Apocalypse Hunter – Capítulo 103

Nova Hong Kong (1)

— Finalmente saí do deserto? — Alguém parecido com uma viajante murmurou quando se virou para olhar o grande deserto atrás dela. Ela estava vestindo trapos e seu cabelo loiro era visível pelo turbante em sua cabeça para se proteger do sol.

Primeiro Tenente Charl ou Charlotte, estava alcançando a fronteira do antigo Cazaquistão com a Mongólia e parecia bem diferente da península Coreana de onde ela escapou. Ela parecia ter jogado fora seu uniforme militar em algum lugar e estava vestindo trapos com sujeira em seu rosto.

— É longe…

Se estava na Mongólia, seria seguro assumir que ela escapou por pouco do território da Divisão da Ásia Central. Ela estava no meio da Ásia, continuando sua jornada longa para Moscou.

O deserto era inabitado e as lutas e batalhas com bestas gigantes que viviam na terra deserta atrasaram ela.

Como evidência das batalhas, havia corpos de monstros grandes e pequenos espalhados ao longo do caminho que estava trilhando Mais do que tudo, se encontrasse um Espectro do Deserto, ela não teria outra escolha além de fugir já que ela não tinha como lidar com ele.

Como esperado, não havia vilas nessa terra inóspita e a Fortaleza sob o Controle da Central ainda estava bem longe, então reforços eram improváveis.

Charlotte nunca sentiu que o mundo pertencia aos monstros mais do que agora. Ela não ligava muito para o Armígero, mas ela estava desesperada para derrotar os vários monstros em seu caminho e prosseguir. Confrontar monstros que nunca ouviu ou viu antes era algo comum e ela com frequência seria pega desprevenida por eles.

Conforme ela voltava para Moscou, Charlotte estava gradualmente aprendendo as leis da sobrevivência mesmo sem perceber.

*Boo-boo-boo-boo-boom!*

Então, como se para testar a viajante mais uma vez antes dela sair do deserto, um escorpião gigante de sete metros de altura, apareceu.

— Kwahhhhhh!

O escorpião rugiu e balançou suas garras e cauda gigantes, estranhas de um lado para o outro. Charlotte cerrou seus dentes e pegou seu fuzil laser. Por ter sido usado em excesso, a arma estava quase quebrando.

— Merda…

*Boom!*

Evitando seu ataque, Charlotte atirou com sua arma.

*Zap!*

A área onde ela acertou ficou vermelha, mas a carapaça do escorpião não quebrou. Com dentes cerrados, Charlotte rolou no chão e recuou a fim de evitar os ataques do escorpião. Dor e cansaço enchia seus olhos.

Os monstros eram mestres do mundo. Ela não sabia disso. O mundo era perigoso demais para qualquer um sobreviver sozinho.

Você viveu nesse mundo por duzentos anos? Mas que porra? — O pensamento passava com frequência em sua mente conforme ela atirava com sua arma nas juntas do escorpião, as quais era suas partes mais fracas.

*Zap!*

Como ele conseguiu viver nesse mundo por tanto tempo?

*Boom!*

Só depois dela acertar cinco tiros de laser, as garras do escorpião gigante caíram, fazendo com que uma nuvem de poeira se levantasse.

*Pow!*

— Ugh!

Mas a cauda do escorpião se enrolou no corpo cansado de Charlotte e a jogou no ar. Ela posou bem longe, rolando quando caiu.

O que são megaestrutura e gigaestrutura?

O que eles querem dizer por monstros altamente habilidosos aparecendo nos PCMs e que monstros altamente habilidosos são mais perigosos do que monstros no lado de fora?

O Armígero não sabia nada do mundo de fora.

O mundo ainda estava cheio de monstros perigosos.

Charlotte estava no seu limite porque ela não podia se deitar e descansar. Mais do que as batalhas curtas, explosivas, a longa maratona de batalhas que a forçou até seus limites estavam exaurindo ela.

Ah… Ugh!

Charlotte se levantou, se forçando a permanecer consciente. Apesar de seus sapatos estarem desgastados e seus pés brancos, desnudos podiam ser vistos. Vestida como uma viajante, Charlotte estava lutando para voltar a sua jornada.

Ainda havia muita terra inabitada para cruzar e haveria mais monstros. Ela não pensava que seria tão difícil, mas ela não estava certa se conseguiria chegar viva em Moscou.

*Zap!*

A L-20, transformada em sabre laser, cortou na direção da cauda pesada do escorpião.

— Eu tenho que voltar.

Morte não era uma opção para ela. Então, Charlotte, com seus olhos vermelhos, balançou sua espada desesperadamente.

Na jornada solitária, exaustiva de volta, o sol escaldante estava iluminando Charlotte.

——-

Devido a existência de muitas cidades grandes com muita população na região da antiga China, havia muitos PCMs e, como resultado, muitas fortalezas Armígeras.

É por isso que não foi difícil eles se reabastecerem em uma Fortaleza usando o posto de executor de Ramphil.

Entretanto, Zin estava decidido a não parar nas Fortalezas.

A área estava sob o controle da Divisão da Ásia Central. Da última vez, eles tiveram que parar para reparar o veículo armado, mas agora toda vez que entravam em uma fortaleza, o Senhor da Guerra tentaria persuadir Ramphil a se juntar a eles.

Estava claro que eles iriam falar para ele esquecer da Bruxa Branca e voltar para ajudar na guerra ou aceitar outra missão.

— Bom, é sua escolha, mas daqui em diante, toda vez que você entrar em uma Fortaleza, eles vão te incomodar.

O Senhor da Guerra da última Fortaleza ainda respeitou a opinião de Ramphil, mas não era certeza de que os outros também seriam assim. A Divisão da Ásia Central sofreu muito dano com a destruição das defesas do norte da Península Coreana. Eles definitivamente precisavam de reforços e o governo estava em uma posição de persuadir Ramphil, o soldado mais forte, a permanecer um aliado.

Claro, as coisas poderiam ter sido diferentes no passado, mas agora, Ramphil concordava com Zin.

— Eu acho que vai ser melhor fazer o que você disse.

Ramphil já tinha um rancor contra a Divisão da Ásia Central, a responsável por criar a Bruxa Branca.

A identidade de Ramphil como um soldado Armígero estava começando a desaparecer. Assim sendo, Ele se tornou um pouco sensível a tais aspectos morais depois de recuperar suas memórias da infância.

A guerra era importante, mas ele sentia que sua missão era caçar a bruxa.

Ele não pensou no que faria depois.

O poder do Grupo teria se fortalecido até lá e não haveria como parar SoSeoLan com Cho-Yul ao seu lado. Em adição, ela já teria absorvido o conhecimento do Castelo Celestial em feitiçaria, então era seguro assumir que a região inteira da Grande Muralha e a área ao norte seria do Grupo.

Atualmente, o trio estava indo em direção a Cabana do Traidor perto do sudoeste da Ásia, mas eles estavam em seu caminho pelo sul da antiga China e estavam dando uma pausa.

— Segure seu fôlego… ok. Nesse estado, cuidadosamente mire no alvo e puxe o gatilho lentamente. Lentamente.

*Tick!*

— Phew…

Leona suspirou com o som da bola. Havia gotas de suor em sua testa.

— Eu não consigo dizer porque não estou mesmo atirando.

Leona estava sendo treinada para mirar e atirar sob tutela de Zin. Segurar seu fôlego e puxar o gatilho depois de mirar no alvo parecia simples, mas era natural se sentir cansada quando ela estava atirando deitada, sentada e de pé.

Em seu tempo livre, Zin estava ensinando Leona como lidar com armas de fogo daquele jeito. Ele não era um bom professor, mas era meticuloso e até Leona levava as lições muito a sério.

— Seria melhor usar munição de verdade, mas nós não podemos fazer nada sobre isso porque não temos munições o bastante.

— Eu sei, mas…

Quando o inimigo estava próximo, só apontar era o bastante para acertar o alvo, mas para caçadores, acertar alvos a longa distância era o mais importante. Zin estava tentando transformar Leona em uma caçadora de verdade desde que eles deixaram a Fortaleza de Harbin.

E, na verdade, Leona de fato usou uma arma para derrotar um inimigo na Batalha de Shane. Ela precisava de tempo para desenvolver suas habilidades, mas ela já possuía a qualidade mais importante de uma pessoa que precisava lutar para viver: compostura, discernimento e audácia.

Aquelas eram qualidades importantes o bastante para serem consideradas essenciais no combate e elas não eram uma questão de treinamento, mas sim uma questão de talento.

Leona já possuía essas habilidades. O que ela tinha era algo que só vinha depois de muita experiência. Agora só precisava aprender como atirar e os aspectos técnicos do combate e luta.

Não havia dúvida de que ela se tornaria uma caçadora excelente porque já possuía a maioria das qualidades necessárias. Leona já fazia sua parte quando era necessário.

Era por isso que Zin estava ensinando a ela os elementos mais básicos.

Claro, Ramphil também tinha uma coisa ou duas para ensinar Leona e, na realidade, ninguém comparava as habilidades de combate corpo-a-corpo de Ramphil. Dessa forma, Leona, que estava muito motivada, pedia conselhos sobre isso e aquilo para Ramphil.

Depois de praticar mirar e atirar, Zin disse que era o bastante, Leona foi  tirar suas dúvidas sobre combate corpo-a-corpo com Ramphil.

Ele não era muito mão de vaca sobre compartilhar seu conhecimento.

— Bom, vamos supor que há um inimigo lá.

— Beleza.

— Então, você vai chegar assim e…

*Bam!*

Ele avançou com velocidade incrível, pegou o inimigo por trás e o derrubou.

— … é assim que você faz.

Pensando que nem valia a pena, Leona sorriu em vez de ficar brava.

— Esquece. Sai daqui.

Ramphil deveria ter mostrado algo que um humano poderia fazer, mas ele era um professor ruim porque parecia que achava que qualquer um podia fazer o que ele podia.

— Mas que porra? Você que me pediu para te ensinar. — Ramphil disse com um dar de ombros.

— Você não me ensinou nada. Mais ainda, parece que você aprendeu algo inútil de mim. — Leona respondeu. As palavras e ações de Ramphil estavam mudando gradualmente conforme ele gastava tempo com ela. Ele estava aprendendo a linguagem chula de Leona.

— Se eu pudesse me teleportar desse jeito, teria te pedido algo para começo de conversa?

— Eu conseguia fazer isso mesmo antes do procedimento de osteointegração.

— E eu sou igual a você?! — Leona resmungou com um rosto triste com as palavras de Ramphil.

— Ele não é um ser humano. Não pense em aprender nada dele.

Em primeiro lugar, os padrões de senso comum deles eram diferentes, então ensinar alguém era algo impossível para Ramphil. Um homem morreria se suas partes vitais forem esfaqueadas e um humano podia matar um homem podia matar alguém fazendo isso, então ele não podia refutar.

Ele só estava compartilhando o que podia fazer de qualquer jeito.

— Ei, caçador, acredito que eu sou o único humano aqui. — Ramphil disse com um olhar triste, achando que Zin tinha mencionado seu passado como um escravo.

— Na verdade, você está certo. — Leona assentiu como se concordasse depois de pensar no assunto. Leona era uma bruxa e Zin admitiu recentemente que ele era um maligno.

Entretanto, Zin riu disso como se ele estivesse falando bobagem.

— Você não é um ser humano porque você é um ciborgue com metal nos seus ossos.

— Essa foi pesada.

— Não é verdade? — Leona olhou para Zin, Ramphil e ela mesma e riram como se estivesse estupefata. — Agora que eu penso no assunto, nenhum de nós é normal. — Ela disse e soltou uma risada triste.

Cho-Yul, que viajava com eles até recentemente, era o único ser humano puro.

— Não faz bem a ninguém ofenderem uns aos outros. Vamos parar.

Zin sorriu amargamente e todos assentiram em simpatia. Agora que eles terminaram de comer, estava na hora deles começarem a jornada deles novamente.

— Quanto tempo até chegarmos na Nova Hong Kong?

— Nessa velocidade, acho que umas duas semanas. — Ramphil respondeu a pergunta de Zin.

Atualmente, eles estavam no caminho para Shanghai. Obviamente, não era a melhor época para ir lá. O destino escolhido deles era o lugar onde eles poderiam caçar o monstro mais poderoso na Cabana do Traidor.

E essa não era uma coisa fácil de fazer. Havia muita preparação a ser feita para a caçada e havia a caçada em si.

Havia apenas três cidades grandes restantes no mundo e uma delas era Shanghai, no sul. Eles estavam indo para a terra do dinheiro e prazer, onde um pouco da vida antes do apocalipse estava sendo mantida.

Seu local era Shanghai, mas por alguma razão bizarra, as pessoas a chamam de Nova Hong Kong.

— O que nós vamos fazer lá?

Entretanto, Zin não falou o que eles iriam fazer na megalópole ainda.

— Há um Ninho de Caçador lá. Já que está numa cidade grande, ele é maior do que os outros.

— Um ninho?

Não havia melhor lugar do que o ninho para buscar equipamento profissional necessário para os caçadores e havia geralmente grandes Ninhos de Caçadores em megalópolis.

— É uma comunidade de caçadores.

Era um lugar para caçadores conseguirem bens e informação que eles precisavam e era também um lugar para descansarem em segurança. Muitos caçadores usavam ninhos como suas bases, porém não Zin.

— Então, deve haver muitos caçadores lá, né?

— Sim.

Leona estava olhando para Zin com olhos brilhando. Ela já estava bem animada, mas parecia que sua animação estava crescendo ainda mais.

— Eu estou curiosa sobre os outros caçadores.

— Eles não são muito diferentes na verdade. Mas cada um tem sua peculiaridade. Agora, vamos pegar a estrada.

Eles estavam indo para uma das três únicas megalópoles do mundo.

A área de Shanghai era onde a megalópolis estava para a maioria das pessoas, mas para um Armígero, era diferente. Lá era também a localização do Quartel-General da Divisão da Ásia Central do Armígero.

Zin estava indo lá para dar uma parada no ninho. Entretanto, Ramphil não conseguia se livrar do sentimento de que ele estava indo em direção ao centro de um governo sombrio criado pelos malignos.

— Eu tenho um mau pressentimento quanto a isso.

Ramphil esperava que a visita terminaria com uma simples parada no ninho.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar