Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Super Detective in the Fictional World – Capítulo 108

Viagem à Nova York, e Garota Adorável

O filho de Sergei sentia que isso era o bastante.

Na noite combinada, Selev deixou o portão dos fundos destrancado.

Até checou os cômodos e janelas antes da meia-noite, no caso do filho de Sergei invadir.

Após tudo ter sido feito, bebeu um pouco de álcool e logo adormeceu.

No dia seguinte, descobriu o filho de Sergei boiando na piscina do jardim, morto.

Naturalmente, Selev não ousou revelar que conhecia a pessoa. Coincidentemente, a esnobe Katie não estava disposta a cooperar com a polícia, e a investigação não foi tranquila. Daí, Selev nunca foi exposto.

Porém, isso foi tudo que Selev confessaria.

Ele não era idiota, e certamente não falaria como deixou Sergei entrar e ajudou o homem a afogar Katie.

Elsa sabia que Selev era o maior suspeito no assassinato de Katie, contudo, decidiu interrogá-lo sobre isso após Sergei ser preso.

A confissão de Selev foi o bastante para colocá-lo na cadeia, e conseguiram resolver o caso da morte misteriosa do gordo de 90 quilos.

Após conseguiram a confissão de Selev, Elsa relatou a Dustin.

Luke não foi com ela.

O sistema já havia distribuído a experiência e crédito. Não estava interessado em outra recompensa.

Elsa queria uma promoção, mas Luke ficaria para ganhar mais pontos de experiência e crédito.

Missão: Resolver o Afogamento de John Doe

Experiência Total: 100

Crédito Total: 100

Taxa de Contribuição: 80%

EXP: +80

Crédito: +80

Luke ficou muito satisfeito.

Não levou mais que um quilômetro para pegar o criminoso e resolver o caso.

Naturalmente, Elsa foi quem escreveu o relatório. Se quisesse o crédito, certamente não deixaria Luke fazer o trabalho.

Assim, Luke agora estava livre.

Elsa retornou animada. Estava visivelmente feliz que os dois casos na mansão de Katie foram resolvidos em apenas dois dias.

Com grande humor, disse a Luke: — Vamos lá. Comprarei seu almoço.

Luke, no entanto, balançou a cabeça e apontou nos olhos dela: — Elsa, você está cansada demais. Quanto dormiu noite passada? Três horas? É melhor descansar um pouco. As chances são do Dustin nos enviar à Nova York logo. Você não terá muito tempo para descansar.

Ao lembrete de Luke, Elsa olhou para si no espelho e ficou chocada.

Ela ficou acordada a noite toda, e correu como louca por um quilômetro hoje para pegar Selev com Luke.

Quando voltou, focou no interrogatório; sua maquiagem há muito foi substituída por poeira.

Felizmente, seu cabelo não era um problema porque era curto.

Todavia, desde que tinha uma aparência simples em primeiro lugar, agora parecia abatida e não tão intimidante quando normalmente.

 As olheiras a fez parecer mais como uma viciada em drogas.

Assim, fez um acordo com Luke sobre como compraria o almoço no dia seguinte, antes de ir para casa descansar.

Luke riu.

Agora que Elsa foi embora, ele poderia fazer qualquer coisa que queria no seu tempo livre, contanto que Dustin não o incomodasse…

Naquele momento, seu telefone tocou, e era ninguém menos que Dustin.

Ouvindo que Elsa foi para casa descansar, o comandante pediu para Luke ir vê-lo.

Quando chegou no escritório, o comandante disse algumas palavras de elogio e perguntou a Luke com um documento na sua frente: — Você matou treze atiradores numa noite quando trabalhava em Shackelford?

Luke assentiu: — Sim.

Isto estava no seu arquivo pessoal e não podia ser mantido em segredo.

Dustin perguntou: — Você é bom em atirar?

Luke responde: — Acho que sim.

Dustin ficou em silêncio. Pensativo, disse um momento depois: — Okay, isso é tudo por agora. Você pode voltar ao trabalho.

Luke assentiu e saiu.

Antes dele sair do escritório, Dustin finalmente disse: — Descanse bem. Você pode ficar ocupado mais tarde.

Após Luke partir, começou a ponderar o que Dustin queria dizer.

Dustin estava considerando mandá-lo para Nova York para pegar Sergei sozinho?

Rapidamente balançou a cabeça.

Isso era impossível.

O caso era importante demais para ele resolver sozinho. Elsa definitivamente iria com ele.

Luke logo deixou o pensamento de lado.

Seja lá qual fosse a decisão final, só precisava trabalhar duro pelos pontos de experiência e crédito.

Quando saiu do trabalho, Luke pegou Selina no carro de segunda mão que acabou de comprar.

Selina estava bem feliz. Finalmente não teve que pegar um ônibus para trabalhar.

Luke estava bem em dar uma carona.

Eles podiam ir trabalhar juntos, e quando saíam do trabalho em horários diferentes, podiam apenas esperar pelo outro.

Dois dias depois, Luke recebeu a notícia de Dustin. Ele e Elsa estavam sendo enviados à Nova York como representantes do departamento para ajudar a polícia local a capturar Sergei Mazanov.

Elsa se recuperou nos últimos dois dias.

Selev foi mais fácil de lidar do que pensavam. Ele foi enviado ao promotor público e seria aprisionado por um ou dois anos.

Luke e Elsa pegaram um avião para Nova York.

Diferente de Selina, Elsa não estava interessada no ônibus Greyhound. Só queria pegar Sergei e fechar o caso o mais cedo possível.

Assim, pela primeira vez nesta sua segunda vida, Luke pegou um avião.

Após decolar, Elsa sorriu para Luke, que claramente estava curiosa: — Já voou antes?

Luke respondeu: — Esta é minha primeira vez. Só andei de helicóptero uma vez antes.

Elsa assentiu e falou: — Você se acostumará.

Luke concordou e não disse mais nada.

Elsa balançou a cabeça com um sorriso e colocou uma máscara de olho antes de dormir.

Luke não ficou curioso por muito tempo. Perdeu o interesse no céu azul e as nuvens meia-hora depois.

Elsa adormeceu rápido e estava roncando muito. Naturalmente era impossível conversar com ela.

Eles estavam em um Boeing 757, que tinha somente um corredor e três assentos em cada fileira.

Como uma detetive veterana, Elsa pegou o assento mais interno, qual era o menos agitado.

Luke só podia pegar o assento do meio. Na sua direita estava uma garotinha que tinha por volta de dez anos.

Ela estava usando suéter rosa e um boné da mesma cor. Seus lábios eram finos e fofos. Seus olhos eram estreitos e longos, e a luz neles mostrava que era uma criança esperta.

A garota era amável e perspicaz de cada maneira.

Porém, isso não era importante.

Luke deu uma olhada no homem do outro lado do corredor, que provavelmente tinha por volta de quarenta anos. Tinha um bigode como Tony Stark, mas claramente não estava aparado, o que dava um clima estranho.

Sua aparência marcou Luke como integro e maligno.

Notando o olhar de Luke, o homem de meia-idade sorriu educadamente e disse: — Olá.

Luke sorriu de volta: — Olá.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais recente
Mais Antigo Mais votado
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Aquele acima de tudo e todos
Membro
Aquele acima de tudo e todos
9 dias atrás

Se for um personagem conhecido, vou ser sincero, não sei quem é.

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar