Participe do nosso novo grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx
Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação e veja os benefícios.

Lord of Mysteries – Capítulo 1180

Efeitos diferentes 

Na Terra Abandonada dos Deuses, à noite, quando a frequência dos relâmpagos caiu para uma frequência muito baixa.

“Afinal, duas fatias de pão branco e um pedaço de carne grelhada são muito bons… As sobremesas agridoces do Mar da Névoa são melhores do que eu esperava…” Depois de comer a última porção de comida, Klein suspirou do fundo do coração. Depois jogou o restante da embalagem na escuridão — afinal, aqui não havia conceito de proteção ambiental, nem lixeira.

Claro, havia removido sua conexão com esses itens com antecedência, assim como ele iria ao Castelo de Sefirah para realizar a esterilização toda vez que abandonasse uma marionete. Isso era para evitar que os avatares de Amon o achassem.

“Hmm, objetos sem vida não serão transferidos para um estado oculto pela escuridão aqui…” Klein levantou a lanterna que Danitz havia sacrificado e iluminou os itens abandonados.

Foi só depois de encher o estômago que teve vontade de experimentar as coisas perigosas que havia adivinhado anteriormente.

Em meio à luz amarela fraca e bruxuleante, Klein estendeu a mão direita no ar e arrastou outra projeção de si mesmo.

Era outra versão dele do Vazio Histórico, que também segurava uma lanterna.

Klein entrou na névoa branco-acinzentada um segundo depois, permitindo que a consciência de sua projeção despertasse.

A projeção foi cercada por um grupo de monstros. Em meio à escuridão sem fim, abriu a boca, planejando recitar o nome Amanises.

— …

Ele não conseguiu emitir um único som, como se as palavras que queria dizer estivessem escondidas.

— De fato, é como eu esperava. — Usando uma meia cartola de seda e um sobretudo preto, Klein respirou fundo lentamente.

Olhando para a lanterna que emitia uma leve luz amarela, de repente entoou em Jotun: — Leodero!

Antes que ele pudesse terminar a frase, mais de cem relâmpagos se distorceram como se estivessem respondendo a serem convocados. Eles imediatamente cobriram a área.

Não houve tempo para ele se esquivar. Mesmo que tivesse trocado de lugar com uma marionete, ainda estaria dentro do alcance do ataque.

Em meio ao brilho da luz branco-prateada, ele caiu no chão. Seu corpo estava carbonizado enquanto convulsionava violentamente, como se tivesse se tornado um gigantesco pedaço de carvão.

Então, sua figura rapidamente se dissipou enquanto a ilusão desaparecia.

Usando uma cartola de verdade, um blusão estilo Intis e carregando uma lanterna simples, Klein imediatamente voltou à realidade e continuou avançando como se nada tivesse acontecido.

Depois de caminhar um pouco, sua figura de repente ficou embaçada e clara.

Depois disso, Klein abriu a boca novamente e leu um nome em Jotun:

— Au…

Assim que ele pronunciou a primeira sílaba, uma chama transparente irrompeu de seu corpo, reduzindo-o instantaneamente a cinzas, não lhe dando a chance de trocar de lugar com sua marionete.

A figura de Klein apareceu mais uma vez. Ele apertou o chapéu e caminhou calmamente pela colina cheia de plantas estranhas.

— Herabergen.

— Badheil.

— Omebela.

“Não há nada fora do comum. Não há vestígios dos poderes divinos correspondentes nas proximidades da Cidade de Prata…”

“Medici, Ouroboros, Sasrir… Estes não servem para nada, nenhum Deles são divindades… Achei que a situação na Cidade da Tarde e na Corte do Rei Gigante se devia a circunstâncias especiais. Usar o verdadeiro nome de Sasrir pode ativar os poderes de degeneração da Terra Abandonada dos Deuses… Como um Rei dos Anjos com a Singularidade, o Anjo Vermelho também é considerado meio deus verdadeiro. No entanto, não sobrou nenhum vestígio Dele. Quão vergonhoso para uma pessoa — não, vergonhoso para um Rei dos Anjos!” Enquanto Klein descia a colina, seguiu sua intuição espiritual e foi para noroeste, onde ficavam as ruínas da cidade de Nois.

Ele ocasionalmente fazia um desvio, usando o Salto Flamejante, e não seguia a rota que a Cidade de Prata havia usado para explorar para chegar ao seu destino.

Backlund, tarde da noite.

Sentindo que havia digerido um pouco mais a poção, Audrey usou muito ansiosamente a Travessia dos Sonhos para deixar sua mansão e entrar nos vários sonhos da área circundante.

Sabendo como era a situação atual, ela tinha um forte desejo de se tornar uma semideusa.

Só assim, de repente viu alguém familiar.

Esta era uma madame nobre que tinha um bom relacionamento com ela. Tinha 29 anos e se casou com um visconde há dois anos.

Neste momento, o quarto da madame estava cheio de pétalas de rosa. A cama era branca e havia um anel em forma de coração colocado nela. E ela podia ouvir sons de batidas vindos de fora.

Com as bochechas coradas, a mulher rapidamente se aproximou e abriu a janela.

Um homem usando uma máscara de ferro preta e uma capa escura saltou para dentro. Ele abraçou a mulher e sussurrou: — Vou tirar você do seu sofrimento.

Então, os dois começaram a envolver seus corpos enquanto rolavam para a cama.

Como Caminhante dos Sonhos que estava trabalhando duro para digerir a poção, Audrey já via cenas semelhantes há muito tempo. Ela havia experimentado a fase de se sentir envergonhada e suspirou ao ver como os sonhos de todos eram cheios de imaginação. Naquele momento, não perdeu a compostura. Ela manteve a etiqueta de uma Espectadora, como se estivesse testemunhando uma peça excessivamente intensa.

Após um breve exame, descobriu um problema:

O homem que usava a máscara de ferro preta não era o cônjuge da esposa, mas sim um playboy específico dos grupos aristocráticos.

“Isso é um reflexo do que está escondido em seu coração?” Audrey murmurou para si mesma de maneira acadêmica enquanto analisava o sonho.

Depois disso, atravessou o sonho ao lado dela por curiosidade.

Este sonho correspondia ao marido da nobre esposa, o visconde.

No sonho, esse visconde estava ocupado participando de uma discussão na Câmara dos Lordes. Mais tarde, foi perseguido por um conde armado com um revólver. Este último alegou que havia enganado a sua filha.

Depois de escapar para uma zona segura, o visconde encontrou sua secretária para desabafar seu medo.

Audrey não pôde deixar de sair do sonho, querendo ver o estado em que o visconde e sua esposa se encontravam.

No quarto, sob a iluminação do luar carmesim, o visconde abraçava a esposa na enorme cama branca. Sua esposa o abraçava e dormia de maneira muito íntima.

“Sim, tenho que perceber que todo mundo tem um lado negro. É apenas um sonho que eles tiveram. Se a convicção por um mero pensamento instantâneo fosse realizada, então todos desceriam ao inferno, e ninguém seria poupado, inclusive eu… Posso controlar meu lado negro, impedindo que ele seja realizado no mundo real. Para a maioria das pessoas, isso já é considerado excelente…” Audrey sentia cada vez mais que atuar como Caminhante dos Sonhos era uma forma de questionar e aprimorar a mente e o corpo.

Ela entrou na paisagem dos sonhos novamente e atravessou para outra área.

Não muito depois, chegou a um quarto quente.

Havia uma mesa de jantar colocada sobre um tapete grosso. No lugar de honra estava uma mulher de cabelos brancos.

Ao seu lado estava um casal de meia-idade e três filhos que não eram maiores de idade. Todos estavam saboreando a comida deliciosa, conversando e rindo.

Estava escuro fora do quarto. Os ventos fortes fizeram o vidro ruir e bater enquanto pareciam produzir uma sensação horrível antes do desastre acontecer.

“Com o que o dono desse sonho está preocupado?” Audrey retirou-se do sonho e tentou encontrar uma resposta no mundo real para verificar sua hipótese.

Ela então viu uma pequena cama e a velha mulher de cabelos brancos.

Havia porta-retratos na mesinha de cabeceira dela. Eles estavam envoltos em pano preto ou flores brancas — consistindo de um casal de meia-idade e três filhos menores.

Audrey silenciosamente virou a cabeça para olhar pela janela, apenas para ver que havia ruínas por perto, deixadas para trás por uma explosão.

A jovem nobre franziu os lábios e de repente voltou aos sonhos da velha.

Ela não impediu o desastre que poderia acontecer. Apenas conjurou uma cadeira e sentou-se nela. Olhou para a família feliz e calorosa de maneira solene.

Em meio ao vento uivante e ao vidro, a sala estava bem iluminada. Havia a fragrância da comida e das risadas por toda parte.

Audrey já havia concluído um dos princípios de atuação do Caminhante dos Sonhos:

— Um viajante de sonho entra, observa a paisagem e registra… nunca interferindo. Assim era um Espectador.

Na Catedral do Santo Samuel, convocado pelo Bispo Antônio Stevenson, Leonard subiu lentamente a escada em espiral sob a luz do sol que brilhava através dos vitrais.

De repente, ele disse com uma voz reprimida: — Velho, aquela reunião secreta está prestes a começar de novo. Você está realmente planejando tentar entrar nos tesouros deixados pela família Jacob no final do mês?

— Ainda não tenho certeza, mas esta é uma oportunidade. No mínimo, o corpo principal de Amon está amarrado ao assunto relacionado ao Castelo de Sefirah. Ele não aparecerá de repente. — Na mente de Leonard, Pallez Zoroast respondeu com uma voz um pouco rouca: — No entanto, estou mais inclinado a revelar a notícia do tesouro. Quero que as pessoas presentes se aventurem e explorem ele. Ficaremos nas proximidades e observaremos a situação, tirando das mãos deles o que preciso.

Leonard ficou surpreso ao sussurrar: — Velho, isso não é muito sinistro?

Isso estava usando os membros dos Eremitas do Destino como ferramentas para cair em uma armadilha.

— Heh, ingênuo, infantil. Você pode contar a eles todos os detalhes e deixá-los decidir se querem ir por conta própria. — Palez zombou.

Leonard não mencionou isso novamente. Em vez disso, perguntou: — Velho, quando poderei me tornar um semideus?

Palez riu.

— Se você conseguir obter um espírito do nível da mensageira do seu ex-colega, poderá digerir a poção no início do próximo ano. Porém, heh heh, é melhor agir de acordo com minhas instruções. Envolva-se em um nível mais profundo de atuação. Espere até o segundo semestre do próximo ano, você terá as qualificações para tentar avançar para Sequência 4. Claro, não tenho certeza se a Igreja da Meia Noite lhe dará a poção e realizará um ritual para você. Aquele diácono de alto escalão chamado Cesimir Crestet teve que esperar vários anos antes de realmente se tornar um semideus quando a guerra realmente estourou, não foi?

Leonard acenou com a cabeça e perguntou pensativo: — Velho, você pode agir como um espírito para me ajudar a digerir a poção?

— Seu nível deve ser superior ao da mensageira de Klein…

Pallez Zoroast ficou em silêncio por alguns segundos antes de rir.

— Que grande ideia.

— Que tal eu ajudá-lo a digerir a poção?

— Como? — Leonard sabia que o Velho estava zombando dele, mas não pôde deixar de perguntar.

— Vou parasitar você profundamente, ganhando controle total sobre seu corpo, — retrucou Pallez.

Enquanto falava, Leonard chegou à porta do arcebispo da diocese de Backlund.

Ele imediatamente fechou a boca e levantou a mão direita para bater na porta.

— Entre. — Antônio Steven olhou para Leonard, que havia aberto a porta. — Você pode libertar aquele vampiro atrás do Portão Chanis.


Gostaria de ter sua novel favorita em PDF ou algum outro formato digital para ler offline?? ACESSE AQUI e saiba como!!

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar