Switch Mode
Participe do nosso grupo no Telegram https://t.me/+hWBjSu3JuOE2NDQx

Super Detective in the Fictional World – Capítulo 371

Massacre Noturno de Apunhaladas na Floresta da Montanha Encharcada!

Uma arma perfurou seu peito, pregando-a na lama.

Olhando para o rosto do estranho alto, que abaixou a cabeça, murmurou: — P-Por favor… me deixa ir! Ainda sou uma criança…!

Stab! Stab! Stab!

Três feridas enormes apareceram no peito da menina. Seus olhos arregalaram e lutou para exalar a última respiração, antes de parar de se mover.

O estranho alto puxou a arma da lama e nem deu uma segunda olhada antes de caminhar.

Alguns minutos depois, houve som de disparos na floresta, misturado com gritos em pânico e os sons de fuga, antes do grito descomunal ressoar.

Cinco pessoas saíram de repente da floresta na chuva.

Não eram ninguém menos que os policiais do condado, Lucas Barton entre eles. Luke correu silenciosamente dezenas de metros na frente deles. Ele deu uma mera olhada, antes de estreitar os olhos e olhar para trás deles.

Clap! Boom!

Trovão retumbou e as floresta iluminado com o relâmpago. Luke sorriu. A coisa toda estava ficando mais interessante.

Sob o relâmpago, um homem de dois metros se aproximou dos quatro policiais por trás com passadas enormes.

Ele parou de repente e virou a cabeça para o lado.

Surpreso, Luke se moveu silenciosamente pelo lado até estar na frente dos policiais.

Não era um exagero dizer que nesta situação, ainda seria mais rápido que os policiais, mesmo que estivessem correndo para trás.

O estranho alto parou só por um momento antes de começar a se mover de novo. Isso era compreensível, já que Luke agora estava se movendo na mesma direção dos policiais, e o estranho só precisava seguir.

Olhando para os cinco polícias correndo em pânico atrás dele, Luke ficou na frente deles e se moveu sem pressa.

Ele não estava interessado em virar bode expiatório destes oficiais que queriam feri-lo.

A pessoa alta não correu, mas seus passos eram incrivelmente estáveis e nunca caiu, então era tão rápido quando uma pessoa comum praticando jogging.

Os policiais conseguiram correr na maior velocidade por um curto período, mas não conseguiram manter isto por muito tempo. Além disso, devido à tempestade e da lama, caíram ocasionalmente e não conseguiram manter o ímpeto.

Naquele ponto, os cinco policiais estavam morrendo de medo e arfaram por ar enquanto olhavam para a floresta escura atrás deles.

De repente, um dos policiais gritou em alarme: — Ele… Ele está aqui! Ele está logo atrás de nós!

Swoosh!

Um objeto escuro voou da floresta e atingiu no peito do oficial, enviando-o voando.

Dum!

Ele foi pregado numa árvore a vários metros pela coisa.

Com os olhos arregalados, o oficial olhou para a ferida no peito, sangue escorrendo pela boca.

— S-Socorro… glup… — Ele vomitou um bocado de sangue e sua cabeça caiu e parou de se mover.

Liderado por Lucas Barton, os outros oficiais olharam para o morto, eles correram ainda mais rápido.

 Como policiais corruptos exemplares, estes oficiais entenderam uma coisa: diante de um inimigo imparável, a melhor solução… era ultrapassar seus camaradas.

Melhor eles morrerem do que você.

A pessoa alta ainda estava avançando. Quando passou pelo corpo do oficial preso na árvore, tirou a arma do peito do corpo e continuou sua perseguição.

Vendo isto, Luke se alegrou por não ter se juntado a batalha imprudente.

Este sujeito inesperadamente podia arremessar sua arma com um poder e velocidade aterrorizante.

Naquele momento, Lucas Barton e o resto finalmente chegaram nos carros e procuraram apressadamente pelas chaves.

Luke estava escondido do outro lado dos carros. Olhou para o escuro, a floresta encharcada atrás dos quatro policiais.

Clap! Boom!

Houve outro retumbo de trovão.

Lucas Barton finalmente encontrou a chave e pressionou.

O carro bipou, e as portas destrancaram.

O estrondo do trovão surgiu de novo e ele sentiu de repente algo voando perto dele.

Ele virou para o lado, só para ver que seu subordinado leal havia sumido.

Ele olhou subconscientemente para frente, só para ver o homem pregado no chão por uma arma preta no pescoço.

Na luz do relâmpago, conseguiu ver o desespero nos olhos de seu subordinado. O homem estava tentando falar, mas só conseguiu tossir sangue vermelho-escuro.

Todos os poros de Barton contraíram. Se movendo rápido, abriu a porta e tentou enfiar a chave na ignição com a mão tremendo.

Mas levou várias tentativas para fazer algo normalmente fácil.

Não muito longe, outro subordinado entrou no carro e ligou. Lucas Barton até conseguiu ouvir seu grito de alegria.

Rangendo os dentes, Lucas se acalmou e abaixou a cabeça para ver onde a ignição estava. Sentindo com a mão esquerda, finalmente enfiou a chave com a mão direita.

De repente, houve um grito de medo.

Lucas Barton ergueu a cabeça, só para ver o estranho alto socar pela janela da outra viatura que acabou de ser ligada.

No momento seguinte, o oficial foi puxado pela janela e jogado para trás.

— Ahhhh… — Após um grito, o subordinado de Lucas Barton atingiu com força uma árvore a dez metros de distância e não soltou mais um som.

Olhando para seu subordinado, que estava ao redor da árvore na forma de um C reverso, Lucas Barton pensou ter ouvido sons de ossos quebrar.

— Rápido! Liga logo, droga! — ele murmurou ao virar a chave com força e pisar no pedal da embrenharem e acelerador; sentiu que estava levando uma eternidade para ligar.

O carro finalmente ligou e Lucas Barton acelerou.

Porém, a pessoa alta apareceu de repente na frente do carro e enfiou um galho enorme no para-brisa. Lucas Barton gritou em choque e inclinou para o lado.

Bang!

O para-brisa quebrou. Sentindo uma dor excruciante no ombro direito, ele gritou e pisou subconscientemente no acelerador, impulsionando o carro para frente. A pessoa alta foi atingida e caiu no chão.

Contudo, Lucas Barton falhou em fugir.

Ele pisou no acelerador com tanta força que o carro bateu numa árvore próxima da estrada e girou algumas vezes antes de parar.

O outro policial ficou com tanto medo que fugiu imediatamente quando Lucas Barton foi atacado.

Ele esqueceu completamente que não conseguia superar o ser alto a pé; só queria sair deste lugar o mais rápido possível.

Luke observou com calma o homem alto no chão; não tinha intenção de agir.

A pessoa alta ficou parado por um momento, mas se endireitou de repente e levantou devagar.


Considere fazer uma Doação e contribua para que o site permaneça ativo, acesse a Página de Doação.

Comentários

0 0 votos
Avalie!
Se Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Opções

Não funciona com o modo escuro
Resetar