Second Life Ranker – Capítulo 193

Floresta dos Demônios (8)

“Ugh, o ar aqui é tão pesado. Até o 20º andar não era tão ruim assim.” Phante reclamava enquanto caminhava pela Floresta Demoníaca. Era divertido derrotar os fantasmas ou espécies Demoníacas que apareciam de vez em quando, mas o ambiente o deixava de mau humor. No entanto, Edora ignorou as reclamações de Phante e continuou procurando pelo caminho. Eles estavam próximos das coordenadas que Yeon-woo tinha enviado.

Phante resmungou. “É sério? Você não quer ouvir as reclamações do seu irmão porque só está pensando em se encontrar com o seu marido, não é?

Edora respondeu friamente, “Se está com ciúmes, encontre alguém para gostar também. Se bem que você provavelmente não vai conseguir encontrar ninguém.”

“Ei! É só porque eu sou ocupado, mas na verdade eu sou bem popul–“

“Acho que é aqui.”

“Ei!”

Edora ignorou Phante e se aproximou de um lugar que não parecia diferente do resto da floresta, mas com sua habilidade Perspicácia, ela podia ver que era uma seção de uma cúpula em formato de colmeia– a barreira de Brahm.

Edora colocou a mão dentro da barreira. Era para a barreira repelir as pessoas, mas sua mão passou direto e ela entrou lentamente. Phante seguiu atrás dela, seus olhos se arregalando ao presenciar o lindo mundo ilusório do qual ouviram falar.


“Vocês conseguiram,” Yeon-woo deu as boas-vindas a eles. Suas mãos e suas roupas estavam sujas, como se ele estivesse ocupado com alguma coisa.

“O que foi, oraboni? Você parece cansado.”

“Eu estava ocupado com algumas coisas. Não precisa se preocupar.” Yeon-woo acenou com sua mão para tranquilizar Edora e mostrou o mundo ilusório aos dois.

Brahm parecia descontente. “Trazer estranhos aqui assim…”

“O que tem de errado? Eu acho bom. E parece que a Sesha também gostou,” Galliard repreendeu Brahm com um sorriso.

Sesha normalmente desconfiava de estranhos, mas parecia que ela tinha gostado dos irmãos logo de cara, já que Yeon-woo disse que eles eram seus amigos. Além disso, Phante gostava de crianças e Sesha se divertiria com Edora, já que as duas eram garotas.

“Se não fosse por isso, eu já teria expulsado eles.” Brahm cruzou os braços e grunhiu, mas seu olhar se aqueceu quando viu Sesha. Na noite anterior, Yeon-woo disse que seus amigos haviam entrado no 23º andar e pediu permissão para deixá-los entrar no mundo ilusório. Brahm se recusou no começo, já que Elohim ainda estava atrás dele, mas Galliard conseguiu persuadi-lo a mudar de ideia dizendo que eles eram da Tribo dos Unichifres. Brahm acabou concordando em deixá-los entrar com várias condições. Eles não podiam fazer muito barulho e nem chegar perto da plantação. Se Elohim os encontrassem, eles teriam que ajudar. A maioria dos jogadores teriam fugido ao ouvir a última condição, mas os irmãos aceitaram sem hesitação. A Tribo dos Unichifres, que lutou até mesmo com o Dragão Vermelho, não tinha nada a temer de Elohim.

“Sabe, Sesha provavelmente se sente solitária aqui. Você não acha que já não gastou muito tempo escondendo ela do mundo?”

Brahm não conseguiu responder.

“Mantenha isso em mente.”

Brahm franziu os lábios, talvez Galliard estivesse certo. Sesha estava rindo muito mais do que o normal. Ela não ria tanto assim perto de Brahm e a primeira vez que ela riu mais do que o normal foi quando Galliard apareceu pela primeira vez. Ele percebeu que até quando tentava protegê-la, ele a fazia se sentir solitária.


“Cain, venha aqui. Preciso te contar uma coisa.”

Yeon-woo estava observando Sesha, Edora e Phante brincando de esconde-esconde juntos. Era muito divertido, Sesha sempre conseguia encontrar Phante, já que ele era muito grande. Ele se virou para olhar Brahm e se levantou, limpando a sujeira de suas roupas.

Ele disse a Edora que voltaria em um instante e seguiu Brahm para trás da cabana. Edora não conseguia tirar seus olhos de Yeon-woo enquanto ele se afastava. Ela estreitou os olhos como se estivesse insatisfeita com algo e suspirou fundo.

Toda vez que via Yeon-woo, ela sentia a mesma coisa. Seria ótimo se ele dissesse que estava feliz por vê-los ou que sentiu saudades, mas como sempre, ele nunca dizia nada assim. Edora balançou a cabeça e se virou para ver Phante e Sesha, a garotinha de repente pulou e a surpreendeu. Edora sorriu e dispersou seus pensamentos sombrios. “O que foi?”

“Edora, você gosta do Cain?”

Os olhos de Edora se arregalaram pela pergunta repentina e ela sorriu. “Por que você acha isso?”

“Seus olhos estão sempre seguindo ele.”

Edora não conseguiu conter uma tossida ao pensar que suas emoções eram tão óbvias que até uma garotinha podia vê-las. Mas ela ainda tinha seu orgulho como mulher e quando ela tinha decidido ser mais discreta no futuro, Sesha disse, “Heehee, quer que eu te ajude?”


Enquanto Sesha e Edora tinham sua discussão, Yeon-woo falava com Brahm e Galliard. Eles pareciam bem sérios quando o chamaram, então achou que seria algo importante e ele estava certo.

“Você sabe que o círculo de transformação e a barreira estão quase finalizados, não é?”

“Sim.” Yeon-woo assentiu. É claro que ele sabia disso, pois foi ele quem esteve ajudando Brahm no último mês. Galliard só conhecia magia espiritual e Sesha achava o trabalho muito entediante. Só Yeon-woo tinha interesse.

Depois que ele descobriu um jeito de completar a Pedra Filosofal, Yeon-woo passava suas noites tentando entender as Inscrições Esmeralda e usou os resultados para criar um círculo de transmutação. Seu conhecimento sobre magia havia ficado mais profundo. ‘A maior vantagem da alquimia é como é feita, já que as runas podem ser criadas através dela também.’

Com a ajuda de Boo e Rebecca, ele gravou mais runas em seus ossos e aumentou a proficiência do seu Equipamento Mágico. Mas sua maior conquista continuava sendo sua descoberta de como completar a Pedra Filosofal. Já que os materiais que ele precisava já estavam dentro do Intrenian, ele podia fazer uma tentativa de cada vez enquanto planejava obter o material mais importante: a fonte de magia.

“Felizmente, não tivemos notícias de Aether ou de Elohim. Provavelmente ainda estão procurando por nós, mas quando a barreira estiver finalizada, eles não vão conseguir nos encontrar tão fácil assim.”

Quando a barreira estivesse completa, o local se tornaria completamente o território de Brahm e ele seria capaz de criar seu território sagrado. Como o deus Brahma, ele conseguiria usar os seus poderes divinos. Embora seus poderes fossem limitados, Elohim não seria capaz de derrotá-lo, a não ser que seu líder, um dos Nove Reis, estivesse acompanhando eles. “Então deixe esse lugar para nós por enquanto e volte depois de completar tudo que precisa fazer. Quando o círculo de transmutação for finalizado, vamos ficar ocupados de novo.”

Yeon-woo arregalou os olhos levemente. Apesar de Brahm não ter dito diretamente, ele estava implicando que Yeon-woo deveria dar uma pausa. Galliard deu um sorriso bobo e repreendeu Brahm. “Você simplesmente podia ter dito que estava dando férias a ele. Por que está deixando as coisas mais complicadas?”

Brahm cruzou os braços e não disse nada.

“Oh, você é tímido!”

“Cala a boca.”

Yeon-woo ria enquanto via os dois brigando. Brahm ficou parado como se ele não quisesse mais fazer parte da conversa. Galliard balançou a cabeça para esse seu amigo mentiroso e disse a Yeon-woo. “Ele tem dificuldade para expressar seus sentimentos, então não leve a mal. Como ele disse, vamos nos focar em invocar demônios quando o círculo de transmutação estiver pronto. Vá cuidar das coisas que você acabou deixando de lado. Divirta-se com os seus amigos.”

Yeon-woo acenou com a cabeça. Ele estava pensando em ir ao Lago De Roy e isso era perfeito para ele. Mas ele estava preocupado que poderia ser perigoso se Elohim de repente aparecesse enquanto ele não estivesse por perto e a barreira não estivesse finalizada. ‘O que devo fazer?’ Ele pensou por um momento e uma ideia veio a sua mente. “Brahm, Galliard.”

“O que foi?”

“Ainda tem algo a dizer?”

Enquanto os dois inclinavam a cabeça de curiosidade, Yeon-woo sorriu por trás da máscara. “Já que vamos invocar um demônio, por que já não damos um jeito em Elohim ao mesmo tempo? Tenho uma ideia.”


“Hm? Você está dizendo que quer ir a uma raid junto com a gente?”

“Não tem problema se vocês não quiserem.”

“Heehee! De jeito nenhum! Eu já estava começando a ficar entediado aqui!” Phante respondeu animado e se levantou. Era divertido brincar com Sesha, mas batalhas sangrentas eram mais do seu estilo. Normalmente, Yeon-woo cuidava de tudo sempre que estavam juntos, então ter uma oportunidade de lutar agora o deixava ainda mais animado. Às vezes ele sentia inveja do crescimento de Yeon-woo, mas isso o motivava a se esforçar ainda mais. Além disso, ele queria ver quanto o progresso de Yeon-woo havia crescido.

Quando Yeon-woo empatou com o Todos-por-um em primeiro lugar no 21º andar, houve um tumulto na Tribo dos Unichifres. Yeon-woo havia feito algo que até mesmo o Rei Marcial não tinha sido capaz de fazer quando era mais jovem. O Rei Marcial não falou muito na frente de Phante e Edora, mas provavelmente ele se sentia injustiçado.

Quando Phante ouviu notícias da conquista de Yeon-woo, ele se sentiu aliviado e também com um enorme desejo de lutar. O objetivo que ele queria alcançar e a pessoa que ele queria derrotar algum dia era Yeon-woo. Ele ficou inspirado para treinar constantemente.

Yeon-woo riu da competitividade de Phante. Então ao ver a expressão perturbada de Edora, ele puxou Phante para o lado e perguntou, “Por que Edora está com aquela cara?”

Phante deu risadinhas. “Ela foi derrotada por algo inesperado.”

Yeon-woo não tinha ideia do que dizer.

“Coisas aconteceram. De qualquer forma, você devia estar feliz por ser tão popular! Hehehe!”

Yeon-woo olhou para Sesha que estava dormindo em um banco e suspirou quando percebeu o que provavelmente tinha acontecido. Às vezes, Sesha dizia coisas que eram um pouco maduras para a idade dela e provavelmente ela disse algo a Edora. Mas para evitar dor de cabeça, ele fingiu que não entendeu nada.

Ele levou Sesha para o quarto dela e disse a Edora que iria sair da barreira. A expressão de Edora se iluminou de novo rapidamente e disse que ela iria junto com ele. Yeon-woo avisou Brahm e Galliard que eles estavam indo e saiu da barreira. Como ele estava respirando ar fresco sob um céu limpo e azul, foi desconfortável entrar novamente naquela atmosfera pesada com um céu vermelho.

Yeon-woo circulou seu Circuito Mágico para ajustar sua condição e transformou seu Equipamento Mágico em uma armadura de metal. Ele moveu Vigrid para seu cinto e pendurou um escudo em suas costas. Um capacete adornava seu rosto inteiro. Já que tudo era preto, parecia combinar com a atmosfera do 23º andar.

“Huh? Por que está fazendo isso?”

“Não quero me envolver em situações chatas.”

“Hm? Ah, é porque você não quer pessoas te atacando? Hehe. Está dizendo que agora é famoso?” Phante deu uma risadinha.

Mas ele estava parcialmente correto. Yeon-woo podia ignorar sua fama e afastar os outros com sua força, mas ele precisava ter cuidado com Elohim. Ele planejava confrontar Aether antes de sair do 23º andar, mas ainda não era hora. Além disso, era estranho que ninguém o tivesse visto. Yeon-woo queria esconder sua identidade o máximo possível e o Dinossauro Ceratopsiano nem merecia ser chamado de missão oculta, já que era tão conhecido. Provavelmente teriam vários jogadores caçando ele. ‘Ou talvez, já que Aether foi derrotado, pode ter menos pessoas.’ Yeon-woo organizou seus pensamentos e os três foram em direção ao lago.


“Vamos terminar as coisas por aqui.” Depois que se despediram de Yeon-woo, Galliard torceu seu pescoço para se alongar. Ele percebeu que Brahm estava perdido em pensamentos. “O que você está pensando?”

“Acho que ele fica mais interessante quanto mais você passa a conhecê-lo.”

“Faz sentido. Eu senti a mesma coisa quando o vi pela primeira vez.”

Brahm estava pensando na sugestão de Yeon-woo. Ele havia perguntado a Yeon-woo: “Dar um jeito em Elohim? Agora?”

Yeon-woo respondeu, “Provavelmente eles estão preparando uma armadilha para nós. Precisamos virar o jogo e usá-los como comida para os demônios.”

O plano era simples e eficiente e Brahm gostou especialmente da parte que Aether viraria sobremesa para os demônios.

As pessoas de Elohim normalmente tinham sangue divino. Por causa disso, eles tinham poderes sagrados, mesmo que só um pouco. Brahm estava se perguntando como atrairia os demônios e isso era perfeito. Ele queria saber como Yeon-woo conseguia chegar a soluções surpreendentes, mesmo quando estavam trabalhando no círculo de transmutação.

Yeon-woo também tinha se tornado amigo de Sesha, o que deixou Brahm grato. Apesar de Yeon-woo parecer frio, acabou que ele era bem generoso, assim como uma pessoa que Brahm havia conhecido no passado.

“Suas personalidades são completamente diferentes, mas ele me lembra de alguém.” Os olhos de Galliard estavam repletos de arrependimento e amargor. Ele virou para Sesha, que estava olhando na direção que Yeon-woo tinha ido. “Se ele ainda estivesse por aqui, iria adorar ver essa criança.”

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar