Switch Mode
Servidor de Hospedagem do Site está passando por manutenção, pode ficar instável por algumas horas!!
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Lucia – Capítulo Extra 7.05

O Começo de toda a História – Parte (V)

Braços fortes a envolveram e a apoiaram. Evangeline se inclinou contra o peito dele, bebendo a sopa que ele dava, então ela sorriu. Ela ficou surpresa consigo mesma, que agora estava acostumada a ser servida por ele.

“Cael-nim.”

“Sim?”

“…”

“Hmm. Se você me chama, diga alguma coisa, garota.”

Pfft. Evangeline caiu na gargalhada. Ele ainda dava chamava a uma velhinha cheia de rugas de garota. Talvez porque ele a tratasse como uma criança, Evangeline subconscientemente falava do jeito que fazia quando era jovem e agia como uma criança mimada. A senhora que era conhecida como a dama de ferro não estava em lugar algum.

“Você sabe, há muito tempo. Se eu dissesse que estava doente, você teria me mimado, mesmo que um pouco?”

“…”

“Desculpe. Isso foi desnecessário.”

“… Provavelmente não terei muita escolha. Não posso abandonar um paciente.”

Evangeline o encarou enquanto ele evitava seus olhos como se estivesse envergonhado. Ele não havia mudado nada. Ele ainda era o belo jovem que era quando ela o conheceu. Este homem misterioso, com cabelos negros e olhos escuros, era seu amor não correspondido quando jovem, seu amor esvoaçante como uma donzela aprendendo sobre o amor e aquele que lhe deu dor de cortar o coração como uma mulher que experimentou a vida.

Evangeline olhou para sua mão enrugada. Mesmo quando ela estava muito animada como se tivesse voltado a ser uma jovem e saudável donzela, ela acordou de sua ilusão quando olhava para sua mão cheia de sinais de idade. Era por isso que ela não queria vê-lo. Ela não queria mostrar sua aparência velha e pouco atraente eu para ele, que ainda estava tão bonito como sempre.

No entanto, seja a raiva dela em relação ao filho que a trouxe aqui sem avisá-la, ou o ressentimento que surgiu quando ela o viu depois de muito tempo, todos eles desapareceram em menos de um dia. Ela estava tão feliz, cada dia parecia um sonho.

“Eu fui uma idiota. Eu deveria ter chorado que estava doente e morrendo logo para Cael-nim.”

“A doença falsa não vai funcionar.”

“Ah. Você não sabe como sou boa em fingir doença. Tenho certeza que você nem vai notar.”

“Você está fingindo agora?”

“Quem sabe. O que você acha?”

Cael acariciou sua bochecha levemente e murmurou.

“… Espero que sim.”

“Hum?”

“Tem mais alguma coisa que você queira comer?”

Enquanto ele mudava de assunto enquanto guardava a tigela de sopa, Evangeline também agia como se não soubesse de nada.

“Suco de laranja. Um muito doce.”

“… Temos laranjas muito azedas.”

Evangeline sorriu e respondeu.

“Então eu vou tomar suco de laranja azedo.”

Ele colocou Evangeline cuidadosamente na cama e se levantou. Evangeline suspirou com pesar quando a temperatura de seu corpo de repente se afastou. Ela se sentiu triste, observando suas costas enquanto ele caminhava até a porta, e sem saber o chamou.

“Há algo mais que você precisa?”

“… Eu não gosto do meu suco muito azedo.”

Ela estava apenas resmungando, mas ele pensou seriamente e disse: ‘Vou adicionar mel então’. Evangeline não podia acreditar em sua consideração afetuosa por ela, e mesmo depois que ele se foi, ela estava sorrindo sozinha.

“… Obrigada.”

Ela sabia que ele não sentia o mesmo que ela. Ele provavelmente estava ouvindo os desejos de uma pessoa moribunda e mesmo que ela soubesse que ele provavelmente estava apenas simpatizando com a jovem com quem ele teve uma conexão no passado, seu coração disparou sempre que ela o viu. Mesmo que fosse simpatia, ela estava feliz com isso. Ela estava grata que ele a segurou e não se afastou dela.

“Eu te amo…”

Era uma confissão que estava sempre em seu coração, mas ela nunca poderia dizer a ele. Quando ela era jovem, ela tinha medo de rejeição, então ela foi incapaz de dizer isso, e quando ela se reencontrou com ele, tendo o filho de outro homem, ela não se atreveu. Agora, era impossível para ela dizer isso quando estava velha e morrendo.

Ela estava feliz esperando o suco de laranja que ele traria para ela, então ela soltou um grande suspiro, lamentavelmente. O sono estava sobrecarregando seus sentidos, levando-a à exaustão. Ela tinha experimentado essa sensação de sonolência tantas vezes, então ela sabia o que era.

Após a morte do sogro, mãos gananciosas intermináveis se estenderam para ela, porque como guardiã do filho, ela se tornou a verdadeira dona da família. Quantas vezes ela escapou dos encalços da morte? Eventualmente, ela foi incapaz de evitar a última mão negra que veio para ela.

[É impossível saber quando o veneno vai atacar. Mas… se o veneno atacar novamente e você cair em um sono profundo, será o último.]

Naquela época, ela havia escutado calmamente a sentença de morte do médico. Embora seu filho estivesse segurando e gritando com o médico, Evangeline estava à vontade. Ela sempre viveu com um coração vazio que ela nunca poderia preencher. Não importa o quanto ela tentasse, nada conseguia criar raízes. Agora ela estava cansada desta vida, onde ela carregava a notícia de ser envenenada como uma armadura. Ela não tinha muito apego à vida, então não temia a morte que se aproximava.

Mas o deus do destino era tão incrivelmente cruel. Por que ela foi autorizada a encontrá-lo novamente? Por que ela queria viver?

‘Cael-nim…’

Foi só quando a morte se aproximou que Evangeline percebeu como era uma grande bênção para os humanos. Ela se sentiu triste, sabendo que ele estava preso andando no tempo no futuro, e talvez pela eternidade. Ela sentiu como se vagamente percebesse por que ele tentou afastá-la.

Eu sinto muito. Por deixar você que está sozinho, sozinho neste mundo novamente.

‘Não me perdoe por ser egoísta até o fim. Mas o que eu posso fazer? O fato de eu poder fechar meus olhos ao seu lado… me deixa tão feliz…’

Evangeline afundou lentamente em um sono profundo que era semelhante a um doce veneno.

* * * * *

Cael entrou no quarto com o suco que ele mesmo havia espremido das laranjas. Ele tomou um pouco para provar e tinha um gosto doce e azedo, então ele não sentiu a necessidade de adicionar mel.

Ela estava dormindo.

Ele colocou o suco na mesa de cabeceira, então ele pegou o braço dela, querendo cobri-la adequadamente com o cobertor. Seu braço esbelto era estranhamente pesado, e seu coração afundou em seu peito quando ele foi tomado por uma sensação aterradora.

Ele ficou parado, e muito lentamente, virou o olhar para o rosto dela. Sua pele estava pálida, seus olhos estavam fechados e seu rosto estava em paz.

“… Evangeline.”

Mesmo que ele estivesse chamando seu nome pela primeira vez, ela não respondeu. Seus dedos tremeram levemente quando ele levou a mão ao pulso dela para tomar seu pulso.

Momentos depois, ele caiu de joelhos e caiu no chão ao lado da cama.

“Ugh…”

Ele não podia suportar a dor apertando seu coração, e ofegou, rasgando seu peito com ambas as mãos. Parecia que todo o sangue em seu corpo estava fervendo. Ele não conseguia respirar.

A água clara cobriu suas íris negras e caiu no chão. E, ao mesmo tempo, uma aura dourada começou a girar em seus olhos negros. A energia dourada rapidamente viajou de seus olhos para suas veias, passando por seu coração antes de se espalhar por todo o seu corpo e logo ele estava coberto de luz dourada.

Crack! Ele ouviu o som de seu coração congelado se partindo. Só depois de perdê-la ele percebeu seus verdadeiros sentimentos. Seu coração que estava congelado pela dor de perder Martha, derreteu quando percebeu seu amor por ela. Talvez seu coração estivesse descongelando lentamente sem que ele percebesse.

Ele se viu em um lugar que poderia ser descrito como branco puro ou preto como breu. Esta não foi a primeira vez. Ele esteve aqui uma vez, muito tempo atrás. Não importa o quanto ele tentasse, ele nunca foi capaz de vir aqui novamente além daquela vez, mas agora, isso o chamou novamente.

Ele caminhou pelo caminho dourado. O tempo voou ao lado dele. No meio do tempo repleto de inúmeros eventos e pessoas entrelaçadas, ele encontrou uma certa mulher. Uma mulher que ele estava vendo pela primeira vez, segurava o pingente em seu pescoço na mão.

Querendo saber por que essa mulher tinha seu pingente, ele acompanhou o tempo da mulher. Um velho apareceu na vida da mulher e ele se parecia com Baden de uma forma ou de outra. O velho segurou um bebê recém-nascido nos braços e sorriu, dizendo.

[“Querida criança, como você se parece tanto com sua avó?”]

O bebê recém-nascido loiro de olhos âmbar que ele segurava parecia muito com Evangeline.

“Pensei muito no pedido imerecido que você fez para que eu a nomeasse. O primeiro antepassado da família Baden disse que não poderia existir sem a mãe e deixou um testamento dedicando todo seu carinho e admiração à mãe. Ouvi dizer que ela era alguém de baixa estatura, mas de espírito poderoso. Eu gostaria de dar o nome dela ao bebê.”

Evangeline.

Ao ouvir o nome da criança, os olhos de Cael se abriram. A energia dourada enrolada no ar ao redor dele, desapareceu no pingente como se estivesse sendo sugada para dentro. Até a luz que saía de seu corpo desapareceu.

Cael respirou longa e profundamente, tratando de controlar as emoções turbulentas que o impeliam. Lágrimas escorriam de seus olhos fechados, manchando suas bochechas.

Deus estava zombando dele por não acreditar nisso ou estava mostrando misericórdia por sua arrogância lamentável? Ele testemunhou milagres e viu destinos. Ele leu o futuro fascinante de seus descendentes que se pareciam com ela em um futuro muito distante.

Cael se levantou e beijou as costas de sua mão educadamente como se estivesse realizando uma grande cerimônia. Então ele tirou o pingente que ele nunca havia removido de seu corpo. Foi inicialmente uma restrição que significava que ele era um criminoso, mas depois que ele ganhou novo poder, o pingente funcionou como o núcleo de sua magia e não era diferente de sua força vital.

Ele acenou levemente com o dedo e o ar fluindo se transformou em vento e o vento se tornou uma faca, cortando levemente o dedo de Evangeline. Sangue vermelho escorria do corte para o pingente.

“Seu sangue será um selo e uma chave.”

Assim que seu murmúrio terminou, o pingente tremeu como um ser vivo e brilhou com uma luz fraca. Então, de repente, seu movimento parou e toda a luz desapareceu. Tornou-se um pingente enegrecido muito antigo e comum.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar