Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Genius Warlock – Capítulo 220

Capítulo 220

Com a aliança de gangues estrangeiras agora desmantelada e François, o líder, eliminado, Oliver fez seu caminho de volta para o prédio onde o gerente da filial o aguardava, junto com Joe e o restante de sua equipe.

Ao chegarem, o gerente da filial parecia cético, suas dúvidas sobre o sucesso deles pairavam no ar. No entanto, sua incerteza dissipou ao avistar os corpos sem vida de François e seus homens, revelados pela Grande Boca.

— Oh… Então é realmente ele. Você cuidou dele sozinho? 

Oliver balançou a cabeça.

— Não, não fui eu. Joe cuidou dele. Eu não fiz nada. 

O olhar do gerente da filial se voltou para Joe, que usava sua expressão habitual sem rodeios. Naquele momento, uma mistura de medo e admiração o invadiu.

Era compreensível, pois, apesar do tamanho da gangue estrangeira, cerca de cem membros, François e sua equipe eram um inimigo formidável. Balas não podiam penetrar em suas defesas, eles resistiram a bombardeios, e suas armas podiam cortar e demolir qualquer coisa em seu caminho. Quando se aproximavam e brandiam suas lâminas, até soldados experientes se dispersariam como folhas ao vento.

No entanto, Oliver e sua equipe conseguiram transformar esses indivíduos outrora invencíveis em cadáveres sem vida com aparente facilidade. Parecia que os rumores sobre os perigosos personagens rondando Landa eram verdadeiros.

— Ah, certo… Você mencionou que havia cerca de cem membros na gangue estrangeira? 

— Sim? Ah, sim… cerca de cem. 

— Verificamos o depósito, mas encontramos apenas oitenta deles. Os outros vinte não estavam em lugar algum. 

— Ah… provavelmente estão patrulhando outras áreas. Lidaremos com essas pessoas restantes nós mesmos. 

— Isso é reconfortante… A propósito, você precisa desses corpos? 

— Corpos? 

— Sim, se você não precisar deles, eu gostaria de levá-los. Se precisar, não há muito o que eu possa fazer. 

— Ah… nós não temos realmente um lugar apropriado para armazená-los de qualquer maneira. Posso ao menos tirar algumas fotos como evidência? 

O gerente da filial não perdeu tempo em pegar uma câmera de seu escritório e tirar algumas fotografias assim que Oliver consentiu. Assistindo a isso, Oliver sentiu um senso de alívio. Teria sido bastante infeliz se o gerente da filial e sua equipe tivessem recusado, mas ficou evidente que estavam dispostos a ceder. Oliver se sentiu genuinamente grato por sua cooperação.

“Agora, o que devo fazer com esses?”

Enquanto Oliver contemplava os corpos imóveis de François e sua gangue, não pôde deixar de se perguntar.

Dada a presença de Duncan, a necessidade de um boneco cadáver de curto alcance parecia menos urgente.

Além disso, havia escassez de Crianças disponíveis, então o número de possíveis bonecos cadáveres era limitado. Embora Oliver pudesse optar por controlá-los pessoalmente, isso exigiria concentração significativa e seria bastante ineficiente.

Hum… Eu realmente tenho que controlá-los pessoalmente? Não posso simplesmente deixar as Crianças cuidarem disso?”

Ao considerar a ideia, Oliver concluiu rapidamente que ela tinha algum mérito. Tudo o que ele precisava era do cadáver de um habilidoso Bruxo capaz de manipular bonecos cadáveres, um objetivo alcançável. Certamente valia a pena tentar, pelo menos.

— Senhor Dave, terminei de tirar as fotos. 

O gerente da filial retirou o filme da câmera e o guardou no bolso. Enquanto isso, Oliver fez a Grande Boca consumir os corpos novamente antes de dobrá-la meticulosamente e colocá-la em uma maleta de couro presa à sua cintura.

— Obrigado novamente por sua ajuda. Se estiver tudo bem para você, gostaria de providenciar uma refeição… 

O gerente da filial abordou o assunto com alguma apreensão. Oliver estava prestes a educadamente recusar, mas ao olhar para Joe e sua equipe, hesitou.

— Obrigado pelo convite, mas estamos meio cansados… Ah, não pedi suas opiniões. O que vocês acham? 

Todos, incluindo Joe, balançaram a cabeça diante da pergunta de Oliver.

— Não, estamos bem também…? 

— Ah, entendi. Vocês devem estar cansados, já que começaram a trabalhar assim que chegaram hoje… Me desculpem. Deveria ter sido mais atencioso. 

— Não, de jeito nenhum. É só… Ah

Uma ideia brilhante parecia ter ocorrido a Oliver.

— Em vez disso, você se importaria se eu te perguntasse algo? 

— Me perguntar? Bem… eu não sei muito, mas se for algo que eu possa responder, vá em frente. O que você está curioso? 

— Você sabe alguma coisa sobre o Sr. Shamus? O Druida Shamus, quero dizer. 


Por sorte, o gerente da filial do Porto Sombrio possuía amplo conhecimento sobre Shamus. Na verdade, o nome ‘Shamus’ carregava um peso significativo dentro da Firma de Crime. Não era difícil entender o motivo — Shamus havia alcançado status lendário ao chegar ao auge de sua profissão em Landa em um ano, apenas por seus próprios méritos.

O que diferenciava Shamus, no entanto, era sua decisão audaciosa de se aposentar no auge do sucesso e se juntar às fileiras da Firma de Crime. Embora não fosse incomum para renomados Solucionadores se alinharem a grupos poderosos, a história de Shamus era verdadeiramente excepcional.

— Sim, só ouvi falar, mas naquela época, havia opções melhores para ele do que a Firma de Crime. Como conselheiros ou capitalistas, pessoas assim. 

Quando se consideravam os fatores de poder, riqueza e prestígio, parecia lógico que conselheiros ou capitalistas teriam sido perspectivas mais atraentes do que a Firma de Crime. No entanto, por alguma razão inexplicável, Shamus rejeitou essas alternativas e se juntou voluntariamente à Firma de Crime.

Com o tempo, a razão por trás de sua decisão tornou-se evidente. Shamus começou a exibir habilidades que não havia mostrado durante seus dias de Solucionador, envolvendo-se gradualmente em lutas de poder entre os diretores, garantindo sua influência e, finalmente, sendo considerado uma entidade coletiva em vez de um indivíduo. Com base nesses feitos, ele fundou sua própria empresa.

— Você quer dizer a Folha Empréstimos? 

— Sim, é isso. Folha Empréstimos. É uma empresa de empréstimos até reconhecida pela Firma de Crime. Dizem que ele a começou com o dinheiro de sua amante e de alguma forma conseguiu encontrar empresas com dificuldades, emprestou dinheiro primeiro a elas e cresceu massivamente. Dizem que seus ativos estão quase em pé de igualdade com os diretores, e, olhando para a expansão de seus negócios, não parece ser mentira. Há uma aqui no Porto Sombrio também. 

Embora o gerente da filial do Porto Sombrio tivesse uma profunda admiração por Shamus, também tinha algumas preocupações em relação a ele.

Gordon Goodheart, também, parecia abrigar um certo desconforto em relação a Shamus, e parecia que até os membros de longa data da Firma de Crime o consideravam um tanto inquietante.

“Há uma razão especial?”

Ao receber algumas informações básicas sobre Shamus, Oliver se levantou de sua cadeira e se retirou para suas acomodações, onde descansou até o final da tarde, cortesia das providências feitas pelo gerente da filial.

— Obrigado pela consideração. Tive um bom descanso. 

Oliver trocou cumprimentos cordiais com o gerente da filial do Porto Sombrio, que havia vindo se despedir.

— Não há de quê. Sou eu quem deve agradecer. Você resolveu um problema que estava me incomodando por muito tempo em apenas algumas horas… Muito obrigado. 

— Não, como eu disse antes, eu não fiz nada, foram esses caras que fizeram o trabalho. Você deveria agradecê-los. 

Oliver apontou para Joe e seus companheiros, e o gerente da filial agradeceu novamente.

— Sim… Enfim, obrigado novamente. Se você algum dia visitar o Porto Sombrio, venha me ver a qualquer momento. Seja algo oficial ou pessoal, ajudarei com o que puder… É uma pena, no entanto. Eu deveria providenciar alguma refeição para vocês. 

— Sua gentileza sozinha é mais do que suficiente. Também temos compromissos marcados. 

— Compromissos marcados? 

— Sim. 


Em vez de sair da cidade, Oliver seguiu para o local de encontro designado após se despedir do gerente da filial do Porto Sombrio. No caminho, conversou com Joe e seus companheiros.

— Vocês podem voltar se quiserem. 

— Bem, qual é o problema se voltarmos um pouco mais tarde? Dizem que o lugar onde vamos é um ótimo restaurante, então vamos encher nossos estômagos também. Isso é inconveniente para você? 

— Não, não é isso. Eu só pensei que vocês talvez quisessem ver seus irmãos mais novos. 

— Eu não gosto deles o suficiente para querer vê-los o mais rápido possível. 

Com as palavras de Joe, Owen e Sam riram.

— Isso foi uma piada? 

— Hein? 

— Ah… Parece uma piada engraçada. Devo me lembrar disso. 

— Não é assim tão… Você está brincando? 

— Hein? 

— Ah

— …

— …

Uma conversa constrangedora se seguiu, levando Oliver a mudar de assunto e introduzir um novo tópico na tentativa de retomar o rumo.

— Se não se importarem, podem dar uma olhada neste mapa para mim? É minha primeira vez aqui, então estou com dificuldades para me orientar. 

Joe assentiu e olhou para o mapa que Oliver lhe entregou. Logo, ele os guiou habilmente pelas ruas.

— Parece ser o lugar. — Disse Joe, parando em frente a um prédio de dois andares.

O prédio inteiro era um restaurante, e na placa acima havia uma palavra incompreensível, ‘Cornucopia’.

Era o restaurante para o qual foram convidados.

Assim que confirmou o restaurante, Oliver abriu a porta e entrou.

Ting Ting.

Um sino tocou, semelhante ao som do Restaurante de Forrest, mas ligeiramente diferente. Um funcionário corpulento se aproximou e falou.

— Desculpe, mas nosso restaurante está fechado hoje devido a algumas circunstâncias. 

— Fui convidado aqui. 

Oliver apresentou o cartão de visita que o Druida que ele conhecera no depósito no dia anterior lhe havia dado.

No cartão preto estava escrito ‘Folha Empréstimos’ em um estilo antigo.

— Por favor, aceite minhas desculpas, senhor. O chefe está aguardando sua presença, e o conduzirei prontamente ao local. 

O funcionário falou mais educadamente do que antes.

Oliver expressou sua gratidão e estava prestes a subir com Joe e seus companheiros, mas o funcionário o deteve.

— Peço desculpas pelo inconveniente, mas gostaria de fazer um pedido respeitoso para que apenas o convidado pretendido suba e que o restante do grupo permaneça abaixo. O chefe expressou o desejo de participar de um jantar privado com você. 

— Mas essas pessoas ainda não comeram. 

— Não há necessidade de preocupação. Nosso estabelecimento pode servir comida no primeiro andar também. Na verdade, alguns de nossos membros da equipe estão jantando lá agora. Vocês estariam dispostos a se juntar a eles? 

Oliver perguntou a opinião do grupo de Joe, e eles concordaram depois de olharem nos rostos uns dos outros.

— Não nos importamos. 

O funcionário assentiu satisfeito e chamou outro membro da equipe.

Então, eles guiaram Oliver e o grupo de Joe separadamente.

— Aproveitem a refeição. 

— Igualmente, Dave. 

Com a orientação do funcionário, Oliver subiu para o segundo andar, onde podia sentir o aroma delicioso da comida.

— Oi, bem-vindo! Você chegou na hora certa! 

Shamus, que estava sentado sozinho entre muitas mesas, cumprimentou Oliver enquanto mastigava um bife T-bone até o osso.

Ele estava vestido mais casualmente do que quando o vira no leilão, mas caso contrário, parecia o mesmo.

Seu cabelo e roupas eram verdes, e ele exibia a alegria, a descontração e a confiança que só podiam ser sentidas entre a classe alta de Landa.

Hum, até o Sr. Gordon o chamou de novo elite de Landa…”

Oliver se aproximou do novo elite e o cumprimentou.

— Olá, Sr. Shamus. Obrigado pelo convite. 

— Haha, você está à altura da sua reputação! É refrescante ver alguém com maneiras tão boas. Infelizmente, muitos Solucionadores podem se tornar arrogantes depois de alcançar o sucesso, e eu mesmo devo admitir que era culpado disso. 

Shamus riu alegremente. Suas emoções estavam cheias de alegria, deleite e satisfação.

— Vou me retirar agora, senhor, e permitir que tenham uma conversa particular. 

— Ah, cuide-se. 

Shamus educadamente se despediu do funcionário.

— Eu não sabia que você estava administrando um restaurante. 

— Só entre nós, sou chamado de dono por conveniência, mas a verdade é que sou apenas um investidor. O verdadeiro mentor por trás dessa loja é meu mindinho. — Disse Shamus, esticando seu longo mindinho.

— Seu mindinho administra um negócio? 

— Não, droga, cara. Isso significa minha amante. 

— Ah… 

— Oh, parece que você não está familiarizado com a linguagem. 

— Peço desculpas. 

— Não precisa se desculpar! Quando cheguei pela primeira vez em Landa, eu estava em uma situação semelhante. No entanto, acho que eu não estava tão perdido quanto você. 

— Quando você chegou pela primeira vez em Landa, você quer dizer há três anos? 

— Isso. Como você sabia? Me investigou? 

— Não uma investigação, apenas ouvi falar. Você é famoso na Firma de Crime, Sr. Shamus. 

— Ohuau, parece que fiz um nome para mim! Eu fiz muito trabalho sujo quando cheguei aqui, mas agora estou pronto para me estabelecer e focar nos meus próprios negócios. Infelizmente, algumas pessoas loucas continuam causando problemas. Seja honesto comigo, todo mundo estava falando pelas minhas costas, não é mesmo? 

— Sim.

Oliver respondeu sem hesitação.

— Haha, você é bem honesto, não é? 

— Achei que estava tudo bem falar pelas costas das pessoas, já que quem faz negócios em Landa sempre tenta se matar. Se isso te incomodou, peço desculpas. 

Oliver expressou seus pensamentos sem malícia. Sinceramente, como Solucionador, ele pensava que até a vida diária em Landa era assim, então estava tudo bem falar mal um do outro até certo ponto.

— Hahaha, isso é ótimo de ouvir! Eu realmente estou gostando da sua companhia. Vamos sentar e fazer uma refeição juntos primeiro. Depois que ambos estivermos satisfeitos, podemos discutir alguns negócios juntos. 

— Negócios? 

— Claro. Você realmente achou que eu o convidei só para fazer uma refeição? 


Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar