Switch Mode
Servidor de Hospedagem do Site está passando por manutenção, pode ficar instável por algumas horas!!
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Circle of Inevitability – Capítulo 64

Arma

“Na forma de um cadáver?”

O coração de Lumian afundou ao ouvir isso.

Se o corpo de Reimund tivesse saído do loop devido ao sacrifício, ele não seria capaz de reviver através do loop. Assim que a anormalidade em Cordu fosse resolvida, ele estaria realmente morto e não apenas desaparecido.

Embora Lumian não estivesse disposto a admitir que um sujeito tolo como Reimund fosse seu amigo, eles se conheciam há quase cinco anos. Brincaram juntos, pregaram peças juntos e experimentaram muitas coisas juntos. Independentemente disso, ele não poderia tratá-lo como um estranho.

Relembrando o passado, ele percebeu que, além de Aurore, Reimund era provavelmente a pessoa com quem ele mais interagia.

“Aurore não costumava dizer que os tolos são os sortudos? Por que isso está acontecendo?” Lumian não pôde deixar de responder: — Mesmo que ele se torne um cadáver, ainda haverá um espírito.

Aurore suspirou suavemente.

— Talvez a entidade que recebe o sacrifício não esteja interessada em espíritos e só queira carne e sangue? Talvez ela não quisesse acionar o loop e só quisesse carne e sangue em vez do espírito de Reimund, deixando-o em Cordu ou destruindo-o diretamente?

Nesse caso, o cadáver de Reimund equivalia a matéria pura sem qualquer espiritualidade. Poderia sair do loop sem desencadear uma reinicialização.

Ao ouvir a resposta de sua irmã, a mente de Lumian imediatamente repassou o que poderia ter acontecido.

Depois que todos saíram da água, Reimund nadou para mais longe. De repente, uma força invisível agarrou-lhe as pernas, cobriu-lhe a boca e arrastou-o para as profundezas do rio, onde se afogou.

Depois disso, seu espírito permaneceria no fundo do rio ou seria destruído. Seu cadáver seria levado para um lugar desconhecido e se tornaria um sacrifício…

Com esse pensamento, Lumian de repente ficou inspirado.

— Independentemente de o espírito de Reimund ter sido deixado para trás ou destruído, assim que o loop for reiniciado, ele deverá aparecer na forma de um fantasma.

— Logicamente falando, isso está correto. — Aurore assentiu pensativamente. — Depois de escurecer, farei um ritual psíquico e verei se consigo encontrar o espírito de Reimund. Sim, é melhor termos algo que ele usa frequentemente como médium.

Lumian respondeu sem hesitação: — Depois de explorar o castelo à tarde, irei para a casa de Reimund. Seus pais estão me procurando para perguntar sobre seu paradeiro de qualquer maneira.

Quando chegasse a hora, com suas habilidades de Caçador e a vigilância de Lumian, não seria difícil para ele obter um item que Reimund usava constantemente.

— OK. — Aurore não se opôs.

Lumian exalou e perguntou: — Aurore, uh, Grande Irmã, você é capaz de canalizar espíritos?

— Como uma Espreitadora de Mistérios, possuo conhecimento sobre vários assuntos, — Aurore riu em autodepreciação. — Como foi sua conversa com os três estrangeiros?

Lumian rapidamente contou sua discussão com a enigmática mulher e sua conversa com Ryan, Leah e Valentine, mas evitou mencionar a oração da entidade.

Aurore ouviu atentamente e soltou um suspiro.

— É perigoso resistir ativamente à corrupção, mas é a única maneira de explorar as ruínas do sonho, descobrir seus segredos e encontrar a chave para quebrar o loop. Será uma jornada difícil para você…

— O que há de tão terrível nisso? — Lumian deu um tapinha no peito. — Estou me salvando.

Aurore assentiu levemente.

— Você pode usar meu perfume de âmbar cinza. Também tenho almíscar de veado e ingredientes para fazer velas. Apenas tulipas precisam ser adquiridas em outro lugar.

— Lembro que Madame Pualis tem um jardim, mas não sei se está florido.

— Floresceu, — afirmou Lumian com certeza.

Durante o último loop, quando ele e Aurore visitaram o castelo para pegar a carruagem emprestada, notaram que muitas flores do jardim já haviam desabrochado, o que era incomum no início da primavera nas montanhas.

Aurore acenou lentamente.

— Independentemente disso, você deve explorar o castelo à tarde. Você pode colher algumas flores enquanto faz isso. Aquela mulher enviará esses itens para as ruínas do sonho para você?

— Sim, — respondeu Lumian, sentindo-se confiante em sua suposição.

Aurore ponderou por um momento antes de dizer: — Vou lhe dar o Broche de Integridade antes de partir esta tarde. O castelo de Madame Pualis está imundo e pode envolver mortos-vivos. Pode ser muito útil.

— Não é necessário. Guarde-o com você para se proteger de Madame Pualis, — insistiu Lumian, antecipando as objeções da irmã. — Valentine é um crente fanático do Eterno Sol Ardente. De acordo com você, como Beyonder, ele deveria ter escolhido o caminho do Sol. Ele será mais útil do que o Broche de Integridade.

Com base nas observações de Aurore nos últimos anos, os crentes fanáticos do Eterno Sol Ardente normalmente escolheram o caminho do Sol.

Isso também fazia sentido. Os crentes do Eterno Sol Ardente que escolheram o caminho do Sol tendiam a se tornar cada vez mais fanáticos, a menos que não acreditassem neste verdadeiro deus desde o início.

— Isso é verdade, — admitiu Aurore. — Você pode praticar uma maneira mais simples de ativar a Visão Espiritual. Depois, tire uma soneca ao meio-dia para reabastecer suas energias. Vou lhe ensinar as antigas palavras de Hermes e Hermes antigo necessárias para o ritual desta noite.

Ao ouvir as palavras de sua irmã, Lumian de repente se lembrou de algo que ela costumava dizer quando estava apressando seus manuscritos: — O cronograma é apertado e a tarefa é enorme.

……

Às 15h20, Lumian estava na encosta com vista para o castelo do administrador quando avistou Madame Pualis se aproximando da aldeia com sua criada, Cathy. Madame Pualis usava um lindo vestido azul acinzentado com um leve toque fofo, e seu cabelo estava preso em um coque elegante.

Assim que desapareceram de vista, Lumian correu para o fundo da colina onde Ryan, Leah e Valentine já estavam esperando. Eles pareciam estar com suas roupas originais, não tendo feito preparativos para o que estava por vir.

Lumian ficou surpreso ao ver que eles estavam desarmados e perguntou: — Vocês não estão carregando nenhuma arma?

Ryan, que tinha apenas um pouco mais de 1,7 metro de altura, sorriu e respondeu: — Não preciso carregar arma comigo.

Valentine, vestido com um colete branco e um casaco fino azul, ecoou o sentimento de Ryan: — Não preciso de uma arma.

Leah, por outro lado, tirou um pequeno e requintado revólver prateado de suas botas. — Esta é minha arma.

Ela abriu o cano para revelar balas de cores diferentes gravadas com vários padrões e símbolos. — Elas têm efeitos Beyonder diferentes.

Pa! Leah fechou o cano e perguntou a Lumian com um sorriso: — Que arma você trouxe?

“Um de vocês não precisa de arma, o outro não precisa carregar arma consigo, e um tem um revólver tão bonito e poderoso. Isso me faz parecer bobo…” Ele levantou a jaqueta escura que trazia nas costas e revelou um machado preto como ferro enfiado em seu cinto.

Sem esperar que Ryan e os outros falassem, ele suspirou e disse: — Vocês todos agem como Beyonders, e eu sou como um gangster se preparando para uma briga.

Leah riu, seus sinos tilintando: — Você tem talento para a autodepreciação.

— É melhor do que ser ridicularizado pelos outros, — Lumian apontou para a colina íngreme atrás deles. — Vamos subir agora. Não podemos perder mais tempo.

— Tudo bem. — Leah, com seu vestido justo, foi a primeira a subir.

Ela se movia com agilidade e seu equilíbrio era excepcional. Usando os sulcos do terreno, subiu o morro com facilidade.

O que foi ainda mais notável foi que os quatro sinos de prata em sua pessoa permaneceram imóveis e silenciosos.

Lumian seguiu logo atrás, usando a poção Caçador para fortalecer seu corpo e escalando a colina antes inescalável com a ajuda de pedras e raízes de árvores, embora não fosse tão despreocupado e ágil quanto sua companheira.

Depois de recuperar o equilíbrio, ele olhou para trás e viu Ryan agarrando o ombro de Valentine e levantando-o.

Num movimento rápido, Ryan saltou sobre uma pedra saliente no meio da colina.

Sem hesitação, ele avançou mais uma vez, entregando Valentine às proximidades de Lumian e Leah.

Ao longo de todo o esforço, seu físico parecia ter aumentado de tamanho.

Isso deixou Lumian pasmo.

Embora o morro não fosse alto, ainda era exagerado demais para ser escalado com apenas dois saltos.

Os Caçadores definitivamente não conseguiriam!

Depois de sair do torpor, Lumian olhou para o edifício em forma de castelo com duas torres e o jardim circundante. Ele sugeriu aos três estrangeiros: — Vamos até a porta dos fundos.

— Espere um momento. — Ryan o parou e olhou para Leah.

Leah permaneceu em silêncio e deu dois passos em direção à entrada traseira da estrutura semelhante a um castelo.

Seus lábios se moviam silenciosamente, murmurando algo baixinho.

No instante seguinte, os quatro pequenos sinos de prata presos ao véu e às botas tilintaram.

O som não era ensurdecedor, mas era urgente e intenso.

Leah girou e se dirigiu a Lumian e ao resto: — É um caminho traiçoeiro. Um problema grave, de fato.

Com isso, ela deu dois passos em direção à entrada principal.

Ding, ding, ding. Os sinos continuaram a tocar, tornando-se ainda mais insistentes e prementes.

— Provavelmente encontraremos problemas significativos se tentarmos entrar pela frente, — o tom de Leah era severo, mas havia uma sugestão de sorriso em seu rosto.

— E se entrarmos por uma janela? — Ryan perguntou.

Leah assentiu e mudou de rumo, caminhando em direção ao jardim.

Desta vez, embora os sinos tocassem, eram fracos e lentos.

Leah sorriu e exalou: — Esta rota é segura.

Lumian, que havia observado todo o processo, ficou perplexo. Ele não conseguia entender o que os três estrangeiros estavam tramando.

“É assim que os Beyonders operam?” Ele se lembrou dos ensinamentos de sua irmã e perguntou: — Adivinhando o perigo?

— De fato. — Leah assentiu e virou-se para Valentine. — Vou explorar adiante. Esteja preparado.

— Entendido, — Valentine respondeu seriamente.

— Que preparativos? — Lumian perguntou confuso.

Leah riu. — Preparar-se para lançar feitiços divinos e conjurar chamas.

“Então, qual é o propósito de criar chamas?” Antes que Lumian pudesse perguntar, Leah entrou no jardim e se dirigiu ao castelo.

Ela chegou a uma janela e sinalizou que tudo estava claro.

— Vamos, — Ryan informou ao grupo enquanto corria em direção a Leah.

Valentine e Lumian seguiram de perto.

Ao passarem por um canteiro de tulipas, Lumian estendeu a mão para colher uma, mas Ryan o deteve com o antebraço.

Ele não perguntou a Lumian por que estava fazendo isso e apenas disse gentilmente: — Não há pressa. Podemos colher flores mais tarde. Se a colheita causar algum incidente, nossa missão ficará comprometida.

“É verdade…” Lumian aproveitou totalmente essa experiência.

Logo chegaram a uma fileira de janelas na lateral do castelo.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

5 1 voto
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar