Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Super Detective in the Fictional World – Capítulo 312

Bem Recompensa o Bem

O shopping tinha uma boa altura, e uma rua reta levava a ele. Assim, quatro rifles de precisão e quatro drones eram o bastante para os agentes controlarem o que acontecia numa área de várias centenas de metros em volta do shopping.

A operação de busca e resgate não parou até a meia-noite. Após todos os sobreviventes serem resgatados, um exausto Luke finalmente retornou ao shopping.

Antes de retornar, deu ao Agente Charles o mapa das minas e marcou um local: — Aqui, esta é a caverna onde aquela substância desconhecida está armazenada. Segundo o gerente das minas que salvei, há um grandalhão na caverna e várias aranhas menores.

Agente Charles ficou revigorado pela informação, já que era o motivo pelo qual estava aqui.

Ele não perguntou mais cedo, parcialmente porque não podia vasculhar as minas antes de todas as aranhas serem mortas, e parcialmente porque não achou que Luke sabia a localização especifica da substância desconhecida. Afinal, Luke só estava aqui por dois dias.

Quem diria que ele verificaria diretamente a localização exata.

Após Luke contar sobre Gladys, seu sobrinho Chris e o proprietário anterior das minas, Agente Charles teve uma mistura de sentimentos. Quase sentiu ser destino.

Gladys recusou entregar os mapas das minas porque eram o trabalho de vida do seu irmão.

No entanto, Chris deu os mapas, que o possibilitou resgatar Gladys.

Então, este era bom sendo recompensado com o bom? Ao ouvir o Agente Charles suspirar, Luke sussurrou internamente, Você está certo, mas não sabe qual é minha verdadeira recompensa.

Após isso, Luke foi ao shopping procurar por Selina e a encontrou berrando com os residentes e dizendo para encontrar um lugar para descansar no segundo andar.

A cidade não foi completamente limpa das aranhas, então os moradores não podiam ir para casa.

Mesmo que estivessem num lugar seguro, precisavam fazer turnos no caso de uma aranha invadir e matá-los.

Luke observou silenciosamente por um momento, antes de descer com um sorriso. Ele se limpou num banheiro e encontrou seu carro.

Graças a sua previsão, fez Selina estacionar o carro no lado do shopping e estava basicamente intacto, tirando alguns arranhões.

Os carros estacionados num pânico na entrada do shopping foram enterrados sob os corpos das aranhas e seus fluidos nojentos.

Luke nem mesmo precisou olhar para saber que havia muitos buracos de balas nos carros. Custaria uma fortuna consertar, se é que os habitantes pudessem ter seus carros de volta.

Se houvesse algo de errado com aquelas aranhas, era possível que todos os carros tivessem que ser destruídos.

Luke aprendeu isto da maneira difícil quando perdeu seu carro em Laquin.

Luke tirou o bolo de mil-folhas da mini geladeira no carro e retornou ao shopping.

Cutucando as costas de Selina, Luke mostrou a caixa em suas mãos e falou: — Por favor, faça uma pausa, Detetive Selina.

Selina se virou. Ao ver a grande caixa nas mãos de Luke, sorriu imediatamente.

Esta era sua caixa de comida exclusiva, que continha comida deliciosa toda vez que fazia uma aparição. Ela começaria a babar automaticamente sempre que via.

Ela estava prestes a abrir a caixa, quando Luke tirou do alcance: — Lave as mãos, tá? Lavei as minhas várias vezes antes de pegar seu bolo.

Selina olhou para ele com raiva, mas ainda foi lavar as mãos.

Seguindo-a e certificando que ela limpou as mãos e o rosto, Luke finalmente entregou a caixa: — Deixe o FBI cuidar do resto. Já falei com o Charles. Devemos descansar agora porque seremos provavelmente questionados por um tempo amanhã.

Selina assentiu e perguntou: — Onde vamos dormir?

Luke já havia vasculhado a área: — Tem uma despensa não utilizada no primeiro andar. É absolutamente segura e fica longe do saguão. Podemos dormir um pouco lá.

Selina falou: — Haha, isso é bom…

Enquanto conversavam, foram a despensa.

Ao ver que uma tenda de acampamento inflável foi montada na despensa, Selina ficou ainda mais satisfeita: — Não temos que dormir no chão? Ótimo! Verdade, onde achou isto?

Luke falou triste: — É uma oferenda do querido defunto ex-prefeito Wade, que tinha um equipamento de acampamento guardado aqui.

Selina deu de ombros: — Que pena. Vou rezar por ele amanhã.

Luke assentiu: — Sim, devemos agradecer a generosidade, se não houver nada de errado com ele.

Selina ficou curiosa: — Tem algum problema com ele?

Luke respondeu: — Estas aranhas gigantes estão provavelmente relacionadas ao Prefeito Wade. No entanto, como sua atuação é terrível, direi os detalhes quando sairmos daqui. Agora, seja boazinha e termine o bolo, escove os dentes e vá dormir.

Selina assentiu. Ela não estava com pressa agora que tinha um entendimento básico da situação.

Ela bocejou, escovou os dentes rapidamente com um pouco de água mineral e se deitou na tenda.

Com um sorriso, Luke endireitou o corpo de Selina e se deitou num cobertor na porta e também adormecendo.

Luke acordou após duas horas de sono, que era todo o sono necessário agora.

Autocura elemental definitivamente era uma habilidade valiosa para alguém que fez esforço à noite.

Após se levantar, chamou o Agente Charles, mas ninguém atendeu.

Montando uma câmera na despensa, fechou a porta e foi procurar por um agente do FBI. Ele então aprendeu que os reforços que chegaram depois e o Agente Charles foram as minas.

Luke imediatamente perdeu o interesse no assunto.

Isto era algo que só os agentes SHIELD fingindo ser do FBI podiam fazer. Ele seria uma peste se ficasse animado demais sobre isto.

Havia cada vez mais moradores no shopping. Os quatrocentos sobreviventes no começo se juntaram a mais algumas centenas resgatados por Luke e os agentes e agora somava cerca de seiscentas pessoas aqui.

Segundo Elizabeth, cerca de mil pessoas viviam na cidade; parecia que o resto deles foram mortos. Já era meia-noite, mas o shopping ainda estava barulhento.

Algumas pessoas estavam roncando e alguns chorando silenciosamente, enquanto alguns estavam devastados e outros vagavam sem rumo.

A bela xerife ainda estava ocupada.

Ela manteve os moradores ansiosos calmos, garantindo que a situação não saísse de controle, e lidar com os problemas de comida e um lugar para dormir.

Isto devia ser o trabalho do prefeito, mas Wade se matou, então a xerife não tinha escolha além de cuidar dos membros restantes do conselho da cidade para lidar com este assunto.

Porém, com a ajuda de Chris, ela não estava sozinha.

Luke se aproximou e a cumprimentou: — Samantha, você pode fazer uma pausa. Chris pode te ajudar a cuidar das coisas. Não é mesmo, Chris?

Chris sorriu: — Não consigo fazer nem metade do que a Samantha faz.”


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar