Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Super Detective in the Fictional World – Capítulo 320

Cativos, Médico e Texanos

Elsa respondeu sem hesitação: — Entendido. Tenha cuidado.

Luke acrescentou rapidamente: — O franco-atirador provavelmente é do exército. Diga aos reforços para serem cautelosos.

Elsa murmurou uma resposta e encerrou a conversa.

Após terminar a ligação, Luke saiu do prédio e percorreu a rua na frente do estacionamento num ritmo rápido, mas não urgente.

O Toyota já estava estacionado em um lado da rua.

Luke falou: — Selina, pode pedir a Palmer para sair agora. Diga para prestar atenção no Toyota.

— Entendido — respondeu Selina. Ela então contatou Palmer. Um momento depois, avisou: — Palmer está a caminho. Ela acabou de me falar que seu carro é modificado, e as portas e janelas são à prova de balas contra rifles comuns.

— Isso é um alívio. — Luke se aproximou do Toyota de um lado.

— Ela está na saída. Acabei de vê-la — falou Selina.

Luke também viu o Chevrolet SUV preto na saída B2. Era a cor e modelo favorito dos agentes.

O SUB saiu do estacionamento numa velocidade normal e virou à direita na rua.

No entanto, não houve resposta do Toyota.

— O que está acontecendo? — perguntou Selina.

Luke respondeu: — Não tenha pressa. Mesmo que não façam nada, podemos prendê-los mais tarde. — Em todo caso, ele pegou o franco-atirador no prédio, que pode saber mais que estes dois.

Não havia nada de incomum sobre o carro da Palmer. Como a maioria das pessoas, acelerou lentamente após entrar na rua e trocou para a pista do meio.

Naquele momento, o Toyota se moveu. Dirigindo diretamente contra o tráfego, colidiu com o lado esquerdo da SUV.

Pego desprevenido, a SUV sambou e parou num lado da estrada.

O Toyota também acelerou.

Antes mesmo do carro parar, o atirador no assento do passageiro já tinha saído e começado a disparar a Uzi no banco do motorista da SUV.

O motorista do Toyota também saiu e estava prestes a abrir fogo com a própria Uzi.

Luke não se preocupou no momento que viu as Uzis. Ele sabia que esta arma não conseguiria penetrar nas portas à prova de balas tão rápido.

Ele começou a correr no momento que o Toyota virou. Quando o primeiro abriu fogo, Luke estava a vinte metros de distância.

Ele abriu foco com a Glock em sua mão quase ao mesmo tempo que o gângster.

Bang! Bang! Bang! Bang!

Os dois atiradores gritaram e desabaram.

Luke não gritou um aviso porque o devido procedimento não importava neste ponto. Ele poderia matar diretamente os dois gângsters por tentativa de assassinato a um agente governamental.

Buracos sangrentos de balas apareceram nas pernas dos dois atiradores, e Luke colocou a arma de volta no coldre. Ele correu e pisou na mão direita do motorista, que ainda segurava a Uzi.

Crack!

O motorista gritou loucamente.

Luke chutou a Uzi da mão do motorista com um movimento do pé. Os dedos do motorista foram esmagados pela força do golpe.

Empurrando o chão com o outro pé, saltou e deslizou sobre o Toyota. Pousando do outro lado, chutou a pessoa do assento do passageiro e também afastou a Uzi.

Selina dirigiu o carro naquele momento e empurrou o Toyota para cobrir Luke.

Luke pegou as algemas que Selina jogou e algemou os dois atiradores.

Os homens estavam gritando que suas mãos foram quebradas porque foram algemados, mas Luke e Selina simplesmente fingiram não ouvir.

Por outro lado, Palmer endireitou no banco do motorista na SUV e estava prestes a sair.

Luke levantou a mão para impedi-la: — Não saia. Vamos levá-los de volta à sua agência agora e interrogá-los lá. Alguém deve saber primeiros socorros, certo?

Palmer zombou: — É claro, temos médicos lá.

Ela acenou para Luke, então a SUV virou. Após Luke enfiar os dois homens no carro, levou Luke e Selina de volta ao prédio do DEA.

Os dois atiradores infelizes estavam pálidos, não só porque estavam sangrando pelos buracos nas pernas, mas também porque foram pegos tentando matar um agente da DEA.

Os agentes do DEA não eram policiais comuns; seus métodos de interrogatório eram muito cruéis.

Naturalmente, os atiradores que aceitaram esta missão não eram covardes, mas havia um limite para resistência humana, enquanto não havia fim para truques para extorquir uma confissão.

Além disso, em vários casos, o DEA não condenaria os gângsters que os irritavam, só os liberariam após o interrogatório.

Da próxima vez que fossem pegos, aqueles gângsters que não cooperaram, junto dos outros em seu ninho, seriam mortos como traficantes de drogas.

A reputação dura do DEA não era apenas balela.

Quando Luke e Selina entraram, cinco pessoas chegaram no estacionamento.

Quatro eram agentes, mas o último usava um jaleco branco e reclamou: — Ei, sou um doutor em farmacologia e biologia, não um médico, okay?

Palmer permaneceu calma na frente dele: — Morris, quero estes dois vivos pelas próximas duas horas. Tenho certeza de que consegue isso, certo?

O doutor chamado Morris ficou desconfortável instantaneamente sob o olhar de Palmer: — Mas… não sou um profissional em salvar vidas.

Palmer exibiu um sorriso charmoso de repente e deu um tapinha no ombro do homem: — Estes dois dispararam em mim mais cedo. Tenho certeza de que entende como me sinto, certo, Morris?

Morris estremeceu e recuou um passo abruptamente: — Okay! Okay! Entendi. Carregue-os até meu laboratório. Não consigo fazer cirurgias aqui.

Luke e Selina observaram quando os dois atiradores foram levados calmamente, como se nada tivesse acontecido.

Após os cinco levarem os atiradores até o elevador, Palmer se virou para os dois e agradeceu: — Obrigada.

Luke deu de ombros: — Está tudo bem, contanto que não nos culpe por te usar de isca.

Palmer riu e passou a mão no cabelo: — Eu concordei, não?

Luke falou: — Precisamos estar lá durante o interrogatório. Não nos importamos com mais nada, mas queremos saber quem está atrás de você.

Após um longo momento, Palmer finalmente suspirou: — Vocês do Texas são tão persistentes.

Luke abriu os braços para indicar que não havia nada que podia fazer para mudar isso. Ele e Selina nasceram e cresceram no Texas.

Martin também era do Texas. Ele foi um soldado em sua juventude e se juntou a polícia após se aposentar.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar