garota que normalmente não falava, contava à mãe histórias sobre sua vida. A desculpa de hoje era o bombardeio de atribuições de Deculein, mas o que quer que fosse, ela se sentiu muito mais leve após sair daqui.

“… Vou indo, então. Tome cuidado.”

Sylvia voltou a ficar de pé, com os joelhos doendo, e se virou sem hesitar para deixar o cemitério, apenas para tropeçar em uma visão inesperada. Sob a luz fraca da lua estava uma pessoa que ela nunca esperava encontrar em tal lugar.

Deculein. O próprio ser que a enchia de estresse hoje não estava muito longe dela, olhando para uma lápide em profundo silêncio. Mais uma presença chamou sua atenção. Parado perto dele estava um cavaleiro com uma bela armadura e cabelo tão branco que parecia banir a própria escuridão ao seu redor.

Ela pensou que eles estavam juntos, mas logo percebeu que não era o caso. O cavaleiro observou as costas de Deculein à distância, posicionando-se em um ângulo onde ele não pudesse vê-lo.

“…”

Deculein também estava muito focado no túmulo diante dele para notá-la. Por um tempo, parecia que ele estava imóvel lendo o nome nele, perdido nas velhas memórias que ele evocava. Não muito depois, ele caiu sobre um joelho e passou a mão nua suavemente pela lápide. Seus olhos, ainda olhando para ela, logo ficaram em branco, suas pupilas vazias refletindo a luz da lua. As lágrimas rolaram suavemente por suas bochechas.

“…!”

Sylvia, experimentando a maior surpresa do ano, sem saber engasgou e deu um passo para trás, fazendo-a pisar nas folhas secas. Deculein estremeceu e imediatamente se levantou, olhando para ela com os olhos avermelhados.

“… Você.”

“Eu não queria me intrometer.”

Sylvia falou com a franqueza de sempre. Inconscientemente, ela olhou para onde o cavaleiro de cabelos brancos estava parado, mas ele não estava mais lá, quase como se ele tivesse desaparecido no ar. Ele seguiu seu olhar.

“Quem mais esteve aqui?”

Ela balançou a cabeça, mantendo os lábios bem fechados.

“Ninguém.”

Ele então fechou os olhos e exalou profundamente.

“Haaa…”

Sylvia estava preocupada em ser repreendida, mas Deculein ficou bastante grato. Graças a ela, ele conseguiu escapar da corrente de suas emoções, cujas ondas eram muito mais fortes do que qualquer tempestade. Sem qualquer aviso, o engoliu em segundos. Se ele tivesse sido pego mais fundo, ele estaria definitivamente perdido, à deriva.

“Eu vejo. Você pode voltar agora.”

Ele caminhou na direção oposta da entrada. Sylvia hesitou, mas decidiu caminhar com ele, embora não soubesse para onde ele estava indo.

“Não fique bravo.” Ela disse ansiosamente, mas não houve resposta. Ele simplesmente continuou andando, indo cada vez mais fundo no cemitério. Sylvia ficou cada vez mais inquieta. “Não contarei a ninguém o que vi hoje.”

Ele ainda estava em silêncio. Ela pensou em fugir agora, mas ela não saberia o que fazer se ele a punisse com ação disciplinar por causa disso. Ela nem tinha certeza se poderia ser punida com base em questões pessoais. No entanto, ela logo percebeu que não importava.

Ele poderia dar a ela uma punição tardia pelo último incidente.

“Sylvia.”

Deculein parou.

“Sim?”

Ele olhou ao redor para a terra e o céu ao redor.

“… Onde estamos?”

Sylvia piscou com curiosidade. Percebendo que ele estava um pouco fora de si, ela o apontou na direção certa, mantendo silêncio sobre suas lágrimas.

“A saída fica do outro lado.”

“… Eu vejo. Guie-me.”

Eles se viraram, mas antes que pudessem dar um passo adiante, notaram um duvidoso indivíduo encapuzado parado nos cantos profundos dos cemitérios, bloqueando a estrada da floresta confinada que levava à saída. Aparentemente aparecendo do nada, ele emitiu uma óbvia intenção de matar.

Com olhos cansados, Deculein olhou para ele.

“Quem é Você?”

O indivíduo não respondeu, mas Deculein não se importou. Usando sua psicocinese, ele abaixou o capuz. Quando sua pele nua foi exposta, seu nervosismo cresceu. Ele tinha cabelo comprido e cicatrizes ao redor dos olhos, que pareciam semelhantes às de uma ave de rapina, apenas exageradas por seu queixo fino. Embora fosse a primeira vez que Sylvia o via, ela conhecia seu rosto.

Rock Hark, o mago assassino.

“Sylvia.”

“Sim?”

“Corre. Se você for pela parte de trás, você conseguirá sair, certo?”

Deculein viu [O Destino do Vilão] emergindo de seu corpo terrível, manchando-o com uma névoa vermelha. Ele deu um passo à frente, posicionando Sylvia atrás dele.

“Tem certeza?”

Sylvia perguntou cautelosamente.

“Sim. Você não pode lidar com ele. ”

Ele sabia muito bem que bruxos normais não eram páreo para Rock Hark. Sua [Invalidação mágica] era algo que qualquer jogador chamaria de fraudulento. Ele nem mesmo teve que tocar seu alvo para funcionar; enquanto estivessem dentro de seu raio de ação, não conseguiriam usar magia. Mesmo a magia disparada além de seu alcance seria extinta no momento em que entrasse em sua habilidade.

No entanto, para ganhar uma característica tão avassaladora, ele teve que sacrificar seu mana.

“Vá, Sylvia.” Sylvia não respondeu, fazendo com que a mandíbula de Deculein apertasse ainda mais. “Você só vai ficar no meu caminho se ficar aqui. Não faça nada estúpido…?“

Quando ele se virou, ele perdeu a linha de pensamento, aparentemente surpreso. Sylvia havia desaparecido. Não, ela já estava tão longe.

Tatatatatatatatata-

Tatatatatatata-

Foi uma corrida muito dinâmica.

“…”

Bem, era melhor que ela vadiando e atrapalhando seu caminho. Deculein sorriu sem jeito antes de se virar para Rock Hark, que não parecia ter nenhuma intenção de deixar Sylvia ir. Ele precisava de uma solução rápida para este problema. Ele estava segurando uma adaga em uma das mãos, que parecia mais do que apenas uma arma incomum. Ele emitiu uma aura misteriosa e assustadora.

Deculein ficou em silêncio enquanto colocava as luvas. Ele então ajeitou o colarinho e endireitou o terno.

“… Você não conseguirá usar magia na minha frente.”

Rock Hark falou calmamente antes de lançar um ataque rapidamente, apontando sua adaga para ele. Deculein não fez nada além de ficar parado no mesmo lugar. Era como se ele esperasse que ele caísse em seus braços sem qualquer defesa ou contra-medidas.

Olhando para o nobre arrogante, o pensamento de que os bruxos eram sempre um bando de feras arrogantes e orgulhosas passou pela mente de Rock Hark. Eles frequentemente confiavam em sua magia e erroneamente pensavam serem superiores a ele, apenas para serem despertos para a realidade de que não eram mais que seres sem valor ao perceber que magia não existia em seu reino. Sua confiança e orgulho distintos seriam perdidos naquele momento, e eles começariam a chorar e implorar por suas vidas.

O professor antes dele não seria diferente. Não, ele era o pináculo dos magos. Com o sol se pondo e a lua nascendo, o cenário parecia preparado para sua morte.

Rock Hark se aproximou de Deculein e brandiu sua adaga sem hesitação.

“Kh Kukh.”

No entanto, ele foi empurrado por um impacto desconhecido que bateu em seu abdômen. Rock Hark caiu no chão, mas levantou-se rapidamente, olhando para Deculein. Ele ainda estava parado no mesmo lugar, nem mesmo se moveu um centímetro.

“Cough-“

Ele enxugou o sangue que tossiu, percebendo a possibilidade de que seu oponente tivesse uma arma escondida em sua pessoa.

“Hmmph!”

Rock Hark correu e esticou o braço, fingindo esfaquear com a adaga, depois recuou, lançando uma finta para descobrir que tipo de arma ele tinha. No entanto, em vez de uma arma cortante ou um objeto contundente, a longa perna de Deculein atingiu seu nariz.

“Kh!”

Rock Hark recuou, segurando o rosto.

“Rock Hark.”

Os olhos de Deculein permaneceram compostos enquanto o encarava, mas seu olhar parecia gelado.

“Quanto meus punhos e pés doem?”

Deculein perguntou por curiosidade genuína. A qualidade de Mana não se limitava à magia. Pode ser um exagero, mas não era diferente de ser a Qualidade do Humano. A Qualidade de Mana aplicada a tudo relacionado a mana, ou seja, [Características]. Assim, [Homem de Ferro], que permitia que alguém usasse seu corpo com mais eficiência enquanto tornava seus ataques mais destrutivos, teria subido de nível em um.

Era por isso que ele estava curioso.

“Não me faça pedir duas vezes.”

Rock Hark o fulminou com o olhar enquanto bloqueava o sangue que fluía de suas narinas.

“Quanto eles machucam?”

Ele olhou para ele à distância. Ele era alto e arrogante, fazendo parecer que Rock Hark, que estava à beira das lágrimas, estava muito abaixo dele.

“Me responda.”

Rock Hark se virou e correu, mas antes que pudesse ir longe, um chute o atingiu na nuca, fazendo-o cair no chão.

Dooong—!

Ao sentir um choque tremendo, sua visão desabou. Um de seus olhos parecia estar olhando diretamente para o céu em espiral e cheio de estrelas. Cristais azuis brilharam além da escuridão como se anunciasse a presença do diabo.

Olhos de Yukline.

“Me responda.”

Rock Hark esticou as pernas, fazendo com que as pontas das adagas surgissem da sola dos sapatos. Ele então balançou uma na direção do pescoço de Deculein, que facilmente evitou simplesmente dando um passo para trás. Seus movimentos eram graciosos, quase como se ele estivesse olhando o próprio luar dançar.

Rock Hark levantou-se cambaleando.

“… Admito que você é forte. Você difere dos bruxos que enfrentei. No entanto, existem certas maneiras de matá-lo.”

Nenhuma magia poderia se materializar no território de Rock Hark, embora o princípio de sua habilidade não pudesse ser explicado magicamente. Em certo sentido, era mais o princípio do ódio. No entanto, isso só era verdade se sua vítima estivesse dentro do alcance.

Deculein só precisava estar um passo à frente dele. Suas defesas estavam cheias de buracos, mas ele sabia que não deveria ser enganado por isso. Ele já sabia por experiência própria que era uma armadilha, mas ele poderia facilmente nivelar o campo de jogo usando uma armadilha própria.

Rock Hark correu mais uma vez. Deculein rapidamente rompeu a distância que ele criou e apontou o punho para ele, mas rapidamente se abaixou. Rock Hark pensou estar desta vez com ele. Seu punho estava aberto, totalmente capturado em sua visão. O mais rápido que pôde, ele lançou outro chute e, embora tenha sido apenas um ataque, foi o suficiente para cortar seu oponente.

Golpear-

Ele ouviu sua adaga cravando-se em sua pele, fazendo com que Rock Hark olhasse para ele com um sorriso. No entanto, sua expressão logo ficou turva mais uma vez.

“Você usa uma técnica bastante interessante.”

Deculein, com uma adaga enfiada na cintura, olhava para Rock Hark com a compostura intacta.

“Neste ritmo…”

Em vez disso, seu rosto parecia que ele estava calculando algo. Rock Hark torceu a adaga para o lado e uma leve sugestão de tremor apareceu nas sobrancelhas de Deculein, mas logo se acalmou.

“É bastante suportável.”

Seu cotovelo colidiu com a testa de Rock Hark.

Bang—!

Seu outro punho subiu um momento depois para colidir com seu queixo.

Bam—!

Rompia-se como se partisse uma melancia com as mãos nuas. Rock Hark caiu esparramado no chão, incapaz de ficar de pé.

“Rock Hark.”

Deculein se aproximou lentamente do homem.

“Perguntarei uma última vez. Quantos-“

“… Seu bastardo maluco, parecia que uma escavadeira foi atingida! Você está satisfeito agora?!”

Deculein assentiu enquanto olhava para Rock Hark.

“Mais uma coisa. Por que você está mirando em assistentes?”

Ele estava curioso. Esse cara não tinha nada a ver com a história principal, mas ele queria saber de qualquer maneira.

“Por os bruxos serem parentes amaldiçoados! Eles são apóstatas que traíram a Deus!”

Ele gritou sangrento.

“A Ilha da Riqueza dos Bruxos, Bercht, a Torre, eles não são nada além de bastardos podres. Cachorros que não conseguem fazer nada sem magia, lunáticos que gostam de abate.”

“…”

“Mas você… você é…!”

Rock Hark tentou mover o corpo, mas não conseguia sentir nada do pescoço para baixo.

“Quem você pensa que é…”

Deculein pensou em matá-lo, mas não tinha sede do sangue de alguém que acabava de admitir a derrota. [O destino do vilão] foi facilmente superado. Acima de tudo, ele aprendeu uma coisa com suas palavras.

“Eu sei. Você é o inimigo da Caixa Vermelha.”

Naquele momento, os olhos injetados de sangue de Rock Hark se arregalaram quando ele olhou para Deculein.

“Como você sabia? Yukline ainda se lembra da Caixa Vermelha? ”

“No mínimo, eu lembro.”

Durante o nascimento, aqueles parentes de sangue podem nascer com magia semelhante à de seus parentes, tendo seus corpos colocados na Caixa Vermelha, um demônio que concedeu e fortaleceu a magia da família da pessoa para a próxima geração. No entanto, a magia foi inventada para aniquilar demônios, então os magos e a Caixa Vermelha estavam fadados ao conflito.

Sua guerra feroz foi um dos principais pilares da história do jogo.

“Entendo como você se sente. Simpatizo com os anos e anos de opressão que você sofreu.”

“…”

A Caixa Vermelha vivia em algum lugar do continente, mas seu destino estava em jogo. As pessoas temiam que isso transmitisse sua magia em nome da condenação. Se o imperador tomasse uma posição diferente em um futuro não muito distante, um massacre completo poderia ocorrer porque a Caixa Vermelha nada mais era do que um demônio.

Não, mesmo agora, a ‘limpeza’ estava em andamento sem ninguém saber.

“… Mata-me.”

Rock Hark parecia estranhamente resignado.

“Eu não vou te matar. Se eu matar você, só perderei o prestígio.”

Naquele momento, ruídos vieram de longe. Os reforços estavam se aproximando. Sylvia deve ter tido sucesso em encontrar ajuda.

“Pare de falar e apenas me mate! Agora!”

Deculein balançou a cabeça.

“Sei que a Caixa Vermelha não tem pecado.”

“… O quê? O que um mago como você—!”

Rock Hark ficou furioso, fazendo-o gritar como se estivesse tendo um ataque. Os passos à distância estavam rapidamente se aproximando deles.

“Sou Deculein de Yukline.”

Conforme Deculein disse isso, ele agarrou as mangas enrugadas e apertou a gravata frouxa. Ele ajeitou o colarinho e alisou a camisa e a jaqueta.

“Nossa magia se origina da Dinastia Goryeo e do sangue do caçador que lutou contra o diabo.”

Rock Hark permaneceu imóvel enquanto o olhava.

“Rock Hark.”

O vento frio varreu seu cabelo para o lado.

“Perdi minha dignidade diante de você?”

O Mago Assassino meramente se deleitou com sua elegância.

“Ou minhas provocações abalaram você?”

Sua presença dominante não vacilou, nem mesmo uma vez.

“De qualquer maneira, você pode acreditar no que eu disse. Você é humano, não um demônio.”

Apenas uma frase veio à mente de Rock Hark naquele momento: nobre. Ele exibiu uma classe real, ao contrário das falsas que dominaram o mundo.

“…”

A raiva que queimava nos olhos de Rock Hark morreu, e uma tristeza desconhecida rapidamente preencheu o vazio que deixou para trás. Os sentimentos líricos incomodaram Deculein, que bateu com os pés na testa.

“Kgggh!”

O surrado Rock Hark desmaiou imediatamente antes que a força policial invadisse o local.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
AkaruiD
Membro
Akarui
3 meses atrás

O maluco é brabo

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar