My Vampire System – Capítulo 160

Família Misteriosa

Atrás dos professores veio um estudante. Um que Quinn não conhecia, porém, Vorden o conhecia muito bem. Assim que o estudante entrou e olhou para os dois, logo notou Vorden. O estudante era Berg Sunshield. Vendo Vorden, suas mãos começaram a suar. Após vê-lo no Planeta Caladi. Berg decidiu tentar reunir informações sobre ele e a família dele.

Ele havia informado a família dele que tinha se encontrado com um dos Blades. Seu tom de voz mudou imediatamente, e seu pai disse para fazer tudo que pudesse para ter certeza que os Blades não se chateassem com eles. Foi uma reação estranha. Apesar de seu pai não se ter um rank alto na família, ainda era respeitado por ser um membro dos quatro grandes. Foi a primeira vez que havia visto seu pai agir daquela maneira com a menção do nome de outra pessoa.

O mais estranho de tudo foi que, quando Berg tentou achar informações da sobre a Família Blade, não conseguiu encontrar nada. Nada sobre qual tipo de habilidade tinham, nada sobre suas contribuições na guerra. Mesmo perguntando aos seus amigos, nenhum deles parecia sequer ter ouvido nada sobre a Família Blade. Isso fez com que a reação que seu pai tinha tido se tornasse mais estranha ainda.

Logo, o medo de seu pai, tornou seu medo, e o mistério por trás de Vorden cresceu em sua mente.

“Berg aqui disse que no dia do evento viu um estudante correndo pelos corredores parecendo estar em pânico.” Disse Nathan. “Humanos são estranhos, sabe, e eles amam fofocar. Enquanto todos estavam indo em direção ao prédio do segundo ano para ver o que estava acontecendo. Um único estudante estava correndo para o lado oposto. Coincidentemente pela descrição que Berg deu, encaixa com um de vocês, um garoto de cabelo cacheado…”

Quinn permaneceu em silêncio, de maneira nenhuma eles iriam condenar alguém baseado em uma suspeita. O problema é que, agora tinham uma suspeita, e como já suspeitavam dele, provavelmente iriam mantê-lo sob maior vigilância a partir de agora. Isso só causaria problemas no futuro, especialmente porque agora que Peter já tinha começado a elevar o rank. Ele decidiu que a melhor coisa a se fazer agora era manter a boca fechada, seria muito fácil deslizar e fazer as coisas piorarem se dissesse algo errado.

Vorden então começou a rir do seu lado.

“Você acha que Quinn fez isso?” Disse Vorden. “Qual é, os dois nem sequer compartilham a mesma sala de aula, além disso, você sabe quantos garotos de cabelo preto cacheado existem na escola?”

“Veja bem Vorden, é por isso que nós o trouxemos aqui, para confirmar quem viu naquele dia.”

Berg havia visto Quinn correndo pelos corredores naquele dia. Assim que entrou na sala, ele o reconheceu, mas vendo Vorden defendê-lo tão de repente, soube que tinha algo ali.

“Esse não foi o garoto que vi aquele dia.” Disse Berg. “Tenho certeza que foi outra pessoa.”

“O quê?!” Disse Nathan. “Você tem certeza? Chegue perto e dê outra olhada.”

Berg fez o que mandaram e chegou mais perto e olhou para Quinn tentado agir da melhor maneira possível. Ele passou os olhos rapidamente por Vorden, ele devia estar imaginando coisas, porque estava vendo e sentindo um poder estranho vindo dele, mas não podia ser possível.

“Tenho certeza que não era ele.” Disse Berg. “Se importa de eu ir agora?”

Nathan então sentou na sua grande cadeira de escritório, olhou para fora e viu que o céu estava completamente escuro agora e a luz do luar brilhava. Depois de soltar um grande suspiro, se inclinou e colocou suas pernas na mesa. “Vamos encerrar por hoje. Eu aparentemente gastei o tempo de todo mundo sem razão.” Disse Nathan. “Vocês estão livres para ir para casa e lembrem-se de descansar bem.”

Quinn não tinha certeza do que acabou de acontecer, talvez Berg realmente tivesse visto outra pessoa correndo por ele pelos corredores, mas o que quer que fosse, agora estavam livres. Quinn e Vorden olharam um para o outro e saíram rapidamente da sala. Eles tiveram vontade de correr, mas tentaram andar o mais normal possível, pois os outros iriam notar haver algo errado se caminhassem de outra forma.

Antes de sair Vorden se virou e disse. “Obrigado, Berg, eu te devo uma.”

“Só lembre disso no futuro.” Respondeu Berg de volta.


Lá fora Peter estava andando pela floresta, ele não estava mais mancando e suas pernas estavam completamente curadas. Porém, a dor no seu estômago não desapareceu. Era uma sensação estranha, a mente de Peter estava toda ali, era ele e podia controlar seu corpo, mas a única coisa que podia pensar era comer carne humana fresca, e não conseguia parar o pensamento do quanto a carne Earl era saborosa.

Não querendo machucar nenhum dos seus amigos, tentou ir o mais longe possível da escola e antes que notasse, acabou chegando na floresta do parque mais uma vez: “Eu vou morrer se não fizer nada? Alguém…”

Ele saiu lentamente da floresta e eventualmente chegou numa via. A via contornava os arredores da floresta e do parque e eventualmente dava em uma entrada e uma saída. Uma indo em direção a cidade e a outra voltando à escola. Mas era tarde da noite e poucas pessoas estaria andando pelo parque para ir ao centro da cidade, já que todas as lojas já estariam fechadas.

A única coisa aberta era a loja de conveniência que ficava logo antes do parque: “Eu deveria para a loja de conveniência? Talvez eu consiga encontrar alguém e que eu possa seguir e puxar para a floresta.” Peter dizia a si mesmo.

Assim que Peter estava pensando em seguir com sua própria sugestão, localizou alguém percorrendo a via. Seu corpo queria pular em cima da pessoa, mas lutou contra isso, permanecendo na floresta.

De repente, a pessoa parou.

“Consigo sentir sua sede de sangue daqui.” Disse o garoto. “Saia logo e me diga onde está seu mestre, ghoul.”

Os olhos do garoto brilharam em vermelho e encarou Peter bem nos olhos.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar