Second Life Ranker – Capítulo 146

As Três Nornas (5)

— Ver a Grande Urd assim. É algo tão difícil de se ver.

De um canto do território sagrado escuro de Urd, uma cobra apareceu e se transformou em um humano.

[— Se você veio dizer besteiras, vá embora, Hermes.]

Urd bufou para Hermes com uma voz irritada.

Hermes bateu levemente seu cajado, Herald, no chão e riu.

[Você é perverso…]

Enquanto ele continuava a rir, Urd ficou ainda mais irritada. Ela planejava confundir Yeon-woo. Porque, do ponto de vista dela, não havia muitas pessoas com esse tipo de passado confuso. Muitos jogadores entravam na Torre com todos os tipos de arrependimentos em seu passado. Deles Yeon-woo tinha o melhor.

A maioria dos jogadores vivia com esperança. Pessoas que não tinham outras coisas para conquistar vieram à Torre para fazer o que não podiam aqui e outros apenas procuravam por uma nova vida ou uma cura para seus entes queridos. Seja qual fosse o motivo, eles subiam a Torre com esperança. Essa era a vida que eles viviam. Era seu presente e futuro.

Mas Yeon-woo era diferente…

Ele não tinha uma esperança em particular, e apenas subia a Torre. Ele não queria escapar das algemas do passado. Na verdade, ele as abraçava com força. Ela apenas estimulou esse ponto. Urd a deusa que via o passado. Era fácil escolher um passado para testá-lo. Como ela tinha feito no passado, ela pensou que Yeon-woo não seria capaz de escapar.

Porém…

— Você não acha que é hora de parar de enganar as pessoas? Pessoas como aquela pobre alma ali não são seus brinquedos.

Hermes virou a cabeça para a porta. A pobre criança que ele estava falando estava parada lá.

Hepburn…

Ela estava destinada a ser a rainha dos elfos superiores, mas não conseguia superar o desprezo por sua espécie e caiu em um abismo profundo. Então, uma mulher saiu da escuridão. Toda vez que ela se movia, sua perna magra se mostrava e desaparecia novamente. Cabelo que descia até o chão e olhos brancos sem pupilas. Ela se escondia pela escuridão, mas era uma linda mulher.

Urd ficou cara a cara com Hermes com um rosto frustrado.

Seu rosto sorridente foi sobreposto com o rosto de Yeon-woo rindo dela enquanto ele deixava seu território.

Ele bufava. Yeon-woo ousou bufar na frente de um deus. Como se dissesse a ela para parar com essa besteira. Como se fosse hilário. Ele bufou como se perguntasse se isso era tudo o que ela tinha e deixou seu território.

Ela o forçou a reviver um passado que ele queria evitar de qualquer maneira, porém Yeon-woo experienciou algo semelhante ao que seu irmão havia experimentado. Ele havia sido abandonado por seus companheiros de confiança no meio do território inimigo e forçou seu corpo ferido a percorrer 150 km. No processo, Yeon-woo perdeu todas as suas emoções. Ele deixou de lado sua raiva, ódio, vingança, se tornando vazio e sem nenhuma emoção.

Foi quando o monstro chamado ‘Cain’ nasceu.

Mais tarde, ele soube que houve um pequeno mal-entendido, mas era tarde demais. Yeon-woo nunca mais olhou para eles. Em vez disso, ele olhava para eles como se fosse matá-los se os visse novamente. Afastando todas essas memórias para algum canto oculto em sua mente.

Ela o fez reviver essa memória. Que seria o mesmo desta vez. Que não era diferente, então ele deveria trair antes de ser traído. Ela sussurrou em seu ouvido para não confiar em ninguém e viver com suspeita e preocupações. Dizendo-lhe para não viver a mesma vida que seu irmão.

Urd pensou que Yeon-woo não seria capaz de escapar de sua armadilha.

Todos que ela encontrava eram assim. Foi assim que ela conheceu Hepburn, e como ela ‘coletou’ suas outras marionetes.

Mas Yeon-woo simplesmente a ignorou como se isso fosse óbvio. E ele foi direto para o 17º andar como se nunca mais fosse a ver.

Urd não conseguia ler sua mente.

Viver no passado significava não ser capaz de acordar uma Besta Mística porque ele não tinha sonhos ou esperanças. Como um cara assim conseguiu escapar dela?

— Já que você faz a corda do destino, pode ser que não saiba ou até mesmo, não queira ver, já que tudo lhe parece um show de marionetes. Talvez as pessoas que estão conectadas a essa corda podem estar se movendo por si mesmas.

— Não me faça rir, Hermes. A corda é onipotente. É o início e o fim. O destino não pode ser evitado. Tudo o que vimos estava certo.

Hermes encolheu os ombros.

— Bem, como o caminho que vemos é diferente, acho que o que vemos nele também é diferente.

Urd rangeu os dentes.

— Vocês, tolos do Olimpo, são sempre assim. Meros usurpadores.

— Porque nós superamos isso. Mas todos vocês não. Essa é a diferença.

— O quê?! Superaram, uma ova. Vocês são todos covardes que enfiaram uma espada nas costas do seu pai e o aprisionaram. Mas está me dizendo que o quê? Superaram?

— Eu sempre digo isso, mas essa conversa só corre em círculos.

Urd mordeu os lábios. Hermes estava certo. Como seu domínio era diferente, o que eles viam era diferente. Mesmo que fossem os mesmos deuses, eles diferiam em sua criação.

— Parece que você está observando aquela criança.

Aquela criança. Ela se referia a Yeon-woo.

— Não só eu. Atena também está interessada. Ares e Dionísio também. Não, na verdade, não somos só nós, mas o seria mais correto dizer que todos nós estamos interessados.

Desde quando Yeon-woo começou a ajustar sua herança da espécie dracônica a seu próprio gosto. Ou quando ele teve a ideia de criar um Mugong que ajudaria seu Circuito Mágico a fluir.

A maioria dos seres no 98º andar se interessaram em Yeon-woo. Alguns deles pensaram seriamente em fazer dele seu apóstolo. Se ele chegasse ao 50º andar, que era a qualificação para se tornar um apóstolo, ele receberia tantas ofertas que ele se cansaria delas.

— E o mesmo vale para os demônios.

— O quê?

Urd arregalou os olhos com as palavras inesperadas. Ao contrário dos deuses, que mostravam interesse nos andares inferiores, era difícil adivinhar o que os demônios estavam pensando. Mas eles também estavam alvejando Yeon-woo.

— Há rumores de que Agares do Leste está babando.

— …

Agares era o segundo mais forte dos 72 Reis Demoníacos. Ele simbolizava destruição e loucura e tinha uma ganância interminável até mesmo para demônios.

Mas saber que tal cara havia se aproximado daquela criança… Naquele momento algo veio à mente de Urd.

Um pequeno pedaço de uma memória que ela viu na mente Yeon-woo. Uma mensagem de um demônio que Laplace entregou. Aquele demônio sem nome era Agares.

Urd cerrou o punho. Havia tantos seres tentando roubar sua comida? Ela odiava que suas coisas fossem tiradas dela.

Então…

— E, acima de tudo.

Hermes sorriu e bateu Herald no chão novamente.

Então, uma rachadura profunda foi feita onde Herald estava, e começou a se espalhar por todo o chão. O Território Sagrado cheio de Urd começou a entrar em colapso.

Em seu lugar, havia um novo mundo cinzento com dezenas de serpentes colossais que levantaram a cabeça e olharam para baixo.

Pssss… Pssss…

Suas línguas afiadas brilhavam.

— …!

Na frente das dezenas de cobras, Urd endureceu.

As Jiboias-constritoras eram criaturas mágicas que engoliam dragões e deuses em uma mordida. Eles também eram símbolo de Hermes e significava sua grande força.

— Espero que não se esqueça de mim. Eu o escolhi primeiro. Eu estava me sentindo um pouco irritado porque os outros estavam tentando pegá-lo, mas cortar a fila assim não é legal, não acha?

Urd cerrou o punho. Hermes era um dos únicos deuses que podia se mover como desejava ao longo da terra dos vivos e da terra dos mortos. Ele podia aparecer nos andares inferiores. Embora precisasse de muita energia. Se ela o irritasse, estaria tudo acabado. Ele poderia fazer as jiboias se alimentarem dela e ela não seria capaz de dizer nada.

Eventualmente Urd teve que recuar. Mesmo que fosse humilhada, Hermes tinha esse poder.

— Fico aliviado que você entenda o que estou dizendo.

Hermes sorriu e as serpentes desapareceram. As Jiboias-constritoras a olharam e desapareceram também. Seu território sagrado voltou ao normal, mas o orgulho dela não.

— Hepburn.

— Sim, mestra.

Sob o comando de Urd, Hepburn apareceu do escuro com a cabeça baixa.

Como Yeon-woo se foi, a sombra sob seu queixo se foi.

— Engula aquela criança. Usando qualquer meio.

Se ela não pudesse tê-lo, ela o quebraria. Essa era a teimosia de Urd.

E Urd não gostava do fato que Hermes tenha se apossado dele. Isso não era nada como ele. O Hermes que ela conhecia era como o vento. Ele estava livre e odiava ser amarrado. Então, mesmo que ele se tornasse mais forte, ele não tinha ganância por posse.

As ameaças de Hermes a preocuparam.

O olhar que ela viu em seus olhos não era ganância material.

“Os olhos de quando se quer proteger alguém.”

Era um olhar ao tentar esconder algo do público. Escondendo algo bem embaixo dos panos. Algo importante que não pode ser roubado.

“Segredos…”

Urd pensou haver uma razão pela qual Hermes estava sendo tão protetor com Yeon-woo. E ela não gostava disso.

Atena e Dionísio também estavam interessados em Yeon-woo.

Eles eram a segunda geração que não tinha cometido nenhum crime no Olimpo, que era cheio de ‘usurpadores’. Como Urd também era capaz de ver o passado de um deus, ela sentiu que algo estava errado. Hermes não deveria ter falado por tanto tempo.

Hepburn curvou-se ao seu comando.

E com Urd perdida em pensamentos, ela fechou a porta e saiu calmamente. Naquele momento.

Urd percebeu algo afiada do lado da cabeça de Hepburn, mas não conseguiu alertá-la a tempo… Antes que ela pudesse falar, a cabeça de Hepburn estava separada de seu corpo  caído no chão.

Uma longa sombra carregou a alma de Hepburn e desapareceu no nada. O Monstro Espiritual que ela pensou ter ido embora com Yeon-woo estava escondido na sombra de Hepburn todo esse tempo.  Caso Urd tivesse ordenado que Hepburn o machucasse, o Monstro Espiritual agiria imediatamente.

Estava tão bem-escondido que nem mesmo Urd percebeu. Isso foi devido ao ataque de Hermes que a deixou desnorteada. Ela tinha sido muito descuidada e o resultado disso lhe traria consequências horríveis…

— Aaaaaaackkk!!

Urd não podia perseguir o Monstro Espiritual. Uma dor terrível abalou seu poder sagrado. Os apóstolos estavam conectados aos seus deuses e ao seu corpo espiritual. Agora que o dela tinha sido morto, ela sentia uma dor indescritível.

Hepburn era uma elfa superior preciosa que Urd obteve após lutar por um longo tempo. Já que ela pertencia a uma espécie superior, ela era inestimável. As consequências por tê-la perdido eram imensas. Seu poder divino estava definhando. Urd tinha que se proteger no mundo sozinha.

Um arrepio passou por seu corpo.

E a escuridão tremeu.

Naquele dia, o 16º andar se agitou com a queda de um oráculo.


『Este é o 17º andar, o portão de ‘Ar limpo e águas claras’』

Yeon-woo moveu-se para o próximo andar através de um portal azul.

Ele havia oficialmente começado sua escalada, e sua cabeça estava cheia de aborrecimento devido a Urd, mas no momento em que ele viu o Monstro Espiritual através da Pulseira Preta com a alma de Hepburn, seu se aborrecimento derreteu como a neve.

A alma de uma espécie superior era tão difícil de obter quanto a de um alto ranker. Neste caso era muito mais difícil. Especialmente por essa alma ter o poder de um deus.

Ele não tinha certeza, mas a alma de Hepburn estava provavelmente cheia do poder sagrado de Urd.

Yeon-woo já havia começado a pensar em onde usar esse poder.

“Claro, agora eu sou completamente um inimigo das Três Nornas. Vai ser um incômodo por um tempo.”

Os três templos começariam a criar uma equipe de busca para procurar o poder sagrado de Urd. Eles podem usar mercenários ou assassinos. Iria ser irritante, mas, na verdade, poderia ser algo bom. Desde que ele usou todas as almas que ele conseguiu com o Dragão Vermelho e com o Cheonghwado para fortalecer Shanon e os outros.

Será uma oportunidade para reabastecer.

Yeon-woo imaginava o motivo de Urd estar atrás dele. Talvez ela estava tentando se vingar pela sua irmã mais nova e brincar com ele como se ele fosse seu brinquedo.

Ele havia se sentido ofendido com isso e decidiu deixar o Monstro Espiritual na sombra da elfa quando ele se foi.

E também…

O que Urd havia lhe mostrado em seu território sagrado eram coisas que ele estava ciente. Sua experiência no passado e o que aconteceu com seu irmão. Eram todas coisas que faziam Yeon-woo suspeitar das pessoas. Mesmo quando ele estava na África, não era capaz de confiar facilmente nos outros. Quando ele entrou na Torre suspeitou de tudo e de todos..

Mas agora era diferente.

Ele havia conhecido muitas pessoas e sua mente mudou.

Mas às duas últimas linhas no diário de seu irmão estavam gravadas em sua mente profundamente como um selo.

“Você era como meu herói. Espero que não perca esse seu lado por minha causa.”

Com essas palavras, não havia como ele mudar.

Ele não poderia decepcionar seu irmão novamente.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar